Siga-nos nas redes sociais

2ª Temporada

Kirkman Fala Sobre Matança de Zumbis na 2ª Temporada

Publicado há

em

Em entrevista exclusiva ao Collider, Robert Kirkman fala sobre o lançamento de game de The Walking Dead, matança de zumbis na segunda temporada e suas outras histórias em quadrinhos. Confiram:

P: A sua vida mudou depois do grande sucesso da primeira temporada de The Walking Dead?

R: Não mudou muita coisa, nos sentidos mais óbvios. Agora eu posso comprar mais fraldas pras minhas crianças. Se eu quiser comprar uma coisa no Ebay agora eu não preciso mais perguntar pra minha mulher com frequência. Na maior parte do tempo, continua a mesma coisa. Eu apenas mantenho a minha cabeça baixa e começo a trabalhar nos quadrinhos na maior parte do tempo. Eu tive que me mudar para Los Angeles para trabalhar na segunda temporada, então irei morar aqui por um ano. Agora estou indo para a sala dos roteiristas todos os dias, o que é um pouco cansativo para mim. Entretanto, eu estou apenas trabalhando nos quadrinhos, o que continua sendo a mesma coisa.

P: Como é o seu relacionamento na sala dos roteiristas? Você é como um que mostra as idéias que são para escrever ou está lá com os outros roteiristas debatendo idéias uns com os outros?

R: Oh sim, Frank [Darabont] é definitivamente o criador das idéias e ele está na sala todos os dias também. Eu sou o produtor executivo da série, mas eu apenas me considero como um dos roteiristas. Eu sento lá como todos os outros e debato idéias com o resto do pessoal. Eu nunca tive que animar o pessoal, felizmente, mas todos na sala disparam as coisas para baixo. Então, não é como se estivesse sentado lá falando “Nós podemos fazer isso!” e todos estão indo “Oh, mas que diabos. É o Robert! Okay!” isso não acontece. Todos na sala dos roteiristas são peritos em histórias em quadrinhos. Eles sabem como é a essência da série e eles sabem também inovar a série com geniosas idéias. É realmente muito divertido.

P: As histórias para cada episódio são repartidas naquela sala?

R: Nós começamos com a temporada e então nós trabalhamos até terminar com tudo. É mais ou menos assim: “Isso é o que queremos para a temporada. Isso é aonde nós queremos começar e isso é aonde a gente quer que termine. Isso é aonde nós queremos que cada personagem comece e acabe”. Depois nós repartimos os fatos em episódios. Aonde queremos que aconteça esses eventos e em qual episódios eles devem acontecer? Depois, nós sentamos e uma vez que se tenha feito tudo avaliamos “Okay. Esse episódio está faltando isso. Nós precisamos disso e daquilo.” Depois começamos a reescrever os episódios individualmente. Então, finalizamos com tudo e fazemos os episódios. É assim que é o processo.

P: Nós conversamos com uma fonte que disse que você e os roteiristas foram para o KNB ver o que Greg Nicotero pode trazer.

R: Sim, está sendo muito divertido. Nós fomos para KNB e fizemos uma tour por lá. Nós conversamos com Greg Nicotero e vimos as coisas legais que ele vem planejando para a segunda temporada, que é um pouco diferente dessas coisas de zumbi. Nós também discutimos com ele sobre os zumbis que pensamos para a segunda temporada, só para trocar idéias mesmo. Irá ser 13 episódios ao invés de 6, mas parece que vai ter muitos zumbis em cada episódio, incluindo os novos personagens e eventos também. Eu acho que a segunda temporada será muito legal. Além de fazer visitas no estúdio de efeitos KNB, nós também estávamos com os outros atores. Estávamos com o Andrew Lincoln, Sarah Wayne Callies, Jon Bernthal, Steven Yeun, Laurie Holden, e Norman Reedus. Toda vez que um ator está em LA nós temos que aproveitar o momento em que estão presentes, então nós sentamos e discutimos sobre os seus respectivos personagens. Temos que perguntar como eles querem que sejam suas personalidades em cena, para não gerar algum problema futuramente. Escutamos os seus pensamentos e ideias sobre os o personagem porque, aparentemente, os atores fazem de tudo para ajudá-los a atuar. Quero dizer, Andrew Lincoln chegou e ele teve toda essa história envolta de Rick, aonde seus parentes estavam, o que acontecia com o seu cotidiano, entre outras coisas que ele teve que decidir em quando interpretava Rick. É coisa de ator. Mas realmente fico feliz com o resultado final, é como se fosse “Eu nunca saquei sobre aonde estariam os seus parentes, eu simplesmente não me importo. “Mas isso é muito legal, sabe? Então, eu provavelmente vou usar isso nos quadrinhos. É um processo divertido e eu realmente gosto de produzir na sala.

P: Você veio com muita matança de zumbis na primeira temporada. Você já planejou em como elevar o nível na segunda temporada?

R: Eu posso dizer, sentado aqui sabendo que eu sei sobre a segunda temporada, que você não consegue sequer ver a barra porque ela foi tão elevada. Tem todo o tipo de coisa louca que esta para acontecer. Estou realmente empolgado, quer dizer, você pega 8 caras que gostam de zumbis que sabem que estão fazendo um programa de TV como The Walking Dead, e eles sabem que você pode escapar com o tipo de coisa que escapamos na primeira temporada se torna um esforço achar aquela coisa que a AMC vai nos fazer mudar. Então todos estão sentados aqui falando “oh, eles vão nos fazer mudar isso!” Então tem muita coisa legal para acontecer.

P: Você já foi surpreendido com a quantidade de liberdade que a AMC lhe dá no que diz respeito à violência?

R: Definitivamente. Eu me preocupo que nós estejamos indo muito “Oh, eles irão deixar a gente fazer tudo” só porque eles nos permitem fazer isso. É realmente chocante, mas eu acho que é por causa do sucesso da série que eles estão nos deixando fazer isso com tal liberdade, como deixar uma série de zumbis ser uma série de zumbis sem censura. Eles não nos repreendem, o que acho que faz parte do sucesso. As pessoas que gostam de filmes de zumbis podem sentar e assistir isso, e não sentirem que estão assistindo uma versão light de um filme zumbi. É assim que vai ser na segunda temporada.

P: Você poderia falar sobre a sua futura série de livros The Infinite? O que você vem planejando com isso e de onde veio a ideia?

R: A ideia veio de Rob [Liefeld] e de mim enquanto discutíamos em como queríamos muito trabalhar juntos. Eventualmente eu ficava meio que “Vamos fazer alguma coisa relacionado a viagem no tempo. Vamos fazer uma coisa meio sci-fi” . Eu acho que muitas vezes as pessoas se propõem a fazer uma história de viagem no tempo e eles basicamente fazem o mesmo tipo de coisa que se tem feito, como se o tempo de viagem é uma coisa real. Eu ficava meio “Nah”. Se você pensa sobre como funciona a viagem no tempo, há diferentes tipos de coisas que você poderia fazer que você realmente não vê. ” Então, nós estavamos tentando ver até aonde você pode fazer uma viagem no tempo / histórias de ficção científica e confusões na cabeça das pessoas. Vai ser um monte de coisas onde você acha que será tipo “Espera um minuto, não era pra aquele cara fazer isso e aquilo?” Será muito divertido. Trabalhar com Rob é uma verdadeira benção. Eu sou fã dele desde muito jovem, sabe, na minha adolescência. Ter que escrever páginas e páginas e depois entregar para ele é pedir para ver um show de mágica. Eu sou realmente fã do que ele faz. Portanto, é um deleite para mim poder trabalhar com ele.

P: Não será um pouco difícil planejar uma história de viagem no tempo quando os quadrinhos só saem mensalmente? Como será estruturado para ajudar os leitores entenderem a história?

R: Estamos contando uma história finita em “The infinite”, mesmo sendo uma série regular mensalmente. Ela vai por um período e depois a história vai terminar muito da mesma forma de uma série Vertigo ou os irmãos Luna da série da “Image” faria. Estamos ainda mapeando exatamente quantas coisas irá ocorrer, mas ela vai correr por um tempo. O ponto é quando você chegar ao final da história que eu estou imaginando as pessoas vão voltar e vai querer ler a história toda de novo, sabendo onde vai, porque não são todos os tipos de coisas diferentes que levam ao fim da história que você não vai saber que você viu. É preciso uma quantidade extrema de planejamento. Eu não acho que eu já tive uma série esse pensamento para fora antes que esteja muito cedo. Eu sei como a última edição está indo e eu sei o que preciso fazer para configurar o que acontece na última edição. É extremamente complicado, mas é divertido. Eu gosto de fazer o meu trabalho.

P: Será essa série planejada para sair no formato digital também?

R: Sim. Todos os meus quadrinhos nesse ponto serão lançados em versão imprimida e digital ao mesmo tempo. Eu vim fazendo o dia e data de The Walking Dead por quase um ano agora e as vendas para o formato digital e imprimida estão indo bem. Invencível foi o formato digital, que leva um montante maior de tempo, cerca de 5 ou 6 meses, e eu estou vendo a mesma coisa acontecer. Eu sei que os varejistas por vezes se preocupam com essas coisas, mas acho o público e impressão digital diferentes agora. Eu gosto de pensar que a audiência digital acabará por ser o meio milhão de pessoas que estavam comprando quadrinhos na década de 90 que foi embora quando havia um busto. Eu acho que algumas dessas pessoas estão voltando por causa da conveniência de quadrinhos digitais. Eu tenho grandes esperanças que vamos finalmente chegar a um ponto em quadrinhos de impressão estar vendendo basicamente o que eles estão agora, se não um pouco mais, porque quadrinhos digitais estão levando as pessoas a ele, mas as histórias em quadrinhos digital estará vendendo igual para os quadrinhos de impressão . Eu acho que possivelmente será uma espécie de “boom” do setor. Então, eu estou animado para isso.

P: Dado o sucesso de The Walking Dead, eu suponho que você está sendo inundado com ofertas e você tem todas essas novas oportunidades que se abriram. Como é a sensação de ser invadido por todos estes utilitários que você tem agora à sua disposição?

R: É muito bom. Eu sinto meio que… estar fazendo coisas como skybond. Eu sinto como se eu tivesse uma responsabilidade de usar o meu poder com grande responsabilidade ou alguma merda do tipo. Eu estou pegando alguns recursos que usei em The Walking Dead para ajudar a promover livros como “Witch Doctor” e entre outras coisas que eu acho que merecem mais atenção. Eu aproveito a imprensa pra divulgar essas coisas, e penso “Oh, yeah. Irei fazer uma entrevista, tenho que falar com aqueles caras”. Eu estou recebendo mais pessoas para falar sobre seus livros e espero que esse livro fique nas melhores vendas e que seja um grande sucesso para Brandon [Seifert] e Lukas [Ketner]. Eu acho esses caras realmente talentosos e que o livro merece ser um best seller. Outra coisa também, eu estou fazendo outro projeto que ninguém sabe ainda. Eu não posso revelar nada sobre ele. Mas eu estou tentando pegar os meus recursos e transferir para várias áreas porque The Walking Dead não necessita realmente ser construindo apenas por mim. Então estou mudando para outros projetos. Estou tentando usar essa maré para levantar todo o navio, e eu não estou fazendo sentido neste momento. Estou tentando tirar proveito de todas as coisas que estão vindo para o benefício dos quadrinhos. Vamos ver como isso funcionará daqui a algum tempo. Provavelmente será um enorme fracasso.

P: Qual é o seu nível de envolvimento com o game de The Walking Dead que está sendo criado?

R: Eu me reuni com eles ontem. Não está sendo eu mesmo escrevendo o game porque estou sem tempo. Eu posso dizer que eu peguei Frank Darabont para o show e eu escolhi TellTate Games porque eles são bem familiares com os quadrinhos e eles sabem o que faz os quadrinhos serem bons e o que faz o quadrinhos de “The Walking Dead” o contrário disso, você sabe, de zumbis correndo por ai e cortando fora a cabeça das pessoas, e entre outras coisas. Se você quiser comprar um game que tenha que matar zumbis adoidamente – esse game existe e terá mais outros vindo. São games divertidos e todos gostam deles, mas não será totalmente assim. Nós estamos tentando criar algumas coisas diferentes para o game de The Walking Dead. Sabendo o que eles são, que se investiu na mudança que você poderia esperar de um jogo de zumbi e que realmente tenha a emoção e o drama de The Walking Dead aos games que me faz confiar neles. Mas eu estou supervisionando tudo.

P: Qual será o gênero do game?

R: Eu não sei qual o nome técnico disso. Eu sei o que o game é, mas eu não sei se posso falar sobre isso ainda. Eu não sei qual o nome técnico para isso, e eu não sei se posso dizer o que é. Eu sei que o jogo vai ter tiros, só não será o foco do jogo.

P: Ele irá ser lançado periodicamente como eles fizerem com os seus jogos de “De volta pro futuro”?

R: Eu sei, mas eu não sei se posso responder a isso. Eles fazem isso com todos os seus jogos, certo?

P: Eu acho que é esse o plano deles, mas eu não sei se eles querem fazer um jogo autônomo.

R: Eu deixarei eles anunciarem isso.

P: Você sabe quantos episódios você irá escrever para essa nova temporada de The Walking Dead?

R: Nós ainda estamos trabalhando nisso. Provavelmente será mais de um.

P: Existe alguma coisa que você queria fazer na primeira temporada que não foi capaz de fazer por causa do tempo ou do orçamento?

R: Na verdade não. Quer dizer, existem idéias diferentes que Frank Darabont teve em vários episódios a partir do início da primeira temporada. Ele tem idéias para a terceira temporada. Falamos sobre a terceira temporada e a quarta na sala dos roteiristas, no qual temos grandes esperanças. Portanto, há um monte de planejamento a longo prazo. Qualquer coisa que não consegui encaixar na primeira temporada será apenas uma espécie de acontecimento na terceira temporada. Havia realmente uma cena para o episódio 5 que eu não sei se vai ser liberada de alguma forma. Foi uma cena prática de alvo, onde Andrea está disparando com sua arma. Isso realmente foi cortado do episódio 5 apenas por causa do tempo e ele não se encaixava com o episódio. Isso é apenas algo que nós provavelmente colocaremos na segunda temporada. Vai ser assim. Nós apenas reaproveitaremos as coisas.

P: A Geórgia recentemente teve seus créditos da série renovada. Teve uma pergunta sobre o crédito fiscal ser renovado ou não. A série vai continuar a ser gravada na Geórgia?

R: Yep. Nós já temos todos os locais definidos para a segunda temporada. Está tudo nela e sabemos das nossas áreas. Tudo parece bem legal.

P: Vocês têm alguma coisa planejada pra Comic Con? No ano passado, foi tão estrondoso com apenas uma prévia da série.

R: Eu estou esperando que nós estejamos em um grande salão para o nosso painel. Nós estavamos no segundo maior ano passado, e eu espero que estejamos no Hall H esse ano.

P: Acho que a Comic Con seria sábia pra mover vocês.

R: Eu sou um geek do Comic Con, então eu penso, “Oh, cara, se eu tivesse um painel no Hall H, isso seria tão legal!” Eu não acho que a maioria das pessoas no mundo dão a mínima para o Hall e se seus painéis estão lá dentro, mas eu adoraria ter um painel do Hall H. Vai ficar tudo vazio e eu ficarei “Isso foi um erro. Por que fizemos isso? Nããão! Nós não poderíamos encher o Hall H! é muito cedo ainda! ”

P: Irá apenas ter um cara com uma camiseta e uma bandeira gritando “Yay!”

R: Ou apenas um monte de gente com camisetas de Crepúsculo esperando pelo próximo painel. Eu acho que tudo o que eles fizeram com as coisas de lá nunca foi por saber que a série ia ser um sucesso. Então eu não estou ciente de tudo que a AMC está planejando nesse momento, mas acho que essa Comic Con será melhor. Eles provavelmente vão ter um zumbi de sete metros de altura andando na rua em frente ao centro de convenções. Você sabe, naves espaciais de “The Walking Dead” voando. Quero dizer, quem sabe?

P: Os estúdios estão começando a perceber que os gêneros parecem cair e subir. Acho que estamos , com os dedos cruzados, para o declínio do gênero de vampiros agora. Mais e mais filmes de zumbis parecem estar em desenvolvimento, como por exemplo “World War Z, Orgulho e preconceito e zumbis e Zombis Vs Robôs. O que você acha que faz The Walking Dead se destacar e atrair o público de uma forma diferente de outras franquias de zumbis?

R: Todos os filmes, livros e quadrinhos de zumbis tem um foco certo sobre os personagens, porque você não pode realmente fazer de um zumbi um personagem principal. Eu acho que The Walking Dead é diferente e que ele tem que focar no caráter e ter que amplia-lo por dez vezes. Há questões de The Walking Dead que não apresentam mesmo zumbis e aí vão ser episódios que mal terá qualquer zumbi, dependendo das estações da série. É realmente apenas sobre os personagens. Os zumbis são muito mais do que um pano de fundo que eles parecem estar em outras coisas. Eu acho que o foco tem que ser intenso sobre os personagens, suas lutas, e como eles lidam com os zumbis. Não é realmente sobre a frequência de como cortar as cabeças dos zumbis fora. É sobre como eles ficam depois de terem feito isso. É essa a chave pra isso que eu acho que estamos fazendo.

Fonte: Collider
Tradução: Mel / Staff WalkingDeadBr

Publicidade
Comentários

EM ALTA