Siga-nos nas redes sociais

2ª Temporada

Criadores e Elenco Falam Sobre o Trabalho na Série

Publicado há

em

The Walking Dead emergiu da perda de Frank Darabont e de rumores de corte de orçamento para quebrar registros de audiência na TV. Mas como isso aconteceu envolve um modelo de negócios estelar em se manter verdadeiro para a visão da companhia, enquanto envolve a equipe e os clientes na produção final. Os produtores do seriado, Glen Mazzara, Greg Nicotero, Robert Kirkman, e Gale Anne Hurd e os atores Steve Yeun, Norman Reedus, e Melissa McBride falam sobre a ressurreição do Dead, e suas lições são assustadoramente relevantes para os negócios que envolvem carne e sangue.

Conforme a série The Walking Dead embarca na segunda metade de sua grandiosa segunda temporada no dia 12 de fevereiro, é difícil acreditar que há apenas seis meses, o gênero dramático apocalíptico tinha encontrado um obstáculo mais agourento do que qualquer zumbi: a inesperada demissão do amado líder Frank Darabont, rumores de cortes de orçamento (que são negados pelo grupo), fãs cada vez mais fervorosos e ameaças morais entre a nervosa tropa.

A série não só quebrou recordes de audiência na TV durante o outono passado, mas também recebeu o pedido de uma terceira temporada com 16 episódios – três a mais do que a segunda temporada. O seriado está programado para a noite, antes da nova série de Kevin Smith, Comic Book Men, seguida por uma reprise de TWD, e o The Talking Dead, um programa com atores e cenas de TWD.

Mas como a equipe de TWD se recuperou poderia ser um caso de estudo para negócios que se encontram em apuros semelhantes. Ao se dedicar à missão, encorajar o estímulo da comapanhia inteira e coresponder às exigências do público, os produtores executivos impulsionaram a produtividade da equipe e mantiveram a integridade no fim do produto.

Conhecer seus princípios fundamentais e seja fiel a eles.

“A maioria dos seriados novos sofrem dificuldades para conseguirem se levanter e continuarem funcionando, então há drama por trás das câmeras. Isso também é verdadeiro para qualquer aventura inicial.”, afirma o produtor executivo Glen Mazzara, que assumiu o cargo após a equipe noticiar a demissão de Darabont devido a discordâncias orçamentárias. “O que é importante nesse seriado em particular: Há uma visão – ela estava na série de quadrinhos, na qual Frank Darabont se estruturou no início do seriado, que eu cheguei como a escolha a dedo número dois de Frank para trabalhar com ele, e em que a companhia acreditou. Quando me tornei showrunner, eu não mudei de visão, e quis administrar de uma maneira que apoiasse essa idéia. Tínhamos uma missão clara, e foi uma questão de justiça executar esse plano.”

Manter uma política de portas abertas.

No dia que Mazzara assumiu seu reino, ele organizou uma reunião com o elenco e a equipe para expressar seus medos. “Eu disse, ‘Eu não estou aqui para mudar todo o programa, para mostrar como é que vai ser agora. Estou aqui porque faremos isso juntos.”, ele disse. “Há alguns seriados televisivos que tem um estilo administrativo de base autoritária. Não é assim que faremos aqui. Todo mundo tem um forte interesse e uma visão clara do seriado. Nós escutamos os fãs, nossos outros produtores, nosso elenco, nossa equipe – e acreditamos que a melhor idéia vence. É isso que deixa as coisas divertidas, vivas e interessantes. Então é uma situação bastante dinâmica.”

A atitude de Mazzara não so reforçou o tom feito por Darabont e pela produtora executiva Gale Anne Hurd, mas aumentou a classificação e as filas de investimentos no produto. “Isso nos galvanizou.”, diz Steven Yeun, intérprete de Glenn. “Eu acho que é por isso que todo mundo reforçou seu profissionalismo. Nós pensamos, ‘É um momento péssimo e é realmente uma droga, mas essa é a hora de preenchermos o vazio deixado pela perda de Frank e, felizmente, compensar.’ Essa produção é algo pelo qual estamos apaixonadíssimos – e todos querem fazer parte do coeso processo artístico.”

Os produtores passam mais tempo no set úmido e repleto de insetos e um deles, o guru dos efeitos especiais, Greg Nicotero, até ampliou seu leque criativo ao dirigir os webisódios para o site da AMC.

“Me fez querer trabalhar mais na série.”, afirma Nicotero. “Falo sobre fazer com que todos os membros da equipe se sintam valorizados e apreciados. Isso nem sempre acontece [nos sets de gravação]. Os atores podem ler os roteiros e chamar Glenn Mazzara e dizer, ‘Eu tenho uma pergunta sobre isso.’, e eles vão conversar sobre o assunto. Não conheço nenhum outro seriado que funcione assim.”

“Eles realmente fazem isso.”, acrescenta Hurd. “Ficam no telefone por horas discutindo suas preocupações. E, aliás, eles dão vida a esses personagens, então eles terão uma perspectiva sobre seus personagens que faz sentido que os escritores escutem. Não é sempre o caso [com os outros seriados].”

Permitir o processo individual

Parte do processo envolve tirar vantage da abordagem única dos atores com seus papéis. Melissa McBride usa sua própria fascinação com a psicologia e a resolução de quebra-cabeças para guiar sua personagem, Carol Peletier, para decifrar sua situação. Os roteiristas exploraram a abordagem mais naturalista de Michael Rooker ao deixar aberturas no roteiro para que ele improvisasse as falas como Merle Dixon. E quando os ensaios para os esquisitos encontros amorosos entre os personagens pareceram chatos, o veterano de Second City, Yeun, e Lauren Cohan (Maggie Greene) improvisaram a cena para controlar a emoção. “A abertura da cena foi incrível, e nós nos refreamos dentro das falas.”, diz Yeun.

Norman Reedus, que interpreta Daryl Dixon, irmão mais novo de Merle, gosta de “plantar pequenas sementes” de maneirismos físicos que informam diálogos futuros. “Se as pessoas estão prestando atenção e trabalhando bem juntas, essas pequenas sementes tornam-se árvores e frutificam.”, afirma Reedus. “Por exemplo, há uma cena em que Melissa vai me beijar, e enquanto ela se inclina, eu me encolho, o que mostra que houve algum tipo de abuso. Fãs do seriado compreenderam e postaram em seus blogs sobre isso. Os roteiristas notaram isso, e foram capazes de ir adiante com esse enredo, que ajuda o Daryl a se desenvolver além de um personagem unidimensional.” Sucessivamente, quando um esboço de roteiro chamou Daryl para entorpecer sua dor emocional com drogas, Reedus convenceu os roteiristas do contrário. “Eu lutei para nunca usar drogas.”, ele diz. “Nós já temos isso com Merle. [Como Daryl], eu comecei a descobrir, de uma maneira nova, que eu sei e como lidar com as pessoas. É muito mais interessante de assistir para alguém que não sabe lidar com a situação.”

“A chave do sucesso do show é a integridade do processo criativo.”, diz McBride. “Eles conhecem a audiência e sabem o que os consumidores querem. Não é um grupo de pessoas criando para si mesmas. Todos querem o melhor um pro outro. Se algo não parece certo, alguém dirá alguma coisa. É um ótimo sistema de apoio. Nós sabemos que alguém sempre toma de conta de nós.”

Ouvir os Consumidores.

Nessa temporada, a AMC lançou o interativo Talking Dead após o seriado, apresentado pelo comediante Chris Hardwick e envolvendo os membros de TWD, discutindo o episódio e respondendo perguntas via email e twitter. Painéis de TWD e atores tem tido uma participação regular em convenções de quadrinhos e de horror durante o ano todo. A campanha promocional da AMC “Where’s Merle?” e o concurso pelo twitter (cujo vencedor já foi anunciado) na Comic Com do verão passado em San Diego, e o retorno de Merle no episódio no outono passado foram respostas diretas às campanhas dos fãs. Inclusive os leitores dos quadrinhos de TWD são levados em consideração durante a organização do seriado.

“Todos usaram os quadrinhos como um mapa na estrada que nos ofereceu uma perspectiva para o que essa série pode vir a ser e para onde pode ir, mas nem tudo é definitivo.”, diz o produtor executivo Robert Kirkman, que criou os quadrinhos que deram origem à série. “Meu papel, além de ser um dos roteiristas, é ter passado por esse processo antes. Às vezes, posso dizer, “Quando fizemos isso nos quadrinhos, fizemos assim, e foi dessa maneira que as pessoas reagiram a isso.’ E isso á valioso porque não é assim em todas as séries televisivas.”

A parceria entre TWD e sua audiência tem muito a ver com seus showrunners serem tão fervorosos em relação ao terror quanto os espectadores. “Trata-se de ter paixão e amor pelo que você faz.”, diz Nicotero. “Passamos pela tempestade que tivemos, o grupo – desde técnicos a atores, escritores e produtores – é tão apaixonado pelo seriado, que não é possível que circunstâncias externas nos distraiam.”


Fonte: Fast Co.Create
Tradução: Lalah / Staff WalkingDeadBr

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA