Siga-nos nas redes sociais

Destaque

THE WALKING DEAD 10 ANOS: Entrevista exclusiva com Emma Bell (Amy)

The Walking Dead completa 10 anos em outubro e, para comemorar, entrevistamos alguns atores da série. Confira nosso papo com Emma Bell.

Rafael Façanha

Publicado há

em

arte com Emma Bell e Amy para comemorar os 10 anos de The Walking Dead

To access the interview with Emma Bell in english, click here.

The Walking Dead completa 10 anos de história na TV no dia 31 de outubro de 2020. Em comemoração a essa marca histórica, entrevistamos vários atores que participaram da série ao longo dos anos. Essas entrevistas, que começaram a ser divulgadas no início de setembro e vão até o final de outubro, estão sendo lançadas diariamente. Elas se encerrarão com uma grande surpresa preparada exclusivamente para os fãs, com grande carinho.

Nossa convidada de hoje é Emma Bell, que interpretou Amy durante a 1ª temporada. A atriz nos contou sobre sua gravidez, sobre os momentos felizes que teve durante sua participação em The Walking Dead, sobre o trabalho com Laurie Holden (Andrea), sobre a gravação da morte de Amy, sobre representatividade em filmes e séries, sobre seu trabalho como diretora e muito mais!

Sem mais delongas, confira nossa entrevista exclusiva com Emma Bell:

Primeiramente, parabéns pela sua gravidez! Você está incrivelmente linda e radiante, tenho certeza que será uma mamãe incrível. É seu primeiro filho, certo? Como você tem se sentido e quão animada você está para essa nova fase da sua vida?

Emma Bell: Este é nosso primeiro filho! Estamos na lua. Sempre quis ser mãe, então engravidar foi um acontecimento muito bem-vindo para mim, mas depois que você vive o processo de gravidez, percebe que é uma transformação incrivelmente maravilhosa e aterrorizante em sua vida. A ideia de ser ‘mãe’ e o que isso significa para o resto dos meus dias é surpreendente. É uma parte da minha vida na qual tenho tanto orgulho de entrar, mas também, francamente, estou sofrendo por ter deixado para trás minha vida anterior.

É uma honra conversar com você em um momento tão importante para The Walking Dead. Não é qualquer série que consegue chegar à marca de 10 anos, e você estava lá no começo de tudo. Comece contando para nós como foi fazer parte deste projeto. Como ele surgiu e como foi seu processo de audição?

Emma Bell: O teste foi como qualquer outro, exceto o nome do personagem foi mantido em sigilo. Tenho que admitir que nunca tinha lido os quadrinhos antes da audição, então não tinha a menor ideia do que era ‘The Walking Dead’ ou quão importante era para as pessoas. Lembro-me de dizer a uma amiga que tinha feito o teste durante o almoço e ela cuspiu a comida porque era uma grande fã dos quadrinhos!

Além de The Walking Dead, nosso site também completa 10 anos de existência esse ano. Nós começamos juntamente com a série, em 2010. Você imaginava que a série fosse fazer tanto sucesso? Ter participado dela, mesmo que no começo, te abriu novas portas? Como você analisa o impacto de The Walking Dead na sua vida, tanto pessoal como profissional?

Emma Bell: Uau! Parabéns! Isso é fantástico. Nenhum de nós poderia realmente prever o quão massivo o programa se tornaria durante a primeira temporada. Foi um programa muito pequeno quando o filmamos, o que foi ótimo porque tínhamos que estar lá, fazer nossas coisas sem muita pressão. Eu tinha um pressentimento que poderia ser grande, mas principalmente porque eu era uma grande fã de LOST e aquela série havia acabado. Eu sabia que o público precisava preencher esse vazio, além disso, TWD pegaria a comunidade do terror. Eu acho que estava certa!

TWD tem sido uma parte incrivelmente importante da minha carreira e vida. Ainda recebo cartas de fãs ávidos da série e tenho a chance de ir a convenções em todo o mundo graças ao programa. É uma das minhas experiências de carreira mais queridas.

Amy teve o mesmo destino de sua contraparte nos quadrinhos de The Walking Dead, sendo mordida pelo walker inclusive no mesmo local. Você chegou a ler os quadrinhos para saber mais sobre a personagem ou preferiu seguir apenas os roteiros? E você, como fã, prefere que as adaptações sejam mais fieis aos materiais fonte ou com histórias diferentes?

Emma Bell: O programa nos enviou os quadrinhos, felizmente, então eu vi que ela morreu na primeira temporada. Na época, Frank Darabont era nosso líder destemido e ele realmente queria se manter fiel ao enredo original. Como fã de livros, sou mais puro quando os vejo interpretados em filme. Então, principalmente, prefiro que as coisas sejam contadas o mais fielmente possível ao conteúdo original. É claro que com dez temporadas pela frente, imagino que você tenha que ser criativo!

Falando um pouco mais sobre a morte da sua personagem. Que lembranças você tem das gravações tanto da cena da mordida/morte como do retorno de Amy como zumbi? Como você se preparou para esse momento?

Emma Bell: Oh cara, eu me lembro de quase toda a experiência minuto a minuto. Foi tão surreal. Eu realmente não queria deixar aquele programa, então foi muito emocionante para mim. A sequência da morte foi realmente dividida em duas partes – começar um pouco e depois voltar como um zumbi e ser baleada. Para a sequência da mordida, ela acompanhou essa cena realmente linda e pacífica ao redor do fogo. Tínhamos quase todos os personagens lá e foi um daqueles raros momentos de Walking Dead de paz e unidade. Filmar aquela cena foi uma delícia e eu sabia que era uma das minhas últimas vezes em torno desse grupo extraordinário de pessoas. Quando passamos para a parte da sequência do ataque zumbi, foi chocante. Eles haviam montado todo o acampamento para estar em caos. Estar nele foi incrível porque foi uma das maiores cenas da qual eu participei, completa com 10 ou mais zumbis atacando pessoas, disparos de fogo, tiros e, claro, eu mesma sendo atacada.

Greg Nicotero foi o zumbi que me mordeu! Decidimos isso porque ele era como uma figura paterna para mim e não queria arriscar que alguém mordesse minha prótese de pescoço incorretamente. Foi um gesto muito doce, apesar do fato de que ele era meu ‘assassino’ ha ha. Greg e eu também conversamos longamente sobre voltar como um zumbi e como queríamos retratar isso. Sabíamos que a morte de Amy precisava ter um impacto emocional, então decidimos vê-la mudar lentamente, quase como um bebê, de Amy para zumbi. Acho que é uma cena linda e ainda me faz chorar.

Nós temos um carinho muito especial pela Laurie Holden e já conversamos com ela algumas vezes ao longo dos últimos anos. Como foi para você trabalhar com ela? Vocês ainda mantém algum tipo de contato depois de tanto tempo?

Emma Bell: Laurie é uma mulher especial, não é? Ficamos muito próximas nas filmagens porque era muito importante para nós duas que o vínculo de irmã fosse sentido. Na verdade, temos o mesmo dia de aniversário! Trabalhar com ela foi um prazer, ela me ensinou muito sobre o ofício e como estar no set. Não somos tão próximas hoje em dia, mas mantemos contato e enviamos votos de aniversário uma a outra todos os anos!

Olhando para o seu tempo na série, qual foi o episódio mais divertido de gravar? E qual o mais desafiador? Por quê?

Emma Bell: Foram tantas cenas divertidas! Fora da grande cena da morte, eu diria que a cena da pesca foi minha favorita para filmar. Laurie e eu trabalhamos muito juntas para criar essa conexão especial.

Também era lindo estar por dentro. Nós filmamos em uma pedreira e lembro que a água era azul água. Porque estávamos tão longe da equipe e do set, foi realmente pacífico e parecia que Laurie e eu éramos realmente irmãs tendo uma conversa reveladora.

Você lembra como foi o seu primeiro dia no set? E o seu último? Adoraríamos saber detalhes sobre a recepção do elenco e também sobre sua despedida!

Emma Bell: Não sei se foi meu primeiro dia real no set, mas lembro-me da primeira vez que havia um grande grupo de zumbis no set. Na barraca do almoço daquele dia as mesas estavam muito divididas: atores e equipe de um lado da série e zumbis do outro. Lembro que naquele dia comeram frango assado no almoço e, enquanto eu caminhava pelas mesas com os zumbis, me virei para eles e disse ‘alô’. Sem perder o ritmo, eles se viraram para mim lentamente, largaram os ossos de frango e começaram a se levantar como se fossem me comer. Na verdade, foi muito assustador! Para seu crédito, esses atores zumbis NUNCA quebraram o personagem. Foi realmente impressionante!

Meu último dia foi o dia em que Laurie atirou na cabeça da minha personagem depois de acordar como um zumbi. Eu só me lembro das lágrimas escorrendo pelo meu rosto enquanto eu olhava para todos através de lente de contatos de zumbi e ouvia o primeiro assistente de direção dizendo que era o fim da série para minha personagem. Todo o grupo me abraçou. Foi realmente comovente e triste ao mesmo tempo.

Se Amy tivesse sobrevivido por mais tempo na série, com quais personagens você gostaria que ela tivesse interagido? Existe algum ator/atriz específico com quem você gostaria de ter trabalhado mais durante seu período em The Walking Dead?

Emma Bell: Eu acho que ela teria se juntado à dupla Daryl e Carol. Carol teria se tornado uma segunda figura materna para Amy e eu acho que Amy aprenderia rapidamente que teria que endurecer para sobreviver. Eu teria adorado ver Daryl ensinando a ela suas maneiras naturalistas.

The Walking Dead sempre apresentou personagens femininas fortes e decididas, e Amy foi uma das tais. Como foi pra você compor e atuar em uma personagem tão dona de si? O quão importante você acha que é essa representação para outras mulheres?

Emma Bell: Obrigado! Concordo! O que eu amava em Amy era que ela era uma eterna otimista e manteve seu amor interior pela humanidade, apesar de tudo que estava acontecendo ao seu redor. Para mim, isso é um poder.

