Siga-nos nas redes sociais

Site

Após tantos anos sob os holofotes, zumbis se recusam a sair de cena no universo midiático

Os zumbis parecem se recusar a sair dos holofotes, muito graças ao contínuo sucesso de obras como TWD, que continuam a atrair as atenções do público.

Publicado há

em

As razões pelas quais carregamos e desenvolvemos medo ao longo de nossas vidas são motivo de estudo profundo por cientistas das áreas médicas e sociais há séculos. Cada um de nossos temores, do medo natural do escuro àquele causado por ter experienciado maus momentos, podem divergir tanto em origem quanto em manifestação.

Entretanto, todos eles têm um ponto em comum: o fascínio que os seres humanos – e a arte – têm pelo lado mais sombrio da vida humana. Não é por menos que boa parte dos escritores do gênero de terror muitas vezes discorrem sobre seus próprios medos com o intuito de criar obras que eventualmente podem se transformar em clássicos de sucesso de crítica e público – caso dos livros de Stephen King, Edgar Allan Poe e H.P. Lovecraft.

Ao longo do tempo, a “pureza” desse gênero – e a exploração dos medos ali mencionados – se esvai. Além do esgotamento dos ângulos pelos quais essas histórias podem ser ilustradas, a interação do terror com outros gêneros faz com que novas inspirações e pontos de vistas acabem surgindo. Essa confluência pode envolver formatos diversos de mídia, indo de livros a videogames.

As novas formas de explorar o terror por meio da “mistura” com comédia, drama, suspense e tantos outros gêneros é o que acaba dando “gás” para que histórias que mantêm como base os nossos medos pessoais permaneçam altamente relevantes. Não existe quiçá um exemplo melhor para ilustrar isso do que o universo dos zumbis – um fenômeno que se recusa a morrer, para o desprazer de alguns e a alegria de outros.

Mistura de gêneros aumenta longevidade dos zumbis nas mídias

Foi o diretor e roteirista George Romero, por meio do clássico filme A Noite dos Mortos Vivos, quem deu origem à retratação do zumbi moderno como um morto-vivo que se alimenta de carne humana e que é incessante na busca por saciar sua fome. Antes dele, os mortos-vivos tinham uma inspiração clara nas tradições do vodu haitiano, que retratavam o zumbi como um mero servo de um mestre voduísta.

Foi a partir da produção de Romero que os zumbis começaram a invadir as telas de cinema e também a atrair maior atenção de outros gêneros do meio midiático. Ainda que comédias e dramas envolvendo zumbis já tivessem sido explorados em filmes lançados antes de A Noite dos Mortos Vivos, tais produções não tinham o refinamento que obras posteriores trariam à luz.

O filme Extermínio é um dos melhores exemplos nesse sentido. Após a transformação de boa parte da população da Grã-Bretanha em zumbis, quatro sobreviventes tentam dar continuidade às suas respectivas vidas depois de uma devastação que acabou com a sociedade da forma como a conheciam. O filme, aclamado pela crítica, arrecadou 82 milhões de dólares sobre um orçamento total de 10 milhões e acabou se tornando muito mais uma história de horror e suspense psicológico do que uma trama sobre os zumbis em si.

Outro exemplo interessante, e no espectro oposto ao do supramencionado Extermínio, é O Que Fazemos nas Sombras. O filme é dirigido, escrito e estrelado por Jemaine Clement, famoso por ser uma das metades da dupla de comédia Flight of the Concords, e Taika Waititi, que se tornou diretor de Thor: Ragnarok e Jojo Rabbit graças ao sucesso da referida produção.

O filme é um “mocumentário” – pseudônimo para um documentário fictício, no estilo do seriado The Office – que acompanha a vida de quatro vampiros que moram juntos na Nova Zelândia. Suas peripécias acabam lhes rendendo um convite para participar de um baile de máscaras profano, que conta com a presença de zumbis, lobisomens, entre outros monstros clássicos do terror. A estranha premissa deu certo. Tão certo que O Que Fazemos nas Sombras foi transformado em seriado pelo canal de televisão FX, com a produção da sua terceira temporada tendo sido confirmada em maio deste ano.

The Walking Dead, uma franquia multiplataforma

Contudo, em se tratando de zumbis e sucesso nos mais diversos gêneros e plataformas de mídia, é impossível não mencionar The Walking Dead. O criador e escritor da série de quadrinhos, Robert Kirkman, nem imaginava que ela faria um sucesso tão tremendo entre público e crítica ao longo dos anos em suas mais diversas representações. Hoje, o seriado inspirado nos quadrinhos encontra-se em sua décima temporada, com a décima-primeira tendo sido confirmada em outubro de 2019. O seu spin-off, Fear the Walking Dead, terá a sua sexta temporada transmitida este ano.

Os jogos baseados no universo de The Walking Dead, que acabaram inspirando outros jogos focados em narrativas, como Life is Strange, encontrado na plataforma Steam, e também jogos com temática zumbi, como Lost Vegas, caça-níquel no site de cassino online da Betway, tornaram-se uma franquia por si só. Com a falência da antiga produtora destes jogos, a Telltale Games, acreditava-se que a franquia teria um fim mais do que prematuro. Por sorte, Kirkman antecipou-se ao evento e criou uma divisão de jogos dentro da sua companhia, a Skybound Entertainment, que será responsável por dar continuidade aos jogos da série.

Em termos de lançamento de diferentes produtos, não podemos, obviamente, deixar de mencionar a série de livros de The Walking Dead, que contou inicialmente com Kirkman e Jay Bonansinga como autores do enredo que retrata a história de um dos principais vilões da série, o Governador. Hoje já existem 10 edições destas obras, contando tramas que tomam lugar em paralelo com os eventos da série de quadrinhos original.

Zumbis não voltarão tão cedo às suas covas

No mundo das mídias, muitos fenômenos de gênero acabam funcionando de forma cíclica. Como no mundo da moda, tendências vêm e vão conforme o tempo passa. Entretanto, os mortos-vivos parecem se recusar a sair dos holofotes, muito graças ao contínuo sucesso de obras como The Walking Dead, que continuam a atrair as atenções (e os elogios) da crítica e do público.

O caminho percorrido por The Walking Dead não foi perfeito, ainda mais se tratando do seu seriado. Suas sétima e oitava temporadas pareciam demonstrar sinais de desgaste do formato, mesmo com a audiência atingindo ainda grandes números a cada episódio. No entanto, as duas temporadas que se seguiram provaram o contrário. Renovações no ritmo da trama e também no elenco deram ao seriado um novo fôlego, este sendo mais do que necessário para que críticos e público voltassem a ver a produção com bons olhos.

Fora do universo de The Walking Dead, os exemplos de tramas de zumbi que permanecem altamente relevantes ao longo do tempo são inúmeros. Um dos mais relevantes é a série de videogames Resident Evil, que tem sido sucesso de vendas e de crítica tanto em seus remakes dos jogos clássicos da franquia quanto em seus lançamentos mais recentes de jogos originais. Na conferência feita pela Sony em junho de 2020 anunciando jogos para o novo console da empresa, o PlayStation 5, foi revelado que Resident Evil chegaria a sua oitava edição em 2021.

Logo, não será tão cedo que veremos zumbis voltando para as suas covas no mundo das mídias. Como nos tempos de Drácula e Frankenstein, nossos medos continuam inspirando grandes autores e atraindo nossa atenção para livros, filmes, séries e videogames que os exploram de forma tão virtuosa.

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA