Siga-nos nas redes sociais

Entrevista

Scott Wilson: Não esperava viver para sempre em The Walking Dead

Publicado há

em

Na semana retrasada, antecipando a estreia da quarta temporada de The Walking Dead, a revista Rolling Stone publicou entrevistas exclusivas com seis membros do elenco e da equipe, incluindo Andrew Lincoln (Rick Grimes), Norman Reedus (Daryl Dixon) e David Morrissey (Governador). Mas eles só estão começando. Volte amanhã e todos os outros dias da semana para mais conversas com seus personagens favoritos, incluindo Carl, Michonne e hoje, Hershel. Confira abaixo uma super entrevista com Scott Wilson:

Quando você começou como ator?

Eu peguei carona pra Califórnia quando tinha 19 anos. Fui porque conheci duas pessoas que estavam indo pra lá. Um deles estava indo para Los Angeles para ser compositor. Ele conheceu alguém no serviço militar que trabalhava na indústria musical. Então eu pensei que seria compositor ou algo assim, mas não era algo muito realista para mim. Escrevi algumas poesias e umas músicas não muito boas quando era mais jovem. Depois de conseguir meu primeiro emprego, arrumei dois colegas de quarto e um deles disse, você está em Hollywood, você deveria ser astro de cinema. Eu fiquei tão bêbado em um fim de semana que ele fisicamente me carregou para uma aula de teatro. Ele me jogou em um sofá, passou por mim e disse, “Quem está no comando? Você tem uma estrela de cinema para trabalhar aqui.” De qualquer forma, no final da aula, o professor disse, “Não sei qual é o seu problema, não volte à minha aula bêbado.” Voltei na semana seguinte para me desculpar e ele me deu um monólogo, para fazer na semana seguinte, de uma peça de Eugene O’Neil chamada The Long Voyage Home. Fiz e adorei. Então, ainda estou na caminhada neste ramo.

Você acha que a natureza de The Walking Dead, por ter membros mortos constantemente, ajudou o elenco a ser mais unido?

Isso é algo que sabemos bem quando entramos. Em um dado momento da segunda temporada, fiquei sabendo que estava para morrer. Recebi um informe, meu certificado de morte. Eu disse “Foi divertido.” Glen Mazzara disse, “Não, você não entende. Não quero que isso aconteça.” Eu disse, “Você vai superar. Não esperava viver para sempre. Vou continuar fã da série mesmo não estando nela.” E ele disse, “Bem, não sei bem em que episódio vai ser, vai ser no 11 ou no 12.” O onze veio, fiquei vivo. O doze veio, fiquei vivo. O treze veio, fiquei vivo. Então ele disse, “Olhe pra você, ainda está vivo.” Eu disse, “É. Estou falando com meu Salvador.”

Parece que esse trabalho requer esforço físico – muitas cenas de ação para um trabalho de atuação. Você sente o peso?

Certamente é preciso de um tempo de reabilitação depois de uma temporada. É como filmar um filme de velho oeste. Esse tipo de filme é bem complicado, porque muitas cenas são feitas ao ar livre, você fica no sol, é uma coisa muito física. No primeiro episódio da última temporada, cortaram minha perna, por isso vou usar muletas pelo resto da série. Há uma demanda física grande nisso. É uma série difícil de ser feita.

LEIA TAMBÉM:

Norman Reedus: “Lutamos para tornar a coisa real em The Walking Dead”

Andrew Lincoln: Vou fazer o Rick Grimes até que eles me mordam

Chandler Riggs: Carl não é um psicopata

Melissa McBride: Carol representa os espectadores de The Walking Dead

David Morrissey: Ninguém está a salvo em The Walking Dead

Robert Kirkman: Eu posso fazer 1000 edições de The Walking Dead

Danai Gurira: The Walking Dead me lembra uma zona de guerra


Fonte: Rolling Stone
Tradução: @Felipe Tolentino / Staff Walking Dead Brasil

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA