Siga-nos nas redes sociais

Série

Por que essa Obsessão por Zumbis?

Publicado há

em

Imagine acordar um dia e perceber que o mundo inteiro foi destruído. Seus amados estão mortos, o governo caiu, não há mais combustível ou eletricidade… e a cidade está rastejando com viciosos zumbis com fome de carne. É uma versão do mundo que muitos de nós mal podemos esperar para escapar de novo nesse fim de semana, com o retorno de The Walking Dead.

Mas por que nossa sociedade é tão cativada por sagas de zumbis? Qual é da mórbida fascinação por morte, gore e caos? Qual a verdadeira atração dessas histórias pós-apocalípse?

Parece que parte dela tem a ver com a credibilidade relativa do cenário de desastre zumbi. Eu sei que isso pode soar um pouco ridículo. Zumbis não existem (ainda).

Mas você tem que admitir, tem algo familiar na narrativa zumbi. Em um mundo que doenças catastróficas e guerras biológicas são legítimos medos, uma epidemia com proporções de apocalipse não está tão longe.

E diferente de outras ficções cientificas ou historias de terror, onde os vilões são demônios infernais ou monstros do mal do espaço, o mundo zumbi coloca uma assustadora face familiar no adversário. Não é mais “nós contra eles”… dessa vez, o inimigo é a sua vizinha, o cara do mercado, seu dentista, ou até seus amigos ou família.

Sobrevivendo ao Apocalipse

Existem duas perspectivas opostas na “epidemia zumbi”, as duas são fáceis de identificar no programa. Um lado vê os “walkers” como uma causa perdida… uma vez que você é mordido, você tem que ir. É uma bala na cabeça, ou o risco de pôr em perigo as preciosas vidas dos sobreviventes restantes.

O que é particularmente interessante em The Walking Dead é o foco nas lutas humanas… as relações dos personagens e a degradação de aceitar ética e valores. Enquanto algumas histórias de zumbi têm foco em batalhas sangrentas com os mortos-vivos, a série dá aos espectadores uma visão real sobre a psique do sobrevivente.

O programa mostra a vida de um grupo de sobreviventes, pessoas que se uniram em desespero, constantemente se movendo para estar um passo antes de um destino tenso. Liderados pelo corajoso policial Rick Grimes (Andrew Lincoln), as crenças e a moral dos personagens colidem em sua constante missão de encontrar segurança.

Há pouco revelado sobre a vida do grupo antes dos zumbis. Tirando de três ou quarto personagens principais, não sabemos qual eram seus empregos, como eles viviam ou com o que eles se importavam. Agora, nada importa, só sobreviver.

E mesmo que a maioria de nós nunca tenha vivido essas circunstancias, nos relacionamos com esses personagens porque imaginamos que nessa situação, nós provavelmente estaríamos nos sentindo da mesma maneira que eles. Talvez seja porque estamos tão familiarizados com contos de zumbi, ou talvez porque nós estamos apenas tomados pela emoção das histórias de sobrevivência. Mas por uma razão qualquer, nossa reação ao ver essas coisas na tela é muitas vezes de considerar o que faríamos no caso de um ataque zumbi.

Ataque Zumbi:  O que você faria?

Essa ideia de “se fosse eu…” se torna especialmente interessante. Por exemplo, na série online de webisodes, uma mãe frenética é mordida e escolhe se sacrificar para que seus filhos fujam em segurança. Ela vai até um amontoado de zumbis famintos em uma rua do subúrbio, se ajoelha em um carro abandonado apenas para ser devorada por dúzias de corpos sangrentos.

Com o retorno da série nesse fim de semana, fãs do mundo inteiro estão ansiosos esperando o próximo capítulo da saga de Walking Dead. E um clássico dilema existencial: Qual a razão de viver num mundo sem esperanças cheio de medo, morte e tragédia? Bom, tome nota, pessoal. Veja e aprenda, porque quem sabe pode ser você um dia


Fonte: Vancouver Observer
Tradução: Laís Barcellos / Staff WalkingDeadBr

Publicidade
Comentários

EM ALTA