Siga-nos nas redes sociais

Destaque

THE WALKING DEAD 10 ANOS: Entrevista exclusiva com Matt Mangum (D.J.)

The Walking Dead completa 10 anos em outubro e, para comemorar, entrevistamos alguns atores da série. Confira nosso papo com Matt Mangum.

Publicado há

em

arte com Matt Mangum e D.J. para comemorar os 10 anos de The Walking Dead

To access the interview with Matt Mangum in english, click here.

The Walking Dead completa 10 anos de história na TV no dia 31 de outubro de 2020. Em comemoração a essa marca histórica, entrevistamos vários atores que participaram da série ao longo dos anos. Essas entrevistas, que começaram a ser divulgadas no início de setembro e vão até o final de outubro, estão sendo lançadas diariamente. Elas se encerrarão com uma grande surpresa preparada exclusivamente para os fãs, com grande carinho.

Nosso convidado de hoje é Matt Mangum, que interpretou D.J. durante as temporadas 8, 9 e 10. O ator nos contou sobre como foi trabalhar com Andrew Lincoln e Melissa McBride, sobre seu processo de audição para a série, sobre cenas deletadas de seu personagem com Michonne, sobre o massacre das estacas e muito mais!

Sem mais delongas, confira nossa entrevista exclusiva com Matt Mangum:

É uma honra conversar com você em um momento tão importante para The Walking Dead. Não é qualquer série que consegue chegar à marca de 10 anos. Comece contando para nós como foi fazer parte deste projeto. Como ele surgiu e como foi seu processo de audição? Você conhecia a série antes de conseguir o papel?

Matt Mangum: Sim, eu sabia sobre o programa antes e era um fã. Eu tinha visto todos os episódios até quando fui escalado. Comecei a fazer testes para The Walking Dead na 6ª temporada. Fiz teste para alguns papéis na 6ª temporada e para mais alguns na 7ª temporada, então eu senti que eles gostaram das minhas coisas e estavam procurando um lugar para me encaixar. Eu decidi parar de me barbear e cortar meu cabelo apenas para tentar entrar no programa. Na 8ª temporada eu fiz mais um teste e acabei interpretando D.J. Acho que o cabelo e a barba ajudaram e é por isso que quando vemos D.J. pela primeira vez como um salvador, ele parece muito rude com o cabelo e a barba compridos.

D.J. sempre esteve envolvido em bastantes cenas intensas com Rick e Carol. Você pode nos contar como foi trabalhar com Andrew Lincoln e Melissa McBride? E também, como era e como mudou a atmosfera no set com a saída do Andrew de The Walking Dead?

Matt Mangum: Acho que todo mundo sabe como são esses dois e como é incrível trabalhar com eles. Duas das pessoas mais legais e atores incríveis que sabem o que estão fazendo e sabem como se preparar para tudo que uma cena possa exigir deles. Eles também sabem como se divertir com isso. Quando você tem atores tão bons quanto eles, mesmo quando a cena é intensa e você tem que se preparar para isso, você tem que ser capaz de deixar algum espaço para ficar alegre no meio de tudo isso. Requer esforço de atores para chegar a um lugar emocionalmente e ficar lá, e quando você pode se divertir ou respirar no meio de tudo isso, ajuda. Esses dois são ótimos com isso.

O programa honestamente não mudou muito além do óbvio que Andy não estava lá. A cultura do programa foi definida muito cedo por Andy. Quando você é o número 1 na lista de chamadas, você é o líder do programa, o elenco, a equipe, todos. Todos olham para o número 1 para definir o tom do programa e Andy fez tudo isso sentir como uma família e eu acho que é evidente na maneira como é estendido para a fã base. Outros do elenco levam a mesma cultura também, Norman, Melissa, Danai, Lauren, Jeffrey. Qualquer um que veio para o show ajudou a desenvolver essa cultura familiar, então quando Andy saiu ficou tudo bem e a cultura familiar ainda está lá.

Da perspectiva do grupo de Rick, os Salvadores são um grupo cruel e tirano, que cometem barbáries para se manterem no poder. No entanto, ele tem uma comunidade grande repleta de pessoas que não só temem a ele, mas também o veneram na mesma proporção. Por que você acha que seu personagem escolheu se estabelecer no grupo dos Salvadores? Como você define a visão que D.J. tinha de Negan?

Matt Mangum: Acho que D.J. acabou com os salvadores provavelmente da mesma maneira da maioria, por sobrevivência. Todo o propósito do programa em geral é a sobrevivência neste mundo. Sobrevivendo ao surto inicial, sobrevivendo aos caminhantes, sobrevivendo a outras pessoas e grupos diferentes, então eu acho que teve muitas pessoas que se tornaram partes de grupos diferentes simplesmente para sobreviver. Também acho que D.J. era um tenente muito forte. Isso foi o que o ajudou a subir na hierarquia com os salvadores de Negan e as mesmas características que o ajudaram a subir em Alexandria sob Michonne. Acho que ele era leal a quem estava no comando e vimos isso quando ele ajudou a capturar Simon para Negan. Sua visão de Negan era seu líder. Talvez ele não concordasse com a maneira como Negan fazia as coisas, mas seria fácil racionalizar em sua mente que nenhum líder é perfeito naquele mundo e que ele estava disposto a fazer o que precisava ser feito para sobreviver. Como quando ele se juntou a Jed para roubar as armas de Carol. Não era que ele achava Carol má, D.J. sentia que precisava de armas para sobreviver e estava disposto a fazer o que fosse necessário para isso.

Apesar de ter feito parte dos Salvadores um dia, D.J. conseguiu se adaptar e criar um espaço dentro dos núcleos de Hilltop e Alexandria, se tornando uma pessoa de confiança das comunidades. O que fez com que ele se abrisse para esse novo convívio? Você acha que ele encontrou algo que buscava no novo grupo?

Matt Mangum: Voltando à questão anterior, acho que no final das contas começou com a sobrevivência. Acho que sua lealdade ao novo grupo e Michonne ficou evidente na maneira como ele se tornou o braço direito dela em certas situações. Houve muito mais interações entre D.J. e Michonne que foram cortadas, mas que eu adoraria que as pessoas vissem. Eu também acho que ele encontrou o que estava procurando, que era um lugar para pertencer, um lugar para sobreviver, uma família para fazer parte e acho que foi isso que o levou a estar disposto a dar sua vida por eles.

No celeiro, D.J. e as outras vítimas de Alpha lutaram bravamente por suas vidas, mas infelizmente não conseguiram se salvar. Você pode nos contar um pouco de como vocês se preparam para gravar essa cena de união tão intensa e dramática?

Matt Mangum: Foi um longo dia. Primeiro filmamos a parte das estacas durante o dia e depois fomos para o celeiro na mesma noite. Algumas das outras vítimas das estacas eu não conhecia ou trabalhava ainda, mas todos parecíamos imediatamente ter uma conexão sabendo o que estávamos passando como atores e tendo que dizer adeus a esses personagens que amamos. Foi uma longa noite de ensaios de dublês e bloqueios e era novembro, então estava muito frio, o que eu acho que contribuiu para a sensação geral da cena. É estranho, como ator, porque há quase algo em você que desliga quando a câmera está gravando e a ação é chamada. Você literalmente entra nessa zona e se torna esse personagem que você não é, a fim de fazer a cena e fazer tudo funcionar. É aí que entra a preparação. Uma vez que a ação é chamada, tudo o que você faz tem que ser uma segunda natureza e geralmente é isso que acontece em cenas como essa.

Falando sobre a cena das cabeças nas estacas, foi chocante ver uma réplica da sua cabeça ali? Eu imagino que deva ser uma sensação muito estranha! Você levou sua réplica para casa?

Matt Mangum: Haha. Sim, definitivamente estranho e simplesmente incrível ver como Nicotero e sua equipe são bons em fazer essas coisas. Não levei para casa, nem pensei em perguntar sobre isso, mas Nicotero me disse que poderia me dar se eu entrasse em contato com ele, mas eu não entrei… talvez devesse.

