Siga-nos nas redes sociais

3ª Temporada

Glen Mazzara, ex showrunner de The Walking Dead, fala sobre matar um personagem tão querido

Publicado há

em

O ex showrunner fala com o THR sobre a cena sem fala na estreia da terceira temporada e sobre as decisões importantes à serem tomadas.

Embora a terceira temporada do monstro da AMC tenha começado de maneira silenciosa, ela terminou com um estrondo literal, culminando com a morte de um personagem amado tanto na TV quanto na HQ, onde a série é baseada.

Começando o ano com um avanço no tempo que salta sobre o inverno, logo após o grupo de Rick (Andrew Lincoln) ter saído da fazenda de Hershel, Glen Mazzara propôs fazer algo diferente nos primeiros minutos da temporada. Os primeiros cinco minutos do retorno da drama zumbi foram de silêncio entre os personagens — uma cena que agora o ex-showrunner já vinha pensando por um tempo.

Parte da decisão, ele disse ao The Hollywood Reporter, foi parcialmente para calar aqueles que disseram que os sobreviventes passaram muito tempo conversando e mostrar o quanto o grupo havia percebido o tempo que tinha passado.

O final da temporada, por sua vez, contou com uma morte tão surpreendente que deixou até os mais alucinados dos fãs da HQ de Robert Kirkman surpresos, após a personagem de Laurie Holden, Andrea, que agora é ligada amorosamente ao herói da série em quadrinho, Rick Grimes — foi forçada à terminar sua própria vida ou correria o risco de se tornar um zumbi.

Agora, Mazzara quebra seu silêncio sobre o final sangrento da temporada e compartilha seus pensamentos sobre a abertura silenciosa e complicada, e o porque que Andrea teve que morrer.

The Hollywood Reporter: Você enviou a premiere da terceira temporada, Seed, para ser avaliada a uma possível indicação ao Emmy. Qual foi a cena mais difícil de se escrever dele?

Glen Mazzara: O que amei em “Seed”, foi que foi um episódio muito divertido de escrever. Houve muita alegria nesse script. Eu estava realmente bastante empolgado com a temporada. Nós realmente nunca usamos a palavra “reiniciar”, mas queríamos avançar os personagens, e eu queria mostrar algum desenvolvimento dos mesmos, porque eu sabia que estávamos pulando o inverno [entre as estações] e tive que mostrar o crescimento emocional de cada um. Uma das cenas mais difíceis de escrever foi a sequência de abertura de cinco minutos. O conceito era que o nosso grupo evoluiu para uma máquina bem oleada – uma força de ataque, se você preferir – e eles estão pegando pistas, como se fossem policiais em uma apreensão de drogas. Para fazer sem diálogo, e fazer tudo através do movimento e linguagem corporal, foi divertido e desafiador, mas complicado. Tivemos que ter certeza que todos tinham algo particular e especial para seus personagens – todos tinham um papel – que não eram necessariamente permutáveis. Todo mundo tinha uma função na equipe e Rick estava mantendo o controle sobre tudo. Nós também tivemos que mostrar que Carl (Chandler Riggs) tinha evoluído. Como estava a relação entre Rick e Lori (Sarah Wayne Callies)? Eu queria fazer de Daryl (Norman Reedus) um forte número 2 para Rick, mas também queria mostrar a tensão entre os personagens sem fazer com que alguém se tornasse desagradável. Com qualquer estréia da temporada, você espera que uma nova audiência vai aparecer. E para o público saber quem são todos esses personagens e quais as suas relações, sem qualquer diálogo expositivo foi complicado. O diretor Ernest Dickerson gravou em pequenos pedaços ao longo de um dia ou dois. Felizmente, para a estréia de temporada, você tem tempo extra para preparação e todo mundo está revigorado das férias.

THR: Qual foi o seu processo de escrita para essa abertura sem diálogo?

Mazzara: Esse foi um dos mais divertidos que eu já escrevi em toda a minha carreira. Eu carreguei essa cena na minha cabeça por muito tempo e, em seguida, me sentei e escrevi à mão em um caderno espiral. É muito bonito o que eu escrevi inicialmente. Ele só parecia certo para mim e realmente casou, porque era sobre os personagens. Eu quis também jogar alguém uma surpresa. Nós não comentamos sobre fazê-lo sem palavras quando eu estava conversando com a rede ou a outros produtores. Quando escrevi isso, eu senti como se eu não precisasse de palavras para contar esta história. Uma das coisas que eu queria fazer na terceira temporada era usar esse estilo cinematográfico. Nós estávamos fazendo isso, e eu realmente queria contar a história de uma forma visual, sem qualquer diálogo. Além disso, estávamos ficando um pouco pressionados pelo fato dos nossos personagens falarem muito, então eu quis fazer a cena de abertura sem que qualquer um dos personagens dissesse uma palavra.

THR: Olhando para a terceira temporada como um todo, você matou alguns personagens principais — incluindo um que ainda está vivo e se destacando nas histórias em quadrinhos. Como foi decidida a morte de Andrea?

Mazzara: São decisões difíceis de serem tomadas. Eu achei que seria importante que nós sempre mostrássemos que ninguém está a salvo. Também é importante para mostrar o efeito que essas mortes têm em nossos outros personagens. A morte de Andrea, por exemplo, eu sabia que Rick ia finalmente abrir as portas da prisão depois de uma temporada em que ele estava tentando esconder-se do mundo e prender todos para mantê-los seguros. Ele percebe o que isso significa – que o nosso grupo está agora tornando-se isolado e será eliminado, que seu próprio filho está no caminho para se tornar o Governador (David Morrissey), então ele tem que abrir os portões e deixar que outras pessoas entrem e ser compassivo. No final do último episódio, ele traz mulheres, crianças e idosos e o grupo se transforma. Foi preciso um sacrifício de sangue para isso, e que tinha de haver um preço que foi pago. Foi importante Andrea ter pago esse preço. Ela era incapaz de voltar ao grupo. De certa forma, muito do que ela fez foi unir os dois grupos. Mas ela nunca seria capaz de entrar na prisão e se reunir de forma plena com o grupo de Rick. Foi um sacrifício que era digno de final de temporada.

THR: Quando foi que você soube que Andrea pagaria o preço?

Mazzara: Isso foi acontecendo ao longo da temporada. Eu sempre soube que Rick abriria os portões e deixaria as pessoas entrar. Esse era o plano. A ideia da morte de Andrea surgiu no meio da temporada.

THR: Que tipo de comentário você obteve sobre a morte de Andrea?

Mazzara: Eu ouvi vários positivos, com um monte de fãs achando que tinha sido um ótimo final de temporada. Sem esquecer que foi um grande show, obviamente, muita gente apareceu. A maioria das pessoas achou satisfatório. Há um grupo muito forte, dizendo que está insatisfeito com a morte de Andrea, o que mostra que sua morte significou alguma coisa; isso afetou emocionalmente as pessoas. Eu nem ligo para as pessoas se no decorrer da execução da série para 29 dos 35 episódios, as pessoas se surpreendam que eu tenha desviado da HQ. Eu jamais disse que eu seguiria a história em quadrinhos. A série de TV nunca chegou perto dos quadrinhos. No episódio 35, se tivermos uma morte surpreendente, estará em sintonia com tudo o que eu sempre entreguei.

THR: Qual conselho você tem para o novo showrunner Scott Gimple?

Mazzara: Eu diria a ele para escrever o que ele acredita.


Fonte: Hollywood Reporter
Tradução: Ramon Santos / Staff Walking Dead Brasil

Publicidade
Comentários

EM ALTA