Siga-nos nas redes sociais

4ª Temporada

The Walking Dead 4ª Temporada: Scott Gimple fala sobre o episódio sangrento da Midseason Finale

Publicado há

em

ATENÇÃO: Esta matéria contém spoilers do oitavo episódio da quarta temporada, “Too Far Gone” (Indo Longe Demais), e dos quadrinhos.

Depois de toda a terceira temporada e a primeira metade da quarta temporada, Rick e o Governador finalmente ficaram cara-a-cara em uma batalha sangrenta na prisão durante o ultimo episódio da midseason da 4ª temporada.

No episódio, “Brian” (mais conhecido como Governador) pega Hershel (Scott Wilson) e Michonne (Danai Gurira) como reféns e diz a seu grupo que a comunidade de Rick (Andrew Lincoln) foram responsáveis por incendiar Woodbury, matar sua filha e arrancar um de seus olhos. Em uma cena diretamente ligada aos quadrinhos de Robert Kirkman, o Governador (David Morrissey) lidera seu grupo em um ataque a prisão após a tentativa de coexistir falhar. Após o apelo terrível de Rick para a paz, o Governador acusa-o o ex-xerife de mentiroso, após falar que as pessoas podem mudar. É um aceno para a viagem que tanto Rick como o Governador passaram nesta temporada e que não caiu bem com o vilão caolho matando Hershel brutalmente com a espada de Michonne.

Mas o ataque não termina aí. Lily (Audrey Marie Anderson) – que mata o Governador nos quadrinhos – traz Meghan (Meyrick Murphy) morta para Brian vê-la, além de Hershel. Depois de Rick e o Governador trocarem socos, Michonne apunhala o ditador, e depois recebe uma ajuda no final do episódio em que Lily, finalmente, mata o Governador.

the-walking-dead-s04e08-too-far-gone-001

O Hollywood Reporter conversou com o showrunner Scott M Gimple sobre o plano original de matar o Governador, porque o tempo de Hershel acabou e o que podemos esperar quando a temporada retornar dia 9 de fevereiro.

Hollywood Reporter: O plano sempre foi de o Governador morrer na quarta temporada? David Morrissey nos disse que não sabia se ele voltaria esse ano, até ler o roteiro final. Por que prolongar sua história para agora, em vez de acabar com ele na última temporada?

Scott Gimple: Esta temporada foi de minha abordagem desde o início e a estrutura era o que eu tinha em mente. Ele tinha o destino do Governador selado neste episódio.

Hollywood Reporter: Houve alguma discussão sobre matar esse personagem no final da terceira temporada?

Scott Gimple: Nós vimos todas as possibilidades no ano passado e fomos jogados para esse ano, é parte da experiência de sala dos roteiristas. Eu não acho que houve um grande impulso no ano passado para que a história do Governador chegasse ao fim, e eu certamente concordo que havia mais história que eu queria contar com o Governador. Eu acredito que este episódio – e tanto a história dos cinco primeiros episódios e dois episódios do Governador, depois disso – era daquelas histórias que deixam de funcionar em conjunto. Este episódio foi muito mais um final para esses dois episódio – “Live Bait” e “Dead Weight” – para a história do Governador, e não simplesmente porque ele morreu, mas porque ele estava tentando entrar na prisão e como tudo aconteceu. Como se ele finalmente fosse definido para ser uma pessoa que fez o que ele fez.

Hollywood Reporter: Esta temporada tem sido criticada por falar a mesma história que a terceira temporada. Por que não começar a temporada com este conflito e evitar o rótulo de “história repetitiva”?

Scott Gimple: Eu não tinha ouvido sobre essa repetição. Queríamos atender a essas duas histórias do Governador, mas esse último episódio foi sobre um homem lutando contra quem ele iria ser e, finalmente, ser definido como o que ele seria, depois de suas ações. Rick era alguém que estava tentando, desesperadamente, se tornar outra pessoa, e quando ele estende essa oferta ao Governador – e faz de tudo para ele aceitar – de acompanha-lo, na prisão, seria o fim dessa história. Ambas as histórias dos personagens em destaque cumprem suas histórias e o que aconteceu em oito episódios.

the-walking-dead-s04e08-too-far-gone-002

Hollywood Reporter: Parece que todos os sobreviventes de Woodbury foram mortos nessa temporada. Essa foi a correção em relação a terceira temporada?

Scott Gimple: Não foi tanto para corrigir o curso, apenas para ser uma parte da história desse ano e uma parte da intensidade dos cinco primeiros episódios. Muitas dessas pessoas sobrevivem – os vemos indo embora no ônibus – ou seja, nem todas as pessoas de Woodbury foram mortas. Houve uma parcela significativa de pessoas que conseguiu sobreviver. A história não nos permitiu realmente mostrar a fundo todas as pessoas de Woodbury, mas eu queria mostrar o maior número de personagens possíveis e contar todas as suas histórias. Neste episódio, fechamos várias dessas histórias.

Hollywood Reporter: Quando você estava planejando a invasão da prisão, você sempre soube que tinha uma grande cena nos quadrinhos sobre ela, com um tanque e o famoso “Matem todos eles” na história do Governador?

Scott Gimple: Oh, sim! O tanque foi algo surpreendente na história em quadrinhos que eu queria ver e sabia que todo mundo queria ver também. Significou muito quando li isso nos quadrinhos. Isso remota a primeira vez em que falamos – pegar esse momento icônico da HQ e usa-lo no âmbito da história que estamos contando. Quando o Governador vai para a prisão, neste episódio, é um ato incrivelmente auto destrutivo. Ele perdeu Megan, Lily o viu matar Hershel. Por que ele dirige um tanque para a prisão? Rick diz: “Sem as cercas, esse lugar é inútil.” Mas o Governador perdeu tudo, por isso, quando ele diz a frase icônica dos quadrinhos – “Matem todos eles!” – naquele ponto, ele é apenas uma força de destruição. Tudo o que ele queria da prisão, acabou. E muito disso se encaixa na história em que estávamos contando.

Hollywood Reporter: Por que esse era o momento certo de dizer adeus a Hershel depois dele se esquivar da morte na segunda temporada? Como foi tomar essa decisão de mata-lo depois que ele se tornou um membro vital da comunidade?

Scott Gimple: Do ponto de vista da história, eles perderam a prisão, perderam a casa e a civilização. Hershel era personificação de uma abordagem civilizada e humanista. Este episódio e pra onde a história está indo é o que acontece quando tudo é levado embora, especialmente para Rick. Hershel foi a força motriz – além de Carl e Judith – para a mudança de Rick no inicio da temporada. Tudo o que ele tentou alcançar tinha sido tirado dele ao longo dos cinco primeiros episódios, e agora ele perdeu aquela pessoa que atravessou tudo com ele. A morte de Hershel é uma parte muito importante da história, não é apenas o choque da morte. Vamos ver agora, com todas essas coisas tiradas de Rick se ele pode voltar a ser o que era antes. Indo para a próxima metade da temporada, a perda de Hershel será sentida e será esse o elemento de condução do caráter de Rick.

Hollywood Reporter: A morte de Hershel mudará Maggie (Lauren Cohan) e Beth (Emily Kinney)?

Scott Gimple: Por incrível que pareça, é claro. Ele ajuda a definir as duas, e isso irá nos afetar profundamente nessa próxima metade da temporada. A morte de Hershel, a perda da prisão, a civilização e tudo o que construiram – tudo isso foi tirado do meio deles eles estão se movendo para águas emocionais muito desconhecidas.

the-walking-dead-s04e08-too-far-gone-003

Hollywood Reporter: Rick e Carl (Chandler Riggs) presumem que a bebê Judith está morta. Há uma grande quantidade de sangue naquele carrinho. Ela está realmente morta?

Scott Gimple: Há uma grande quantidade de zumbis para todos os lados, lá. Ele não parecia bem, e eu não vou dizer que, de uma forma ou de outra, o que você vê conta bem uma história.

Hollywood Reporter: Como o Rick lidará com a sua dor dessa vez? Nós presumimos que ele não irá ter visões de Lori (Sarah Wayne Callies) ou desistir de sua arma novamente.

Scott Gimple: Isso é uma perda impensável: Hershel, Judith e a prisão. Claro que isso irá afeta-lo incrivelmente, e é uma parte da história que estamos contando. Ele definitivamente não vai ter mais visões de Lori. Esta é uma perda diferente e vai afeta-lo de uma forma diferente. Quando ele perdeu Lori, ele estava em lugar cercado de cercas, com prédios de tijolos. Alguém poderia argumentar que ele teve tempo para lamentar ou lidar com isso – ou não [lidar com ele] como ele fez. Ele está confuso fisicamente por conta daquela luta com o Governador e, agora, ele está fora do mundo, que é onde o deixamos. Ele está em uma situação muito diferente, onde não haverá exigências diretas de sobrevivência para ele.

Hollywood Reporter: O grupo foi forçado a sair da prisão e está na estrada novamente. Para onde eles irão, a partir de agora?

Scott Gimple: Eu não posso dizer. Se você conhece os quadrinhos, há uma série de diferenças entre eles e o que fazemos com a série. E nós temos que fazer isso. Serão várias coisas familiares, coisa nova e material remixado. Há algumas coisas que você conhece totalmente e espera por eles, e terá coisas novas que você não terá ideia para onde está indo mas isso será um circulo em torno de alguns momentos dos quadrinhos. Será muito parecido com esses oito últimos episódios. Fãs dos quadrinhos irão ver novamente vários momentos icônicos.

Hollywood Reporter: Vimos uma cabana misteriosa e militares mortos descritos como estupradores e assassinos. Isso é uma grande parte da história de Abraham. Será que veremos ele em jogo?

Scott Gimple: Essa cabana por si só não será vista novamente. Isso fazia parte da história do Governador, e essa história acabou.

the-walking-dead-s04e08-too-far-gone-004

Hollywood Reporter: Daryl (Norman Reedus) soube da expulsão de Carol (Melissa McBride). O que você pode dizer sobre sua próxima aparição?

Scott Gimple: Ela vai aparecer mais cedo ou mais tarde, mas eu não posso dizer muito. Há um tempo entre quando vimos Merle (Michael Rooker) no telhado em Atlanta e quando ele voltou à história. Poderia ser pouco, mas poderia ser um pouco longo, mas ela vai voltar em algum momento. Poderíamos ter carros voadores nesse momento, mas ela vai voltar.

Hollywood Reporter: Haverá um salto no tempo quando a quarta temporada recomeçar em fevereiro?

Scott Gimple: Não muito! Muita coisa irá acontecer após a prisão. Todo mundo ficou um pouco disperso. Há muito para dizer depois do que aconteceu.

Hollywood Reporter: Nós ainda não sabemos quem estava alimentando os ratos nas cercas da prisão. Isso é algo que ainda está em cima da mesa ou ficou pra trás?

Scott Gimple: Nós absolutamente iremos saber mais sobre os ratos e a pessoa que dissecou o coelho que Tyreese (Chad Coleman) encontrou nas tumbas antes do Governador aparecer.

Hollywood Reporter: Três temporadas movidas em um ritmo alucinante, mas a quarta temporada foi mais lenta, mais para explorar os personagens. Será que a outra metade da quarta temporada terá o mesmo ritmo dos oito primeiros episódios?

Scott Gimple: Essa metade da temporada teve uma estrutura totalmente diferente. É um conjunto diferente de histórias e é muito diferente da primeira metade da temporada. Eu não posso dizer, sem dar novidades, mas é muito diferente. As mesmas prioridades da historia são aplicadas, há muita exploração de personagem, mas de uma forma muito diferente. De certa forma, a história se move mais rápido, mas de uma maneira diferente. Assim que você ver o primeiro episódio você vai descobrir o porquê e como o episódio 10 [o segundo de fevereiro] tem uma super estrutura incomum que eu estou muito animado que as pessoas vejam. É muito diferente da primeira metade.

Hollywood Reporter: Então… Flashbacks?

Scott Gimple: Tipo isso!

O que você achou do último episódio do ano? O que você espera dos próximos episódios? Compartilhe tudo conosco nos comentários abaixo.

The Walking Dead, a história de drama mais assistida da TV a cabo, irá retornar com os oito últimos episódios da quarta temporada no dia 09 de Fevereiro de 2014 na AMC e 11 de Fevereiro de 2014 na FOX Brasil.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.


Fonte: Hollywood Reporter
Tradução: @LuanaSieb / Staff Walking Dead Brasil

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA