Siga-nos nas redes sociais

Curiosidades

Robert Kirkman fala sobre o último episódio “Vatos”

Publicado há

em

kirkman
A coisa mais interessante  novo hit show da AMC “The Walking Dead” é que você nunca sabe quando alguém vai ser morto por um zumbi. Dito isto, nos três primeiros episódios, ninguém realmente conseguiu ser morto por um zumbi (bem, se não contar os bilhões de pessoas que presumivelmente foram derrubadas por demônios mortos-vivos, enquanto o herói Andrew Lincoln (policial Rick Grimes) estava em coma. E nós não!).

Tudo isso mudou no episódio da noite passada, “Vatos”, como um jantar de peixe da fogueira, de repente se transformou em tempo de ração para os zumbis, que festejaram a doce Amy (Emma Bell) e muito mais o azedo Ed (Adam Minarovich). A linha do episódio parcela outros grandes momentos como no que Grimes e os outros voltam a cidade, enquanto procuravam Merle Dixon (Michael Rooker), em Atlanta e se depararam com uma gangue que não eram bem o que parecia.

“Vatos” foi também o primeiro episódio escrito por Robert Kirkman, que escreve os comics Walking Dead livro da banda desenhada e é um produtor executivo da série. Após o salto, Kirkman fala sobre o episódio de ontem à noite e por que matar as pessoas na tela é muito mais difícil do que em uma história em quadrinhos.

Robert Kirkman: Eu estava muito feliz que a primeira morte no show foi em um episódio que eu comecei a escrever. Isso foi legal.
O que exatamente significa que ? “, escreveu o ” show da noite passada? Porque há um quarto de escritores em The Walking Dead, certo? Sim, não é como histórias em quadrinhos. Quando você lê histórias em quadrinhos é como é “, escrito por Robert Kirkman,” eu escrevi que totalmente está nos quadrinhos. Mas a maioria das pessoas que estão listados como produtores executivos – caras como Jack LoGiudice e Eglee Chick – esses são os caras na sala de nossos escritores “.Então [o diretor de Shawshank Redemption] Frank Darabont fez um monte de polonês em todos os scripts para esta temporada, como o diretor executivo principal produtor criativo. Há um monte de coisas que eu fiz no script enquanto eu estava escrevendo isso e outras coisas. Mas para a maior parte, tudo é um esforço de equipe e eu acho que é uma coisa muito legal. Essa foi a parte mais estranha de escrever um programa de televisão. Era como escrever com uma rede de segurança. Acho que faz a escrita que muito mais forte e é um processo muito divertido.

o retorno do grupo

( o retorno a Atlanta)


Scott Garfield / AMC: O retorno de Rick para Atlanta  não estava nos quadrinhos, certamente não na forma que vimos em “Vatos.” Foi divertido voltar e essencialmente, acrescentar mais um capítulo à mitologia Walking Dead?

Robert Kirkman: Foi muito emocionante. Eu comecei a escrever o ataque no final do episódio – que era algo  que aconteceu muito na série de quadrinhos – então eu sabia que seria revisitar algo que eu já tinha escrito. Mas como estávamos na sala dos roteiristas, quando as coisas começaram a mudar o que levou a tudo isso de novo que não foi na série de quadrinhos, eu pensei que era grande porque não era eu a escrever. Foi realmente uma história inteiramente nova: começar a membros de gangues de lá e começar a escrever sobre o Daryl  que é um dos meus personagens favoritos na série, apesar do fato de que ele não está no gibi. Foi uma explosão.

Scott Garfield / AMC: Daryl é um personagem fascinante e, como Walking Dead a produtora Gale Anne Hurd diz, ele é o tipo de cara que você quer em torno de um apocalipse zumbi. Mas você se sente culpado por gostar dele mesmo ligeiramente, porque ambos Daryl e seu irmão Merle parecem ser racistas.

Robert Kirkman: Bem, se você faz o seu trabalho direito, você encontrar algum tipo de coisa simpática para cada personagem. Ele definitivamente não é o melhor dos caras. Mas, na medida do entretenimento vai, todo mundo gosta de um bandido, e eu acho que há aspectos positivos do seu caráter. Mas ele é um racista, que não é uma coisa boa. Então eu acho que as pessoas se sentem culpadas por gostar dele. Eu posso entender isso.

Scott Garfield / AMC: Eu li uma notícia velha, que disse que em um ponto de Guillermo del Toro foi no quadro de dirigir o espetáculo.

Robert Kirkman: Houve um ponto em que Guillermo queria estar envolvido, mas ele simplesmente não deu certo.

Scott Garfield / AMC: Passando para o massacre da fogueira no final do show, eu sei que não é suposto ser muitos zumbis até onde os personagens estão ficando, mas eu teria postado uns sentinelas de algum tipo.

Robert Kirkman: [Risos] Eles tinham latas pendurados em cordas, certo?


( A morte de Amy)

Scott Garfield / AMC: E eu vou te dizer uma coisa que eu nunca faria em um apocalipse zumbi: chorar por um cadáver fresco, como Andrea (Laurie Holden) faz sobre sua irmã, Amy.

Robert Kirkman: Ah, pára com isso! Você não sabe o que você faria se você estivesse sempre forçado a lidar com algo assim. Você não tem nenhuma simpatia por estas personagens de ficção! E como você se atreve , como você se atreve a questionar as ações de um personagem falso que está lidando com a morte de outro personagem falso. A qual é cara.

Nessa entrevista fica claro como Kirkman é um gênio na hora de escrever algo, seja nos quadrinhos ou nas telonas. Esperamos que ele possa estar escrevendo mais episódios da série, algo que supere o roteiro de “Vatos”

Fonte: AMC

Tradução: Equipe Walking Dead BR


Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA