Siga-nos nas redes sociais

Destaque

The Walking Dead S09E15: 5 coisas que você pode ter perdido em “The Calm Before”

The Calm Before foi o décimo quinto episódio da nona temporada de The Walking Dead. Veja aqui 05 coisas que você pode ter perdido.

Publicado há

em

Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do décimo quinto episódio, S09E15 – “The Calm Before”, da nona temporada de The Walking Dead. Caso ainda não tenha assistido, não continue. Você foi avisado!

Um episódio impactante e controverso. Na mesma medida que muitos amaram ao extremo, temos críticos de redes sociais que odiaram com todas as forças. The Calm Before além de dar continuidade à feira das comunidades, nos mostrou o icônico momento dos quadrinhos em que cabeças são estaqueadas por Alpha.

Cheio de reviravoltas, é comum que a tensão tenha lhe afetado ao ponto de perder detalhes importantes. Por isso, separamos cinco coisas que você pode ter perdido no episódio. Confira:

1. As moedas de Hilde dão significado a Henry

The Calm Before trouxe o significado das moedas

Hilde talhou moedas com um “H” e tinha pretensão de conseguir algo na feira com elas.

No começo de The Calm Before acompanhamos a história de Hilde e Miles, um casal que chegou à Hilltop no meio do salto temporal. A mulher é artesã e vemos que ela é a pessoa que talhou as moedas da comunidade que posteriormente se tornam um colar dado por Henry para Lydia.

Ao mostrar para o marido o feito, ele pergunta o que significa a letra H. Antes que Hilde responda, ele indica que pode ser advindo das palavras home (casa), hope (esperança), hero (herói) e por fim o nome da própria amada. Hilde ri, mas afirma que é uma alusão para a inicial de Hilltop. Não há nada de especial.

Entretanto, quando levamos o significado da moeda para o relacionamento de Lydia e Henry, há bastante para se extrair da cena. Na verdade, todas as palavras ditas para Miles se encaixam em quem Henry foi para a garota sussurradora. Ele lhe deu um local para chamar de casa, a deu esperança e foi um herói ao colocar tudo em risco para salvar sua vida. No fim da trama, ela deixa o colar aos pés da estaca onde estava sua cabeça.

2. O filme no Reino brinca com os Sussurradores

Em The Calm Before o Reino assiste a um filme

A animação faz alusão aos Sussurradores.

Assistindo “Baby Huey – Quack-A-Doodle-Doo“, um curta dos anos 50, o Reino se diverte. Crianças na idade de Judith nunca tiveram contato com o cinema e os demais já estão a mais de nove anos sem ter a oportunidade de se deparar com a sétima arte. 

O curta-metragem exibe um filhote de pato que mora numa comunidade de aves sendo atacada por uma raposa. A medida que a história se desenrola, o bebê pato vai atrapalhadamente conseguindo se livrar do animal que tenta atacar sua família. Em dado momento, ele arranca a pele do rosto da raposa como se fosse uma máscara, fazendo uma alusão perfeita aos Sussurradores. No fim, Baby Huey volta para sua comunidade aclamado como herói.

3. Oceanside está sob nova direção

The Calm Before trouxe Oceanside de volta

Rachel é a nova líder de Oceanside?

Até ao menos o quinto episódio do nono ano, antes da passagem de tempo, Oceanside era uma comunidade liderada por Cyndie, já que ela assumiu a vaga deixada pela avó, Natania. Outra mulher da sociedade litorânea de destaque era Beatrice, braço direito de Cyndie.

Oceanside desapareceu da história após os seis anos passados, mas foi confirmada na feira e toda a audiência passou a se questionar se veríamos Cyndie novamente. Ocorre que estranhamente nem a personagem interpretada por Sydney Park e nem Beatrice, interpretada por Briana Venskus deram as caras para representar a comunidade. Quem apareceu e assinou o Estatuto como líder foi uma jovem de não mais que vinte anos. Num rápido diálogo com Tara, a personagem se revelou ser a pequena Rachel, que anos antes ameaçou Chambler na praia em Swear e também foi a responsável por não impedir Maggie no caminho para Alexandria, quando Rick pediu por contato de rádio.

4. O discurso de Siddiq sobre honra

Siddiq faz um discurso sobre honra.

Se uma palavra tivesse que ser escolhida para o personagem que é médico de Alexandria, seria honra. Ele entrou na história tentando honrar a memória de sua mãe, quando disse para Carl que eles não podiam deixar walkers andando pela floresta e que precisavam colocar fim ao sofrimento deles. O ato levou o garoto a ser mordido e, posteriormente, à morte. Siddiq prometeu que honraria Carl para o resto da vida, já que ele lhe salvou e lutou por ele.

Agora, ao discursar sobre o que viu no estábulo antes que todas as vítimas fossem mortas, Siddiq brevemente diz que quer contar uma história de pessoas que lutaram uns pelos outros. Ou seja, resumidamente ele explica que o que importa a partir daqui é honrar os amigos que preservaram os ideais de companheirismo até o fim.

5. A música e o compositor da cena das estacas

O momento terrível foi acompanhado de uma ótima trilha sonora.

O momento mais impactante do episódio, a cena das estacas, foi seguido por uma trilha sonora instrumental que deu força às emoções envolvidas na trama. Enquanto víamos os sobreviventes se deparando com velhos amigos mortos, os instrumentos pesavam ainda mais o clima.

A composição é de John Murphy e se chama “Adagio in D Minor“. A curiosidade aqui é que o compositor é especialista em desenvolver trilhas sonoras e se tornou famoso no ramo apocalíptico, sendo responsável pelas trilhas de 28 Days Later e 28 Weeks Later, ambos filmes que retratam a queda do mundo para uma doença devastadora. O cuidado em chamar alguém compenetrado no tema demonstra todo o cuidado que Kang tem tido em cada um dos episódios.

Você percebeu algo além das cinco coisas acima? Deixe abaixo nos comentários para que a gente também possa saber.

Publicidade
Comentários

EM ALTA