Siga-nos nas redes sociais

3ª Temporada

Norman Reedus abre o jogo sobre a triste última cena entre Merle e Daryl

Publicado há

em

O episódio mais recente de The Walking Dead mostrou uma das cenas mais tristes de todos os tempos, com Daryl Dixon descobrindo que o irmão que ele finalmente encontrou – Merle – estava debruçado, comendo carne humana, como um zumbi. Não apenas Daryl encontrou seu irmão mais velho morto (ou morto-vivo), mas teve que matá-lo novamente para acabar com sua miséria zumbi. Agora o homem que interpreta Daryl, Norman Reedus, revela como ele usou a perda de seu pai para se preparar para a cena, o que ela significa para o futuro do seu personagem e como o elenco deu adeus a Michael Rooker. Ele também diz para que todos se preparem para uma season finale insana no próximo domingo.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Conte como foi sua reação quando você leu o episodio pela primeira vez ou ficou sabendo o que estava para acontecer.

NORMAN REEDUS: Eu fiquei triste em ver Rooker partir. Ele é um personagem forte e um grande ator. Ele trouxe tanto para o show, então eu realmente fiquei triste em vê-lo ir. Eu teria gostado de explorar mais aquele relacionamento. E ele é muito divertido de se contracenar, então também me entristeci por isso. Eu fico chateado toda vez que alguém deixa o show, para falar a verdade.

EW: Merle e Daryl são tão ligados no show, mas vocês realmente não trabalham tanto juntos. Você teve aquele grande episódio da alucinação na segunda temporada, depois aquele quando vocês deixaram Woodbury e algumas grandes cenas neste último episodio, mas não foram tantas como gostaríamos. Como foi trabalhar com Rooker? Eu tenho visto ele no set, e o cara parece estar ligado na tomada.

REEDUS: Aquele cara é o Demônio da Tasmânia. Esse é o Rooker. Temos um bom relacionamento como amigos, e acho que isso acaba refletindo na tela, porque conhecemos um ao outro realmente bem, nos damos muito bem e somos parecidos em muitas coisas. Isso ajuda muito. Há muito sobre a compreensão entre irmãos que acontece e não é explicada, mas você pode perceber. Eu sei o que meu irmão irá fazer. Eu sei o que meu irmão pensa e isso reflete em outras cenas quando nos referimos um ao outro. É ótimo lidar com ele, porque sempre tivemos essa camaradagem.

EW: Como você se preparou emocionalmente para aquela cena final, quando você descobre que Merle é um walker e sabe que deve matar seu irmão? O que você imaginou ou usou para entrar naquele lugar de absoluta desvastação pessoal?

REEDUS: Ouvi algumas musicas que me lembram de meu pai, para começar. Meu pai morreu há bastante tempo e foi um momento bastante emocional quando isso aconteceu. Eu ouvi uma canção que me lembrava do meu pai e daqueles momentos.

EW: Que canção era essa?

REEDUS: Uma canção de Willie Nelson. Quando alguém morre no show, você quer dar a maior despedida que puder. Eu apenas queria desabar. Eu queria colapsar por dentro e me transformar em uma criancinha. Eu queria estar esmagado de tal maneira que as pessoas vissem meu coração partindo. Queria me curvar como uma bolinha e ser um garotinho ali.

EW: Foi como pareceu. Foi além de choque ou tristeza. Foi um nível totalmente diferente de dor.

REEDUS: Com meu pai, havia muitas coisas que eu não sabia, muitas perguntas que eu gostaria de ter feito a ele, queria tê-lo conhecido melhor. Em algumas maneiras, é como aquele relacionamento. Somos dois irmãos que estiveram procurando um pelo outro. Houve uma chance de uma vida nova lá. Daryl não é o mesmo cara de antes. Parte de Merle também estava mudando e você pode ver isso no episódio, e havia esta esperança de que as coisas melhorassem e houvesse uma chance de sermos outras pessoas, atingirmos um nível diferente, crescer e talvez começar um dialogo que não existia no início. Assim como com meu pai. Eu não perguntei a ele estas dúvidas. Eu não consegui conhecê-lo da maneira como eu gostaria de tê-lo conhecido. É parecido.

EW: Esta foi a cena mais difícil para você no show até o momento? Por um lado, eu consigo imaginar que possa ser interessante exercitar outro tipo de músculos, mas chegar naquele ponto deve ter sido emocionalmente exaustivo.

REEDUS: Fazer a cena não foi simplesmente “Oh, vamos detonar, vamos fazer um bom trabalho..” Foi mais como, “PQP —, lá vamos nós, temos que fazer isso.” Entende o que quero dizer? Não foi tanto como “vamos mostrar um pouco de ação”, foi mais como “isso vai ser um saco. Lá vamos nós.”

EW: Você ficou golpeando a cabeça dele com a faca inúmeras vezes até o fim. Daryl parece estar liberando sua fúria naquele momento. Era uma fúria contra o seu irmão? Contra sua morte? Ou um pouco de ambos?

REEDUS: É mais uma fúria contra aquele mundo, naquele momento. A raiva é uma daquelas sensações que se baseia no medo. Aquele tipo de raiva surge do medo. Daryl é o tipo de cara que sempre esteve contra a parede. Ele sempre teve que lutar. Sempre esteve largado no mundo, e esta é minha vida, e estas são as cartas que tenho para jogar, e tudo é frustração e raiva contra tudo. Não apenas Merle. Não é como “Eu odeio você, Merle!” É mais como: “A vida é uma m…! E eu odeio! Odeio! Odeio! Odeio!” É mais assim.

EW: O que isso faz com Daryl? Ele ficará mais introvertido? Ou é uma catarse, um sentimento para que ele possa ir adiante e não ser sobrecarregado com o problema que era seu irmão? Qual o impacto emocional sobre ele?

REEDUS: Eu acho que ele vai se fechar mais, vai endurece-lo mais. Aquela raiva ainda está lá e eu não acho que esfaqueá-lo daquela maneira resolveu isso. Está se abrindo uma nova porta. Eu esperaria um Daryl mais introvertido e mais endurecido. Ele amadureceu muito.

EW: Vocês deram a Rooker o tradicional Jantar da Morte que recebem os membros do elenco que morrem?

REEDUS: Sim, tivemos um bom jantar. Todos apareceram e estavam tristes, lágrimas foram derramadas. Eu conversei há pouco com Jon Bernthal, que ainda assiste ao show e estava comentando sobre como Rooker era bom. Ele realmente levou aquele personagem a um outro nível, enquanto ele poderia ser um personagem monótono e igual a tudo o que já foi visto antes, mas não foi. Então sentamos, bebemos um pouco e conversamos sobre o bom trabalho que ele fez e o quanto sentiremos sua falta.

EW: O que você pode dizer da season finale de domingo?

REEDUS: É explosiva. Todos querem aquele cara morto. Todos odeiam aquele cara. Ele tem gana em destruir o que temos e nós temos gana em destruir a cara dele. Cada um de nós quer matá-lo e ele tem sede de sangue e vingança. Ele agrediu a todos em um nível super pessoal – será uma manada de touros enfrentando uma manada de elefantes. Você sabe o que eu quero dizer.


Fonte: EW
Tradução: @BinaPic / Staff Walking Dead Brasil

Publicidade
Comentários

EM ALTA