Siga-nos nas redes sociais

Walking Dead Brasil

[FANFIC] A Caminhada dos Mortos – Capítulo 04

The Walking Dead BR

Publicado há

em

Só restava aguardar e aproveitar o tempo pra repor as energias, afinal dias difíceis estavam por vir, ou melhor, já estavam acontecendo.

Eles identificaram apenas uma voz feminina os chamando de longe. Subiram exaustos mais dois andares, visualizaram a porta aberta e entraram no apartamento.

Todos estavam acabados, sem energia alguma para prosseguir; precisavam descansar urgentemente. Jefferson pediu para a dona do apartamento se havia um quarto para que pudesse por as crianças e sua mulher para repousarem, pois eles estavam extremamente abatidos.

Carolina ainda desmaiada foi colocada em uma cama desarrumada ao lado de Henry e Jeniffer, que adormeceram rapidamente.

Depois de um tempo observando sua família, Jefferson saiu do quarto e foi até sala, que naquele momento estava imersa em um silêncio profundo. Carlos e duas belas moças estavam sentados e pareciam ter parado de falar no exato momento que o pai de família exausto adentrou o cômodo. A primeira delas, uma esbelta morena se apresentou:

– Meu nome é Luiza, tenho 28 anos. Eu trabalhava em um escritório de advocacia, do centro da cidade e essa é minha irmã mais nova, Maitê. Ela tem 23 anos e cursava Arquitetura e Urbanismo. Ela tinha um lindo futuro pela frente, terminar a faculdade, casar… – a moça ficou com os olhos marejados e não falou mais nada. Um silêncio pairou na sala. Jefferson resolveu se apresentar:

– Meu nome é Jefferson e sou dono de uma companhia de telecomunicações. Lá no quarto, está minha esposa Carolina e meu filho Henry, além de uma amiga dele.

– Já eu me chamo Carlos, como disse anteriormente quando meu amigo aqui não estava presente – ele meneou a cabeça em direção a Jefferson – Eu não moro aqui, vim de muito, muito longe. Eu sou cientista e trabalhava há a algum tempo no departamento de epidemias e vírus letais de Porto Alegre. Eu sei que vocês devem estar se perguntando mil e uma coisas sobre mim, o porquê de eu estar aqui, enfim… Não se preocupe que eu vou explicar tudo, cada coisa em seu momento oportuno.

Carlos fez uma pausa e pediu a moça morena onde poderia conseguir um copo de água. Ela foi até a cozinha e buscou para o homem. Ele bebeu alguns goles, limpou a garganta e começou:

– No nosso departamento, criamos vacinas contra diversas doenças. O nosso centro de pesquisas foi alertado em meados do mês passado que nos Estados Unidos uma grande epidemia havia começado a aterrorizar todo o país. O governo tentou encobrir a situação, os pólos de lá tentaram dizer que era apenas uma endemia, mas nós sabíamos: não era simplesmente mais uma endemia. Depois de muito insistir, eles nos enviaram amostras de uma carne infectada, para que pudéssemos tentar identificar o que estava ocorrendo, se havia alguma chance de estarem vivas. Nossas pesquisas chegaram a uma conclusão: Todas as pessoas que fossem mordidas ou arranhadas automaticamente passariam a estar infectadas. Como conseqüência disso, esses indivíduos apresentariam febre altíssima no começo e depois de um certo período de tempo morreriam. Apenas uma parte de seu cérebro

continuaria a funcionar, aquela relacionada a coordenação motora daqueles indivíduos, além  das sinapses que funcionam como alerta em questões relacionadas a necessidade de alimentação.

– Mas uma coisa eu não consigo entender: Eles estão mortos ou só estão fora de si? – perguntou Jefferson.

– Não, eles estão todos mortos. Toda sua parte funcional é “desativada” digamos. Apenas as partes que mencionei antes continuam a funcionar. – respondeu Carlos, que continuou a história após beber mais alguns goles de água

– Estávamos todos bem aparentemente, quando uma de minhas secretárias entrou na sala onde eu estava analisando algumas amostras e veio até mim com um olhar faminto. Ela tinha os olhos amarelados e fazia barulhos estranhos. Nós não sabíamos como agir, o que fazer e em um ato de paralisação ficamos ali, ela nos olhando, nós olhando para ela. Mas aquela criatura não estava pra brincadeira. Quando olhamos para a porta, pensando em uma maneira de fugir de lá, ela se atirou a uma velocidade absurda em cima do meu colega e…mordeu ele. Ele desmaiou e eu consegui fugir. Mas o que eu mais lamentei foi esse meu ato de covardia, eu devia ter ficado lá e ajudado meu colega, ele não merecia ter aquele fim – Carlos estava emocionado.

Luíza tomou a palavra:

– Não fique assim, você apenas seguiu seu instinto de sobrevivência e isso é uma coisa…humana, você não ia ficar lá, morrer e ser mais um. Você fez a coisa certa naquele momento

Carlos lançou um olhar agradecido para a moça que retribui com um meio sorriso. Ele parecia motivado a continuar:

– Mas não era apenas aquela minha secretária que estava contaminada; outras pessoas, para não dizer muitas pessoas, também estavam com aquele vírus.

– Desesperado, subi e me tranquei no meu quarto. Lá eu guardava vários  mantimentos de sobrevivência; era frescura minha, mas naquele momento foi aquela minha frescura que me salvou e que permitiu que eu pudesse estar aqui, agora contando essas coisas para vocês. A energia havia acabado e eu fiquei lá, quieto, sem nenhuma esperança por vários dias. A comida estava acabando, eu estava ficando fraco, pensando que aquelas seriam minhas últimas horas quando eu vi o helicóptero de vocês. Eu estava desesperado e aquela era minha única oportunidade de sobrevivência. Eu peguei uma arma de dentro da escrivaninha e sai correndo até o terraço. Aqueles zumbis ouviram e vieram atrás de mim. Mas graças a vocês, eu estou vivo. – encerrou Carlos

– Mas e porque ninguém nos avisou disso? Por que as autoridades não tomaram uma posição, tentaram erradicar essa peste? – perguntou a moça que até então não havia proferido sequer uma única palavra

– Não avisaram a população para não assustar a todos e criar um caos maior. Porém todos acharam que seria fácil de erradicar o vírus. A febre que era percebida em pessoas mordidas era grande, mas febre é sintoma de variados tipos de doenças. Quando as pessoas morriam e depois de algum tempo voltavam a se locomover, muitos achavam que era um milagre ou algo do gênero. Mas aquela criatura mordia outra pessoa saudável, e o ciclo se repetia, ou seja, o vírus e o número de zumbis começou a espalhar e aumentar muito rapidamente e quando o governo percebeu, a situação estava fora de controle.

– Agora eu entendo… Nós sobrevivemos, pois a maioria das pessoas quando começaram a receber noticias de parentes mortos, amigos ou até que estava ocorrendo uma epidemia saíram de Caxias do Sul…ou tentaram… –apontou Maite

– O jeito que encontramos para sobreviver foi juntarmos muitos mantimentos e ficarmos aqui, escondidos. Poderíamos estar a salvo se vocês não chegassem fazendo tanto barulho atraindo todos esses zumbis.  – Falou Luiza complementando o que Maite falou.

– O que está feito, está feito. Vocês dois me ajudem a pegar cobertores para tamparmos as frestas das portas para que esses zumbis não vejam qualquer tipo de luz ou ouçam nossa conversa; eles são espertos, sabem que estamos aqui, teremos que nos proteger até que desistam. Por sorte não entraram ainda no edifício ou entraram? – Perguntou Maite.

– Nós encostamos o portão por onde entramos, porém não estava trancado. Agora temos que torcer para que não entrem. – Carlos comentou.

Depois de isolar a casa ao máximo, Maite começou a preparar a comida para todos; estava um pouco preocupada, pois o gás estava acabando e não haveria como cozinhar sem o combustível.

Carlos foi até a janela, espiou e percebeu que havia uma quantidade de zumbis na espreita do lado de fora. Pensou… O próximo passo deles seria ou  se dispersar ou invadir o edifício. Só restava aguardar e aproveitar o tempo pra repor as energias, afinal dias difíceis estavam por vir, ou melhor, já estavam acontecendo.

A janta estava pronta. Jefferson foi chamar todos para jantar, acordando as crianças e sua mulher. Enquanto todos jantavam, Carolina olhava a cara triste de Jeniffer que estava com saudades de sua mãe. Maite e Luiza se apresentaram para crianças e para Carolina, que sentiu simpatia pelas moças.

Após a janta Carolina pediu licença para se retirar e levou Jeniffer até banheiro para conversar.

– Jeniffer não se preocupe, sua mãe esta com o namorado que é um grande policial militar. Ele e sua mãe estão bem! Estamos perto de nossas casas iremos ate lá assim que descansarmos. – Falou Carolina

– Sim tudo bem tia, vou dormir mais feliz agora então, já que amanha verei minha mamãe – Falou Jeniffer com sorriso imenso.

Carolina se sentiu mal por fazer uma promessa que provavelmente nas condições que se apresentavam não seria viável.

[…]

Na madrugada Carolina acordou, e lentamente se dirigiu até cozinha para beber um copo d’água. Viu o marido dormindo em um sofá velho, cheio de pó. Começou a analisar a situação; não havia entendido ainda o ocorrido, o caos que se abatia sobre todos.

E justamente essa falta de informação fez com que ela, sem nenhuma prudência, abrisse as cortinas da varanda.

Dois zumbis estavam ali, frente a frente com ela. Apenas um vidro fraco os separava.


Autor: Maiki Jean / @maikijean

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Walking Dead Brasil

The Walking Dead revela quem está por trás do vandalismo “Silencie os Sussurradores”

A campanha contra os Sussurradores que acontece em Alexandria também aconteceu nos quadrinhos de The Walking Dead.

Avatar

Publicado há

em

Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do quarto episódio, S10E04 – “Silence the Whisperers”, da décima temporada de The Walking Dead. Caso ainda não tenha assistido, não continue. Você foi avisado!

Alguém em The Walking Dead pretende “Silenciar os Sussurradores”. No episódio desta semana de The Walking Dead, Daryl (Norman Reedus) e Lydia (Cassady McClincy) descobrem que sua casa foi vandalizada por grafites pedindo que Alexandria “Silencie os Sussurradores”. A ex-sussurradora, Lydia, emancipou-se da mãe abusiva, Alpha (Samantha Morton), mas está lutando para se afirmar dentro das paredes de Alexandria. Lydia é intimidada por Alfred (David Shae), Margo (Jerri Tubbs) – que exige justiça para os ladrões de estrada Ozzy (Angus Sampson) e Alek (Jason Kirkpatrick) – e Gage (Jackson Pace), em busca de sangue para vingar os amigos Rodney (Joe Ando Hirsh), Addy (Kelley Mack) e Henry (Matt Lintz).

Em certo momento, Lydia intencionalmente incomoda os três agressores cortando um esquilo. “Foi por isso que Ozzy e Alek morreram? Para que ela pudesse nos fazer de bobo?”, diz Alfred. Margo responde: “Não aqui.” Lydia provoca novamente, segurando o dedo ensanguentado nos lábios: Shh.

Mais tarde, Daryl diz a ela que “não pode fazer coisas assim” se ela espera morar em Alexandria. Ela responde: “Mas eles podem escrever o que quiserem em nossa porta?”

LEIA TAMBÉM:
Quem morreu no 4º Episódio da 10ª Temporada de The Walking Dead?
Alpha acredita no fim das comunidades no trailer do próximo episódio de The Walking Dead

“Um dos grandes momentos da história em quadrinhos que nos entusiasma muito e que há essa ideia de propaganda e paranoia, é essa de ‘silenciar os sussurradores’, que Robert Kirkman usou muito bem”, disse a showrunner Angela Kang anteriormente a EW. “Então, definitivamente, há um sentimento de que nosso grupo está entrando nesse conflito que continua crescendo contra os Sussurradores, muito diferente de como ocorreu a guerra contra os Salvadores, onde não havia apenas elementos de paranoia, mas meio que uma sensação de Guerra Fria.”

O vandalismo dos agressores e seu violento ataque a Lydia ocorrem quando os Sussurradores invadem ainda mais as comunidades: Alpha reivindicou ainda mais território das comunidades e Michonne (Danai Gurira) suspeita que os Sussurradores estejam por trás de ataques coordenados em Alexandria, Hilltop e Oceanside.

“Descobrimos que há pessoas que estão tendo uma resposta mais comedida. Você vê pessoas que são muito mais rigorosas, vê pessoas que estão confusas sobre o que fazer”, disse Kang. “E acho que isso faz parte do interessante cenário humano que está rolando quando tudo começa a acontecer, a paranoia começa a dominar essas comunidades, e há movimentos de guerra sendo feitos de ambos os lados”.

Nos quadrinhos, foi o líder de Alexandria, Rick Grimes, que se uniu a Alexandria dizendo a seus sobreviventes que eles precisavam “silenciar os sussurros”. Na edição 152 de The Walking Dead, Rick lançou uma campanha de propaganda completa, admitindo que Michonne precisava direcionar a raiva dos alexandrinos para longe deles e em direção ao inimigo.

Essa campanha foi lançada quando alguém tentava “silenciar os sussurros” à sua maneira. Resultado: Negan que escapou.

Na série, apesar de não ter sido revelado, presumimos que os responsáveis pelo vandalismo sejam Alfred, Margo e Gage. Vamos ter que aguardar os próximos episódios para descobrir se teremos ou não a revelação oficial do(s) envolvido(s) nessa campanha.

O que você achou do episódio desta semana de The Walking Dead? Acredita que Lydia está certa e que os culpados pela frase/campanha são Alfred, Margo e Gage? Deixe sua opinião nos comentários abaixo!

Continue lendo

Walking Dead Brasil

Produtora de The Walking Dead revela o voto de Gabriel sobre o destino de Negan

Angela Kang, a showrunner de The Walking Dead, comentou sobre a decisão que Gabriel estava pensando em tomar no episódio desta semana.

Marcela Aquino

Publicado há

em

Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do quarto episódio, S10E04 – “Silence the Whisperers”, da décima temporada de The Walking Dead. Caso ainda não tenha assistido, não continue. Você foi avisado!

Negan (Jeffrey Dean Morgan) é um homem procurado. No episódio desta semana de The Walking Dead, “Silence the Whisperers”, Margo (Jerri Tubbs) foi morta quando Negan salvou Lydia (Cassady McClincy) de uma surra violenta cometida por Margo e pelos cúmplices Alfred (David Shae) e Gage (Jackson Pace). O conselho de Alexandria se reuniu para determinar o destino de Negan, com Aaron (Ross Marquand) argumentando que Negan não merece viver em sua civilização, apesar de uma sentença de oito anos de prisão. Negan foi defendido por Siddiq (Avi Nash) e relutantemente por Daryl (Norman Reedus), deixando o padre Gabriel (Seth Gilliam) como o desempate. Depois de tomar a noite para considerar sua resposta, Gabriel visitou a cela de Negan, apenas para encontrá-la vazia. Com uma vida em jogo, Gabriel teria votado a favor ou contra Negan?

“Eu acho que Gabriel teria votado para não matá-lo”, disse a showrunner Angela Kang à EW. Apesar da formação de uma multidão sedenta de sangue exigindo que Negan seja levado à justiça, Kang diz que Gabriel teria sido influenciado por suas sessões de terapia com Negan. O padre atua como guardião de Negan há anos, desempenhando um papel fundamental em sua reforma.

LEIA TAMBÉM:
The Walking Dead S10E04: Para onde Negan foi?
Quem morreu no 4º Episódio da 10ª Temporada de The Walking Dead?

“Acho que porque ele conheceu Negan ao longo do tempo e que, no final das contas, ele acreditava no fato de Lydia estar dizendo: ‘Ele me salvou e foi um acidente’, e o fato de Daryl acreditar nela, e o fato de que ele sabe que Negan está tentando”, explicou Kang. “Acho que ele teria pensado sobre isso e orado por ele, e acordado na manhã seguinte, e as pessoas com suas forquilhas foram para a cama ou sei lá, e acho que ele teria pensado: ‘Sabe do que mais? Isso tudo é demais. As pessoas são muito paranoicas.’ É o que acho que ele pensaria no momento.”

Questionada se Gabriel visitou a cela de Negan para ajudar a solidificar sua decisão, Kang disse: “Acho que sim. E então ele vê que Negan se foi, e então eu acho que ele pensa: ‘Ah, foda-se. Tipo, eu estava errado em pensar que iria cair nessa e ter essa conversa com ele?’ Ele está duvidando quando descobre que ele se foi.”

O cúmplice de Negan foi revelado no vídeo promocional do próximo episódio, “What It Always Is”, e para responder sobre aonde Negan está indo… “Vamos descobrir muito em breve onde ele foi”, brincou Kang.

Você acha que Negan merece viver depois de tudo que ele fez? Você conseguiu perdoá-lo? Deixe todos os seus pensamentos nos comentários abaixo!

Continue lendo

Walking Dead Brasil

The Walking Dead lidera as indicações ao Saturn Awards 2018

Vinícius Castro

Publicado há

em

Seguindo o padrão dos anos anteriores, The Walking Dead está liderando a lista de indicados ao Saturn Awards, a maior premiação para cinema e TV de gênero do mundo. Revelados no mês passado, os indicados, que serão escolhidos a dedo pela Academia de Ficção Científica, Fantasia e Horror, receberão o resultado final em junho de 2018.

O drama zumbi está liderando os competidores da televisão, com 7 indicações ao total, fazendo jus ao material apresentado durante a oitava temporada. Entre as novidades em relação aos últimos anos, o único novato é Khary Payton, o Rei Ezekiel. Confira abaixo:

MELHOR ATOR EM SÉRIE DE TV

  • JON BERNTHAL (THE PUNISHER)
  • BRUCE CAMPBELL (ASH VS EVIL DEAD)
  • SAM HEUGHAN (OUTLANDER)
  • JASON ISAACS (STAR TREK: DISCOVERY)
  • ANDREW LINCOLN (THE WALKING DEAD)
  • SETH MACFARLANE (THE ORVILLE)
  • KYLE MACLACHLAN (TWIN PEAKS: THE RETURN)
  • RICKY WHITTLE (AMERICAN GODS)

MELHOR ATOR COADJUVANTE EM SÉRIE DE TV

  • NIKOLAJ COSTER-WALDAU (GAME OF THRONES)
  • MIGUEL FERRER (TWIN PEAKS: THE RETURN)
  • KIT HARINGTON (GAME OF THRONES)
  • DOUG JONES (STAR TREK: DISCOVERY)
  • CHRISTIAN KANE (THE LIBRARIANS)
  • MICHAEL MCKEAN (BETTER CALL SAUL)
  • KHARY PAYTON (THE WALKING DEAD) 
  • EVAN PETERS (AMERICAN HORROR STORY: CULT)

MELHOR ATRIZ COADJUVANTE EM SÉRIE DE TV

  • ODETTE ANNABLE (SUPERGIRL)
  • DAKOTA FANNING (THE ALIENIST)
  • DANAI GURIRA (THE WALKING DEAD)
  • MELISSA MCBRIDE (THE WALKING DEAD)
  • CANDICE PATTON (THE FLASH)
  • ADINA PORTER (AMERICAN HORROR STORY: CULT)
  • KRYSTEN RITTER (MARVEL’S THE DEFENDERS)
  • RHEA SEEHORN (BETTER CALL SAUL)

MELHOR PERFORMANCE DE UM ATOR JUVENIL EM SÉRIE DE TV

  • KJ APA (RIVERDALE)
  • MILLIE BOBBY BROWN (STRANGER THINGS)
  • MAX CHARLES (THE STRAIN)
  • ALYCIA DEBNAM-CAREY (FEAR THE WALKING DEAD)
  • DAVID MAZOUZ (GOTHAM)
  • LILI REINHART (RIVERDALE)
  • CHANDLER RIGGS (THE WALKING DEAD)
  • COLE SPROUSE (RIVERDALE)

MELHOR ATOR CONVIDADO EM SÉRIE DE TV

  • BRYAN CRANSTON (PHILIP K. DICK’S ELECTRIC DREAMS)
  • MICHAEL GREYEYES (FEAR THE WALKING DEAD)
  • DAVID LYNCH (TWIN PEAKS: THE RETURN)
  • JEFFREY DEAN MORGAN (THE WALKING DEAD)
  • RACHEL NICHOLS (THE LIBRARIANS)
  • JESSE PLEMONS (BLACK MIRROR)
  • HARTLEY SAWYER (THE FLASH)
  • MICHELLE YEOH (STAR TREK: DISCOVERY)

MELHOR SÉRIE DE HORROR 

  • AMERICAN HORROR STORY: CULT
  • ASH VS EVIL DEAD
  • FEAR THE WALKING DEAD
  • PREACHER
  • THE STRAIN
  • TEEN WOLF
  • THE WALKING DEAD

Vale lembrar, The Walking Dead vem sendo o maior campeão da premiação desde 2013. Entre os já campeões dos últimos anos estão Andrew Lincoln, Melissa McBride, Chandler Riggs, Danai Gurira e a própria série.

A boa recepção da série na premiação pode trazer uma nova luz a série, que andou sofrendo alguns boicotes da crítica especializada na última temporada e meia.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.

Continue lendo

EM ALTA