The Walking Dead depois da morte: A verdadeira história por trás do triste e intenso episódio “Killer Within”

Rafael
2 anos ago - 08 de novembro de 2012

Atenção: A história a seguir contém grandes spoilers sobre o…

1

Atenção: A história a seguir contém grandes spoilers sobre o episódio desta semana. Se você ainda não viu, pare agora e retorne quando tiver visto. Quanto aos outros, vocês podem continuar…

Deixe-me adivinhar: Você assistiu o episódio angustiante e desolador de domingo, leu nossa review e agora tem meia dúzia de perguntas.

Nós nos antecipamos e conversamos com o produtor executivo Robert Kirkman para obter todos os detalhes escabrosos atrás da dramática e devastadora morte de Lori (Sarah Wayne Callies), e também para saber o que sua morte significará para seus familiares inconsoláveis. E sim, nós também falamos sobre o outro grande acidente do episódio, T-Dog.

TVLINE | Como e quando vocês deram a Sarah a notícia de que sua personagem iria morrer?

[O produtor executivo] Glen Mazzara deu a notícia a ela antes de começarmos a filmar esta temporada. Estávamos na sala dos roteiristas montando esta temporada e esse acontecimento era algo que vinha sendo planejado há algum tempo. Conforme nós íamos desenvolvendo toda a história, [a morte de Lori] sempre ressurgia, porque queríamos fazer esta temporada extremamente intensa, e os primeiros episódios absolutamente explosivos e chocantes. Nós tivemos que dizer a ela bem cedo porque sabíamos que seria algo gigante. Foi uma infelicidade termos perdido ela, mas isso será bom para os outros personagens, nós pensamos mesmo que esse é o melhor caminho a percorrer. E Sarah foi absolutamente profissional com respeito a isso. Eu acho que todos os atores na série entendem que é ‘The Walking Dead’, e, infelizmente, tudo pode acontecer. Qualquer personagem pode ir embora a qualquer minuto.

TVLINE | Você mencionou alguns dos prós de matá-la agora e não mais tarde. Quais foram os contras?

Eu não quero entrar no mérito de todos os contras, porque eu não quero revelar as coisas que agora não podemos mais fazer. Mas foi algo no qual pensamos e cuidamos muito. Havia definitivamente um monte de contras. Ela era uma parte integrante da série e não ter mais ela é um pouco chocante, mas é para esse caminho que estávamos indo. Vai ter tanta coisa acontecendo com Rick e Carl por causa disso. Vai mudar tanto esses personagens, eles progredirão, o que afetará nossas histórias de maneiras positivas com o avanço da temporada. Parece que vai valer a pena.

TVLINE | O que isso fez com Carl?

Carl é realmente o foco central da série. Uma boa parte da série trata de como é para uma criança crescer em um mundo assim, tendo sua mãe o protegendo até então e mantendo aquela sensação de “Ele é uma criança. Ele não precisa saber certas coisas”. Isso se deteriorou até certo ponto nesta temporada. A retirada total de Lori de cena afetará a maneira como Carl é tratado, e agora ele vai continuar a se desenvolver à medida que cresce nesse mundo – e também crescendo em um mundo onde as pessoas estão caindo por terra em torno dele como moscas. Vida e morte – eles têm significados diferentes para ele. Ele vai se transformar em um ser humano radicalmente diferente. Uma coisa é um adulto ser jogado neste mundo e ter que perceber as diferenças, mas a criança não percebe muito bem o que está diferente. No momento em que esse garoto tiver 16 anos, ele não saberá como sua vida deveria ter realmente sido, ele só vai saber o que está ao seu redor. E isso vai ser muito interessante.

TVLINE | Acho que ainda surgirão muitos debates discutindo se o desejo de Lori – de se sacrificar por seu bebê – tenha sido altruísta ou egoísta da parte dela. Quer dizer, agora ela sobrecarregou Rick com duas crianças em um apocalipse.

Eu acho que é questionável o fato de ela ter tido ou não uma escolha. Ela sabia que as chances de ela sair dessa viva eram praticamente nulas. Era um procedimento extremamente perigoso a ser realizado por Maggie, que não tem nenhuma experiência nesse tipo de coisa. Ela meio que sabia que as chances de ela sair bem dali eram de pequenas a nenhuma. Ela sabia dos riscos e agiu em conformidade.

TVLINE | O sorriso que ela dividiu com Rick no pátio da prisão – qual foi o subtexto ali?

Talvez essa fosse sua maneira de dizer adeus? Eu acho mesmo que isso está aberto à interpretação. Nós queríamos dar às pessoas a sensação de que se ela tivesse sobrevivido, os dois teriam reacendido seu romance e eles teriam superado seus problemas. Estava havendo uma suavização no seu relacionamento. Nós queríamos dar às pessoas a sensação de que se ela tivesse ficado por perto por um pouco mais de tempo, tudo ficaria bem. Mas no mundo de ‘The Walking Dead’ nada fica bem por muito tempo.

TVLine | É correto dizer que sua morte vai acelerar a descida de Rick às trevas?

Neste ponto isso é inevitável. Nós estamos indo em direções bastante interessantes e inesperadas com ele. Ele é um cara que assumiu o manto da liderança e ele viu como o seu tipo de liderança resultou em morte atrás de morte. E agora ele perdeu sua esposa, coisa pela qual ele vai se culpar. Agora ele vai questionar tudo. Isso vai tomar boa parte de sua confiança e de sua capacidade de liderança, bem no momento errado, porque o Governador e o povo de Woodbury estão surgindo no horizonte. Estamos indo bem na direção desse conflito. Agora temos um Rick Grimes que está lidando com muitas coisas. Ele não vai ter tempo para se concentrar nesse problema com o Governador quando isso emerge.

TVLINE | Os desempenhos neste episódio, particularmente de Andrew e Sarah, foram surpreendentes. Você estava no set neste episódio? Qual foi a sensação?

Eu não estava no set naquele dia, mas eu vou dizer que toda a sequência entre Sarah Wayne Callies e Chandler Riggs, conduzindo para a cena do lado de fora com Andrew Lincoln foi tão emocional que eu tive problemas para assisti-lo sem derramar umas lágrimas – e eu vi isso umas 100 vezes. Eu tenho que dar o mérito a Sang Kim Kyo, que escreveu o script, e a Guy Ferland, que o dirigiu, e a todos os atores. Eles elevaram aquele material a um grau meio doido. É para mim o melhor exemplo da serie. É uma série de zumbis, sobre esses monstros loucos correndo por aí tentando comer pessoas, mas para que ele consiga ser tão emocional em um nível estritamente humano, e realmente ser uma espécie de dramalhão, é algo muito legal que me deixa muito orgulhoso.

TVLINE | Vamos ver Lori novamente? Talvez em um flashback? Ou um sonho?

Eu não vou dizer. Pode haver alguns trechos [dela]. Eventualmente poderia haver um flashback. Nós queremos muito ter Sarah Wayne Callies de volta a qualquer momento. Mas para saber como isso aconteceria, só esperando pra ver.

TVLINE | O episódio fez mais uma vítima – T-Dog. Foi importante para você manda-lo embora como um herói?

Sim. Esse cara realmente se reforçou nesta temporada e estava sendo uma das forças motrizes da equipe de Rick. Vê-lo partir de outra maneira iria parecer uma perda trágica e não teria feito justiça ao personagem. Nós sentimos que essa era a melhor forma de tirá-lo.


Fonte: TV Line
Tradução: @PotatoThoughts / Staff Walking Dead Brasil

Tags: