Siga-nos nas redes sociais

HQ

The Walking Dead Deluxe 3 – Letter Hacks: Respondendo aos fãs

Confira o especial “Letter Hacks” da The Walking Dead Deluxe 3 com respostas de Robert Kirkman e sua equipe sobre questionamentos dos fãs.

Publicado há

 

em

A The Walking Dead Deluxe 3 foi publicada em 18 de Novembro de 2020 nos EUA, dando continuidade às publicações das edições coloridas dos quadrinhos.

Para justificar o nome que referencia a ser uma edição de luxo, os fãs das HQs podem enviar cartas com perguntas à equipe e ao próprio Robert Kirkman no e-mail [email protected]. Essas cartas serão respondidas em uma das seções de conteúdo extra chamada de “Letter Hacks”.

Além da Letter Hacks, um dos outros conteúdos extras e super especiais que tem na The Walking Dead Deluxe é o “Cutting Room Floor“, onde o Kirkman comenta sobre os principais tópicos e o porquê das decisões do roteiro.

Abaixo, está a Letter Hacks de The Walking Dead Deluxe 3 que, finalmente, começa a responder algumas cartas dos fãs.

Letter Hacks – The Walking Dead Deluxe 3

O que The Walking Dead seria sem a Letter Hacks?

Aqui é o Sean, que invocou os fantasmas do passado da Letter Hacks para agradar a vocês todos. Honestamente… não tenho ideia de qual será a reação dos leitores para a primeira edição dessa saga histórica… mas veja isso, a primeira carta recebida foi de um SEAN! É um Catholic Sean (Sean Católico, em tradução livre) totalmente diferente, mas é uma coincidência esquisita. De qualquer forma, conforme avançamos, vamos escolher o melhor dos melhores e, frequentemente, o melhor dos piores, e nos divertir.

Continuem enviando suas cartas, para que nós possamos conversar com leitores atuais. Postamos a cada duas semanas!

– Sean Mackiewicz

Vou começar essa aqui com um esclarecimento da minha carta publicada na edição 1. Naquela carta, eu disse que não considero essa saga como uma história de terror. O que eu quis dizer com isso, é que a saga não tem a intenção de somente assustar os leitores. De forma alguma, eu quis dizer que tinha vergonha do gênero de terror ou que pensava que essa saga era “melhor” do que uma mera ficção de terror. Eu AMO o gênero de terror. Se essa saga te assusta… ÓTIMO… fantástico… Tony vai ficar muito feliz se isso está acontecendo. O que eu estava tentando dizer é que essa é uma saga sobre a vida de um homem… que tem a participação de zumbis. Conforme for passando… com certeza, terá edições que não tem NENHUM zumbi. Espero que isso não faça nenhum de vocês desistirem. Quero dizer… essa edição só teve DOIS zumbis. Vocês nem perceberam, não foi?

Agora… vamos às cartas!

– Robert Kirkman

Carta 1: Enviada por Sean

Querida equipe The Walking Dead,

Primeiro, eu gostaria de dizer que, há pouco tempo, eu peguei as duas primeiras edições de Battle Pope e, como um católico, tenho que dizer que esses são os quadrinhos mais rudes, apelativos, e hilários que eu já tive o prazer de ler! Ver Jesus ser “encostado” por várias mulheres me deixou rolando no chão de rir por dias. E o trabalho gráfico simplesmente aumenta a ação e hilaridade.

Então, em resumo, eu sou um fã. Então, quando eu soube que vocês estavam fazendo quadrinhos baseados inteiramente em zumbis, eu soube que tinha que ler. Na verdade, eu estava esperando algo parecido com Battle Pope, uma HQ de zumbis cheia de piadas pesadas, violência e humor mas, para minha surpresa, eu recebi algo que era inteiramente diferente e, tenho que dizer, estou muito feliz com os resultados da sua primeira edição.

Essa saga traz boas e velhas memórias da saga Noite dos Mortos Vivos de Romero. Onde, ao invés de focar toda a atenção em explodir os “não-mortos” (como eles costumam fazer nas histórias atuais), vocês dois trazem o sentimento de humanidade que se esconde atrás de inúmeros zumbis. Pequenas cenas como quando ele desaba depois de ter pego a bicicleta realmente te fazem entender o quão horrível essa situação seria. Então, só consigo imaginar que representações preocupantes nós vamos ver na próxima edição de The Walking Dead! Continuem com o ótimo trabalho, pessoal.

Robert Kirkman: Como o assunto do e-mail diz: “Do pessoal por trás de Battle Pope e Brit, vem algo COMPLETAMENTE diferente.” Fico feliz que você gostou. De vez em quando… sinto vontade de fazer as coisas com um tom mais sério… dessa vez, eu fiz isso.

Carta 2: Enviada por Patrick Wheeler

Acabei de ler a primeira edição maravilhosa de The Walking Dead e, junto com a linha de trabalho surpreendente de Tony Moore, tenho certeza que vai ser um sucesso. Desde que li sua carta aos leitores no final da edição, fiquei feliz em descobrir que você também tem um respeito saudável pelo gênero.

Eu também cresci com os filmes do Romero e, na verdade, sou uma das poucas pessoas que pôde assistir “Dawn of the Dead” nos cinemas quando foi liberado inicialmente com sua edição limitada. Sendo um adolescente na época (sim, eu entrei escondido), algo surgiu em mim, que se desenvolveu lentamente ao longo dos anos, conforme eu cresci e li mais.

Sou um universitário agora em na Universidade do Estado de Oklahoma, me formando em inglês e escrita e, agora, tenho o temperamento e as habilidades para apreciar o que estava crescendo na base da minha coluna muitos anos atrás. Era um medo do que a humanidade pode se tornar com um problema tão grande. O horror de ver pessoas sucumbindo para seus instintos mais básicos, ou a exaltação de quando as pessoas conseguem superá-los é o que me intrigou.

A reação exaltada de como respondemos é o drama, e não os corpos podres arranhando a porta. O que mais me assustou foi o pensamento de quão rápido a civilização pode colapsar quando infectada de dentro. O comentário social que Romero colocava nos trabalhos dele, e o que estou feliz de ver você e Tony perpetuando, é o que me fez apreciar esse gênero. Então, isso é para vocês, Robert e Tony:

Obrigado por manter a integridade de Noite dos Mortos Vivos intacta, e por não ir pelo caminho barato de nojo e susto desnecessário. O único aspecto dessa primeira edição que me deixou sem palavras foi a ciclista zumbi apodrecendo enquanto o Policial Grimes reage. Profundamente trágico e emocionante ao mesmo tempo, especialmente quando ele volta para acabar com o sofrimento dela. De qualquer forma, essa cena ficou na minha mente e estabeleceu para mim que vocês dois estão criando algo fantasticamente comprometedor. Obrigado pelo seu tempo, e estou, ansiosamente, aguardando o resto da saga.

Robert Kirkman: Fico feliz que as pessoas estão entendendo o que estava acontecendo com a ciclista zumbi. Foi uma cena difícil de fazer com quase nada de diálogo, e acho que Tony fez um ótimo trabalho representando as emoções que eu queria mostrar lá. Estou realmente tentando apresentar isso o mais real possível, e é muito gratificante que as pessoas estão respondendo a isso. Ainda não recebi nenhuma carta do tipo “menos drama, mais comédia… vocês fizeram BATTLE POPE!”, e por isso, eu agradeço.

Carta 3: Enviada por JARULES615

Oi, só queria dizer que eu realmente gostei da HQ de The Walking Dead. Eu tenho algumas perguntas. Quanto tempo levou para vocês desenharem a saga e, sem querer ser rude, quanto vocês lucraram com ela? Continuem com o ótimo trabalho.

Robert Kirkman: Tony e eu trabalhamos um total de onze anos em The Walking Dead e lucramos, até agora, quase 7.8 milhões de dólares. Fico feliz que gostou da saga.

Carta 4: Enviada por Dann Lennard

Olá Robert e Tony,

Eu li a primeira edição de The Walking Dead hoje, e tenho que dizer que parece que vai ser muito boa… mesmo que o gênero de zumbis esteja muito esgotado nesse momento. A escrita do Rob é ótima como sempre (eu já disse que sou um grande fã?) e eu amei a arte do Tony (com um estilo do Erik Larson em algumas partes, o que nunca é uma coisa ruim). Fiquei um pouco decepcionado no começo, pela arte ser em preto e branco, mas pensando bem sobre isso, acho que funciona por explorar o tom sombrio da história. Além disso, vocês podem ser tão nojentos quanto quiserem em preto e branco sem fazerem nenhum leitor vomitar.

Só de curiosidade, a cena de abertura do Rick no hospital me lembrou muito da segunda cena no “A Carta de 28 Dias” do Danny Boyle onde Jim acorda em um hospital deserto em Londres. Vocês viram o filme e isso foi algum tipo de homenagem?

De qualquer forma, a HQ é ótima e estou ansioso para ler a segunda edição.
Abraços.

Robert Kirkman: Deus tinha alguns “e” sobrando no dia que você escreveu isso, não é? Sim… a coisa do preto e branco ajuda com o nojo e diminui a quantidade de cenas gráficas… não tinha pensando nisso. E sim… Danny Boyle vai comer poeira.

Carta 5: Enviada por Paul Nunes

Estou ansioso para sua nova saga. Trabalho de arte e história incríveis. Ótima história para qualquer amante dos filmes do Romero.

Robert Kirkman: Sim, veja… Estou me baseando em Romero… não em Danny Boyle. Quero dizer… tenha respeito pelos clássicos. Se essa saga é alguma coisa… é uma carta de amor a George Romero… para compensar por todas aquelas cartas de xingamentos que eu mandei para ele levantar a bunda do sofá e ir fazer o quarto filme.

Carta 6: Enviada por Rhonda Moore

Robert, meu nome é Rhonda. Eu queria responder seu pedido sobre ideias para The Walking Dead.

Essa história é cheia de ironia. Meu marido e eu estávamos na Comic Book World em Florence, Kentucky. Ele estava procurando algo para ler além da lista dele. Eu vi uma cópia da sua HQ e pensei que seria do tipo dele. Eu apontei, ele olhou e decidiu dar uma chance.

Nós voltamos para casa em Dry Ridge, Kentucky, que é no Grande Condado. Depois que ele leu a edição, ele sugeriu que eu desse uma olhada nela.

Eu fiquei um pouco surpresa quando, na primeira página, você tem o Grande Condado. Eu falei bem alto: “Espere um segundo, de onde é esse cara?”. Meu marido avançou algumas páginas e me mostrou a estação de polícia de Cynthiana. Quando eu vi isso, sabia que você veio daqui perto.

Meu marido foi fazer algumas outras coisas e eu li. Finalmente, cheguei na página que você estava pedindo por ideias e reações sobre a edição. Quando eu olhei o endereço e vi Lexington, Kentucky, eu ri bem alto. Eu mostrei isso para meu marido, e ele perguntou se existe mesmo um hospital Harrison Memorial. Eu disse que provavelmente sim, porque sei que temos um Condado Harrison.

Avisei meu marido que ia escrever para você e compartilhar nossa historinha engraçada. Essa saga foi comprada por pura sorte. E você está escrevendo sobre o nosso cantinho de mundo. Me deixa orgulhosa saber disso.

Sobre a sua história, você acertou em cheio onde queria, baseado nos seus comentários sobre o que você queria conquistar com a saga. Meu marido, meus dois filhos e eu mesma amamos filmes assustadores com vários detalhes. Mas você tocou na única coisa que anima meu marido. As crianças são fáceis de assustar. Eu amo a ideia de pensar o que vem a seguir. Mas Roger sempre foi uma pessoa que gosta de zumbis.

Estamos ansiosos pela próxima edição.
Obrigada pelo seu tempo.

Robert Kirkman: Sim, a ideia de fazer isso se passar no nosso quintal foi algo que pensei que seria engraçado. Claro… eu não chequei para ver se existia uma prisão no Grande Condado. Imaginei que a maioria das pessoas nem iria reparar e, para ser honesto, acho que você e seu marido foram as únicas pessoas a reparar. Como pode ver agora, nós não FICAMOS em Kentucky, mas tenho certeza que voltaremos, eventualmente. Ah, e o Condado Harrison é onde fica Cynthiana e o Harrison Memorial é em Cynthiana. Foi onde eu e o Tony fizemos o ensino médio. Bem que eles podiam fazer uma história sobre nós… não iria ser ruim ter os habitantes locais nos apoiando.

Carta 7: Enviada por George

Acabei de ler sua primeira edição, e é tudo que eu esperava que seria. Quando eu ouvi falar disso, eu mal podia esperar pelo lançamento. As ilustrações são muito fortes, e seguem a ideia de zumbis. Também, eu sinto que a história e o roteiro farão uma saga interessante. É bom que o personagem está se mudando para diferentes lugares, ao invés de só ficar com aquele cara Morgan Jones naquela casa. Isso, com certeza, tiraria a graça da história.

Também, com aquela carta no final, eu concordo totalmente com você. Não existem filmes de zumbi melhores do que os do Romero. Para mim, o meu favorito é “Day of The Dead”. Parece ter um visual melhor nele e, se ele tivesse conseguido fazer o roteiro original, acho que todo mundo classificaria como o melhor filme de zumbis de todos os tempos. Te desejo sorte, e acho que você está fazendo justiça ao gênero de zumbis com esses quadrinhos.

Robert Kirkman: Na verdade, eu acho que a versão liberada desse filme é melhor do que o roteiro original. Acho que o original era um pouco exagerado. Era legal, e seria ÓTIMO se tivesse sido liberada… mas realmente gosto do jeito que está. Não acho que perdemos nada pelo fato de que Romero teve que cortar algumas coisas por motivos de orçamento.

Carta 8: Enviada por Jeremy C. Flowers

Não mude nada. Quando mais eu leio a primeira edição de The Walking Dead, mais eu penso que é uma das melhores HQs que a Image já publicou até hoje e, pode ser até uma das melhores sagas de todos os tempos.

Continue falando sobre sobrevivência e mudanças, que é sobre o que todas as histórias de zumbis deveriam falar. Continue falando sobre Rick. Continue fazendo em preto e branco. Mantenha continuidade à todo custo.

E, POR FAVOR, mantenha Tony Moore por, pelo menos, 12 edições, se não puder manter ele indefinidamente.

Uma pergunta: Será liberado uma vez por mês ou duas vezes por mês? Obrigado por fazer e publicar essa saga. Mal posso esperar pela segunda edição.

Robert Kirkman: Planejamos nos manter no seu conselho. Até onde sei, Tony está dentro por bastante tempo. Não consigo imaginar fazer isso sem ele. Espero que saiba já que será liberado mensalmente.

Carta 9: Enviada por Craig Wood

Olá,

Só uma carta rápida para dizer parabéns por uma primeira edição surpreendente que superou minhas expectativas…. e superou MUITO. Você conseguiu fazer uma introdução decente para o que parece que vai ser uma história promissora, e um personagem que eu espero ansiosamente para saber mais sobre como irá sair desse mundo em que ele se encontra.

Também, mesmo que eu tenha reclamado sobre a falta de cores, acho que foi uma escolha muito inteligente. Cores teriam tirado a atenção do efeito principal, e os clássicos do Romero eram em preto e branco e foram muito melhores do que os remakes atuais. Então, seja isso uma decisão consciente ou financeira, mantenha desse jeito por mais tempo possível.

Então, é isso. Fui breve e direto ao ponto. Ansioso pela próxima edição que não pode chegar rápido o suficiente.

Robert Kirkman: Não posso dizer que a parte financeira de fazer livros em preto e branco não foi citada, mas eu juro que não foi um fator decisivo. Essa saga será SEMPRE em preto e branco.

Publicidade
Comentários