TWD sempre representou as mulheres como as pessoas dinâmicas que somos, porque as mulheres não são exatamente iguais aos homens. Eu amo que esta série revelou mulheres imperfeitas e mulheres poderosas, tanto quanto outros programas retratam mulheres ‘perfeitas’. Eu acho que isso é extremamente importante não apenas para as mulheres verem na tela, mas também para os homens! A necessidade de uma gama mais ampla de representação em nossa cultura é finalmente uma mensagem muito alta e Hollywood é a plataforma para criar os mitos. Portanto, é imperativo que as mulheres, as minorias, a comunidade LGBTQ e qualquer outro grupo que não seja tradicionalmente representado em nossa cultura dominante sejam personagens completos como nós somos na vida!

Mesmo depois de morta, Amy voltou para assombrar Rick em uma participação especial na 3ª temporada de The Walking Dead, e nós ficamos muito felizes em ter você novamente – mesmo que apenas em voz. Como foi esse seu retorno? Você precisou ir ao set ou gravou remotamente e como surgiu o convite?

Emma Bell: Ai cara, quando recebi o email pulei de alegria! Eu estava esperando que pudesse ser uma coisa recorrente e imediatamente pensei que estaria voando para Atlanta para ver todos. Claro que eles só precisavam da minha voz, então foi gravado aqui em LA, e eu descobri que era apenas um episódio. No entanto, qualquer chance de fazer parte da série é um presente, eu me considero muito sortuda.

Além de atriz, você também tem se dedicado muito nos papeis de roteirista e diretora em alguns curtas nos últimos anos, certo? Você pode falar um pouco sobre como/onde surgiu essa paixão? E como tem sido essa aventura pra você?

Emma Bell: Obrigado por perguntar! Sim, acrescentei essas coisas à minha carreira principalmente porque, quando cheguei aos 30 anos, os tipos de papéis que eu desempenhei se tornaram muito decepcionantes. Muitos papéis femininos clichês secundários e a quantidade de audições também diminuíram. Percebi que simplesmente não há muita representação para mulheres na casa dos trinta e certamente não há muitos papéis interessantes. Eu queria mudar isso, então comecei a escrever e dirigir histórias que gostaria de ver como mulher. Tem sido incrivelmente gratificante, mas também abri uma maneira totalmente nova de ser rejeitada! Ha ha.

Nos últimos anos, alguns atores do Universo The Walking Dead começaram a sentar na cadeira de diretor tanto da série principal como dos spin-offs, e isso é maravilhoso. Alguma chance de vermos seu retorno à TWDFamily dirigindo algum episódio? A AMC precisa fazer isso acontecer!

Emma Bell: Eu AMARIA isso! Diga ao AMC para ligar para o meu pessoal!

Sabemos que a pandemia adiou muitos projetos, e nós, fãs de The Walking Dead, estamos sofrendo porque a season finale da série foi afetada. Como a pandemia te afetou? Algum projeto que estava em andamento teve que ser adiado? E como você tem se cuidado?

Emma Bell: Sim, bem, na verdade estou desenvolvendo meu primeiro longa-metragem como diretora e roteirista e, antes mesmo de me preocupar, estávamos avançando a todo vapor para encontrar financiamento, etc. É claro que quando a pandemia atingiu, tudo foi interrompido temporariamente. Estamos de volta, mas o futuro do cinema independente está muito no ar por causa dos novos custos associados a manter um set protegido de infecções. Faremos isso acontecer, obviamente, mas há mais alguns obstáculos a serem superados agora. Meu site de direção, se algum dos meus fãs quiser conferir, é www.emmabellfilm.com

Pessoalmente, tem sido um ótimo ano para estar grávida e sem poder trabalhar! Existem alguns aspectos muito isoladores em ficar tão trancada durante a gravidez, mas na medida em que não estar disponível para empregos, é o ano perfeito, já que não há muitas coisas novas surgindo.

Para encerrar: aqui no Brasil sempre mandamos muito amor a todos que estão envolvidos em The Walking Dead. Os fãs brasileiros são muito apaixonados! Esse carinho chega de alguma maneira até você através de convenções ou redes sociais? Deixe um recado para os fãs do nosso país!

Emma Bell: Certamente que sim!! Recebo muito amor dos meus fãs brasileiros nas redes sociais e através do correio dos fãs. Isso sempre aquece meu coração! Minha mensagem é apenas – OBRIGADA por sempre serem tão solidários e eu amo vocês! Espero um dia poder ir ao Brasil e encontrar vocês cara a cara!

REDES SOCIAIS DA EMMA:

– Twitter: @EmmaBell17
– Instagram: @EmmaBell
– Facebook: @emmabellofficial
– Site Oficial: www.emmabell.net

AGRADECIMENTOS:

– Entrevista: Rafael Façanha & Bruno Favarini
– Tradução: Victoria Rodrigues & Ávila Souza
– Arte da capa: FORMES

ENTREVISTA ANTERIOR:

THE WALKING DEAD 10 ANOS: Entrevista exclusiva com Jeff Kober (Joe)

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA