Siga-nos nas redes sociais

Entrevista

Como The Walking Dead deu vida aos Sussurradores? Greg Nicotero conta tudo sobre os novos vilões!

Publicado há

em

Diretor e mente brilhante por trás dos efeitos especiais de terror, Greg Nicotero contou tudo sobre os vilões mais mortais do drama zumbi até agora – com fotos dos bastidores do que ele descreveu como “assassinos clássicos dos filmes de terror”.

Os moradores da Zona Segura de Alexandria acabaram de encontrar seus inimigos mais mortais até hoje – mas para os fãs dos quadrinhos de Robert Kirkman e Charlie Adlard nos quais o drama da AMC é baseado, essas criaturas têm sido parte de seus pesadelos desde que foram apresentados cinco anos atrás.

Estreando na edição 130 em 2014, os Sussurradores são um grupo de sobreviventes que lutam no apocalipse zumbi se misturando com os mortos. Eles usam pele humana como uma roupa para se disfarçar em meio aos mortos, adotando seus padrões de movimento e comportamento, vendo os mortos como a próxima evolução da vida.

Assim como a adaptação dos quadrinhos da showrunner Angela Kang dos Sussurradores, a história original começa enganando o leitor a achar que os zumbis agora são capazes de falar. (Nos quadrinhos, é uma revelação chocante que leva qualquer sobrevivente a pensar que poderia ter matado zumbis que voltaram à vida.) O engano se torna claro de forma mortal na última página da edição 132, que mostra a infame imagem de Alpha, a rainha dos Sussurradores que é vivida na televisão por Samantha Morton.

É uma imagem que ficou de forma permanente para os fãs de longa data, uma que marcou uma imensurável expectativa para a eventual caracterização dos Sussurradores pelas mãos do produtor executivo e lenda dos efeitos de maquiagem, Greg Nicotero. Em meio às pessoas que esperavam ansiosamente para a equipe de Nicotero enfrentar o desafio de trazer os Sussurradores à vida estava ninguém mais ninguém menos do que o próprio Nicotero, que não somente liderou os esforços na criação dos Sussurradores para a televisão, mas também dirigiu o episódio de estreia no qual eles finalmente assumem os holofotes.

Abaixo, o homem por trás do novo pesadelo de The Walking Dead conversa com o The Hollywood Reporter sobre o que foi preciso para trazer os Sussurradores das páginas para as telas, e como a chegada deles muda o jogo do resto da nona temporada adiante. Além disso, Nicotero compartilhou fotos dos bastidores do processo de criação dos Sussurradores.

THR: Greg, fãs esperaram por um longo tempo, ansiosos para ver como você e sua equipe lidariam com os Sussurradores.

Greg Nicotero: Eu me sinto exatamente da mesma forma! (Risos.) Nós tivemos nossa cota de vilões no show, mas eu lembro de ler os quadrinhos e de ver a primeira imagem da Alpha com a espingarda. Ela tinha essa pele estranha, parcialmente derretida e flácida e olhos humanos. Foi arrepiante. Nós passamos oito anos e meio aprimorando a maquiagem dos zumbis, indo até o limite. A ideia de que agora temos um novo vilão, e que podemos usar o conceito de que eles tiram a pele dos zumbis e as usam, costurando máscaras? Foi realmente emocionante.

Nós usamos os quadrinhos como inspiração, claro, mas conforme estávamos trabalhando nas esculturas e aprimorando a imensa quantidade de decomposição e putrefação que faz parecer com um zumbi, mas também faz parecer que tem alguma coisa um pouco diferente. Foi exatamente a mesma coisa que tive que lidar em filmes como Halloween, A Hora do Pesadelo, O Massacre da Serra Elétrica… quando você tem esses vilões e assassinos sem rosto, muito se resume a quanto dos olhos e da boca nós vemos, quanto de humanidade nós queremos revelar por trás dessa máscara imóvel que não reage enquanto te matam? Que nunca reage enquanto te persegue; tem esse tipo de estranho desejo direcionado, quando você não consegue ler nenhuma emoção por trás. É o clássico assassino de filme de terror.

O que te leva a poder entrar em algumas estruturas clássicas de cena de filmes de terror, também.

Greg Nicotero: Sim. Para a cena de abertura, quando eu juntei tudo, nós usamos a música de “Um Lugar Silencioso” (A Quiet Place). Foi aterrorizante. Eu fiquei animado que o show estava realmente assustador. Com Samantha e os Sussurradores, nós pudemos brincar com essa natureza perturbadora de por que aquele zumbi parou de andar? E então nós temos a sequência com Alden (Callan McAuliffe) e Luke (Dan Fogler) olhando em uma direção e você vê os Sussurradores parados ali. Você não sabe se são zumbis. Se são Sussurradores. E então Alpha entra em cena, o que permite que nós brinquemos com uma emoção completamente nova: um perturbador arrepio com o qual nunca lidamos em The Walking Dead.

Após nove anos, é realmente emocionante nós podermos trazer algo novo que é eletrizante e diferente. Quando Samantha chegou, sua performance foi tão arrepiante. Eu chegava em casa das filmagens e mal podia esperar para que as pessoas vissem o que estávamos fazendo. Nós estávamos falando do show como se fosse a primeira temporada novamente, e nós pudemos adicionar um sentimento completamente novo ao show através da presença da Alpha e de sua compreensão obstinada de como o mundo está diferente agora. Na cabeça dela, para existir no mundo dos mortos, você tem que caminhar em meio a eles. Você tem que ser parte deles. É um aspecto fascinante com o qual temos que trabalhar agora.

Quando você começou a trabalhar nos Sussurradores?

Greg Nicotero: Nós começamos a desenhar a máscara em Abril. Era uma estética muito específica. Nós estávamos fazendo escultura atrás de escultura. Com algumas delas, nós espelhamos os desenhos diretamente dos quadrinhos, onde eles tinham uma aparência um pouco como cera derretida, em relação a como eles estavam tentando fazer a pele parecer flácida. Nós realmente queríamos brincar com diferentes visuais, então alguns deles têm essa aparência, que se você olhar para o formato dos olhos, você os verá um pouco caídos, então estamos criando a ilusão de uma pele flácida, que tem um pouco de peso no canto dos olhos e no formato da boca.

Nós fizemos alguns protótipos. Nós os pintamos, colocamos a costura e aplicamos o cabelo. Os mandei para Atlanta e os apresentei junto com Angela e Scott, onde mostramos a primeira máscara. Nós queríamos ter certeza de que a cor não pareceria a mesma cor da pele do zumbi, porque precisávamos que parecesse um animal diferente. Então escurecemos ao redor dos olhos, que é a parte mais assustadora da máscara: aqueles olhos humanos nas órbitas escuras dos buracos.

Você interpretou zumbis durante o show. Você já habitou a pele de um Sussurrador? Você pode falar um pouco de como isso impacta na performance, em oposição a como é entrar na pele de um zumbi?

Greg Nicotero: É uma boa pergunta, porque quando eles estão andando em meio aos zumbis, eles têm que se mexer como zumbis. Mas em dado momento, quando eles saem do personagem e se tornam mais “humanos”, por assim dizer, quão rapidamente eles devem se mover? Essa era uma das grandes dúvidas que tínhamos também. Se você realmente for pensar sobre, se os Sussurradores estiverem entre os zumbis e começarem a se mexer como humanos, os zumbis os reconheceriam. Tem momentos em que eles se mexem rápido, e outros em que eles se mexem mais lentamente e têm que ficar no personagem, porque senão os zumbis seriam alertados para sua presença. Nós conversamos muito sobre isso.

Pegue por exemplo a cena na ponte (na estreia deste Domingo) onde Daryl (Norman Reedus) encontra Lydia (Cassady McClincy). Ele é muito esperto em como ele percebe quem é humano e quem não é. Quando ele atira a primeira flecha e o zumbi continua andando, ele fica tipo, “Ok, próximo.” Ele não está atirando na cabeça. Ele está tentando criar um tipo de ratoeira. Quando ele atira na perna do Sussurrador e este grita, ele acabou de estragar seu disfarce. Daryl e Michonne se aproveitam do fato de que os zumbis agora estão cientes da presença desse homem para capturar Lydia. É uma sequência muito interessante no que mostra quão inteligentes Michonne e Daryl são para se adaptar a essa recém descoberta ameaça, onde Daryl atira a primeira flecha e os zumbis continuam vindo, e agora ele sabe que tem mais seis para enfrentar. Eu amei isso. Só esse pedaço já é crítico para mostrar que eles estão sendo muito inteligentes ao se adaptar para lutar contra essa nova ameaça.

É uma das diversas formas em como a chegada dos Sussurradores impacta a série. Não somente as apostas da história estão mudando, mas a maneira como você pode organizar as sequências de ação também muda.

Greg Nicotero: Isso é algo sobre o que eu falei com os atores diversas vezes: “Vocês têm que entender que tudo que vocês aprenderam sobre sobrevivência foi jogado pela janela. Pode ter alguém nas árvores com uma besta apontada para você. Eles não usam armas, porque isso atrairia a atenção dos outros zumbis. Mas tem essa nova ameaça lá fora. Você não pode simplesmente andar por aí confiante de que está seguro.” Foi realmente sobre como treinar os atores novamente para entenderem como eles vão perceber essa nova ameaça. No nosso mundo, eles estavam sempre de olhos abertos para encontrar zumbis, e assim que eles os avistavam, eles simplesmente mudavam de direção. Mas agora, essa tática foi por água abaixo. Pode não ser um zumbi. Pode ser uma pessoa. Eles podem estar sendo encurralados por esse novo grupo de pessoas.

O episódio termina com uma versão daquela primeira imagem da Alpha dos quadrinhos que, como você mencionou, foi uma grande inspiração para você. Deve ter parecido uma jornada se aproximando.

Greg Nicotero: Sem dúvidas. Para mim, existem certos painéis de The Walking Dead que foram permanentemente marcados na minha cabeça. Lori sendo morta do lado de fora da prisão, aquela cena dela recebendo o tiro. Quando Carl atira em Shane. Quando Glenn morreu. Todos esses painéis foram icônicos para mim em termos da história dos quadrinhos. O momento em que a Alpha se revela como humana é quando as regras mudam da forma mais dramática possível. Então, eu fiz tudo que pude para me certificar de que a câmera estava baixa, se movendo para ela enquanto ela levantava a espingarda e apontava para a câmera. Eu quis recriar a emoção visceral que eu senti quando vi esse painel nos quadrinhos.

Desde que Samantha começou a trabalhar na série, eu venho falando em como nós temos o melhor vilão até agora. Jeffrey Dean Morgan (Negan) me ligou um dia para falar “Ei, seu filho da mãe, do que você está falando?” (Risos). Eu disse a ele “Você sabe que eu te amo e te acho um ótimo vilão, mas isso é tão diferente.” É diferente! Se nós tivéssemos os mesmos vilões aparecendo toda hora, iria se tornar bobo e redundante. Mas Samantha chegou tão empenhada para o papel e para a performance. Quando ela chega e senta no trailer de maquiagem e nós colocamos a maquiagem ao redor de seus olhos e boca, e colocamos a máscara, e ela está apenas sentada ali, encarando o espelho por um minuto. Nós falávamos sobre o cabelo, sobre sua atitude e como ela atua e está se apresentando. Ela estava toda ali de uma maneira incrível. Seu comando para a personagem realmente torna o show melhor em uma ótima maneira. Esse tipo de coisa é realmente contagiante. Todo mundo vê que tem uma mulher que não estava aqui no show antes, que chegou e está mostrando essa performance maravilhosa, e todos ficam encantados com isso. Realmente permitiu que pulássemos com tudo. Até Andy Lincoln me falou “Ah ótimo. Vocês trazem esse vilão depois que eu saio?”

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.

Publicidade
Comentários

EM ALTA