Siga-nos nas redes sociais

6ª Temporada

Andrew Lincoln e Danai Gurira falam sobre a surpreendente nova dinâmica entre Rick e Michonne

Ludmilla Peixoto

Publicado há

em

Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS dos quadrinhos originais e do décimo episódio, S06E10 – The Next World, da sexta temporada de The Walking Dead. Caso ainda não tenha assistido ou lido, não continue. Você foi avisado!

The Walking Dead deu uma pausa de sua típica morte e destruição por um episódio mais leve que entregou um dos maiores desvios da série de quadrinhos no qual o drama zumbi é baseado.

O episódio pulou para algumas semanas depois que Carl (Chandler Riggs) perdeu seu olho na batalha mortal que viu Jessie (Alexandra Breckenridge) e seus dois filhos morrerem. Foi uma hora movimentada onde Rick (Andrew Lincoln) e Daryl (Norman Reedus) caíram na estrada na busca por suprimentos enquanto Alexandria realmente dispara todos os cilindros ao se reconstruir e tentar restabelecer uma nova civilização.

Enquanto Rick e Daryl atingem alguns obstáculos – graças ao recém chegado Jesus (Tom Payne) – Michonne (Danai Gurira) e Spencer (Austin Nichols) saem em busca da Deanna zumbi (Tovah Feldshuh) enquanto ele busca por encerramento e enterrar sua mãe. Carl (Chandler Riggs) agora está pra cima e pra baixo com Enid (Katelyn Nacon) nas florestas fora dos portões e ajuda a guiar Deanna para Spencer e Michonne.

Depois, Michonne repreende Carl por desafiar o destino com Deanna – só que ele revela que ele faria a mesma coisa por ela e vê a feroz guerreira como uma mãe. No final do dia, Rick e Michonne estão juntos no sofá da sala de estar no que parece ser outra cena doméstica para os colegas de quarto. Depois de Rick explicar que ele e Daryl perderam uma caminhonete de suprimentos em uma briga com Jesus, ele dá a Michonne um pacote de balas – não exatamente a pasta de dente que ela pediu naquela manhã, mas um gesto doce o suficiente que abre o coração de Michonne pelo que talvez seja a primeira vez na série. Inspirada por Deanna para descobrir o que ela quer para si mesma, Michonne e Rick acabam se beijando no sofá, com o episódio terminando com a dupla acordando na cama pela manhã por Jesus, a quem Rick e Daryl deixaram amarrado em Alexandria.

O romance entre Rick e Michonne marca um massivo desvio dos quadrinhos, onde Andrea – a personagem interpretada por Laurie Holden na série da AMC – se torna a mãe de Carl e parceira romântica de Rick (e segunda em comando).

Aqui, as estrelas Lincoln e Gurira falam com o Hollywood Reporter sobre a reviravolta romântica, gravar cenas de amor e mudança tanto em Rick quanto Michonne.

the-walking-dead-s06e10-the-next-world-009

Como foi a sua reação quando você descobriu que Rick e Michonne iam finalmente se tornar um par romântico?

Andrew Lincoln: Eu estava preocupado gravando o episódio anterior [a midseason premiere] e Danai não estava no set por alguns dias. Quando ela veio ao set, ela estava estranha – não estava fazendo contato visual e estava um pouco esquisita. Eu perguntei o que estava errado e ela perguntou se eu já havia lido [esse episódio]. Eu disse, “Como assim? Eu estava tentando salvar o mundo do apocalipse zumbi, o que você quer dizer? Eu não tive a chance de ler!” Ela disse “Leia o script”. Eu sentei lá e gritei quando li. Eu corri ao trailer dela, bati na porta e gritei, “Porque você não me contou?!” É insano e eu amei! É uma experiência estranha porque o relacionamento deles por muito tempo – como amigos e como atores – nós temos interpretado com uma relação complicada, difícil, respeitosa e amorosa, quase familiar. E passar por esse portal para este novo lugar foi realmente uma viagem. Danai foi brilhante e muito engraçada no set e disse, “Vamos com tudo; eu não quero falar muito sobre. Apenas vamos com tudo.” Nós queríamos que fossem esses dois adultos e guerreiros que se amam e se respeitam. Isso é uma certeza. E então eles são completamente surpreendidos no momento. E então eles olham um pro outro e dizem, “Claro”. Essa foi a transição que nós queríamos: que fosse sexy, comprometido e básico. Nós queríamos que fosse diferente e maduro e muito relaxante e natural. Foi por isso que lutamos. É aquele beijo e é o beijo, e capturar isso foi a chave.

Danai Gurira: Faz sentido pra mim. Fez sentido pra mim desde o episódio “Clear”, eu lembro de conversar sobre isso pela primeira vez com [showrunner atual] Scott Gimple, mas, lá atrás não era escolha dele [ele escreveu o episódio sobre a direção do chefe a época Glen Mazzara]. Eu pensei, “Rick é um cara que ela realmente respeita”. Ela está disposta a aliar e a se abrir e ser seu melhor como um resultado da insistência dele de que ela não fosse quem ela era quando ela chegou nos portões da prisão com aquele pó e fórmula de bebê. Foi como estar em um mundo onde o ex dela a traiu e o mundo tinha homens como o Governador (David Morrissey) e Merle (Michael Rooker) nele e então encontrar alguém como Rick e decidir que é com ele que vou me aliar. Michonne respeita ele, o que ele está tentando fazer e como ele está tentando manter seus filhos e outras pessoas seguras. Isso faz sentido pra mim como alguém que ela finalmente poderia se conectar dessa forma. E existe tanta intimidade que cresceu entre eles durante o percurso de inúmeras temporadas que [esse romance] parece bem merecido.

Como foi gravar sua primeira cena de amor? Isso é algo que os fãs tem feito campanha.

Danai Gurira: Eu sei! Estou tão feliz que não vão me perturbar sobre isso toda vez que estou em qualquer lugar. As pessoas ficam tipo, “Porque você não está com o Rick?!” Qualquer lugar que eu vou me perguntam! A cena no sofá foi a primeira deles em termos de desenvolvimento de personagem. Nós dois ficamos lá sentados depois da primeira tomada porque foi tão natural para nós dois e foi tão natural para esses personagens estarem exatamente onde estão – tipo eles estão exatamente onde deveriam estar a esse ponto. Nós não nos sentimos estranhos; foi tudo tão orgânico. Progrediu de uma longa e íntima amizade. Fez parecer natural para a jornada dos personagens.

the-walking-dead-s06e10-the-next-world-021

Você acha que os escritores tem tido isso na parede para Michonne? Isso foi algo que ela sempre teve no fundo da mente?

Danai Gurira: Não. Eu não acho que ela estava sequer ciente até quando aconteceu. Eu acho que ela sabia que amava Rick e Carl, mas a ideia de ver Rick como alguém que ela fosse acabar ficando? Não. Isso só ocorre pra ela no mesmo momento que ocorre pra ele, que foi no sofá. Michonne é realmente boa em bloquear as coisas, como quando nós a conhecemos ela bloqueou muitas coisas e então ela deixou essas coisas se abrirem novamente e se tornou mais sociável, falante, cuidadora e aberta. Mas existe um muro que ela não tinha deixado cair e esse muro era o em volta do seu coração. A ideia de ser romântica com alguém, ela tinha um muro desde o que aconteceu com seu ex e o ataque ao seu filho.

O que motivou a mudança em Michonne?

Danai Gurira: O que Deanna (Tovah Feldshuh) a pergunta [no midseason finale] – “O que você quer para você mesma?” – aquela pergunta a surpreende. Aquilo foi entrando em seu coração na área que Michonne tinha um muro desde aquela última tragédia. Ela tem uma nova visão na vida: Carl está recuperado, Alexandria está estável, Rick e Michonne tem sua casa e Rick abraçou a todos. Então o dia progride numa perfeita tempestade. Ver o filho de Deanna, Spencer (Austin Nichols), fazer o que tem que fazer com a mãe dele e ver seu rosto novamente e lembrar a última coisa que ela disse – Michonne prometeu que ela descobriria o que queria. Ver a dor de Spencer e ouvir Carl dizer que ele a vê como sua mãe – ela continua recebendo amor o dia todo. A ideia de Rick indo fora do caminho pra fazer questão de trazer alguma coisa que ela pediu [balas] já que ele não foi capaz de trazer a pasta de dente foi muito gentil. Esta tirando o coração dela de detrás do muro. É naquele momento em que ela segura na mão dele. Rick faz coisas para ela o tempo todo, mas hoje ela realmente segurou porque essa vez significou que seu coração tem que estar na direção.

Esse é um grande desvio dos quadrinhos. Andrea (Laurie Holden) obviamente não está mais por aqui. Como você acha que os super fãs dos quadrinhos irão responder ao relacionamento de Rick e Michonne? Eu certamente não esperava que acontecesse, muito menos que fosse nesse episódio.

Andrew Lincoln: Muitas pessoas provavelmente terão a mesma reação que você teve. Foi absolutamente normal, pareceu certo. Significa repercussões massivas para todo mundo. E existe um pequeno problema do Carl nisso tudo e como ele vai reagir. Você vê que aquilo aconteceu rapidamente. Fãs dos quadrinhos, assim espero, vão amar tanto quanto eu amei quando eu li porque é uma daquelas coisas grandes e importantes que nós temos que fazer com nosso show: nos separar dos quadrinhos.

the-walking-dead-s06e10-the-next-world-036

Quão próximo o relacionamento de Rick e Michonne vai seguir os eventos do relacionamento de Rick e Andrea nos quadrinhos?

Danai Gurira: Nós veremos. Não foi uma coisa casual eles se conectarem desse jeito; foi uma realização, uma descoberta. Eles tiveram tanta intimidade em sua amizade, mas agora eles perceberam que havia ainda mais na intimidade deles então aquilo não foi uma coisa casual, de momento. A razão pela qual existem essas expressões de felicidade quando eles estão beijando é porque tem alguma coisa explodindo que é novo e eles percebem, “Oh meu Deus, esse é um amigo meu muito especial que eu quero realmente ser íntima de um jeito totalmente diferente e isso faz todo o sentido.” Realmente não parece ser um encontro casual.

Como o resto do grupo de sobreviventes de Rick vai reagir? Além de Carl – que já enxerga Michonne como uma mãe – você tem Daryl e todos os outros.

Andrew Lincoln: Você vai saber muito rápido. A audiência e os fãs aguentam bastante coisa. O show é um teste de resistência e é por isso que esse episódio foi tão adorável – é um alívio. Nós queríamos mostrar um pouco do porque eles estão lutando. Se não há oportunidade para amor e gentileza e risada e futuro, então o que eles estão fazendo aqui? E foi tão bom colocar Rick e Daryl juntos de novo. Nós gostamos de chamar de Butch e Sundance mas todos os produtores executivos chamam de a Excelente Aventura de Bill e Ted, o que é um pouco desconcertante!

Como Carl pode reagir?

Danai Gurira: Eu não faço ideia. Eles não pensaram tão à frente. Eles estão curtindo um ao outro no pós-brilho e são interrompidos por Jesus (Tom Payne). Eles vão ter que resolver o que fazer com Carl mas por agora, eles precisam lidar com Jesus e ver como aquilo vai desenrolar.

Como Michonne pode reagir a Jesus?

Danai Gurira: Michonne é muito boa em entender as pessoas e determinar em que categoria colocá-las. É muito difícil para as pessoas serem más e ela não perceber. Eu acho que ela vai ser capaz de entendê-lo rapidamente e saber que tipo de cara ele realmente é.

the-walking-dead-s06e10-the-next-world-003

Rick fica falando sobre a “lei das médias” – e como ele sabe que eles estão tomando o próprio destino em suas mãos indo nessas buscas por suprimentos. Agora que ele tem um relacionamento amoroso com Michonne, isso vai mudar como ele se sente sobre deixar a comunidade ou isso é apenas outra semente plantada para a chegada de Negan?

Andrew Lincoln: Eu fiz essa mesma pergunta para [showrunner] Scott Gimple e ele queria que isto fosse dois guerreiros que se amam e vão lutar até a morte um pelo outro. Não altera nada; apenas os fortalece. É como se Jessie tivesse sido capaz de abrir Rick para o potencial de amar novamente. Foi um passo imensamente importante para ele acessar aquela parte dele mesmo. Tragicamente, ele a perde mas nesse pulo temporal existe um momento em que se Jessie não tivesse acontecido, esse momento não teria sido computado e isto não teria acontecido. Ele não estaria lá. Seria irreal para seres humanos não se relacionarem nesse cenário traumático. Tem que existir. É aquela coisa que surge através das veias de Rick – existe um novo senso de esperança e com a esperança vem romance, risada e reconstruir uma civilização. Infelizmente, eu não tenho certeza o quanto vai durar! [Risos] Essa é a natureza do nosso show. Nós demos uma pausa legal por um episódio mas nós podemos estar de volta ao serviço diário e a ordem de serviço usual com o próximo episódio, e o episódio depois desse e o episódio depois desse. [Risos]

Danai Gurira: Eu não sei se Michonne é o tipo de namorada que diz, “Não vá fazer o que você tem que fazer.” Nós teremos que ver, essa é uma questão interessante. Mas eles precisam descobrir suprimentos e uma forma de ser auto sustentável.

Danai, Rick é uma viúva negra? Primeiro Lori, depois Jessie…

Danai Gurira: Eu espero que não!

Nós sabemos que Negan está chegando. Daryl agora tem a opinião de que vocês não deveriam trazer gente nova na comunidade. Como isso vai acontecer com a chegada de Negan?

Andrew Lincoln: O ritmo desses últimos seis episódios é o mais rápido que me lembro. Nós conhecemos muitos personagens muito rápido e [vemos] muitos novos lugares. Se move de uma forma brutal e brilhante até o minuto final dessa temporada. É como um míssil indo encontro ao seu destino. O argumento sobre trazermos ou não pessoas, Rick teve uma mudança sísmica desde então [midseason finale]. Ele percebeu que estava errado e ele vai ter que tomar algumas decisões muito difíceis nos próximos episódios. E outras pessoas tomam decisões muito difíceis. Vai ser bem chocante ver onde os sobreviventes vão nesses próximos episódios. Fica muito complicado e muito assustador muito rápido. O argumento central desse episódio é trazer [Jesus] ou deixar de fora e isso continua até o momento final dessa temporada.

O que você acha sobre o relacionamento amoroso de Rick e Michonne? Deixe todos os seus pensamentos na seção de comentários abaixo.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.


Fonte: Hollywood Reporter

Continue lendo
Publicidade
Comentários

6ª Temporada

6ª temporada de The Walking Dead chega ao Netflix Brasil em Abril

Rafael Façanha

Publicado há

em

Demorou, mas finalmente o grande dia está perto de chegar! A Netflix Brasil – o melhor e mais famoso de todos os serviços de streaming na atualidade – anunciou hoje que a sexta temporada do drama zumbi de sucesso da AMC, The Walking Dead, estará disponível em seu catálogo no próximo dia 11 de Abril.

Sinopse oficial da 6ª temporada de The Walking Dead:

Os sobreviventes começam a questionar-se sobre o futuro, enquanto analisam novas formas para manter-se vivos num cenário que continua sendo invadido por alguns zumbis.

Além de The Walking Dead, o serviço conta com filmes, seriados e desenhos animados de diversos grandes estúdios e canais de televisão, além de inúmeros conteúdos exclusivos. Ele pode ser acessado a partir de dispositivos portáteis com Android ou iOS, além de computador, Smart TVs, consoles e reprodutores de Blu-ray com suporte para aplicativos. Caso você tenha interesse, a Netflix Brasil possui planos a partir de R$ 19,90 ao mês e você pode fazer assinatura diretamente do site, começando com o primeiro mês grátis!

The Walking Dead, a história de drama mais assistida da TV a cabo, vai ao ar nas noites de domingo no AMC Internacional, às 22h, e no FOX Action (canal do pacote premium FOX+) e FOX Brasil, às 22h30. Confira todas as notícias sobre a sétima temporada.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.

Continue lendo

6ª Temporada

Scott M. Gimple fala sobre a fúria dos fãs em relação ao cliffhanger e sobre as diferenças da série com a HQ

Sabrina Picolli

Publicado há

em

O showrunner de The Walking Dead, Scott M. Gimple, conta que ele não ficou realmente surpreso por algumas pessoas não terem gostado do final da sexta temporada, ao não identificarmos a primeira vítima “Alexandrina” de Negan, mas ficou surpreso com a intensidade da reação.

Enquanto Gimple reconhece e respeita as várias opiniões da base de fãs, ele também é firme em relação ao seu comprometimento com a visão do show. “Tudo pelo bem do público,” ele disse.

Leia mais sobre o que pensa Gimple a respeito da rejeição por parte dos fãs em relação à season finale, bem como a grande diferença entre o cliffhanger com Negan e aquele da lixeira, que o precedeu.

ENTERTAINMENT WEEKLY: Você ficou surpreso com a fúria de alguns fãs com relação ao cliffhanger? Isso não o fez recuar um pouco?

SCOTT M. GIMPLE: Não me surpreendeu. Trata-se de um público apaixonado, e não foi surpresa que houvesse algo assim. Eu acho que me surpreendi com a intensidade alcançada por este pessoal. Mas paixão é paixão, e se eles ainda sentem isso pelo show após seis anos, eu acho que devemos aceitar as críticas. Eu acredito no que estamos fazendo. Acredito na história cujo ponto central é o cliffhanger e nos aspectos da história que convidam o público a usar sua imaginação, pensar e discutir a respeito.

O que eu acho maravilhoso no entretenimento é a possibilidade de estranhos serem capazes de falar – terem algo em comum, algo que ambos amam, mesmo que jamais tenham se conhecido anteriormente. E é muito gratificante para mim ver histórias de pessoas pensando e conversando, postando, teorizando. Eu acho que isso é maravilhoso. Claro, não desejávamos deixar ninguém brabo. Mas iremos adiante, correremos o risco pelo bem do público. Tudo isso é pelo bem do público.

EW: Se o acontecimento jamais tivesse existido na HQ e as pessoas não soubessem a respeito, o que acontece ali, você acha que talvez não houvesse tanta polêmica?

Scott M. Gimple: Absolutamente. Tudo acontece por conta das expectativas. As pessoas dizem “bem, agora Negan aparece na cena.” E a expectativa foi de “Oh isso acontece desta maneira, e é assim que deve ser, e é assim que tenho em mente.” Eu entendo isso. Mas também é uma questão de tentar fazer as coisas para preencher o espírito da história, o espírito da HQ, sem que seja exatamente igual.

E para falar bem a verdade, isso é algo que eu faço, enquanto alguém que justamente entrou em The Walking Dead como um leitor da HQ inicialmente. Mas eu sinto que alguns leitores acreditam que “Oh, isso irá acontecer, é exatamente como é.” E nós queremos dar a eles uma nova experiência, um suspense e também medo, porque eles não sabem como as coisas acontecerão. O que está acontecendo na verdade com os personagens no show, queremos que eles sintam isso. Queremos que eles se surpreendam.

EW: Então, o que é mais importante: honrar estes grandes momentos da HQ fielmente ou proporcionar uma nova experiência aos telespectadores?

Scott M. Gimple: Como eu já disse várias vezes, é um remix. É algo que experimentamos quando eu iniciei no show; Kirkman e eu estávamos na sala dos roteiristas, e eu era um escritor e produtor. Eu sempre quis manter a história o mais próximo da HQ possível, e Robert queria desviar-se dela para proporcionar aos leitores uma nova experiência. Ao longo dos anos, integramos nossos pensamentos, enquanto preenchíamos o espírito da HQ. Estamos procurando gerar estas mesmas emoções e ter uma interpretação direta destes momentos da história – ainda que completamente diferentes – mas ainda alcançando a HQ. É o que temos feito nestes anos, e o final da sexta temporada está bem alinhado a isso.

EW: Uma das coisas que ouvi dos fãs foi que o problema que eles tiveram com o cliffhanger foi a história do cliffhanger anterior, com a lixeira, na primeira parte da temporada, e que aquilo se prolongou demais em tão pouco tempo. Você entende como isso pode ter sido um problema para alguns?

Scott M. Gimple: Quando dizemos que isso foi um problema para algumas pessoas, falamos apenas sobre aqueles na internet, pois obviamente são os únicos que conhecemos, talvez exceto os que estejam próximos a nós. A internet é bastante demográfica. No final, pessoalmente eu não sei. Eu falava sobre como a internet é demográfica – um público discriminativo, esperto, que analisa tudo profundamente. Eu respeito isso e eu desejo isso, e se eu não escrevesse para o show provavelmente estaria fazendo o mesmo.

Eu acho que, na grande “tapeçaria” que é o show, estas são histórias individuais que não estão particularmente relacionadas. Eu acredito que ambas tem a ver com perdas. Mas eu acho que, de certa forma, também pode ser o oposto. A história da lixeira é a de alguém sobrevivendo a algo. É sobre um personagem tentando viver. Foi realmente para colocar o público no lugar das pessoas em Alexandria. A gente não tinha que saber o que aconteceu. Ele parecia ter morrido, mas tudo estava em aberto e incerto. Mas o que o permitiu sobreviver também foi o que fez parecer que ele pudesse ter morrido, que foram as vísceras de Nicholas. Então, felizmente, foi uma história de “Oh, alguém sobreviveu! Eu passei por todas estas coisas horríveis, meu Deus, este personagem recém morreu, e no fim eles sobreviveram.”

Agora é o oposto. Esta é uma história que prometia a morte, atinge a todos eles e talvez alguém sobreviva. É bem diferente. Se alguém irá morrer, a história anterior é de alguém que sobrevive. Eu acho que quando temos dois incidentes inacreditavelmente intensos que atingem tão duramente o público e não lhe dá respostas imediatas, acaba acontecendo este tipo de paralelo. Isso acontece em todo o mundo. E a prova virá com o que ocorrerá em Outubro.

The Walking Dead, a história de drama mais assistida da TV a cabo, irá retornar com a sétima temporada no dia 23 de Outubro de 2016 no AMC Internacional e no FOX Action (canal do pacote premium FOX+) e FOX Brasil. Confira o trailer oficial da temporada e fique por dentro de todas as notícias.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.


Fonte: Entertainment Weekly

Continue lendo

6ª Temporada

Versão sem censura da introdução de Negan em The Walking Dead

Vinícius Castro

Publicado há

em

Por mais que o mistério deixado pelo episódio final da sexta temporada de The Walking Dead não tenha agradado uma parcela significativa do público, a entrada de Negan (Jeffrey Dean Morgan) ainda assim foi memorável graças ao empenho do elenco e ao monólogo praticamente transferido das páginas para a tela.

Como muito era comentado há um bom tempo, a AMC não autorizou a transcrição dos “palavrões” que, em sua grande maioria, são uma parte essencial do sádico comportamento do vilão, para a série. Entretanto, Greg Nicotero, Scott M. Gimple e cia. realmente não deixaram os fãs com as mãos abanando e, como prometido, gravaram duas versões dos últimos 11 minutos – a original, vista na televisão, e a censurada.

Com o lançamento do Blu-Ray oficial do sexto ano acontecendo no último dia 23 de agosto*, a cena completa foi disponibilizada na íntegra, e pode ser conferida no player abaixo:

Por mais que pareça improvável de acontecer, a produção de The Walking Dead ainda busca um acordo com a emissora, já que algumas exceções já foram abertas anteriormente – na quinta temporada, por exemplo, Beth (Emily Kinney) consegue ler a palavra f*ck coberta de sangue no chão do hospital.

E então, o que achou da versão “boca-suja” do Negan? Gostaria que esta versão fosse usada originalmente na série de TV? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

*O lançamento da versão brasileira segue sem data definida.

The Walking Dead, a história de drama mais assistida da TV a cabo, irá retornar com a sétima temporada no dia 23 de Outubro de 2016 no AMC Internacional e no FOX Action (canal do pacote premium FOX+) e FOX Brasil. Confira o trailer oficial da temporada e fique por dentro de todas as notícias.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.

Continue lendo

EM ALTA