Siga-nos nas redes sociais

6ª Temporada

Talking Dead Brasil #40 – Damon Lindelof e Yvette Nicole Brown

Victoria Rodrigues

Publicado há

em

O Talking Dead desta semana contou com os convidados Damon Lindelof (produtor executivo de Lost) e Yvette Nicole Brown (Community) para conversar a respeito do terceiro episódio da sexta temporada de The Walking Dead, Thank You.

Chris Hardwick: Bem… Esse foi um episódio daqueles, não acho que alguém esteja se sentindo nem um pouco bem… Nicholas, você atirou na própria cabeça e no processo pode ter destruído corações pelo mundo. Esse foi o episódio mais difícil dos últimos tempos. Vamos discutir o que aconteceu com Glenn, o que isso significa para o grupo agora, e ainda: as barreiras contra zumbis deram errado para Rick e Alexandria? Agora, mais do que nunca, está claro que ninguém está a salvo no apocalipse. E quando você perde personagens com quem você se conectou, é terrível, machuca seu coração. Então como você… Qual foi sua primeira reação quando você viu o que pareceu ser Glenn sendo desmanchado?

Yvette Nicole Brown: Bom, primeiro, pra ser sincera, eu vi o episódio antes. Tipo, 5 dias antes. Eu não tinha ninguém pra quem eu pudesse ligar e conversar. Eu estou feliz de vocês estarem aqui, estou feliz de finalmente podermos falar sobre isso, porque eu preciso processar meus sentimentos e eu não tinha ninguém. Então eu mandei uma mensagem para Greg Nicotero e Scott Gimple, tipo, 9:30 da noite. Eu não sei se eles estavam em Atlanta, não ligo se estavam com suas famílias, eu fiquei tipo “acordem, se virem, vocês vão ter que me ajudar a processar isso”. E devo dar crédito a eles, eles me responderam e disseram “sentimos muito”. Acho que todos os fãs devem saber que eles sentem o que sentimos, eles sabem que esse foi um episódio duro. Eu estava tão animada pra vir aqui hoje e então eu pensei “Droga, eu estou indo de novo nessa situação, após um desses episódios de revirar as tripas. Os fãs vão pensar que eu só venho quando alguém morre?” Tipo, se a convidada especial é Yvette, oh droga…

CH: É, as pessoas começam a notar essas coisas… Mas sabe, a razão de ser tão legal ter você aqui é porque você traz um caderno cheio de informações e você se importa com a série…

YNB: Sim, me importo.

CH:… Tanto quanto qualquer fã. E além disso, você fez um trabalho incrível no Madison Square Garden.

YNB: Obrigada, muito obrigada.

CH: E Damon, é ótimo ter você aqui porque tendo sido um showrunner numa série em que as pessoas se apegam aos personagens que precisam partir… Como você reagiu ao assistir este episódio?

Damon Lindelof: Ah… Sabe, eu assisto a série como assisto a maioria dos filmes na TV, como um fã, e foi assim que processei tudo. Eu não consigo aproveitar as coisas se olhar pra elas como um escritor, pensando no por que de terem feito isso. Eu assisto a série desde o início, eu leio os quadrinhos desde que começaram a ser lançados e… Como você disse, eu realmente me apego muito aos personagens mas eu também entendo que parte desta série, em particular, é que qualquer um deles pode morrer a qualquer momento. Dito isto, meu sentimento enquanto assistia o episódio foi “certo… as duas últimas semanas foram fantásticas, mas agora temos que detonar a coisa, temos que matar uma galera de Alexandria pra quem ninguém liga…” Eu não sei o nome daquele cara de chapéu…

talking-dead-brasil-40-damon-lindelof-yvette-nicole-brown-001

YNB: É o Sturgess!

CH: Sim, o Sturgess! Aqui está seu chapéu!

DL: Eu não sei quem escreveu o bilhete…

YNB, CH: É o David!

DL: Mas sabe, é assim que vai ser. Rick ficou tipo “bem, esses caras estão apenas nos atrapalhando e talvez, se tivermos sorte, Nicholas vai morrer, porque ele sabe que este momento está chegando” e quando aconteceu minha reação foi… a típica negação. Eu também vi o episódio com alguns dias de antecedência e eu pensei “certo, Glenn não está morto.” Porque na cena anterior, Nicholas está caindo em cima dele.

YNB: Ele está em cima, então os zumbis estão comendo o Nicholas!

CH: Foi isso que pensei!

DL: Daí você assiste de novo e não parece ser isso… Então eu percebi que ainda havia 12, 15 minutos de série restantes. E a ansiedade após perceber que ainda tinha que continuar assistindo e depois o que aconteceu no trailer com Rick… Eu fiquei pensando “pronto, vão matar o Rick também.”

CH: Eu conversei um pouco com Gimple hoje e o que devemos saber sobre Scott é que ele também se preocupa com a série tanto quanto nós. E estávamos conversando sobre esse universo, e o que está acontecendo, o que poderia acontecer e ele não me deu nenhum spoiler, mas ele disse que isso é muito, muito difícil… Que esse tipo de decisão é muito difícil de ser tomada, mas que sabe, no fim o objetivo é a história e fazer com que ela continue se desenvolvendo. E muitas vezes acontecem coisas na série e pensamos “Por que isso aconteceu? Por que tiveram que matar esse personagem? Por que isso e aquilo” e mais tarde você entende de alguma forma, o que não é necessariamente um consolo para o que aconteceu, mas é isso que move esses personagens. E também mostra que este não é um mundo seguro. Ninguém está a salvo e, especialmente numa série como essa, que já está na sexta temporada e podem dizer “bem, vamos só relaxar agora, já temos a maior série da TV, vamos manter todos a salvo” e… Como você disse antes, quando estávamos falando sobre a série, é muito corajoso o que eles fazem, de perder personagens que eles sabem que as pessoas amam, porque eles sabem que, em certos momentos, isso é importante para a história. Novamente, não é um consolo. Eu estou puto, porque eu amo Glenn e também amo Steven. Mas o que vocês acharam de Glenn chamando Rick de idiota no rádio?

YNB: Isso me partiu o coração mais do que qualquer coisa, porque essas foram as primeiras palavras que ele disse a Rick, acho que no segundo episódio da primeira temporada. Na primeira vez que se conheceram, foi o que ele disse no rádio.

DL: O episódio que tinha o brilhante título “Guts” (Tripas).

YNB: É, que tal isso para encobrir as coisas… Tudo sobre Glenn… Posso dizer um pouco sobre Glenn… Porque eu voltei e revi toda a quinta temporada. Eu quero dizer isso sobre o Glenn. Eu não sei se vocês perceberam, mas no episódio em que eles entram pela primeira vez na igreja do Padre Gabriel, cada personagem vê algo bíblico nas paredes, e era isso que estava lá para Glenn… Era Gálatas 6:9 “E não nos cansemos de fazer o bem, pois no tempo próprio colheremos, se não desanimarmos.”

talking-dead-brasil-40-damon-lindelof-yvette-nicole-brown-002

CH: Acho que todos se lembram disso.

YNB: Não, vocês sabem que sou uma nerd em relação a The Walking Dead.

CH: Por isso gostamos de tê-la aqui!

YNB: E isso incorporou quem Glenn é durante toda esta jornada. Ele nunca se cansou de fazer o bem. Ele é a única pessoa, eu fiz uma pequena pesquisa, que nunca matou um ser humano. Podem checar. Ele nunca matou um ser humano. Ele sempre dá uma segunda chance às pessoas, ele acredita no benefício da dúvida. E se há um momento em que há zumbis chegando e alguém em perigo, ele sempre fica com a pessoa em perigo. Então ele nunca se cansou de fazer o bem e acho que foi por isso que dessa vez isso me machucou tanto. Porque até no seu possível fim, porque eu acredito que ele estava escondido debaixo da lixeira e agora está nos braços quentes e amorosos de Maggie fazendo amor… É nisso que eu quero acreditar. Mas se não for o caso, ele se manteve verdadeiro o tempo todo. Ele realmente se manteve.

CH: O que machuca sobre essa série é quando você assiste as pessoas tentarem tomar as decisões certas. Ele tentou salvar Nicholas, ele tentou dar uma outra chance a ele, e é isso que volta para te morder na bunda no final. Semana que vem teremos um episódio de 90 minutos, porque teremos muito o que discutir sobre a série.

talking-dead-in-memoriam

• Tradicionalmente, no final do segundo bloco do programa, o quadro In Memorian homenageia os mortos durante o episódio.
– Zumbis do outro lado do país
– Zumbis da fúria de Rick na estrada
– Zumbis do Pet Shop
– Os Lobos do ataque surpresa
– O cara que culpa Rick por tudo
– Sturgess
– Annie
– David
– Nicholas

“Por favor, não deixem que isso seja verdade. Por favor, não deixem que isso seja verdade. Por favor, não deixem que isso seja verdade.”

Michael Traynor: Nicholas realmente termina com sua vida antes que os zumbis tivessem uma chance. Isso é desafiador, como ator. Você precisa interpretar todas essas emoções. Há milhares de pensamentos, milhares de maneiras de mostrar pânico, desespero, terror e a esperança de escapar desaparecendo. Eu era um fã antes de ser um participante dessa série, então você quer que seja bom, você quer aquela reação de “ah, eu odiava ele, mas porque ele fez isso? Porque eu queria continuar o odiando”, sabe? Não há nenhum sentimento de amor, você só não quer quebrar aquele ódio contínuo.

CH: Esse foi Michael Traynor falando sobre seu personagem, Nicholas. Eu sei que não ficamos muito animados com seu personagem, mas ele fez um trabalho maravilhoso. E ele é um cara tão legal em pessoa.

YNB: Ele é um ótimo homem.

CH: Novamente, Steven também. E eu quero deixar claro que eu não sei o que vai acontecer. Vamos falar sobre muitas coisas nesse episódio, meio que especulando sobre pra onde isso pode ir, porque Glenn não foi especificamente mencionado no In Memoriam, mas acho que devemos falar disso. Damon, olhando pra trás, você acha que Glenn devia ter matado Nicholas quando teve a chance?

DL: Eu, é… Que ótima hora pra se perguntar. Tradicionalmente eu acho admirável que ele nunca tenha matado uma pessoa, mas eu acho que… Quando alguém atira em você… Quando você é baleado por alguém que está mentindo e esperando por você, como na situação entre Glenn e Nicholas… Acho que isso te permite…

CH: Eu tenho uma pequena teoria sobre isso, aliás… De todos os personagens, acho que Glenn é aquele no qual eu me projeto mais. Quando vimos o Glenn pela primeira vez em Atlanta ele era aquele garoto nerd… Ele passou por uma transformação física muito grande, ele realmente cresceu pra se tornar esse personagem muito forte. Então se Glenn é um garoto nerd, eu assumo que ele era alguém que provavelmente sofria bullying, como eu sofria, na escola. Então ele faz a constante escolha de não se tornar a coisa que o torturava, o opressor. Agora ele se encontra numa posição em que ele poderia ser o opressor, mas por causa de como ele viveu e como ele cresceu, ele escolheu não se tornar isso.

YNB: E ele sempre dá uma chance a alguém antes de atacar. Como quando ele teve aquela tensão com Aiden ao voltar daquela primeira ronda. Aiden estava invadindo seu espaço, ele disse “se afaste, cara.” E daí Aiden foi pra cima e então Glenn socou a cara dele. Então ele sempre dá uma chance às pessoas.

CH: Eu quero ler um comunicado de Scott M. Gimple sobre o destino de Glenn, ele nos enviou isso:

“Queridos fãs de The Walking Dead, esta é uma história difícil de se contar, e enquanto planejávamos conta-la, sabíamos que nossos amigos em The Talking Dead estariam falando com vocês sobre isso, e sabíamos o que todos estariam falando e sentindo e que teríamos que dizer algo sobre isso. Queremos deixar nosso silêncio dizer algo que pretendíamos ou não dizer. Mas direi isto: de alguma forma veremos Glenn de novo, alguma versão de Glenn ou partes de Glenn, seja num flashback ou na atual linha histórica, para ajudar a história a se completar.”

YNB: Partes? Versão?

CH: Eu não sei se ele quis dizer partes no sentido de uma mão ou…

YNB: Ah, vamos lá…

CH: Mas eu acho que… A série, nessa temporada, está fazendo um trabalho muito interessante contando a história de maneira não linear, certamente inspirado em Lost. Quero dizer, Lost foi a série que nos introduziu nos flashes futuros ou paralelos, em diversos flashes diferentes… Então, isso tem sido diferente…

DL: Soou tão pervertido…

talking-dead-brasil-40-damon-lindelof-yvette-nicole-brown-003

CH: Como você interpreta isso? Sabendo o que sabe sobre a forma como a série está se comportando agora, qual é a sua interpretação?

DL: Bom, você sabe que não tenho tolerância alguma para ambiguidade. Eu quero tudo claro. Primeiro de tudo, eu agradeço a Scott por dizer alguma coisa e também por, como você mencionou antes, fazer isso sabendo qual seria a reação, indo de extremo ódio até… Eu não acho que haja uma única pessoa que acompanhe esta série que pensou “estou okay com isso”, por diversas razões. E o que quer que aconteça em seguida, eu coloco minha fé na série, como você disse. Eu gosto de assistir sob este ponto de vista. Eu direi que espero que não haja nenhuma enganação, sabe? Que não vai ser uma coisa tipo Bobby no chuveiro… Ou algo igual aos cliffhangers dos filmes antigos de serial killers, quando vemos o carro cair do barranco e você pensa “não há como o personagem ter sobrevivido a isso.” Mesmo que aquelas não sejam suas tripas sendo arrancadas, ele ainda está naquela situação. Então…

CH: Conforme chegava mais perto, como telespectador eu pensava “olha mas… eu não… eu não sei como vão resolver isso.” Não teria como passar por todo mundo. Mas como você… Bom, você matou algumas pessoas em Lost, você precisou. Mas personagens como Charlie, as pessoas amam Charlie. Há tanta redenção em Charlie, ele era um bom garoto e… Como foi esse processo?

DL: Eu acho que… Bem… As duas séries são maçãs e laranjas, de certa forma. Mas também acho que há séries em que há vidas em risco. Então Community não é uma série que você assiste e pensa “ah, qualquer um pode viver ou morrer a qualquer momento.” Mas há séries como The Walking Dead, ou Lost, ou Game of Thrones que você assiste e sabe que parte da energia delas é que há qualquer momento aquele personagem que você ama não estará mais conosco. E parte disso é que a audiência decide quem são os “imatáveis”. E se você está vendo The Walking Dead você pensa que Rick nunca vai morrer, eles nunca vão matar Daryl, Michonne, definitivamente não podem matar Michonne. Carol agora também é “imatável”. Então essa lista de “imatáveis” começa a ficar maior e maior. E em Lost tínhamos muitos personagens nessa lista e percebemos que estávamos chegando ao fim da terceira temporada da série e precisávamos ter uma guinada brusca em termos de como contar a história. E também há aquele sentimento de “ah, está chegando um final de temporada, algo grande tem que acontecer.” Mas, novamente, foi muito corajoso da parte deles tomar esta decisão no episódio três e não no final da temporada.

CH: E apenas mostra a brutalidade deste mundo. O que está acontecendo no apocalipse… Todos lembram que há algumas temporadas atrás Lori morreu no episódio 4 da temporada. Então ninguém está a salvo e isso é meio o que te mantém tenso, porque você nunca pode pensar que está tudo bem. Porque eles não pensam, e isso é brutal. Eu quero dizer que a história de Glenn será resolvida de alguma forma, e será ou com ele morto ou não ou talvez ele pode se transformar num zumbi, talvez o vejamos de novo como zumbi. Eu não sei, mas vamos descobrir, Scott prometeu isso, vamos concluir isso de alguma forma. 

Danai Gurira: Quando Michonne fala com Heath, ela vai a ele muito calmamente, ela aguentou muitas das suas farpas durante o dia, numa circunstância bastante adversa, enquanto ela tenta salvar a vida dele. E ela finalmente consegue ter a conversa que queria. As coisas que ele diz batem em pontos bastante sensíveis para Michonne. É a ideia de que… ele pensa que pode julgar de onde viemos. E ele fica tentando argumentar de que se encontra na mesma situação que eles em relação às experiências lá fora. E todos sabemos que isso é insano. Não apenas se tornou muito intenso, mas também… Se eu vou lá fora com você de novo, eu preciso te endireitar, porque eu sou, na verdade, a melhor chance que você tem.

CH: Essa foi Danai dando algumas informações sobre a conversa de Michonne com Heath. Tenho aqui alguns tweets sobre Michonne:
– “Você foi Michonnado!”
– “Michonne derrubou o microfone para Heath: VOCÊ NÃO SABE!”
– “HEATH, É MELHOR VOCÊ RECONHECER QUEM MICHONNE É!”

talking-dead-brasil-40-damon-lindelof-yvette-nicole-brown-004

Eu sei que falamos muito sobre Glenn nesse episódio, mas eu acho que há tantas outras coisas que aconteceram e eu estou muito feliz de ver Michonne de volta. Eu a adoro e não é só por ela ser uma samurai. Eu adoro o arco de sua personagem, que saiu de alguém bastante fechada e uma loba solitária para alguém que abraçou a comunidade e se tornou a voz da razão e meio que a mais otimista as vezes. O que você achou da cena com Heath?

YNB: Antes quero dizer que Danai tem uma peça entrando na Broadway. Ela escreveu uma peça chamada Eclipsed, e ela está indo para a Broadway estrelando Lupita Nyong’o, parabéns Danai!

CH: Parabéns Danai!

YNB: Eu sinto que precisava ser dito e a coisa que os Alexandrianos não entendem é… O comentário que Rick fez sobre “teremos que te abandonar se você não acompanhar”… Eles abandonam muitas pessoas, aqueles Alexandrianos vão simplesmente embora e te largam numa pilha de zumbis. Então a ideia de Heath ter ficado tão chateado de serem deixados para trás… Só Nicholas tem pelo menos uns 4 ou 5 corpos pelos quais é responsável. Então eles literalmente deixam pessoas para trás. O que senti que ela estava tentando dizer era “olha, vocês não entendem o que essa vida é. Até você andar com nossas pernas, cale a boca.”

CH: Os Alexandrianos são basicamente aqueles filhinhos de papai ricos que herdam toda a grana da família e dizem “nós sabemos o que é viver nas ruas”. Não, vocês não sabem, tenho certeza que não.

YNB: Não sabem mesmo! Não estiveram no gueto! Vocês não sabem!

CH: O que você acha do bilhete que David escreveu para sua esposa? O que você acha que aquilo representou, Damon?

DL: Eu acho que… é bem direto ao ponto. E, pra ser honesto, apesar de ter assistido o episódio antes, eu não o vi várias vezes. Mas eu acho que o que era muito legal sobre a história toda de David é que foi um jeito de jogar um cavalo de Tróia na história de Glenn. Quando você vê David e Michonne caminhando e conversando após David ser mordido, e Glenn está naquelas cenas, você pensa “David está falando dessa mulher que conheceu, por quem ele se apaixonou e o mudou para melhor” e essa podia muito bem ser Maggie. E Glenn nunca poderá escrever este bilhete, certo? Algo estava acontecendo ali, quando ele pegou o relógio de Hershel… Mas não ouve conclusão. E novamente, tirando contexto da mensagem de Scott e não querendo fazer tudo ser sobre o Glenn, mas diria que David é um personagem cuja morte é completamente sem sentido nesse episódio. Eu não ligaria pra ele se Glenn não tivesse morrido também. E eu tenho que olhar para isso como uma forma que os escritores encontraram para dizer “estamos usando esse cara para contar a história de Glenn, para meio que esconder o que estamos prestes a fazer com Glenn.” Eu fiquei genuinamente chocado.

CH: Nossa enquete de hoje, temos que escolher se Alexandria está valendo todas essas mortes: sim, cada morte é um passo à frente para assegurar um futuro melhor, ou não, devíamos ter seguido em frente, a cidade não vale todas essas vidas. Yvette, o que você ia dizer?

YNB: Eu ia dizer que David mostrou a jornada de Michonne também, porque quando ele contava sua história a Michonne você podia ver que ele diz que não era mais uma pessoa, que tinha se perdido e alguém o salvou. Eu senti que a família, o grupo de pessoas que ela conheceu foi sua Betsy. Alguns podem dizer que Rick é sua Betsy, mas continuando… Eu sinto que tudo isso fez sentido pra ela, porque ela era aquela pessoa perdida, andando com zumbis, tinha perdido tudo e ela voltou à vida quando conheceu essas pessoas.

CH: É realmente interessante assistir… É raro que alguém que tenha sido mordido possa simplesmente sair andando com você. É interessante ver esse processo de ele lidar com o conhecimento de que seu destino está resolvido. Bom, de acordo com as pessoas votando, Alexandria não vale todas essas mortes.

• ENQUETE: Alexandria vale mesmo todas as pessoas que morreram para salvá-la?
Sim – 33%
Não – 67%

talking-dead-brasil-40-damon-lindelof-yvette-nicole-brown-005

• Durante o quadro Inside the Dead ficamos conhecendo algumas curiosidades sobre o episódio:
– Houve 140 atores extra como zumbis no set para a cena de Glenn e Nicholas encurralados. Estes são alguns daqueles a quem se referem como “zumbis heróis”. Os “zumbis heróis” recebem maquiagem mais detalhada para que possam aparecer em cenas de perto.
– O ator que interpreta o novo personagem Scott já era familiar ao elenco. Ele é marido de Sonequa Martin-Green, Kenric Green.
– Telespectadores com olhos de águia podem ter encontrado um rosto familiar na super horda. Era a quinta atuação do produtor executivo Greg Nicotero como zumbi na série.

 

CH: Agora um fã da plateia vai subir aqui e fazer uma pergunta. Qual é seu nome?

Jenny: Jenny!

CH: Jenny, qual a sua pergunta?

Jenny: Minha pergunta é: como vocês acham que o grupo deveria fazer para parar a horda, já que agora metade dela está indo para Alexandria?

DL: Essa é uma ótima pergunta.

YNB: Você responde, Damon,.

DL: Eu odeio quando as pessoas assistem esse tipo de série e dizem “isso é o que eu faria! Rick, por que você não simplesmente usa querosene e queima todos eles.” Mas eu diria que o que aprendemos é que se eles… Se a buzina de um único caminhão traz uma horda inteira a Alexandria, talvez uma buzina mais alta em algum outro lugar levaria a horda até lá e você não precisaria amontoá-los tanto. Então talvez usar barulhos altos.

YNB: Eu acho que a maior ameaça agora são os Lobos. Sabe, o grupo de Enid.

CH: O que? Por que você acha isso?

YNB: Deixe-me dizer uma coisa. Enid… Vocês podem não lembrar, mas tinha um episódio em a primeira revista em quadrinhos que Carl pegou se chamava Briga de Lobos. E era a revista de Enid. Eu só estou dizendo que às vezes eles colocam alguns EasterEggs ali, aquela menina está com os Lobos.

DL: E ela diz! Ela diz “foi assim que entramos.”

YNB: Exato! “Foi assim que entramos… ops!”

CH: Você acha que Enid abriu os portões?

DL: Ela tem todas as chaves!

CH: Desculpe, saímos um pouco da sua pergunta.

Jenny: Tudo bem.

YNB: E ela pode ter pego a Judith também, porque eles tinham aquela papinha. Ela pode ter levado Judith. Judith vai acordar numa caçarola em algum lugar, só estou dizendo.

CH: Acho que agora quando eles escreverem a série eles vão pensar “precisamos esconder as coisas, porque Yvette Nicole Brown fica achando tudo.”

YNB: Eu vou voltar e ver de novo! Nada fica escondido de mim.

CH: Jenny, todos ganham presentes quando vêm ao meu apartamento com paredes de mentira, então… Aqui está o que tenho pra você hoje. Uma grande variedade de brindes. Esse é o chapéu de Sturgess, de verdade. Este é o bilhete original escrito por David. Aqui temos também um relógio de bolso que eu não sei se é o original… Mas é um relógio de bolso! E aqui estão lenços de papel para suas lágrimas. As pessoas ganham mesmo no Talking Dead. Damon, você ficou surpreso por Daryl deixar Sasha e Abraham na estrada daquele jeito?

DL: Não, quer dizer… Eu meio que queria que ele deixasse. Eu acho que cada tomada de Daryl em sua moto parece sugerir que ele preferiria estar em outro lugar. Eu acho que ele é um pistoleiro, ele não é um vaqueiro, e há muito essa impressão, de que estamos conduzindo gado. E então a ideia de que ele é necessário em outro lugar, onde ele pode ser mais produtivo e dar umas porradas era muito mais satisfatória. Mas mesmo assim ele deu a volta e retornou.

talking-dead-brasil-40-damon-lindelof-yvette-nicole-brown-006

CH: Bom, se ele jogasse D&D todos os seus personagens seriam “caoticamente bons”, que fazem de tudo por eles mesmos, mas quando têm a oportunidade começam a fazer pelo bem maior.

DL: Não é realmente meu trabalho duvidar de Daryl.

Andrew Lincoln: Houve um belo tanto de corrida, foi o que aconteceu. Eles ficavam dizendo “pare ai, e essa vai ser uma tomada grande”, e eu dizia “será mais de uma longa?”e ele diziam “sim, vê essa coisa? Você vai correr ao lado dela para a segunda tomada.” Então nesse episódio eu corri de todas as formas possíveis de se correr. Eu sei que se tivessem pedido pro Norman fazer isso ele não faria, ele nunca faria. Ele é o idiota mais preguiçoso que eu já conheci.

CH: Temos uma ligação, como se chama e de onde fala?

Chris: Sou Chris, do Texas.

CH: Olá, qual sua pergunta, Chris?

Chris: Minha pergunta é: o que vocês acham que vai acontecer com Rick depois de ver que ele cortou sua mão e deixou entrar sangue de zumbi?

CH: Estávamos falando sobre isso semana passada, porque não é tanto sobre o sangue de zumbi, já que todos estão infectados com seja lá o que isto for. Mas… Mas… Se você lê os quadrinhos… Há uma coisa que acontece, que… Estou me perguntando se esse é o ponto de conexão para aquilo… Então…

DL: Eu acho que isso também acontece com Luke Skywalker… É isso que você quer dizer?

CH: Sim! Sim, sim, sim. Sim, Rick vai descobrir que Darth Vader é seu pai. Então isso pode ser uma maneira de chegar naquilo, porque parece que ele cortou a mão mesmo… Mas veremos! Veremos! Não quero dar muitos spoilers, se vocês não leram a HQ, deveriam. Agora teremos nossa próxima enquete. Queremos saber se Morgan tem alguma responsabilidade no ataque a Rick. Sim! Se Morgan os tivesse matado, eles não teriam atacado Rick. Não! Quem pode resistir há uma linda RV, Rick só estava no lugar errado na hora errada. Enquanto todos votam, o que vocês acham?

DL: Eram os mesmo Lobos que Morgan deixou escapar!

CH: Mas era sobre isso que falávamos mais cedo… Esse universo te pune por tomar o que seria a decisão certa no nosso mundo. O que seria a escolha humana. E parece que é isso que Morgan está fazendo.

YNB: Eu não sei se Morgan está tomando a decisão humana, porque se alguém tenta te matar no nosso mundo, você tentaria mata-lo.

CH: Você tentaria? Eu não sei.

YNB: Eu, pessoalmente, não iria. Eu gosto de acreditar que eu seria mais pacifista como Morgan, mas eu não sei.

CH: Mas todos disseram que sim. Sim, ele é responsável.

• ENQUETE: Morgan é responsável pelo ataque dos Lobos a Rick?
Sim – 80%
Não – 20%

talking-dead-brasil-40-damon-lindelof-yvette-nicole-brown-007

CH: Ainda amo o Morgan, no entanto. Ele é um ótimo personagem.

YNB: Eu amo o Lenny.

CH: Lenny é um ator incrível. Eu adoro vê-lo entrar no modo Jedi com aquele pauzinho. Se Morgan enlouquecesse, quem seria a pessoa mais indicada para pará-lo?

YNB: Ele já enlouqueceu.

CH: De novo, se Morgan enlouquecesse de novo…

YNB: De novo? Eu não sei… A pessoa que pode pará-lo provavelmente… Eu diria Michonne ou Rick primeiro, mas é definitivamente Carol. O jeito que Carol olhou pro Padre Gabriel foi tipo “nem ligo”.

CH: Você não concorda, Damon?

DL: Não, não, eu balancei minha cabeça concordando que é Carol.

YNB: Carol é uma mestra da estratégia agora. Ela é tão durona agora e eu acho que ela o pararia sem nem pensar.

CH: E esse também é o poder dela nessa série, ela simplesmente se foca em algo e… Mas eu acho que… Michonne juntou tanta sabedoria sobre si mesma também, mas sem perder…

YNB: Se tivesse que ser feito naquele momento, Michonne poderia fazer. Mas acho que se alguém tivesse que tomar uma decisão do tipo “é hora de Morgan ir”, seria Carol. Ela decidiria sem nem discutir.

CH: Isso seria uma batalha épica entre pauzinho e katana, com esses dois. Droga, agora eu quero que isso aconteça.

DL: Ela poderia usar a caçarola nele.

YNB: Poderia!

CH: Não, digo Michonne!

YNB: Eu não sei se quero ver isso… Esses dois titãs indo um contra o outro.

CH: Damon, o que você acha que vai acontecer com Rick, já que os zumbis estão cercando o trailer? Agora que ele, sabe, tirou os Lobos da jogada?

DL: Claramente ele está numa posição difícil. Eu acho que aquele trailer não vai funcionar, não vai haver nenhum tipo de Deus Ex Maquina vindo em sua direção.

YNB: Ele pareceu derrotado. Pela primeira vez ele me pareceu derrotado.

DL: Com o que aconteceu esta noite, acho que qualquer coisa vale. Mas Andrew pareceu bastante jovial e britânico e falando sobre correr, então…

CH: Bom, não sabemos se eles gravaram aquilo no fim daquele dia. Mas o que vocês acham que significa o fato de Rick ter zero empatia por qualquer um que não seja do seu grupo?

YNB: Eu acho que é o momento em que estamos. Essa é uma situação em que ele já viu muito. Eu não sei quem foi, mas acho que foi Carl que disse “estávamos lá fora por quase tempo demais,” algumas pessoas disseram isso. Eu acho que ele realmente esteve lá fora por tempo demais. Ele ficou cozinhando no forno por muito tempo. Todos estão voltando, ele não está. Ele ainda está lá fora.

CH: Você acha que ele… É, eu acho que ele pensa que alguém precisa tomar as decisões difíceis.

YNB: Acho que vai além disso, Chris. Acho que ele está no limite.

CH: Você acha que ele está se tornando o Governador?

YNB: Ele poderia se tornar um Governador. Quero dizer, eu não quero que isso aconteça, eu amo Andy Lincoln e quero que ele fique bem, mas eu acho que ele está bem ali. Ele está na divisa.

CH: Porque as coisas estão ficando meio indefinidas… Por exemplo, quando é certo matar alguém e quando… E alguém espirra e BAM! E ele diz “eu não sei, ele podia estar gripado e matar todos nós.”

YNB: É exatamente. É um pouco diferente de quando Carol mata. Ela pelo menos sabe que há uma razão real para matar. Rick apenas acha que é sua hora de ir. Tipo… Não sei.

CH: No sneak peek vemos Morgan fazendo S’mores de zumbis. O que vocês pensam disso?

YNB: Eu estou um pouco nervosa. Acho que estão vindo pegá-lo agora.

CH: Você acha que isso é um flashback ou o presente, Damon?

DL: O presente, e acho que ele está tentando atraí-los. Porque aparentemente o fogo atraí os zumbis…

CH: Eu quero dizer que não sei o que virá a seguir para Glenn, se ele morreu vai ser péssimo, se ele for um zumbi vai ser péssimo. Eu espero que haja algum mecanismo que faça não ser o que pensamos ser, mas queria dar os parabéns a Steven Yeun que tem interpretado Glenn de maneira brilhante durante essas temporadas e se tornou uma parte das nossas noites de domingo em família. 

• Ao final do programa foi divulgado o vencedor do concurso “Fanart da Semana”, bem como mostrado um sneak peek do próximo episódio de The Walking Dead.

E NO PRÓXIMO TALKING DEAD:

Josh Gad (The Comedians) e um membro surpresa do elenco

talking-dead-brasil-40-damon-lindelof-yvette-nicole-brown-008

VEJA TAMBÉM:

Talking Dead Brasil #39 – Kevin Smith, Paul Bettany e Katelyn Nacon

Talking Dead Brasil #38 – Scott M. Gimple, Greg Nicotero e Ethan Embry

Talking Dead Brasil #37 – Especial da 6ª temporada com Scott M. Gimple e Jorge García

Galeria de imagens do Talking Dead

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA