Siga-nos nas redes sociais

Curiosidades

The Walking Dead é criticada por matar mais um personagem gay na 9ª temporada

The Walking Dead está enfrentando críticas por matar Tara, personagem lésbica capturada e depois assassinada por Alpha e os Sussurradores.

Publicado há

em

The Walking Dead está enfrentando críticas por matar Tara (Alanna Masterson), personagem lésbica capturada e depois assassinada por Alpha (Samantha Morton) e os Sussurradores.

Uma veterana do show desde a sua quarta temporada em 2013, Tara foi uma das dez vítimas cuja cabeça decapitada foi horrivelmente exibida em uma estaca como parte de uma fronteira que marca o território dos Sussurradores. Agora, alguns espectadores estão reclamando que a morte de Tara é a mais nova da representativa tropa de “bury your gays” (“enterre seus gays”, em tradução livre – termo usado nos Estados Unidos pois personagens que fazem parte da comunidade LGBTQ+ são frequentemente mortos em séries do gênero, levando as pessoas a acreditar que eles nunca serão felizes) depois que The Walking Dead também matou Jesus (Tom Payne), que era gay, no meio da 9ª temporada.

LEIA TAMBÉM:
Lista com todos os personagens que morreram na 9ª temporada de The Walking Dead

Ao explicar por que essas dez vítimas foram selecionadas como vítimas de Alpha, a showrunner Angela Kang disse que Tara foi alvejada especificamente por Alpha quando ela se apresentou como líder interina de Hilltop após a morte de Jesus e saída de Maggie (Lauren Cohan). Hilltop provocou a ira de Alpha pela primeira vez ao capturar e prender a filha Lydia (Cassidy McClincy) e depois renegou um acordo quando Henry (Matt Lintz) – também uma das vítimas de Alpha – resgatou a menina adolescente dos Sussurradores.

“Nesse caso, o objetivo da Alpha era aterrorizar as comunidades e forçá-las a cumprir suas regras”, disse Kang. “Então, há uma mistura de assassinatos estratégicos, como Tara, aleatoriamente como Enid (Katelyn Nacon) e com a vingança como Henry.”

LEIA TAMBÉM:
The Walking Dead 9ª Temporada: 5 perguntas em aberto após o episódio “The Storm”

Kang defendeu The Walking Dead anteriormente quando o mesmo assunto veio à tona com a morte de Jesus em novembro, deixando Aaron (Ross Marquand) como o único personagem masculino abertamente gay.

“Para os nossos roteiristas que são LGBTQ, é algo que também é importante para eles. Temos muita diversidade e representações maravilhosas no programa, e isso é algo de que estamos muito orgulhosos. Para um programa que lida com questões de vida e morte e pessoas que têm fins heroicos e surpreendentes, é difícil porque quase todos que você mata no nosso programa ou escreve vai fazer parte de algum grupo sub-representado na TV. Acontece que nós apenas tendemos a ter muita atenção por conta disso.”

“Ainda temos vários regulares da série que são personagens LGBTQ. É difícil, porque amamos a representação”, disse Kang. “É importante para nós, tanto na frente quanto atrás da câmera. Não podemos carregar toda a carga de representação para todo o entretenimento. Temos que ser capazes de contar nossas histórias também. Faz parte da história que todos são impactados por esses personagens.”

The Walking Dead tem uma longa história de representação LGBTQ: além de Jesus, Tara e Aaron, a série já incluiu as namoradas Tara, Alisha (Juliana Harkavy) e Denise (Merritt Wever), e o namorado de Aaron, Eric (Jordan Woods-Robinson). Na nona temporada, a série apresentou as namoradas Yumiko (Eleanor Matsuura) e Magna (Nadia Hilker)

“Não é legal? Eu sinto que é muito real quando você assiste a um programa e vê pessoas de diferentes cores, idades, habilidades “, disse a atriz Eleanor Matsuura recentemente à Variety no PaleyFest. “Esse é o mundo real em que vivemos. Claro que devemos ver isso na tela. Eu sou muito grato por aquelas portas estarem finalmente sendo abertas. Tenho muito orgulho de representar mulheres, mulheres asiáticas, a comunidade LGBTQ. Esse é um grande acontecimento para mim.”

O que você acha sobre o assunto? Comente abaixo!

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA