Siga-nos nas redes sociais

Elenco

Causa da morte dos pais de Alicia Witt, a Paula de The Walking Dead, é revelada

Robert H. Witt e Diane Witt, os pais de Alicia Witt, que interpretou Paula em The Walking Dead, morreram em dezembro de 2021.

Publicado há

 

em

Montagem com Alicia Witt como Paula em The Walking Dead e uma foto pessoal com seus pais.

O caso da morte dos pais de Alicia Witt, atriz que interpretou a personagem Paula na 6ª temporada de The Walking Dead, teve uma conclusão ontem (24/02).

Os pais da atriz foram encontrados mortos dentro de casa em circunstâncias consideradas inicialmente suspeitas em Dezembro do ano passado. De acordo com documentos obtidos pelo jornal “The Telegram and Gazette“, os dois tiveram uma provável arritmia cardíaca, devido ao frio do inverno na cidade de Worcester (Massachusetts).

Na época em que eles morreram, uma vizinha relatou que Robert e Diane raramente eram vistos na parte externa da residência e que o casal teve problemas com o sistema de aquecimento da casa e estavam utilizando aquecedores caseiros temporariamente por conta do tempo frio. Ao jornal local, a mulher disse que eles estavam doentes havia algum tempo.

LEIA TAMBÉM:
Fotos indicam possíveis spoilers do penúltimo episódio de The Walking Dead
Personagem ferida aparece em foto das gravações de The Walking Dead

No dia 25 de janeiro, Alicia divulgou diversas fotos dos pais em seu Instagram pessoal e fez o seguinte desabafo:

“ainda não parece real.

já passou um mês desde que fiquei assustada, não tendo tido notícias deles, e liguei para que eles fossem examinados. à espera, telefone na mão, a rezar fervorosamente para que a próxima chamada fosse deles, zangada por ter envolvido outra pessoa. sabendo que assim que ouvi a voz do detetive na outra linha que eles tinham desaparecido. sabendo que eu nunca mais ouviria as vozes deles. Começando o resto da minha vida a encontrá-los na brisa, numa canção, num sonho.

Estou profundamente grata pela dádiva de ter podido viajar tranquilamente para Worcester no início deste mês para um belo serviço e enterro, para chorar e celebrá-los em total privacidade. Estarei sempre em dívida com a Funerária Mercadente por me esforçar muito para tornar isto possível.

obrigado, também, a todos aqueles que relembraram as memórias sobre os meus pais. eles foram educadores brilhantes, profundamente amáveis, curiosos, intuitivos, sábios, jovens de coração, engraçados – nunca haverá adjetivos suficientes para descrevê-los.

as circunstâncias em torno das passagens repentinas dos meus pais tornaram-se comida para a imprensa, e há alguns equívocos a rolar – compreensivelmente. isto é muito delicado para mim escrever porque estou a querer honrar a privacidade deles, que eles seguraram com tanta força. há uma terrível ironia no fato de que, devido ao esforço que fizeram para proteger a sua privacidade na vida – essa privacidade foi removida na morte. Nunca imaginei que teria que falar sobre isto publicamente – muito menos, em meio a enchentes esmagadoras de luto.

Eu não tinha sido permitida entrar na casa dos meus pais durante mais de uma década; sempre que me oferecia para ter algo reparado para eles, eles recusaram-se a permitir que os trabalhadores entrassem na casa deles. Implorei, chorei, tentei argumentar com eles, tentei convencê-los a deixar-me ajudá-los a mudar-se – mas todas as vezes, eles ficavam furiosos comigo, dizendo-me que não tinha o direito de lhes dizer como viver as suas vidas e que tinham tudo sob controle. não foi por falta de tentativa da minha parte, ou da parte de outras pessoas que os amavam.

Meus pais não estavam sem dinheiro. eram almas ferozmente teimosas, lindamente originais, e com isso, fizeram escolhas – escolhas das quais eu não consegui convencê-los a desistir. Eu ajudei-os, de todas as formas que pude – de todas as maneiras que eles me deixaram.

Luto, por muito que ajudei, com o que mais poderia ter feito – sem pedir ao sistema judicial para assumir o controle de dois adultos muito afiados, muito independentes e muito capazes. eles eram uma força unida, entrelaçada, indivisível, determinada a fazer as coisas à sua maneira. sabendo que eles se tinham um ao outro – lutando com eles da maneira que eu teria que fazer para fazer isto realmente senti que isso os teria destruído.

Eu não fazia ideia que o calor deles tinha apagado. Nunca vou entender como ou porque é que eles fizeram a escolha de não me dizerem isto, de não me deixarem ajudá-los com isto. Meu coração está partido.

e mesmo que eu pudesse ter tido uma bola de cristal e olhado para o futuro – se eu pudesse ter-lhes dito ‘vocês vão partir o meu coração e os corações de todos os que amam vocÊs com um final no pior cenário se não nos deixares ajudar-te’ – e ainda acho que eles teriam feito as mesmas escolhas. eles não estavam dispostos a fazer diferentes.

As nossas últimas palavras uns para os outros foram “eu te amo”. essa parte foi simples; nunca em dúvida. eles me amaram tanto. Eu amava-os tanto.”

Publicidade
Comentários