Siga-nos nas redes sociais

Destaque

THE WALKING DEAD 10 ANOS: Entrevista exclusiva com Denise Crosby (Mary)

The Walking Dead completa 10 anos em outubro e, para comemorar, entrevistamos alguns atores da série. Confira nosso papo com Denise Crosby.

Publicado há

em

arte com Denise Crosby e Mary para comemorar os 10 anos de The Walking Dead

To access the interview with Denise Crosby in english, click here.

The Walking Dead completa 10 anos de história na TV no dia 31 de outubro de 2020. Em comemoração a essa marca histórica, entrevistamos vários atores que participaram da série ao longo dos anos. Essas entrevistas, que começaram a ser divulgadas no início de setembro e vão até o final de outubro, estão sendo lançadas diariamente. Elas se encerrarão com uma grande surpresa preparada exclusivamente para os fãs, com grande carinho.

Nossa convidada de hoje é Denise Crosby, que interpretou Mary durante as temporadas 4 e 5. A atriz nos contou sobre como foi trabalhar com Melissa McBride na cena de luta entre Carol e Mary, sobre o delicioso churrasco que sua personagem preparava, sobre ter trabalhado em Cemitério Maldito e muito mais!

Sem mais delongas, confira nossa entrevista exclusiva com Denise Crosby:

É uma honra conversar com você em um momento tão importante para The Walking Dead. Não é qualquer série que consegue chegar à marca de 10 anos. Comece contando para nós como foi fazer parte deste projeto. Como ele surgiu e como foi seu processo de audição? Você conhecia a série antes de conseguir o papel?

Denise Crosby: O prazer é meu. Quando fiz o teste para o programa eu nunca tinha assistido. Eu sabia o quão popular era. Minha audição consistiu em uma cena que foi escrita especialmente para o propósito de uma audição. Não teve absolutamente nada a ver com The Walking Dead. Mais tarde perguntei ao produtor, Scott Gimple, do que se tratava e ele disse que estava procurando uma certa qualidade.

Não sabemos nada sobre o passado de Mary antes do apocalipse. Quando você a interpretou, criou alguma estória sobre o que já havia acontecido com ela ou isso não a afetava na hora de atuar? Os roteiristas te contaram algo sobre ela para ajudar de alguma maneira?

Denise Crosby: Assim que cheguei ao local e ao set, Scott me contou sobre a ideia de Terminus e as pessoas que moravam lá. Assim que entendi isso, comecei a moldar Mary.

O grupo do Terminus era uma comunidade pacifica antes da chegada dos bandidos/invasão da comunidade. Você acha que é justificável a maneira que Mary e seus filhos adotaram após os traumas sofridos no Terminus? Vale realmente tudo para a sobrevivência? Como você analisa as decisões deles?

Denise Crosby: Acho que o fato de o povo do Terminus ter sido vitimado de forma tão brutal que, para sobreviver, adotou uma filosofia bastante radical. O programa para mim sempre levantou a pergunta: “Até onde você irá para sobreviver?”

Sua personagem foi morta, mesmo que indiretamente, por Carol. E antes disso as duas tiveram que lutar uma contra a outra. Como foi trabalhar com Melissa McBride nessa cena? E Mary foi devorada pelos zumbis! Por favor, nos conte quão divertido – apesar de triste – foi gravar isso?

Denise Crosby: Foi uma alegria trabalhar com Melissa. Trabalhamos para confiar uma na outra completamente e sabíamos que precisávamos disso para fazer a luta parecer tão real. Eu não conseguia parar de rir quando os zumbis entraram e começaram a me morder. Acho que deve ter sido um mecanismo de defesa. Eu tive que fazer algumas tomadas para parar de rir!

Pergunta importante: Quão delicioso era o churrasco que a Mary preparava? (risos)

Denise Crosby: O churrasco de Mary foi de primeira classe, sem dúvida. Ela poderia ter seu próprio estabelecimento em Kansas City se as coisas tivessem sido diferentes! É tudo sobre o molho!

Mary não era chamada de mãe pelos seus filhos, apenas pelo nome. Você acha que isso era usado para evitar que os recém-chegados soubessem do relacionamento deles, para não usarem contra eles? Ou eles simplesmente já tinham perdido a humanidade o suficiente a ponto de esquecerem esses laços?

Denise Crosby: Novamente, acho que eles estão navegando em um novo território e em uma nova ordem social juntos. Isso dá às pessoas uma forma de dignidade em suas mentes.

Você lembra como foi o seu primeiro dia no set? E o seu último? Adoraríamos saber detalhes sobre a recepção do elenco e também sobre sua despedida!

Denise Crosby: Minha primeira vez no set foi indo para o trailer de maquiagem no acampamento base. Andrew Lincoln estava sentado na cadeira de maquiagem e quando me viu deu um pulo, se apresentou e me deu o abraço mais caloroso. Ele foi bastante gentil e acolhedor. Meu último dia foi a cena de luta com Carol, então foi um dia muito desgastante fisicamente! Melissa e eu almoçamos juntas e conversamos, e então continuamos a bater forte uma na outra! Tudo em um dia de trabalho!

Se Mary tivesse sobrevivido por mais tempo na série, com quais personagens você gostaria que ela tivesse interagido? Existe algum ator/atriz específico com quem você gostaria de ter trabalhado mais durante seu período em The Walking Dead?

Denise Crosby: Teria sido interessante passar uma temporada no Terminus para interagir com o elenco e também com meus filhos. Eu gostaria de explorar a dinâmica mãe / filho.

Como foi que você escolheu a profissão de atriz, ou essa profissão lhe escolheu? Quais dicas você pode dar para quem sonha em seguir essa carreira?

Denise Crosby: É engraçado, parece que a carreira escolhe você. Eu acredito que você deve a si mesmo perseguir seus sonhos, arriscar, falhar, falhar de novo, falhar melhor. Uma vida de “eu deveria ter”… ou “e se eu tivesse”… não é feliz.

Quando você estava na série, teve oportunidade de ver outros setores do Universo The Walking Dead? Como funciona a direção, efeitos especiais, etc. Se você pudesse, gostaria de dirigir algum episódio futuramente? Ou sentar na cadeira de diretor é algo que nunca esteve e nunca estará em sua mente fazer?

Denise Crosby: Tenho um grande respeito pelos diretores. Eles trabalham muito para trazer esse programa para a tela. É uma máquina muito bem oleada, com todos fazendo sua parte. Estou sempre observando como os diretores trabalham, mas dessa vez fiquei feliz em estar na frente das câmeras.

Falando em apocalipse zumbi… O que Denise Crosby teria em seu kit de sobrevivência? Escolha 5 itens indispensáveis! Você seria mais o tipo que estaria em uma comunidade ou sobrevivente solitária?

Denise Crosby: Eu sou mais uma jogadora de equipe, então talvez eu queira um guerreiro Ninja comigo, um purificador de água, um guia de campo para plantas comestíveis, bons tênis de corrida e uma mochila que se torna uma cabana inflável para dormir!

Eu não poderia deixar de falar com você sobre Cemitério Maldito, um dos meus filmes de terror favoritos. Um clássico! Conte para nós que recordações você tem desse projeto. Como for dar vida à Rachel Creed?

Denise Crosby: Interpretar Rachel Creed foi tão especial e continua sendo até hoje! O fato de eu fazer parte do incrível arquivo de Stephen King é realmente uma honra, e ter feito o filme com meu bom amigo, o diretor Mar Lambert, é um presente.

Você esteve em várias outras séries e filmes, interpretando muitos tipos de personagens. Se você pudesse escolher um deles para ser uma sobrevivente – vilão ou mocinho – em The Walking Dead, qual seria e por quê?

Denise Crosby: Acho que Tasha Yar de Star Trek: The Next Generation seria uma ótima adição. Ela definitivamente poderia matar alguns daqueles zumbis!

Sabemos que a pandemia adiou muitos projetos, e nós, fãs de The Walking Dead, estamos sofrendo porque a season finale da série foi afetada. Como a pandemia te afetou? Algum projeto que estava em andamento teve que ser adiado? E como você tem se cuidado?

Denise Crosby: Acho que agora o mais importante é nossa saúde e bem-estar. Tenho sorte de ter minha família por perto e estou usando o tempo para cuidar de alguns projetos que pretendo realizar. Superaremos isso e esperamos ter um sentimento mais profundo de gratidão.

REDES SOCIAIS DA DENISE:

– Twitter: @TheDeniseCrosby

AGRADECIMENTOS:

– Entrevista: Rafael Façanha & Bruno Favarini
– Tradução: Victoria Rodrigues & Ávila Souza
– Arte da capa: FORMES

ENTREVISTA ANTERIOR:

THE WALKING DEAD 10 ANOS: Entrevista exclusiva com Emily Kinney (Beth)

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA