Siga-nos nas redes sociais

Curiosidades

Diário de Bordo da Comic-Con com @GlenMazzara

Victoria Rodrigues

Publicado há

em

Glen Mazzara organizou os eventos da sua turbulenta viagem à Comic-Con, onde o drama da AMC estreou o trailer de sua terceira temporada e a Image Comics celebrou a 100ª edição da HQ na qual a série é baseada, numa linha do tempo para o The Hollywood Reporter.

A Comic-Con Internacional se parece com os primeiros dias do apocalipse zumbi: multidões andando pelos andares da convenção no meio de um mar de Mulheres-Maravilha e Stromtroopers, fãs apressados fazendo fila para dar uma olhada em suas celebridades favoritas nos painéis e sessões de autógrafos – e isso só dentro do Centro de Convenções.

Do lado de fora, é um mar de pessoas invadindo San Diego como se fosse o lugar mais seguro para evitar a infecção. Com The Walking Dead destinada a tomar conta da Comic-Con  com eventos, incluindo uma corrida de obstáculos programada para celebrar a centésima edição da HQ, um painel, sessão de autógrafos e mais, nós pedimos ao showrunner Glen Mazzara para manter um diário de sua experiência lá.

Começando com a viagem de Los Angeles para San Diego e com destaques incluindo o painel no Hall H, tipicamente reservado para filmes, aqui veremos a Comic-Con pelos olhos da pessoa mais bem posicionada para sobreviver a um apocalipse zumbi.

Quinta-feira, 12 de Julho

8:15 – Tive uma conversa “preparatória” com meus três filhos, que me acompanharão. Eu já estou esperando que eles discutam um com o outro. Estou preocupado em ser pego asfixiando-os em público a la Homer Simpson.

8:39 – Comecei a fazer as malas. Decidi levar roupas escuras porque tenho medo de ficar com manchas debaixo do braço mais do que qualquer coisa. Não há uma cirurgia pra isso?

8:46 – Onde diabos está meu protetor genital?

9:55 – A Estrada 405 Sul está bloqueada. Devia ter saído dia 4. Um filho esqueceu alguma coisa. Tivemos de voltar pra casa.

10:17 – Vamos tentar de novo.

10:50 – Finalmente consegui chegar na 405. Filho está detonando no dubstep. Minha cabeça já está martelando.

11:30 – Email: A fila para The Walking Dead estava tão longa que tiveram de fechá-la.

12:45 – Onde diabos fica a 805 Sul?

13:10 – Chegamos no Hotel Del Coronado. A AMC me colocou na Vila da Praia. Bem bacana. Comemos alguma coisa e fomos para o piso principal da convenção.

14:53 – Destaque desse piso: Thor se oferece para resgatar uma donzela, mas ela diz a ele que gosta mais de Loki porque ele é mais poderoso. Thor responde: “É, sei!”. O coitado do cara levou meses pra fazer aquela fantasia. Um fora logo no primeiro dia.

O estande de The Walking Dead está incrível. Greg Nicotero e sua equipe acertaram em cheio de novo.

O estande da WETA, em frente ao nosso, tem magníficos trolls de “The Hobbit”.

Uma ideia que eu queria ter tido: Policial de duas cabeças. Policial Bom e Policial Mau no mesmo corpo. Como não pensei nisso?

Gastei U$35 em Uglydolls?

Adoro o público. Todos te aceitam bem. Um cara ficou doidão no estande de Avengers: Battle for Earth e acabou lutando com um Venom digital.

15:24 – Saímos. Há uma enorme foto de Lou Ferrigno. Espera aí, aquele É o Lou Ferrigno.

Esbarrei com Scott M. Gimple. Feliz como um mexilhão. Esse é o pessoal dele.

Também encontrei com Sang Kyu Kim. É sua primeira vez. Parece estar adorando.

Eu e as crianças tomamos sorvete. Dois caras com a roupa do Wilfred estavam parados perto de um hidrante gigante. O cachorro de verdade de uma moça tentou fazer xixi nele. Os dois Wilfreds latiram pra ele e o perseguiram.

17:00 – The Walking Dead Escape. Fiz Alex Coley Brown servir de bloqueio pra mim. Ele jogava no ataque na faculdade. Disse a ele que se eu for mordido nunca vou contratá-lo como escritor freelance.

Me encontrei com Gimple, Angela Kang, Alex, Nicotero, Robert Kirkman, Joel Stillerman e Ben Davis, da AMC, entre outros. Entramos. Os zumbis nas gaiolas estão legais. Um cara com um megafone nos dizia para ficar calmos. Eu fiquei. Os zumbis saem. Começa.

Fizemos nosso caminho por Petco. Escalamos uma escada de corda e descemos um escorregador. Parece sem sentido. Eu digo que pareceu o “Bake-Off” da AMC. Joel quase perdeu o equilíbrio.

Alex me deu cobertura enquanto continuamos. Ele abriu a porta, gritou “Tudo limpo!”, distraiu os zumbis para que eles não me pegassem. É melhor eu colocá-lo como produtor executivo.

Logo, estou me arrastando no sangue. Destruiu minhas calças. Se não sair lavando, vou processar Robert.

18:10 – A luz nas minhas costas mostra que não estou infectado, mas eu entro no quarto da Quarentena. Alguém põe uma arma na minha cabeça e puxa o gatilho. BANG! Que diabos?! Fui morto por um agente da FEMA excessivamente zeloso?

18:30 – Me encontrei com Steven Yeun. Os fãs gritam “Glenn!GLENN!”. Eu aceno feliz antes de me tocar que eles estão gritando o nome do personagem dele, não o meu.

20:00 – Jantar com todo o elenco. Produtores. Escritores. AMC. A família de The Walking Dead. Foi muito bom. Todos estão animados. Mal podemos esperar por amanhã.

Sexta-feira, 13 de Julho

7:44 – Estava no térreo, fui o primeiro a chegar no carro. Seguido por Greg. Já estou suando?

8:20 – Peguei o primeiro carro com Andrew Lincoln, Denise Huth, Greg Nicotero e Danai Gurira. De alguma forma, acabamos chegando por último no café da manhã da Fox International.

Café da manhã no telhado de um hotel, lotado com jornalistas estrangeiros. Fui colocado numa mesa pra falar sobre a terceira temporada. Espero que não tenha ovo nos meus dentes.

Robert recebe o prêmio da Spike TV de “Mudança de Jogo do ano”. Parece um anel peniano gigante de bronze.

O moderador do painel é Jonathan Ross. Não o conheço, mas ele é demais. Um momento muito divertido.

9:45 – Algumas entrevistas filmadas, então somos apressados para o Centro de Convenções para dar autógrafos. Vamos pelo trânsito e acabamos nos fundos do Centro de Convenções. Norman Reedus e eu fomos para o banheiro. Guillermo del Toro para num carrinho de golfe, sai e abraça nós dois.

10:00 – Os seguranças nos levam pelo andar até o estande de The Walking Dead. Assinamos pôsteres, DVDs, cartões, livros, camisetas, tudo. Os fãs vieram do país todo. Maddy – de olhos arregalados, maravilhada com os galãs – devia ter uns 11 anos. Ela é o porque dessa semana toda.

12:10 – Somos levados a uma sala verde para pegar uns lanches e descontrair. Todos estão trocando histórias sobre os fãs que acabamos de ver.

Chuck Lorre aparece na sala verde. Conversei com ele um pouco. Um dos maiores showrunners, na minha opinião.

13:15 – Hora do show. Estamos alinhados no backstage do Hall H. Alguém precisa correr no banheiro. Ano que vem, catéteres.

13:25Chris Hardwick cumprimenta o público e então apresenta os produtores. Pisei no palco e não pude acreditar na energia bruta. As luzes cegavam, e não dava pra ver o final da sala. Em um momento, eles levantaram as luzes e eu vi que a sala tinha o dobro do tamanho que imaginei. Anunciei nossa data de retorno e o trailer.

Olhei para a tela e fui surpreendido pelo nosso trabalho ali em cima. O público foi à loucura. Eles estavam encantados. Pude relaxar.

Chris apresenta os atores e eles saem pra brincar. Eles são espertos e engraçados e amam essa experiência toda.  Os fãs os amam e com Chris lá pra garantir as risadas, tivemos um painel muito bem sucedido. Não poderia estar mais orgulhoso por fazer parte disso.

Hora dos sonhos: O resto é um borrão. Fomos trazidos de volta à entrada do Hilton. Laurie Holden cumprimentou os fãs nas barricadas. Fiz entrevistas junto com Gale Anne Hurd e Norman Reedus. As pessoas já dissecaram o trailer todo, cena por cena.

Depois dessas entrevistas, entrevistas filmadas. Fiquei com Laurie e David Morrissey. Cara, ele foi jogado no fundão.  Depois disso, fomos pra fora, e Steven e Norman interagiram com o público. Daí fomos para o Hard Rock. Entramos pela cozinha. Alguém lembra de “Os Bons Companheiros”?

Chegamos numa suite no telhado. Conheci Paul Scheer e formamos uma sociedade de admiração mútua. O elenco, Gale e eu fizemos uma sessão de fotos. Eles colocaram as fotos numa tela – tinha alguns terminais com operadores, como nos filmes de ficção.

Laurie, Lauren Cohan, Steven, David e eu fomos entrevistados para outro site.

Todos estavam felizes com o fato de o dia ter corrido bem. O PR da AMC foi demais, manteve tudo em movimento como um relógio.

Collin Farrel entrou na sala. Lizzy Caplan foi fazer sua entrevista online.

Fomos para os piers e entramos num super barco para outra rodada. O elenco fez dancinhas durante uma sessão de fotos.

19:15 – Os produtores saíram do barco e foram pro píer pra uma entrevista em grupo. O píer balançava tanto que não conseguíamos falar. Achei que Robert ia passar mal. Finalmente terminamos e ganhamos um par de chinelos grátis.

Tentei pegar o painel do Gimple, mas Ryan me mandou um SMS falando que o lugar parecia um zoológico e 100 pessoas tinham sido barradas. Peguei uma carona de volta pro hotel.

20:30 – Jantei com Greg e sua família, Steven, Lauren, Sarah Wyane Callies, Danai e Andy. Norman apareceu com uma trupe de seis adolescentes. Tirei foto do grupo todo com o celular de cada uma.

21:30 – Sarah, Lauren e eu fomos para a festa da centésima edição de The Walking Dead. A mãe de Sarah está editando a edição Arden de Cymbeline.

Encontramos com Scott, Ryan, Alex e Steven. O painel de Scott foi o máximo, então estou feliz por ele. Entramos na festa e encontramos com Paul Scheer de novo.

Enquanto falava com duas jornalistas, um zumbi se esgueira por trás de uma delas e dá um belo susto nela. Ela cuspiu toda a cerveja em mim. Disse a ela que pode me compensar pegando leve comigo se meu próximo piloto for uma porcaria. Ela achou que eu estava brincando.

Encontrei com os caras da AMC, Joel, Charlie Collier, Ben e Brian. Eles estavam chegando na estratosfera de tanta excitação. Disse a Charlie que ele merece tudo isso.

Robert e eu tivemos uma adorável festa. Que ano maluco pra todos nós.

Levei uma Lauren exausta até o carros e também fui embora um pouco depois. Perdi as festas da FearNet, CAA e FX/Maxim. Essa última foi, provavelmente, um erro ter perdido.

1:00 – Estava na cama, lendo as reações ao painel. O Twitter parece feliz.

Sábado, 15 de Julho

8:30 – Eu e os garotos tomamos café no restaurante do Hotel, na praia. Sentamos perto de uma fogueira. Uma mulher apareceu com um falcão seka. Ela veio com ele para espantar as gaivotas.

9:30 – Falei sobre compras com Vince Gilligan, de “Breaking Bad”, um dos melhores escritores de TV de todos os tempos. O seu painel foi bem. Ótimo. Ele merece.

9:55 – Os garotos e eu fomos para o Centro. Compramos algumas camisetas, etc. Eles não se interessam por quadrinhos. Isso me mata. Esbarrei em Peter Block, da FearNet. Rob Kenneally, super agente, mandou um SMS. Nos encontramos e fomos ver os bonecos da Marvel.

Também encontrei com Sang, passeando com 7 Boba Fetts. Ou o plural é Bobi Fett?

Os garotos estavam ficando impacientes, então pegamos um táxi até a estação. Coloquei-os num trem para Los Angeles e peguei o mais peludinho e feio triciclo-táxi de volta para o Centro de Convenções. O motorista/ciclista queria conversar e não conseguia manter os olhos na pista.

Passei por Joss Whedon no Hard Rock. Estava intimidado demais pra dizer oi. (Eu, não ele.)

12:30 – Passeio pelo primeiro piso com um repórter. Comprei vários cartões, alguns ótimos filmes B de monstros.

14:00Michelle Marron e eu comemos na pior pizzaria de San Diego. Os caras de “Jersey Shore” que trabalham lá estavam prontos pra encher de porrada a cara do Capitão América atrás de mim.

15:00 – No Hilton. Outra entrevista, depois de volta ao térreo para um vídeo de perguntas e respostas.

Passei por Norman na rua, cercado de pessoas. Ele usou uma máscara por um tempo. Acho que caiu.

16:15 – Vi um super ator de terror arrumando suas fotos para autografar. Pareceu aquela cena de “The Wrestler”. Um garoto de muletas comprou um autógrafo por U$20 e tirou da mochila 3 DVDs que trouxe de casa. O ator disse que assinava todos por U$10 cada um. Sério, cara? Sério?

Fiz minha entrevista e fui dar uma olhada na sessão de arte do piso.

Voltei ao Del para tomar um banho e trocar de roupa. E fui para a premiere de “Breaking Bad”. Uma série de Paul Scheer. Agora estamos perseguindo um ao outro.

A exibição foi maravilhosa e depois conheci Michael Slovis. Fiquei feliz em ver Michelle MacLaren, Mark Johnson e Melissa Bernstein.

Maggie Siff, de “Sons of Anarchy”, e eu conversamos sobre seu amor por meu irmão de consideração, Kurt Sutter. A Khaleesi real, Emilia Clarke, apareceu e os escritores e eu nos tornamos fanboys bobos.

Encontrei com Nick Tarabay, de “Crash” e “Spartacus”. Hardwick me falou sobre seu painel de “The Hobbit”. No geral, foi uma festa muito boa. Estou pronto pra ir pra cama.

22:30 – Norman, Laurie e eu acabamos na festa da EW, e Norman faz um charme pra entrar. Enquanto eu e Laurie tentávamos o mesmo, lá está Norman, de óculos escuros, dando estrevistas para a câmera.

Laurie e eu tivemos uma conversa profunda enquanto assistíamos Joss Whedon dançar.

1:00 – Seguimos Norman e Aaron Paul para, o que me disseram, era a festa de Zachary Levi. Foi uma cena.

Imediatamente vi Paul Scheer. Balançamos os punhos e juramos matar um ao outro ao amanhecer. Isso deve acabar de uma vez por todas.

Joss estava dançando com Seth Green.

Disse a Erin Hayes que ela fez um episódio de “Hawthorne” que eu escrevi. Ela se levanta e é bem alta. Ela é tão linda. Me senti o Frodo falando com Galadriel.

Alguém me diz que Rob Coddry é um grande fã de The Walking Dead, então me aproximei dele. Eu adoro “Children´s Hospital”. Adoraria escrever pra ela.

Também conversei com Aisha Tyler, outra charmosa mulher de salto alto. Estou encolhendo?

3:00 – Norman diz que devemos ir, e eu não faço mais perguntas. Demorou um pouco para acharmos o carro. Norman estava cercado. Um cara correu pela rua atrás da gente.

Domingo, 16 de Julho

9:55 – Café da Manhã com Ed Brubaker e sua esposa, Mel. Sou um grande fã dele. Ele acabou de ganhar um Eisner por “Criminal: The Last of the Innocent”. Ele tem uma risada contagiante.

12:25 – Dirijo de volta a Los Angeles, sem problemas.

15:00 – Cheguei em casa. Estou num turbilhão tão grande que não consigo contar à minha esposa uma versão coerente dos eventos.

15:25 – Droga. Achei meu protetor genital.


Fonte: The Hollywood Reporter

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Curiosidades

Todos os nomes dados aos zumbis do universo de The Walking Dead

Confira uma lista completa de todos os nomes utilizados pelos sobreviventes do universo The Walking Dead para descreverem os zumbis.

Avatar

Publicado há

em

Os Vazios (zumbis) em imagem de The Walking Dead World Beyond

Durante as 10 temporadas de The Walking Dead e as 6 temporadas de Fear the Walking Dead, o Universo The Walking Dead viu muitos sobreviventes, comunidades e zumbis. No mundo fragmentado pós-apocalíptico, sem um governo ou sistema de informação comum – como, digamos, a Internet – os laços que unem o mundo foram rompidos, e isso inclui a linguagem.

Embora alguns desses personagens vivam a poucos quilômetros de distância e falem a mesma língua, eles desenvolveram diferentes convenções de nomenclatura. Isso é especialmente verdadeiro para os fenômenos mais recentes em seu mundo: os cadáveres andando por aí, causando estragos e comendo seus amigos. Enquanto o bando de sobreviventes de Rick decidiu-se pelo termo ‘caminhantes’, existem inúmeras outras maneiras de descrever os mortos-vivos, mesmo dentro das áreas geográficas limitadas para as quais seu grupo se espalhou na Geórgia e Virgínia.

Na mais nova série de TWD, The Walking Dead: World Beyond, que se passa em Nebraska, não é surpreendente que haja uma nomenclatura totalmente diferente para os mortos. Eles os chamam de ‘vazios’. Com isso em mente, coletamos todas as maneiras criativas como os personagens do Universo The Walking Dead descrevem os monstros comedores de carne mais conhecidos como ‘caminhantes’ em todas as três séries para uma breve atualização. Confira a lista:

Walkers (Caminhantes)

Quem usa esse termo?
O grupo original de sobreviventes de Rick cunhou o termo e o carregou com eles aonde quer que fossem (ou colonizassem, dependendo de sua perspectiva).

O que o termo significa?
Os zumbis estão andando por aí. Eles não deveriam estar caminhando, então… caminhantes.

É um termo preciso?
Não completamente. Caminhantes rastejam. Eles flutuam. Eles rolam.

O termo pegou?
Sim. Enquanto o grupo de Rick vagava pela Geórgia, e eventualmente se estabelecia na Virgínia, eles seguiram seu caminho descrevendo os mortos a quem encontrava com eles. Agora esta é a maneira dominante de descrever a ameaça dos mortos-vivos dentro de uma variedade de comunidades que antes usavam outros termos.

LEIA TAMBÉM:
Quem morreu no 16º Episódio da 10ª Temporada de The Walking Dead?

The Infected (Os infectados)

Quem usa esse termo?
Pessoas da ciência, incluindo Dr. Edwin Jenner, e quase todo mundo no início de Fear the Walking Dead.

O que o termo significa?
Bem, as pessoas pegam um vírus, morrem e se tornam mortas-vivas.

É um termo preciso?
Definitivamente.

O termo pegou?
Na verdade não. No início, era assim que algumas pessoas chamavam os zumbis, mas parece ter desaparecido rapidamente. Faz sentido que, com o colapso da sociedade, os usos mais clínicos morram e sejam substituídos por termos mais terrosos.

Empties (Vazios)

Quem usa esse termo?
Residentes do Campus Colony em The Walking Dead: World Beyond.

O que o termo significa?
Jesus usou o termo nos quadrinhos e, de acordo com o produtor executivo Matt Negrete, os andadores estão vazios e isso faz um bom paralelo com o show porque Iris se sente vazia por dentro.

É um termo preciso?
Absolutamente. Os caminhantes não são nada senão cascas vazias.

O termo pegou?
Veremos. Mas, como World Beyond está definido no futuro do apocalipse zumbi e o termo está em uso generalizado em uma sociedade desenvolvida como a Campus Colony, a resposta provavelmente é sim.

Roamers (Perambulantes)

Quem usa esse termo?
Quando Aaron e os alexandrinos originais liderados por Deanna apareceram, era assim que eles se referiram aos zumbis. Até aquele ponto, eles haviam feito um trabalho incrível em mantê-los fora de sua comunidade.

O que o termo significa?
Este é bastante óbvio, já que a maioria dos zumbis vagam por aí, caçando comida (também conhecida como pessoas).

É um termo preciso?
Nem sempre. Tal como acontece com os caminhantes, muitos dos mortos-vivos não são exatamente perambulantes, mas ainda são bastante perigosos. A precisão da linguagem é importante ao rotular uma ameaça como um morto-vivo.

O termo pegou?
De modo nenhum. Assim que o grupo de Rick apareceu, esse termo foi jogado pela janela.

Stinker (Fedorento)

Quem usa esse termo?
Connie, Kelly, Luke, Magna e Yumiko referem-se aos zumbis dessa forma quando eles encontram os sobreviventes em The Walking Dead.

O que o termo significa?
Presumivelmente porque cadáveres em decomposição, como os mortos-vivos, cheiram mal. Isso sugere que os caminhantes cheiram tão mal quanto qualquer outro cadáver, o que dá uma visão inteiramente nova dos horrores do apocalipse.

É um termo preciso?
Se o que foi dito acima for realmente verdade, então, definitivamente.

O termo pegou?
Não. A dominação cultural do grupo de Rick continua.

Lurkers (Espreitadores)

Quem usa esse termo?
Uma variedade de sobreviventes, principalmente no início do surto, especialmente em Woodbury.

O que o termo significa?
Refere-se a um tipo específico de morto-vivo que fica sentado imóvel, parecendo um cadáver (ou seja, sem andar ou perambular) e então ataca.

É um termo preciso?
100%.

O termo pegou?
Espreitadores parece ter morrido no início do surto, mas deve voltar porque descreve um tipo particular de andador, ou não-andador para ser mais exato.

Floaters (Flutuadores)

Quem usa esse termo?
O grupo principal, com o primeiro caso conhecido sendo na fazenda de Hershel, quando eles encontram o infame e grotesco Zumbi do Poço.

O que o termo significa?
Esse termo descreve os caminhantes ligados à água.

É um termo preciso?
Muitas vezes, embora os flutuadores possam fazer outras coisas, como golpear, morder e ser dilacerados em pedaços grotescos e inchados.

O termo pegou?
Já faz um tempo que o grupo usou esse, mas é possível que eles simplesmente não tenham tido a oportunidade de fazer isso, pois é um caso altamente específico.

Geeks

Quem usa esse termo?
Alguns personagens dos membros originais do grupo de Rick: primeiro Daryl, depois Glenn, Shane e T-Dog.

O que o termo significa?
Essa é uma questão em aberto. Daryl poderia estar zombando dos zumbis ao chamá-los de geeks como um vilão em um filme do colégio dos anos 80. Também é possível que isso se refira a um arcaico artista de carnaval que arrancaria a cabeça de um animal vivo durante sua apresentação.

É um termo preciso?
Isso realmente depende do que Daryl está se referindo aqui.

O termo pegou?
Definitivamente não. Daryl mudou para coisas maiores e melhores, e todos os outros que usaram esse termo estão mortos.

Biters (Mordedores)

Quem usa esse termo?
Os residentes de Woodbury.

O que o termo significa?
Os mortos-vivos têm um trabalho. E é morder.

É um termo preciso?
Sim. Este é um dos melhores termos para descrever os zumbis, para ser honesto.

O termo pegou?
Não. Depois que Woodbury foi destruída, os “mordedores” parecem ter morrido tão rápido quanto Governador quando Michonne sua katana nele.

Lame-Brains (Cérebros Falho)

Quem usa esse termo?
Dave e Tony, dois caras que se cruzaram com o grupo de Rick no início do apocalipse, tentaram dominá-los e falharam.

O que o termo significa?
Os caminhantes não são espertos (embora pareçam ter dominado a terra, então…).

É um termo preciso?
Talvez.

O termo pegou?
Definitivamente não. Este termo morreu com Dave e Tony. Eles tentaram matar Rick e companhia uma vez que descobriram que os sobreviventes tinham um lugar seguro para pendurar seus chapéus (a fazenda de Hershel) e foram mortos imediatamente, levantando assim a questão “quem exatamente é o cérebro falho?”

Creepers (Rastejadores)

Quem usa esse termo?
Merle diz isso antes de fazer sua coisa e matar um bando de mortos-vivos.

O que o termo significa?
Na grande tradição de caminhantes e errantes, o termo descreve a natureza cambaleante dos mortos-vivos.

É um termo preciso?
Sim e não. Os mortos-vivos passam muito do seu tempo se mexendo, mas fazem muito mais.

O termo pegou?
Não. Merle infelizmente se foi e este foi com ele e seu gancho: para o túmulo.

Rotters (Podres)

Quem usa esse termo?
Os policiais que dirigem o Hospital Grady Memorial.

O que o termo significa?
Os mortos nada mais são do que cadáveres que estão se decompondo, embora lentamente. Consequentemente, podres.

É um termo preciso?
Sim. Porém, como observado acima, é uma questão em aberto o quanto esses cadáveres estão apodrecendo e qual pode ser a resposta olfativa que os acompanha. Mas, o termo foi usado no início do surto e eles eram policiais, não cientistas com uma quantidade infinita de tempo em suas mãos.

O termo pegou?
Como tantos outros grupos, este termo entrou em conflito com o grupo de Rick, foi merecidamente rejeitado e, pelo que sabemos, sua terminologia nunca foi além do hospital.

Deadheads (Cabeças mortas)

Quem usa esse termo?
Pelo que sabemos, apenas Nicholas, que se desviou do idioma local de seu grupo, que usava o termo ‘errante’, usou o termo.

O que o termo significa?
Embora seja possível que Nicholas fosse um grande fã do Grateful Dead, a explicação mais óbvia é provavelmente a verdadeira.

É um termo preciso?
Sim.

O termo pegou?
Não.

The Wasted (Definhados)

Quem usa esse termo?
O grupo de Brandon, os amigos assassinos do surf party de Fear the Walking Dead, e também alguns membros do Reino.

O que o termo significa?
Os corpos dos mortos-vivos estão, literalmente, se definhando.

É um termo preciso?
Definitivamente. Esta é uma maneira muito boa de descrever os mortos-vivos, o que é surpreendente para um grupo de cabeças-duras liderado por Brandon, embora nem tanto para os membros do Reino. É provável que o grupo de Brandon tenha gostado de como soa a palavra porque gostava de ficar bêbado.

O termo pegou?
Surpreendentemente, não. Quando o Reino, Alexandria e Hilltop se fundiram, este termo nunca mais foi ouvido novamente.

The Passed (Os passados)

Quem usa esse termo?
John Dorie.

O que o termo significa?
Aqueles que já faleceram e ainda estão andando por aí… e comendo gente.

É um termo preciso?
De certa forma. Pessoas mortas comuns também podem ser passadas.

O termo pegou?
Como tantas coisas acontecendo, este termo parece ser exclusivo de John Dorie, um dos personagens verdadeiramente singulares do Universo TWD. Ele provavelmente não se importaria que tivesse pegado.

Hissers (Assobiadores)

Quem usa esse termo?
Amelia, uma mulher com um filho a quem Negan tenta ajudar antes que Brandon (outro Brandon, mesmo resultado) a mate.

O que o termo significa?
Esta é uma referência ao som de marca registrada do morto-vivo.

É um termo preciso?
Absolutamente preciso.

O termo pegou?
Não, mas é difícil dizer por que não. Essa é uma das assinaturas dos zumbis. Outras nomenclaturas para os mortos-vivos se concentram na maneira como eles se movem, cheiram e parecem, mas poucos estão focados na maneira como soam, embora seja uma das melhores maneiras de identificá-los. Amelia pode ter sido um gênio.

Growlers (Rosnadores)

Quem usa esse termo?
Molly, uma salvadora que leva Carol e Maggie como reféns.

O que o termo significa?
Como assobiadores, isso se refere ao som dos mortos-vivos.

É um termo preciso?
Sim, é. Embora assobiadores seja provavelmente melhor. Seu cachorro rosna, e você sabe como soa.

O termo pegou?
Bem, Molly é espancada até a morte por Maggie, e os salvadores estão praticamente aniquilados, então não.

Cold-Bodies (Corpos Frios)

Quem usa esse termo?
Martin, um dos membros do Terminus. Não está claro se esta é uma linguagem comum entre sua comunidade ou se eles simplesmente se referem aos caminhantes como não-comestíveis.

O que o termo significa?
Este termo se refere à temperatura corporal dos mortos-vivos.

É um termo preciso?
De certa forma. Os corpos dos zumbis estão frios. Mas os cadáveres que não são caminhantes também estão, portanto, não é um termo claro.

O termo pegou?
Não. E com uma boa razão. Ninguém quer ouvir um canibal.

Rippers (Estripadores)

Quem usa esse termo?
Virgil, o cara que manteve Michonne como refém, inadvertidamente levando-a a evidências de que Rick está vivo.

O que o termo significa?
Deve ser porque os zumbis rasgam a carne… Brutalmente.

É um termo preciso?
Sim.

O termo pegou?
Não está claro. Nós realmente não sabemos quem mais, além de Virgil, conhece o termo, ou onde ele esteve. Portanto, é possível que ele tenha aprendido esse termo de outra sociedade.

Continue lendo

Curiosidades

The Walking Dead e Magic: The Gathering fecham parceria para nova coleção de cartas

The Walking Dead será tema de algumas cartas da nova coleção de Magic: The Gathering – “Secret Lair”. Lançamento será em 4 de Outubro!

Dhebora Fonseca

Publicado há

em

imagem promocional de um zumbi com cartas de Magic para celebrar a parceria entre The Walking Dead e Magic: The Gathering

No início de setembro foi revelada a programação de lançamento completa do jogo de cartas colecionáveis Magic: The Gathering para 2021. Entre os anúncios, veio a novidade: o jogo terá uma colaboração com a série dramática de terror da AMC, The Walking Dead. A próxima edição “Secret Lair – Drop Series” terá The Walking Dead como tema em algumas cartas.

A publicadora de jogos Wizards of the Coast ainda não apresentou nenhum detalhe sobre o lançamento, mas revelou uma nova ficha de zumbi, gerada pelas cartas Campo do Mortos – que foi banida – e Liliana, General da Horda Medonha. A ficha é personalizada com uma imagem da “Garota da Bicicleta”, um dos zumbis clássicos de The Walking Dead, e a frase dita por Rick Grimes momentos antes de mata-la: “I’m sorry this has happened to you” (Eu sinto muito que isso tenha acontecido com você).

Esse tipo de colaboração entre propriedades está se tornando cada vez mais comum para Magic: The Gathering. Os monstros de Godzilla apareceram na coleção Ikoria: Lair of Behemoths, que foi lançada no começo do ano. Uma coleção oficial de Dungeons & Dragons, um clássico entre os jogos de RPG, será lançada em 2021.

Os lançamentos da série Magic: The Gathering’s Secret Lair Drop são lançamentos impressos especiais e limitados dos cards de Magic: The Gathering, com arte, temas e designs exclusivos diferentes do que os fãs normalmente esperam em um conjunto típico de cartas do jogo. Isso incluiu lançamentos com foco em gatos, colaborações com artistas de rua e agora colaborações entre marcas.

O perfil oficial de The Walking Dead no Twitter anunciou hoje (27) que o lançamento das cartas com o tema da série vai acontecer juntamente com a estreia do último episódio da 10ª temporada, no dia 4 de Outubro:

“Há mais uma estreia de #TWD neste domingo que ninguém previu… Os sobreviventes mais fortes chegam ao melhor jogo de cartas. @MTGSecretLair. 4 de outubro. Apenas uma semana.”

Mais detalhes sobre Secret Lair: The Walking Dead estão na loja oficial e no Twitter.

Continue lendo

Curiosidades

Anunciado canal oficial do Universo The Walking Dead na Twitch

A AMC Networks anunciou nesta quinta-feira (17) o lançamento de um novo canal de streaming na Twitch, dedicado ao Universo de The Walking Dead.

Dhebora Fonseca

Publicado há

em

personagens de the walking dead, fear the walking dead e world beyond reunidos em imagem promocional do lançamento do canal oficial na Twitch

A AMC Networks anunciou nesta quinta-feira (17) o lançamento de um novo canal de streaming na Twitch, dedicado ao Universo de The Walking Dead. O que isso significa para os fãs? Conteúdos exclusivos e originais, interação com a programação temática da franquia e muito mais de The Walking Dead para desfrutar.

Esta parceria nova e ousada entre AMC e Twitch é a primeira desse tipo. De acordo com o comunicado de imprensa emitido pela AMC, o canal TWDUniverse entregará “uma experiência única e interativa para os fãs celebrarem e se envolverem com o Universo The Walking Dead, transmitindo ao vivo a programação criada exclusivamente para o canal na Twitch. Programas ao vivo originais permitem que os fãs se tornem parte da experiência de conteúdo, e junto com a interatividade única da Twitch, o serviço se torna ideal para criar conversas e um lar para a comunidade de The Walking Dead.”

A diversão em streaming começará no domingo (20), e o lançamento inicial inclui cerca de doze horas de conteúdo original toda semana, incluindo a festa de lançamento e o The Walking Dead Catch-Up; um mergulho profundo semanal em episódios no Re-Watching Dead às quintas-feiras – iniciando no dia 24 de setembro -, e uma comemoração de The Walking Dead: World Beyond em 27 de setembro, para dar início à jornada do spinoff.

Os anfitriões e fãs de The Walking Dead Clarke Wolfe, Ronetta Renay e Dylan Gabriel Guerra conduzirão os fãs durante o entretenimento, que promete ser inovador.

Em 4 de outubro – data de lançamento do “último” episódio da 10ª temporada e o primeiro de The Walking Dead: World Beyond -, o TWDUniverse ganhará mais vida com o programa TWD Sundays. Os fãs poderão assistir ao pré-show intitulado Recapping Dead, que vai ao ar às 19h30 (horário dos EUA), seguido pela Live Watch Party dos novos episódios às 21h (horário dos EUA), finalizando com um After Show ao vivo após o Talking Dead, por volta das 23h (horário dos EUA). Os fãs poderão assistir e interagir com a comunidade de fãs ao vivo na Twitch, com informações e conteúdo exclusivos dos bastidores.

A AMC está criando uma comunidade de fãs vibrante e interativa, mais uma vez mostrando sua dedicação à franquia The Walking Dead conforme ela continua a crescer e se expandir. David Beck, vice-presidente executivo da AMC e chefe de estratégia de programação, vê o TWDUniverse como uma chance de conectar o fandom e o universo sempre crescente.

LEIA TAMBÉM:
Confira 31 fotos do “último” episódio da 10ª temporada de The Walking Dead

“À medida que a narrativa e os personagens que abrangem The Walking Dead Universe continuam a crescer, o mesmo acontece com as formas inovadoras de alcançar e interagir com os fãs – antigos e novos – nas mídias sociais e em novas plataformas populares como a Twitch”, comenta Beck. “As noites de domingo na Twitch priorizam o público e os fãs, e estamos entusiasmados com esta oportunidade de construir algo novo para fãs apaixonados do Universo The Walking Dead, dando a eles uma nova comunidade para celebrar o universo, canalizar seu entusiasmo e expressar seu amor.”

Uma parceria foi feita entre AMC e o canal da Twitch Hyper RPG para ajudar com as transmissões ao vivo e detalhes técnicos do TWDUniverse. Michael Aragon, vice-presidente sênior de conteúdo da Twitch, observa que essa parceria ajudará a fornecer conteúdo aos fãs da forma como o público deseja vivenciá-lo, com maior interação além de assistir ao programa.

“No Twitch, somos capazes de criar experiências profundamente imersivas que estendem o mundo de The Walking Dead e aprimoram a forma como os fãs interagem com o programa e entre si”, conta Aragon.

Continue lendo

EM ALTA