Siga-nos nas redes sociais

Destaque

CRÍTICA | The Walking Dead S10E16 – “A Certain Doom”: Perdão e acolhimento

A Certain Doom foi o décimo sexto episódio da décima temporada de The Walking Dead. Veja a nossa crítica ao episódio e discuta conosco.

Publicado há

em

Carol e Lydia juntas no chão se protegendo da horda de zumbis no 16º episódio da 10ª temporada de The Walking Dead

Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do décimo sexto episódio, S10E16 – “A Certain Doom”, da décima temporada de The Walking Dead. Caso ainda não tenha assistido, não continue. Você foi avisado!

Emocional e fisicamente intenso, o episódio 16 da décima temporada de The Walking Dead, intitulado “A Certain Doom” (“Um Destino Certo”, em português), desenvolveu relações importantes, introduziu elementos e personagens novos na história e, de quebra, uma boa dose de tensão. Apesar de ter sido lançado com seis meses de atraso, a espera valeu a pena!

“A Certain Doom” acompanha o final do arco da Guerra dos Sussurradores, apresentado e durante as temporadas 9 e 10, e o roteiro do episódio circunda as trajetórias do grupo comandado por Gabriel (Seth Gilliam) e composto por membros de Alexandria, Hilltop, O Reino e Oceanside, alocado em um hospital abandonado próximo às comunidades, que se prepara para a enfrentar a horda de zumbis liderada por Beta (Ryan Hust).

O roteiro do episódio propõe uma atmosfera de guerra mais silenciosa – e bastante mórbida – do que as anteriores quando coloca o grupo de Daryl (Norman Reedus) em um campo de batalha inundado de zumbis, mesclando o artifício das roupas sujas com entranhas de zumbis para camuflagem com as máscaras dos Sussurradores. Também cria, dessa forma, um cenário de oportunidades de interação emocionantes entre personagens já muito amados pelos fãs e outros que não foram tão explorados.

Devido destaque deve ser dado à fotografia e trilha sonora, que trazem um ar de terror clássico ao episódio. Definitivamente, a caminhada dos zumbis ao som da música “Someday We’ll All Be Free” (“Algum Dia Todos Seremos Livres”) casa muito bem com a narrativa de Beta e dos Sussurradores no geral. Mesmo tendo sido icônica, a cena da morte de Beta deixou um pouco a desejar por ter sido rápida e silenciosa demais, quase sem nenhuma interação com outros personagens, mas a cena em que ele se entrega para os zumbis dá um bom toque final para a história do último membro dos Sussurradores.

Conforme prometido, temos a volta triunfante de Maggie, interpretada por Lauren Cohan. A atriz deixou a série em 2019, durante a nona temporada, para ingressar em outro projeto. No entanto, como a série está em vias de ser finalizada, Cohan parece ter cedido a entregar uma jornada final digna à sua personagem tão importante para a história de The Walking Dead e querida pelos fãs.

Embora tenha aparecido em poucas e curtas cenas em “A Certain Doom” – o que foi decepcionante, considerando tamanha expectativa que foi gerada pelos produtores e roteiristas da série –, Maggie atua momentos emocionantes de reencontro e parceria com seus amigos de longuíssima data, e demonstra um amadurecimento no olhar e uma postura firme e equilibrada, condizentes com sua provável jornada de evolução emocional durante os sete anos que sucederam o fim de um ciclo de muitas perda e sofrimento.

Apesar de o homem mascarado que a acompanha não ter tido seu rosto revelado, o fato de tanto ele quanto Maggie usarem armas brancas em combate, como facões e arcos, talvez seja uma dica dos roteiristas sobre a comunidade de Georgie, onde Maggie atualmente vive.

A série dá um grande passo em busca de novas alianças entre comunidades ao apresentar Commonwealth ao público. Nos quadrinhos de The Walking Dead, a comunidade classista conta com 50 mil sobreviventes e é liderada por Pamela Milton, Governadora do local. Tudo indica que os soldados de armadura branca que Eugene (Josh McDermitt), Yumiko (Eleanor Matsuura), Princesa (Paola Lázaro), e Ezekiel (Kary Payton) encontram ao finalmente chegar na comunidade de Stephanie – uma desconhecida que Eugene conheceu via rádio – sejam a nossa primeira impressão de Commonwealth.

O ápice emocional do episódio foi, sem dúvida nenhuma, o desenvolvimento intenso e profundo, da relação entre Carol e Lydia, e de suas jornadas individuais. De um lado, temos o estado psicológico de Carol dilacerado diante da necessidade de matar pessoas outra vez – um dos maiores dilemas da personagem até hoje – e de tantas perdas causadas pelos Sussurradores. Do outro, temos Lydia lutando para fazer parte do grupo que a acolheu e buscando superar seus traumas e encontrar seu caminho no mundo.

LEIA TAMBÉM:
The Walking Dead S10E16: Quem são os soldados que aparecem no final do episódio?

Ambas vítimas de incontáveis abusos e perdas, a conexão entre Carol e Lydia, neste momento da história, gira em torno de uma narrativa tocante sobre salvamento, com uma dinâmica de acolhimento e perdão. Essa intenção fica bastante explicita nos diálogos – que seguem a mesma linha de complexidade subjetiva pela qual o roteiro da série já é conhecido – e, principalmente, na cena da tentativa de suicídio de Carol, que mostra a personagem prestes a se jogar de um abismo quando é salva por Lydia.

Repleto de elementos emocionais bem implementados, “A Certain Doom” entrega muita emoção e tensão, desenvolve novas relações entre os personagens e cria novas dinâmicas de resolução de conflitos, sem se esquecer de seu passado e fazendo referência a ele. E com a introdução de novas sociedades e a Guerra ganha, existe um ar de conquista em The Walking Dead que parece estar levando a história a algo diferente de tudo o que já vimos na série.

O que você achou do episódio? Deixe sua opinião nos comentários e vote em nossa enquete!

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA