Siga-nos nas redes sociais

11ª Temporada

Norman Reedus diz que “todo mundo morre” no final de The Walking Dead

Lauren Cohan (Maggie), Josh McDermitt (Eugene), Melissa McBride (Carol) e outros também comentam sobre o episódio final de The Walking Dead.

Publicado há

 

em

Pôster da última parte da 11ª temporada de The Walking Dead com todos os personagens principais.

Resta apenas um episódio de The Walking Dead. Após 11 temporadas, o drama zumbi da AMC está finalmente fechando as portas com o final da série em 20 de novembro. É claro que haverá várias novas portas sendo abertas com uma infinidade de spin-offs do Universo The Walking Dead em 2023, mas a série-mãe está realmente prestes a ser concluída.

Para as pessoas que trabalham em The Walking Dead, houve um turbilhão de emoções em torno das filmagens da parte final. Mas como será o último episódio para os fãs que estão assistindo? Que tipo de emoções o final da série trará? “Acho que haverá uma mistura de nostalgia e esperança”, diz Lauren Ridloff, que interpreta a repórter investigativa/fodona Connie.

A Entertainment Weekly perguntou a vários outros membros importantes do elenco (Norman Reedus, Lauren Cohan, Josh McDermitt, Melissa McBride) e produtores (Greg Nicotero, Angela Kang, Scott M. Gimple) o que podemos esperar ver e o que podemos esperar sentir enquanto assistimos ao último episódio, e eles deixaram muitas pistas ao longo do caminho. Confira abaixo:

Norman Reedus (Daryl Dixon)

“Há certos momentos que são super tristes. E há certos momentos que são como, ‘F— sim, esse é o grupo!’ Haverá pessoas gritando ‘Vamos lá!’ Haverá muito desse tipo de gritaria em frente a televisão. Fomos grandes nos últimos oito episódios, então há muita adrenalina. Há muita emoção. Há muito medo. Há todas as coisas que você gostaria em um final, com certeza. Há muita coisa acontecendo. Alguns dos grupos mostram uma bravura real que você não vê chegando, o que é ótimo. E temos grandes sets – grandes sets de filmes fodões. E então todo mundo morre. NÃO, BRINCANDO!”

LEIA TAMBÉM:
Quando estreia o último episódio de The Walking Dead?

Lauren Cohan (Maggie Rhee)

“Há algumas coisas que acontecem que vão ser muito, muito emocionantes e fazem parte deste mundo, que é a morte e um grande sentimento de perda. Mas, para mim, a experiência de fazer essas partes foi maravilhoso e apenas aumentou a conexão e o vínculo das pessoas sobreviventes. Essa sempre foi a luz eterna na série para mim: Por tudo que você supera juntos, quanto mais isso cimenta seu senso de missão e seu senso de propósito e a força que todos nós precisamos encontrar dentro de nós mesmos que, mesmo que não saibamos o que é, há uma razão para seguir em frente.

“Eu acho que é empolgante porque nos prepara para onde as pessoas restantes estarão e para onde elas irão. Então, eu acho que Angela Kang (showrunner) fez um trabalho muito bom com a realidade de um final de série e como nós experimentamos isso através de coisas que podem acontecer com certos personagens da série, e a linha do horizonte de onde podemos ir daqui com as pessoas que ainda amamos que ainda estão aqui.”

Josh McDermitt (Eugene Porter)

“Acho que as pessoas assistem ao programa por muitas razões diferentes. Todos eles têm seus personagens pelos quais torcem para sobreviver, e têm seus personagens pelos quais torcem para morrer. Já ouvi pessoas na faixa dos 80 anos falarem sobre assistir essa série com seus netos, e isso une as pessoas. Então, para assistir ao final, espero que, seja qual for o motivo pelo qual eles estão assistindo, façamos justiça e os satisfaçamos a ponto de eles saírem e falarem: ‘Estou muito feliz por ter investido 11 temporadas nesta série, e ainda há mais história para contar, e eu gostaria que continuasse.'”

LEIA TAMBÉM:
Quando estreia o último episódio de The Walking Dead?

Melissa McBride (Carol Peletier)

“Oh cara, eu acho que os fãs vão ficar realmente comovidos com esse episódio final. É lindo. Algumas das cenas eu ainda estou vendo na minha cabeça, e elas são realmente lindas com a trilha sonora. Eu sei que vocês vão se emocionar com isso. O melhor é que ainda há esses spin-offs que estão por vir, mas estarei interessada em ver como os fãs vão se sentir, já que este é o final da nossa série principal.”

Greg Nicotero (Diretor do último episódio de The Walking Dead)

“Nós realmente queríamos trazer The Walking Dead de volta para a vibe da 1ª, 2ª e 3ª temporada. Nós realmente queríamos ter certeza de que a ameaça dos zumbis era real, que as apostas eram altas e que eles precisavam fazer o que pudessem para salvar sua comunidade. Há muita emoção, alguns momentos fantásticos, algumas cenas de ação divertidas. E nós até aumentamos o sangue um pouco mais do que costumamos fazer, o que eu sei que muitas pessoas gostam. Então eu acho que parece um episódio de retrocesso porque é propulsivo e sem parar e realmente continua. E então, de repente, você chega a esse momento em que é forçado a sentir algo, e estou muito orgulhoso disso.”

Angela Kang (showrunner)

“No estilo típico de The Walking Dead, haverá lágrimas. Mas eu acho que também, no estilo típico de The Walking Dead, também há calor, se isso faz sentido. Porque eu acho que essa série é muito sobre família e família encontrada. E é com isso que queremos deixar as pessoas.”

Scott M. Gimple (Diretor de conteúdo do Universo TWD)

“Há muito choque nisso. Há muita tensão nisso. Acho que eles podem se sentir zangados por nossos personagens. É um final intenso. Simplesmente vai, vai, vai. Você pode comparar alguns aspectos com, acredito, o segundo episódio da 6ª temporada com os Lobos. Tem uma certa intensidade que vai, vai, vai. E depois há esses momentos de dor, mas há momentos de beleza e reconhecimento da jornada e do amor.”

“A ‘Família The Walking Dead’ é algo que foi dito muitas, muitas vezes e é real. E eu incluo os fãs nisso de todo o coração porque você vai por muito tempo e constantemente se preocupa e se preocupa e fica lado a lado com esses personagens. E é o tipo de série você termina de assistir e quer falar com alguém e quer se conectar com alguém.”

“E com essa série, você sente a família que esses personagens se tornaram um com o outro, o que eu acho que é uma das maiores lições dos quadrinhos de Robert Kirkman e da série é que a pessoa que você cruza na rua pode ser como uma família para você. E especialmente com o que está acontecendo agora, acho que é realmente uma coisa poderosa de se reconhecer.”

“As coisas não estavam tão divididas quando começamos, mas com todas as divisões entre nós, eu realmente acredito que um pequeno apocalipse walker pode realmente fazer as pessoas reconhecerem como, ‘Oh, sim, somos uma família. Não acreditamos nas mesmas coisas. E não agimos da mesma maneira e não temos as mesmas prioridades, mas somos uma família.’ E acho que isso é algo que aparece no final, tanto de maneiras super duras quanto de maneiras super bonitas e emocionantes. E ao conversar com Angela e trabalhar em certos aspectos do final, está lá. E espero que as pessoas curtam.”

Publicidade
Comentários