Siga-nos nas redes sociais

2ª Temporada

Glen Mazzara Dará Conta de The Walking Dead?

Publicado há

 

em

Em qualquer padrão, o drama da AMC: The Walking Dead é um sucesso; pelos padrões da TV a cabo, quebrou um recorde e uma mudança de paradigmas… prova que um cabo básico pode produzir hits genuínos que atraem quase 9 milhões de espectadores por episódio e não apenas queridos críticos como Mad Men e Breaking Bad da mesma rede. E ainda para quem acompanha comentários tristes do programa ou da crise que culminou com a demissão do criador Frank Darabont em julho do ano passado, parece que o projeto se inclinou para a auto-sabotagem.

Felizmente, o substituto de Darabont sabe como lidar com stress. Glen Mazzara, cuja voz trai suas raízes do Queens, começou sua carreia como um administrador de hospital em Nova York antes de entrar no ramo da TV. “horários apertados, pessoas com agendas diferentes, orçamentos pequenos” diz ele, despejando os paralelos. “E você sempre está esperando por uma parada cardíaca.” Atualmente ele vem expelindo uma analogia mais dramática e profissional. “Eu sou o cara em Guerra ao Terror” disse Mazzara. “eu sou enviado no processo para tentar acalmar as coisas”.

A fonte de explosão do ultimo verão ainda é nebulosa. A cavalgada de teorias seguiu: Darabont não conseguia se dar bem com o cabeça da programação original da AMC, Joel Stillerman; ele tentou encaixar a sua sensibilidade em um molde de TV (ele dirigiu Um Sonho de Liberdade); um dos seus diretores transformaram um episódio crucial em imagens inutilizáveis; ele protestou contra rumores de cortes de orçamento. Mazzara confirma uma pós-Darabont scramble para limpar uma segunda temporada irregular, mas ele e um porta-voz da AMC negam qualquer apertada de cinto. Darabont recusa comentar o assunto, mas três meses antes de sua demissão, ele apareceu em uma das mesas redondas dos showrunners e reclamou da atitude da AMC perante o programa: “há um recurso que tem se mostrado ser bastante valioso. Por que você está tentando estripar o orçamento? Não faz nenhum sentido de negócios.”

Seja qual for o caso, a crise de confiança entre o elenco era bem real. Mazzara parece ter conquistado eles, mas o público não será até dia 12 de fevereiro. É quando o programa retorna em seu hiato no meio da segunda temporada e quando os espectadores poderão ver o primeiro episódio feito inteiramente na visão de Mazzara.

Mazzara pensou duas vezes antes de assumir o cargo. Ele sempre funcionou melhor como braço direito que “vem de forma ameaçadora para ajudar o showrunner a atingir sua visão.” Seu segundo programa em The Shield foi melhor que passagens de execução como Hawthorne e Crash. Ele foi substituído no episodio que vem “então eu sei como é muito doloroso perder um programa.” E ele sempre será lembrado como o cara substituto de The Walking Dead. “Aqui era a terceira instancia que eu assinava para executar a visão de outra pessoa, e se eu não fizesse certo? Isso poderia ter assassinado minha carreira.”

Mazzara viajou para Atlanta para conversar com os atores, quase todos extremamente devotos de Darabont, no meio de uma gravação no verão escaldante. “Ele só disse ‘estava feliz aonde estava’” disse Norman Reedus, que interpreta Daryl, um caipira com uma besta (arma) e um coração de ouro. “Ele não era o vilão da situação, e ele queria que soubéssemos disso.” Ou como Mazza insiste para mim “eu não sou um autor, ok?”

Mas Mazzara não conseguiu convencer uma blogosfera de fãs famintos por carne. Eles haviam comido a premissa de The Walking Dead, baseado em uma história em quadrinhos de Robert Kirkman: um policial de interior lidera um grupo de sobreviventes do apocalipse fora de Atlanta, lutando não apenas contra os mortos-vivos mas também os próprios impulsos humanos mais obscuros. No entanto, muitos se irritaram com o diálogo de chumbo e as improváveis reviravoltas que assolaram a primeira temporada. Entre as temporadas, Darabont demitiu a maioria da equipe de roteiristas e trouxe o autor do melhor episódio (Mazzara) como o produtor executivo encarregado de contratar um novo funcionário. Missão não cumprida: a primeira metade da segunda temporada foi atacada por zumbis, maioria nos limites de uma só fazenda. Desde que Darabont foi demitido, os fãs tendem a culpar Mazzara.

É nesse ponto que o ego do autor Mazzara eleva sua cabeça. “Os fãs não entendem o que é meu, o que é de Frank, o que precisava ser feito para melhorar o show.” Como um exemplo, ele trouxe a tona a recente confissão de Lori (mulher do policial Rick) de que ela tinha dormido com seu melhor amigo, Shane. Darabont achou que era muita trama para ser desenvolvida, embora os telespectadores saibam do caso deles desde a estreia da série. “Trabalhando em séries de episódio na TV por um bom tempo, percebi que a audiência fica faminta por coisas e elas não podem estar muito à frente dos personagens. Caso contrário, eles acham que os personagens são estúpidos ou não valem seu tempo.” Disse Mazzara. Com Darabont fora, ele se coloca na cena.

O objetivo de Mazzara seguindo adiante é de acelerar e descobrir mais histórias. Sua estreia na segunda metade tem um tenso impasse, novos personagens, e uma promessa de ampliar horizontes. “Eu sinto que o programa tem sido um pouco insular, queria ampliá-lo” disse ele. De repente um mundo de fora começa a invadir nossa fazenda, e agora tem o suspense, quem está lá fora? Eles estão vindo? E todas as dinâmicas interpessoais do grupo estão em desacordo sobre essa nova ameaça.

Os escritores já estão escrevendo a terceira temporada, que expandiu recentemente para a AMC em dezesseis episódios. É exatamente onde Mazzara quer estar. “Se você me conhece, sabe que odeio quando um programa que estou trabalhando é transmitido. Estou temendo a volta do programa. Tenho certeza que as pessoas irão gostar, mas não gosto de holofotes, e não posso esperar para o último episódio correr para que eu possa voltar ao trabalho.”


Fonte: NY Mag.
Tradução: Laís Barcellos / Staff WalkingDeadBr

Publicidade
Comentários

EM ALTA