Siga-nos nas redes sociais

11ª Temporada

Ator não queria que Negan tivesse falado de Glenn em The Walking Dead

Jeffrey Dean Morgan falou sobre a devastadora frase de Negan, sobre seu personagem ter deixado Maggie para morrer e mais!

Publicado há

em

Maggie apontando uma arma para Negan no primeiro episódio da 11ª e última temporada de The Walking Dead.

Jeffrey Dean Morgan revelou para a Entertainment Weekly que lutou para que Negan não tivesse falado de Glenn no episódio de estreia da 11ª temporada de The Walking Dead.

Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do primeiro episódio, S11E01 – “Acheron: Part I”, da 11ª temporada de The Walking Dead. Caso ainda não tenha assistido, não continue. Você foi avisado!

Negan guia um grupo de sobreviventes pelo metrô D.C. em uma missão crítica para salvar Alexandria, onde Maggie (Lauren Cohan) morava com Glenn (Steven Yeun) antes de Negan espancar seu marido até a morte. Suspeitando de que a vingativa viúva e o cúmplice Daryl (Norman Reedus) o estão atraindo para o túnel do metrô para morrer, Negan desafia a morte quando fala: “Não vou deixar você me arrastar pela lama, sujeira e lodo para me derrubar como um cachorro. Como Glenn era.”

Na entrevista, Morgan falou sobre aquela cena crucial e revelou em detalhes fascinantes porque ele estava reticente em pronunciar aquela frase devastadora. Ele também nos informou sobre a decisão final de Negan e por que ele finalmente deixou Maggie para morrer. Confira:

EW: Diga-me sua reação quando você se sentou para ler o roteiro do episódio 11×01 e chegou na linha quando Negan disse a Maggie que se ela quiser matá-lo, faça isso ali mesmo, porque ele não vai deixá-la colocá-lo no chão como um cachorro “Como Glenn era.” O que você pensou quando viu isso pela primeira vez na página e percebeu que aquelas palavras precisavam sair da sua boca?

Jeffrey Dean Morgan: Eu lutei! Essa foi a única fala que eu imediatamente liguei para Angela Kang [showrunner] e disse, “Eu não posso dizer isso. Eu não posso f— trazer o nome de Glenn aqui.” E eu disse, “Qualquer boa vontade que Negan tenha obtido do seu lado irá pela janela no minuto que eu disser Glenn.” Tentei anular a fala completamente. Não achei necessário. E pensei, com certeza, que me deixariam mudar. E então filmei de três ou quatro maneiras diferentes. Tentei de tudo. Eu dizia “seu marido” e outras coisas…. Mas no final das contas, “Bem, vamos tentar a porra da fala de Glenn.” E então, é claro, quando vi o corte, pensei, “Oh, filhos da puta!” [Risos] Eles tiveram que colocar.

Mas olhe, eu entendo. Eu sei por que estava lá, para provocar a reação exata que você e eu sentimos ao assistir. Sempre disse que, independentemente do que Negan faça de bom, ainda existe esse Negan dentro dele. E neste ponto da história, quando essa fala sai, é uma espécie de discurso em que eu fico tipo, “Por que diabos nós estamos seguindo essa mulher? Estou vivendo na cabeça dela, e ela está nos guiando para nossas mortes.” Não temos ideia do que vamos fazer. Negan é a voz da razão de repente. E se ele não tivesse dito aquela frase de Glenn, toda a audiência teria pensado: “Ele está certo! Ele está certo pra caralho!” No minuto em que digo “Glenn”, 50% deles, eu perco imediatamente. Não importa se ele está certo.

Mas também serviu para Daryl dar um soco em mim. Porque acho que Negan está pensando o tempo todo que Daryl está envolvido nisso. E, realmente, a única razão pela qual ele está ali é para ser morto. E ele tem certeza de que Daryl está nisso. Portanto, há um pequeno enredo acontecendo entre nós dois também. Mas sim, quando li essa linha pela primeira vez, pensei, “Droga!” [Risos]

LEIA TAMBÉM:
CRÍTICA | The Walking Dead S11E01 – “Acheron: Part I”: FLA X FLU

EW: Lauren Cohan me disse que você não queria dizer isso.

Jeffrey Dean Morgan: Nós conversamos sobre isso. Antes de reclamar, liguei para LC e até ela disse: “Meu Deus, isso é demais. Por que você faria isso?” Eu estava tipo, “Eu não sei. Eu não faria.” É isso, Negan é inteligente o suficiente para fazer esse tipo de coisa, exceto para provocar uma reação.

EW: Eu realmente engasguei quando ele disse isso. Eu não pude acreditar. Mas vou te contar por que gosto disso, e estava conversando com Angela sobre isso: Muitas vezes quando você tem um vilão em um filme ou na TV e ele se reforma de alguma forma, geralmente esse personagem acaba sendo meio que suavizado. As bordas são removidas. E como podemos ver com aquele comentário de Glenn, o que eu gosto nisso é que Negan pode ser um homem mudado em muitos aspectos, mas ele também é o mesmo homem. Ele ainda tem essa vantagem, e isso o torna perigoso. E do ponto de vista do espectador, isso o torna empolgante de assistir.

Jeffrey Dean Morgan: Sim, e você está certo. E é por isso que sempre haverá uma linha tênue que estamos caminhando com o arco da redenção. É como se eu tivesse começado dizendo: Negan sempre estará fodendo Negan. E eu acho que é muito importante lembrar, não apenas para o nosso público, mas para mim. E então, quando leio esses roteiros, tenho que abraçar o Negan, tanto quanto gostaria de ver uma mudança mais sólida, porque também estou tentando me insinuar neste grupo de pessoas, e tenho feito isso por anos, e sinto que Negan ganhou seu lugar dentro deste grupo. Mas o que descobrimos neste primeiro episódio é que ele não o fez. E, de fato, ele sempre será esse forasteiro, e não importa quem ele salve, o que faça ou quem mate. Ele não vai ser aceito.

E eu acho que, essa é a realidade que finalmente lhe ocorreu nesse primeiro episódio, é que ele é um homem morto. E Maggie vai matá-lo. E provavelmente todo mundo está nisso. Ele fica olhando por cima do ombro o tempo todo. E isso também traz a vantagem. Ele vai cair lutando. Nós sabemos isso. Ele não vai se deitar, mesmo pensando, “Vamos acabar com isso agora.” Se tivesse tomado um rumo diferente, onde ela puxou uma arma, seria interessante ver como isso aconteceria, mas eu não acho que ele vai deixar ninguém atirar em sua cabeça. Ele quer sobreviver, o que provavelmente leva à sua próxima pergunta.

LEIA TAMBÉM:
The Walking Dead está na metade das gravações da última temporada

EW: Sim, vamos ao momento final, Negan sobe no vagão do metrô, Maggie está subindo, sua perna está presa. Ela grita por ajuda e ele faz uma pausa, não faz nada e a deixa para morrer. Momento super grande e onde você tem que transmitir muito sem dizer nada. Diga-me como você queria interpretar isso.

Jeffrey Dean Morgan: Eu pensei, pessoalmente, que eles podem ter segurado isso por muito tempo. Eu quase gostaria que fosse uma batida mais rápida, mas você quer transmitir naquele momento que ele está pensando, devo salvá-la? Ou não? Acho que sua primeira reação é estender a mão e salvá-la, e então não demora muito para perceber que o que ele está pensando aqui é sua sobrevivência. Ele está convencido de que é um homem morto e que ela vai matá-lo com seus camaradas, ou quem quer que seja. E então é uma coisa muito fácil. Isso é tudo que eu estava tentando transmitir, era o processo de tomada de decisão que tem que estar lá: Eu a salvo? Ou não? E eu não.

EW: Vamos ter uma discussão filosófica. Deixar alguém morrer é tão ruim quanto matá-lo?

Jeffrey Dean Morgan: Não na mente de Negan. Acho que há uma grande diferença, mas não acho que ele necessariamente a deixa para morrer. Eu acho que é mais como “Foda-se isso. Você está por conta própria.”

EW: Eu ia te perguntar sobre isso. Você acha que ele está esperando que ela morra, ou é apenas: “Não espero que você morra, mas não estou ajudando você”.

Jeffrey Dean Morgan: Sim, acho que é isso. Ele conhece essas pessoas bem o suficiente para saber que também são todas baratas, assim como ele. Eles são sobreviventes. Eu não vou sair do meu caminho. Não vou arriscar meu pescoço pelo seu agora. Se você sobreviver, você sobrevive. E esse é o tipo de pensamento aí. Quando estou olhando para ela e ela está perdendo o controle, não há nenhum sorriso maldoso. Não há uma torção maliciosa do bigode. Ele sabe que há uma bala com seu nome nela e não vai sair do seu caminho. Ele não vai arriscar sua vida por ela. E é assim que ele está.

EW: Sim, aquele momento com seu olhar em cima do trem, é quase como um estranho olhar vazio. É muito sem emoção e é como se você estivesse calculando em sua cabeça o que fazer.

Jeffrey Dean Morgan: É um olhar muito vazio, e é isso que ela está vendo também. Eu não queria transmitir nada. Tínhamos conversado, há algo aí? Existe uma sugestão de sorriso? E eu estava convencido de que não deveria haver nada. É uma situação com a qual ele é muito frio. É como se ele estivesse saindo da situação, e ele o faz mentalmente naquele momento. E ele simplesmente se afasta. É muito proposital. E, novamente, eu nunca sei o que eles vão editar e como vão editar, mas acho que eles fizeram um ótimo trabalho nisso.

Na verdade, assisti esses dois primeiros episódios – e não assisto tudo – e gostei muito deles. Acho que Kevin Dowling, que o dirigiu, fez um trabalho incrível. Ele é um cara com quem trabalhei inúmeras vezes na minha carreira, mas é a primeira vez dele em The Walking Dead. E ele fez um trabalho incrível de matar nesses dois primeiros episódios. E a escrita, pensei, era ótima pra caralho. Havia um aspecto de terror no show, que eu perdi desesperadamente. Foi realmente uma ótima maneira de começar no ano passado.

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA