Siga-nos nas redes sociais

6ª Temporada

Norman Reedus fala sobre o sexto episódio e revela que aquela voz no final não é de Glenn

Publicado há

 

em

Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do sexto episódio, S06E06 – Always Accountable, da sexta temporada de The Walking Dead. Caso ainda não tenha assistido, não continue. Você foi avisado!

Daryl Dixon estava desaparecido em combate nas últimas duas semanas de The Walking Dead, mas o cara que possui uma crossbow, pilota uma moto e é o favorito dos fãs voltou nesse domingo de um grande jeito… mesmo que ele tenha perdido sua crossbow e moto no processo. Daryl foi forçado a se esconder de uns misteriosos homens armados, só para descobrir uma parte da floresta queimada ainda mais misteriosa.

E aí as coisas ficaram ainda piores. Daryl foi mantido em cativeiro por um trio no caminho que o confundiu com um inimigo. Ele conseguiu escapar, só para mais tarde retornar com a insulina que ele encontrou na mochila. Mais uma vez provando que nenhuma boa ação passa despercebida nesse mundo, o convite de Daryl para os estranhos se juntarem a ele em Alexandria foi recebido com eles roubando sua arma e moto. Que chatice.

A Entertainment Weekly conversou com o astro Norman Reedus para saber sua opinião sobre esse grande episódio. O que fez Daryl retornar com a insulina e ainda sim insistir numa troca? E o que foi aquele easter egg de Carol-Daryl em um dos zumbis? E de quem era aquela voz que ouvimos no walkie talkie? Reedus fala sobre isso e mais.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Tirando as cenas de flashback no episódio de estreia, quase tudo que você gravou nessa temporada até agora foi em cima da moto. Isso deve ter sido o paraíso pra você!

NORMAN REEDUS: É basicamente diversão. Não fico triste quando tenho que filmar na moto, isso é um fato.

Quanto daquela cena do começo do episódio, eles deixaram você mesmo fazer? E quando eles chamaram o dublê?

Norman Reedus: Fiz toda, exceto quando a moto derrapa. Eles não me deixaram fazer isso, mas tirando essa parte eu fiz tudo. E algumas daquelas cenas aéreas que fizemos que você assistiu anteriormente – eu estava provavelmente a 130 km/h. Não conte pro produtor executivo Tom Luse! Mas eu provavelmente estava a 130 e foi divertido.

Vamos falar sobre o que aconteceu depois que você levou a moto para a floresta. Como foi filmar com todos aqueles esqueletos e corpos mortos naquela área queimada?

Norman Reedus: Aquilo foi bem surreal. Nós tomamos uma parte grande da floresta que estava queimada ou queimamos e pintamos. Deu um sentimento bem surreal, parecia quase preto e branco, mesmo quando estávamos filmando, isso adicionou algo. Também aprendi uma coisa nesse episódio que talvez ocorra depois com a queimada da floresta. O diretor da série, Scott M. Gimple, é muito bom em não desperdiçar nenhuma cena, então tudo que acontece em um episódio vai aparecer depois de uma maneira ou outra. Ele tem coisas mapeadas com antecedência até agora, de forma que cada pequena coisa volta para algum lugar.

O vimos fazendo isso na temporada passada com a pichação “Lobos Não Estão Longe” no episódio 9, e também com os itens que Morgan colocou no altar.

Norman Reedus: Tenho que te dizer que estamos bem empolgados com as coisas que estamos filmando agora. Nós encerramos um dia às 7 da manhã e Andy e eu ficamos no telefone o caminho inteiro de volta para nossas casas e estávamos tão empolgados e viajando sobre a qualidade das coisas que estamos fazendo agora. E esse episódio 6 é o começo de tudo, começa uma avalanche que só tende crescer mais e mais. Há partes desse episódio e especialmente como ele termina, e uma linha histórica que realmente ajuda a empurrar essa pedra direto pro penhasco, e a partir de agora está a todo vapor.

the-walking-dead-s06e06-always-accountable-022

Isso é dizer algo, considerando como essa temporada tem sido grande até agora.

Norman Reedus: Em um ponto, quando a série começou, as pessoas pensaram que seria uma série de zumbi, mas é tãããão diferente disso. Temos zumbis e não ficamos com medo deles. Zumbis fazem um grande papel na série, mas atingiu um patamar bem diferente agora. A qualidade do que estamos filmando agora é surpreendente.

Você me disse no meio do ano que Greg Nicotero faria um zumbi que recordaria um momento de Daryl e Carol. Então aquilo era uma rosa Cherokee que vi nas costas de um walker com musgos que você matou?

Norman Reedus: Você percebeu! Sim, era! Aquele foi um pequeno e ótimo easter egg para mim e Carol.

Então Daryl escapa do grupo que o pegou como prisioneiro e vê a insulina na mochila. Por que ele volta para entregar isso?

Norman Reedus: Porque eu não acho que essas pessoas são más pessoas. Elas são boas pessoas, mas estão fazendo o que precisam para sobreviver. Ele está notando que uma delas está suando e desmaiando, e ele sabe o que isso significa. E quando ele vê aquela insulina o faz entender o que está se passando. E eles estão tentando sobreviver. Houve uma linha histórica onde eu encontrei a moto pela primeira vez e falei “Vamos para fora encontrar pessoas.” E Rick disse “Eu não quero ninguém encontrando mais pessoas.” E Daryl diz “Acho que você está errado.” E volta para Rick dizendo “Vamos encontrar pessoas.”

E isso foi a primeira grande missão de Daryl, onde ele encontrou estranhos e os convidou para a segurança de seu acampamento. E eu não acho que ele fez uma péssima decisão. Estamos enterrando a pequena menina loira, e eu consigo ver que eles não são pessoas más – eles só estão nessa circunstância onde eles precisam fazer coisas más. E ele os convidou para voltar com ele e pensou que estava fazendo uma decisão certa de julgamento, e isso voltou para mordê-lo bem na bunda.

Quando eles estão saindo e falam “Sinto muito” montados na sua moto e Daryl diz “Você vai sentir” – isso teve um duplo significado. É dizer: Se esse é seu jeito de fazer as coisas, você não conseguirá viver por muito tempo porque há salvação em números. Mas também é como se ele falasse que vai atirar na cara deles quando os encontrar novamente. Não é que eles são pessoas más, eles só fazem coisas ruins para tentar sobreviver, como todos fazem agora.

the-walking-dead-s06e06-always-accountable-005

Parece que sempre que alguém faz algo bom nesse mundo, isso volta para assombrá-lo. Daryl os devolve a insulina, ele devolve a arma, ajuda a enterrar pessoas que ele nem conhece, e o casal rouba sua arma e moto mesmo assim.

Norman Reedus: Sim, e eu acho que quando ele viu aquela insulina ele pensou “Tá bem, essas pessoas não vão conseguir sobreviver.”

Bom, ele retorna com a mochila, mas demanda uma troca devido ao que ele chama de “o princípio das coisas”. O que isso significa?

Norman Reedus: Scott e eu fomos e voltamos nisso. Amo quando Scott faz essas pequenas falas. Ele fala “O que vocês têm? Eu voltei aqui só para devolver sua insulina, só me dê algo em troca, qualquer coisa que você tenha.” De fato a estátua faz seu papel mais tarde. Todas as pequenas coisas nessa série fazem seu papel mais tarde, nunca há uma cena desperdiçada nessa série.

Vemos Daryl perguntando a ele as três perguntas, e quando ele faz isso, sabemos que está no modo de recrutar e oferecendo a essas pessoas um espaço em Alexandria. Isso é por que ele sente que eles vão beneficiar a comunidade, ou só está tentando ser uma boa pessoa e ajudar esse casal, ou é um pouco dos dois?

Norman Reedus: Ele geralmente está sendo uma boa pessoa, e temos um protocolo, que são as três perguntas. E essas três perguntas, quando respondidas, realmente dizem muito sobre a pessoa que responde. Mas foi estranho dizer aquelas falas porque eu tive que dizê-las uma outra vez na série, mas com alguém perguntando para mim, e eu não queria responder aquelas coisas. Essas palavras são meio difíceis de sair pela boca, eu sabia que teria que falar de novo, então quis fazer parecer uma coisa difícil de dizer, então quando eles me foderam, isso significa ainda mais.

Foi interessante tomar essa posição, e o cara está perto do túmulo quando pergunto essas coisas, tinha que doer, e doer de um jeito Daryl, e no final meio que disse “Eu vou te matar quando te encontrar, você está morto.” Mas também foi “Vocês estão fazendo essa escolha, então mesmo que eu não os encontre, vocês morrerão.”

Qual foi a pior perda para Daryl: a moto ou a crossbow?

Norman Reedus: [Risadas] Elas doeram igualmente. Vê-las saindo juntas realmente me quebrou por dentro um pouco.

Bem no final do episódio ouvimos uma voz dizendo “Socorro” na outra linha do walkie-talkie. O que você pode nos dizer sobre isso e o que está por vir?

Norman Reedus: Direi que a voz não é de Glenn.

Tenho certeza que as pessoas estavam pensando que era isso.

Norman Reedus: Não é Glenn, mas é provavelmente alguém de Alexandria com tudo que está acontecendo lá.

the-walking-dead-s06e06-always-accountable-011

Estou curioso com que vocês vêm fazendo com a reação de todos sobre a possibilidade de Glenn estar morto, porque vem sendo bem insano e tenho certeza que todos vocês vem tomando nota disso.

Norman Reedus: Tive a mesma reação. Ele é um personagem tão amável e um grande amigo meu. Sabe, eu vi o que vi naquele episódio. E eu estava NO episódio, e mesmo assim ainda fiquei com raiva no final do episódio. Fiquei em choque, e eu estava lá! Então senti isso também. Você vê o que vê e esse é o ponto. Se dói, então dói. E se é chocante, é chocante. Você deve sentir a dor, essa é a ideia. Eu ouvi que as pessoas estão tirando fotos delas mesmas embaixo de lixeiras e colocando na internet dizendo “Veja, eu posso sair dessa!”

Eu desliguei esse episódio quando terminei e fiquei andando pelo meu quarto e xingando o chão. Estava meio em choque, como eu disse antes, eu participei desse episódio e senti isso, então isso é outro nível de coisas que estamos fazendo agora. É chocante e cheio de medo e descrença, e você não quer acreditar nas coisas que vê. Então isso significa que estamos fazendo um bom trabalho, eu acho.

Como foi aparecer em um episódio ou outro nessa temporada? Você gosta de ter uma folga, ou é difícil não estar no set e cercado por todos tanto quanto antes?

Norman Reedus: É difícil quando não se está trabalhando e eles estão filmando um episódio que você não participa, mas isso tudo é pra construir algo, e eu entendo isso e confio na linha histórica e em Scott e em todos os roteiristas. E tudo sempre termina valendo a pena. Mas sim, eu pessoalmente, Norman, quando não estou filmando – digo, há muito que fazer, andar de moto por todos os lugares e fazer outras coisas – mas eu também vou ao set para assisti-los fazerem o episódio que não participo porque sou um fã da série. Eu só sinto falta das pessoas porque todos são meus amigos e eu gosto de vê-los fazerem o que fazem.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.


Fonte: Entertainment Weekly

Publicidade
Comentários

EM ALTA