Você teve a oportunidade de participar de dois grandes arcos da história de The Walking Dead – Salvadores e Sussurradores. Qual foi o seu preferido? Por quê? Quais lembranças você tem de ambos os sets, Santuário e Alexandria?

Matt Mangum: Eu adorei fazer parte dos salvadores, mas a desvantagem foi que quase só filmei no cenário montado do santuário. Não foi até a guerra do episódio 16 da temporada 8 que eu realmente consegui sair e ir ao local para a batalha final. Que, por falar nisso, foi o mesmo local em que filmamos as estacas. E quase todas as minhas coisas eram com Negan e os salvadores. Na 9ª temporada eu tive que fazer muito mais coisas longe dos cenários montados e praticamente tive cenas com todos. Tive muitas cenas com Danai e Melissa e algumas cenas ótimas com Andy e Norman e depois estive quase exclusivamente com o grupo de Yumiko e Magna por 4 episódios assim que eles chegaram. Ficou mais divertido depois dos salvadores só porque eu comecei a trabalhar com quase todos no elenco em algum momento, embora nem todas as cenas foram ao ar. Eu adoraria ter ficado mais tempo e ter D.J. desempenhado um papel na guerra dos sussurradores, mas também estou feliz por ele ter saído de uma forma tão icônica com as estacas.

Você lembra como foi o seu primeiro dia no set? E o seu último? Adoraríamos saber detalhes sobre a recepção do elenco e também sobre sua despedida!

Matt Mangum: Definitivamente me lembro do meu primeiro dia no set. Foi uma filmagem durante a noite, acho que 808, quando os salvadores estavam atacando e destruindo Alexandria. Eu andei na van do acampamento base para o set com Andy que, como ele faz com todos, se apresentou a mim imediatamente e me deu as boas-vindas ao show. Ele estava genuinamente feliz por eu estar lá. Na verdade, eu tinha feito um trabalho de equipe na série nas temporadas 3, 4 e 5 e muito da equipe ainda é a mesma, então foi divertido estar de volta e ver as pessoas, mas finalmente no lado da atuação, que é o que eu queria fazer desde o começo.

A despedida foi difícil. Difícil como deixar qualquer família ou como ator deixar qualquer trabalho que você ama e não tem certeza se o próximo trabalho será tão especial. Foi uma longa noite de despedidas, quero dizer, 10 de nós todos se despediram na mesma noite, então foram muitas emoções. Alguns membros do elenco que não estavam na cena vieram nos ver filmando no celeiro e estar lá para os momentos finais de todos. Foi uma boa noite. Mas… D.J. também estava de volta para 2 cenas de flashback na 10ª temporada, então minha última noite acabou não sendo minha última noite.

Se D.J tivesse sobrevivido por mais tempo na série, com quais personagens você gostaria que ele tivesse interagido? Existe algum ator/atriz específico com quem você gostaria de ter trabalhado em The Walking Dead?

Matt Mangum: Eu teria adorado ver as interações de D.J. e Negan depois dos salvadores. Eu adoraria saber a perspectiva de Negan sobre a integração do D.J. com o grupo. Embora agora saibamos que Negan também faz parte do grupo. Havia algumas histórias dos quadrinhos sobre a Guerra dos Sussurradores nas quais eu queria que D.J. se envolvesse. O que eu realmente queria estava nos quadrinhos quando Dwight joga Lucille para Negan durante a Guerra dos Sussurradores, eu realmente queria ver e fazer parte disso. Eu também teria adorado ver mais do D.J. e da Michonne. Houve mais deles que foi cortado e eu sinto que havia uma confiança e respeito um pelo outro que era mais profundo do que foi mostrado. Voltando à pergunta anterior. Minha última noite de filmagem acabou sendo a recriação da cena da formação dos salvadores, quando vemos Michonne como uma salvadora enquanto ela está alucinando. Aquela noite éramos eu, Danai e Jeffrey filmando e foi bem apropriado para mim que minha última noite foi com aqueles 2. As 2 pessoas com quem provavelmente passei mais tempo durante o meu tempo no programa.

Olhando para o seu tempo na série, qual foi o episódio mais divertido de gravar? E qual o mais desafiador? Por quê?

Matt Mangum: Meu episódio favorito foi 907, quando D.J., Michonne e Siddiq estão levando o novo grupo de Alexandria para Hilltop. Michael Cudlitz dirigiu esse episódio e ele é um diretor incrível. O que era desafiador nesse episódio era aquele clima de verão infame da Geórgia. Estava muito quente, e tivemos um dia de 12 horas de corrida e luta contra uma horda de caminhantes. Foi difícil, mas incrivelmente divertido e recompensador. Quer dizer, eu também pude dirigir uma carroça e montar em um cavalo. Nunca pensei que faria algo assim. Tive que fazer horas de treinamento aprendendo a cavalgar, embora acabamos não vendo D.J. a cavalo, o que me decepcionou.

Falando em apocalipse zumbi… O que Matt Mangum teria em seu kit de sobrevivência? Escolha 5 itens indispensáveis! Você seria mais o tipo que estaria em uma comunidade ou sobrevivente solitário?

Matt Mangum: Oh cara. Bens não perecíveis, como talvez pudim de chocolate, muitas armas, definitivamente um taco de beisebol, uma variedade de facas e armadura completa. Eu provavelmente tentaria ser um lobo solitário, mas não tenho certeza se você poderia sobreviver assim, então eu encontraria um grupo. Talvez em algum lugar no alto das montanhas, cercado de neve.

Agora que foi anunciado que The Walking Dead vai acabar na 11ª temporada, como você gostaria que fosse o final da série? O que você gostaria de ver acontecendo?

Matt Mangum: Eu acho que todos nós queremos ver a mesma coisa que é algum sobrevivente encontrar o Rick. Quero dizer, vamos lá… todos nós queremos isso.

Sabemos que a pandemia adiou muitos projetos. Como a pandemia te afetou? Algum projeto que estava em andamento teve que ser adiado? E como você tem se cuidado?

Matt Mangum: Eu tinha duas coisas encaminhadas, uma foi totalmente cancelada e uma adiada indefinidamente. Não tenho certeza do que vai acontecer, mas é onde estamos. Estamos todos no mesmo barco, meio que perdemos um ano de nossas vidas e tem sido difícil para todos, mas é tudo uma questão de perseverar e passar este ano e, com sorte, virar uma página para 2021. Como todo mundo, tem sido muito tempo em casa, muito tempo com a família e devo dizer que não odeio isso. É um tempo com a família que nunca será duplicado e será lembrado para sempre, embora eu desejasse que a pandemia não acontecesse. Foi bom tentar tirar o melhor proveito disso.

Para encerrar: aqui no Brasil sempre mandamos muito amor a todos que estão envolvidos em The Walking Dead. Os fãs brasileiros são muito apaixonados! Esse carinho chega de alguma maneira até você através de convenções ou redes sociais? Deixe um recado para os fãs do nosso país!

Matt Mangum: Sim, é claro que chega. Eu AMO a interação dos fãs do mundo todo nas redes sociais. Venham me achar, me sigam e me digam de onde vocês são. Eu adoro quando os fãs comentam e falam de onde são, ou comentam com a bandeira de seus países nas minhas postagens, é incrível. Brasil é DEFINITIVAMENTE presente. Fora dos Estados Unidos, eu acho que a presença do Brasil é a maior de todas. Obrigada pelo amor Brasil!

REDES SOCIAIS DO MATT:

– Twitter: @mattmangum2
– Instagram: @mattmangum2
– Facebook: @mattmangum2

AGRADECIMENTOS:

– Entrevista: Rafael Façanha & Dhebora Fonseca
– Tradução: Victoria Rodrigues & Rafaela Mazulquim
– Arte da capa: FORMES

ENTREVISTA ANTERIOR:

THE WALKING DEAD 10 ANOS: Entrevista exclusiva com Teri Wyble (Shepherd)

Publicidade
Comentários

EM ALTA