Siga-nos nas redes sociais

Série

Produtores de The Walking Dead defendem a violência contra crianças na série

Publicado há

em

ATENÇÃO: Esta matéria contém spoilers do nono episódio da sexta temporada de The Walking Dead, S06E09 – “No Way Out” (Sem Saída) e dos quadrinhos no qual o show é baseado. Leia por sua conta e risco. Você foi avisado.

The Walking Dead entregou um episódio soco no estômago na midseason premiere no domingo, durante o qual três personagens chave foram brutalmente mortos e uma outra figura intocável teve seu olho tirado.

O episódio viu Jessie (Alexandra Breckenridge), bem como seus dois jovens filhos, mortos durante e tentativa do grupo de sair de Alexandria durante o massivo ataque de walkers. Obviamente, nem tudo saiu como o planejado, quando o filho mais novo de Jessie, Sam (Major Dodson) surtou depois de ver um menino de sua idade como um dos mortos-vivos.

Seu surto o fez ser mordido, o que fez com que sua mãe também fosse atacada pelos walkers. Ron (Austin Abrams), o filho mais velho, rapidamente tentou matar as pessoas que ele achou que eram responsáveis pela morte de sua mãe e de seu irmão, mirando sua arma para Rick (Andrew Lincoln) e seu filho, Carl (Chandler Riggs). Foi então que Michonne (Danai Gurira) imediatamente enfiou sua katana no tronco do adolescente. Contudo, a bala perdida de Ron pega no olho de Carl, trazendo a vida um dos momentos mais surpreendentes da série de quadrinhos de Robert Kirkman.

“Quando estamos preparando as histórias, é mais sobre personagens versus quão velhos eles são,” o produtor executivo Greg Nicotero, que dirigiu o episódio da midseason premiere de domingo, diz ao THR. “Os quadrinhos não puxam qualquer soco, e uma das coisas que é importante para nós é que nós honramos esse espírito, continuando a fazer coisas que são inesperadas.”

A sequência de eventos, tanto do drama da AMC quanto dos quadrinhos, não tem se esquivado de mostrar como qualquer um – incluindo crianças – podem ir a qualquer momento. Ambas as propriedades tem uma história de retratar a violência contra crianças e o episódio de domingo não foi diferente.

O drama da AMC recentemente mostrou Carol (Melissa McBride), em um dos momentos mais devastantes do show até agora, tendo que matar Lizzie (Brighton Sharbino) depois que a garotinha matou a irmã e estava claramente mentalmente incapaz de sobreviver no novo mundo. Isto seguiu Rick tendo que matar a filha de Carol, Sophia (Madison Lintz), que havia se tornado zumbi na segunda temporada e Michonne fazendo a mesma coisa com a filha zumbi do Governador (David Morrissey), Penny, na quarta temporada. A Beth de Emily Kinney, em certa medida, poderia se qualificar como uma personagem adolescente e foi amplamente capaz de cuidar de si no mundo pós-apocalíptico.

“Com Sam, no minuto que ele sai da casa no midseason finale você se pergunta se esse garoto vai conseguir,” diz Nicotero, notando que a escrita na incapacidade de Sam para lidar com o novo mundo esteve na parede durante toda a temporada. “Ele está tentando convencer Jessie que ele consegue e o erro principal dela é que ela desempenha em sua fraqueza pra ele. Existe um momento em que ele poderia ter ido com Gabriel (Seth Gilliam) de volta para a igreja, mas no minuto que ele diz ‘Não mãe, eu posso fazer isso’, ele sela o próprio destino. E ela cede a ele. Ela insiste que ele vá e isso foi um beco sem saída. Nós estabelecemos que, quando se trata de Sam, Jessie é fraca. Ele não saia do seu quarto e ela continuava levando comida pra ele. Você vê que ela tem uma fraqueza pelo que ele está passando e quando chegamos naquele momento, ela toma decisão errada. Aquela decisão de não fazer o Sam ir com o Gabriel é o que lhes custa”

Enquanto isso, Kirkman contou ao THR que ele estava ansioso para Carl perder o olho na série por “um bom, longo tempo” e os produtores nunca consideraram ignorar esse momento chocante dos quadrinhos.

“Carl perdendo seu olho, e o que isso faz com Rick e como isso muda as coisas para Carl – isso é uma grande parte da série,” diz Kirkman. “Por mais chocante e surpreendente como foi nos quadrinhos, vendo em movimento e a forma como fomos capazes de fazer aquilo, faz com que o momento seja ainda mais surpreendente. Existem essas coisas que fazem nossos espectadores investirem no show. O fato de que qualquer coisa pode acontecer e o fato de que coisas chocantes acontecem com esses personagens que amamos.”

Nicotero acrescenta: “É um momento tão crítico. Se você voltar e olhar para a HQ, para mim, eu lembro de quando Shane é morto por Carl e Lori é baleada pelo Governador e Michonne se vinga do Governador e eu lembro de Carl sendo baleado e Jessie tendo sua mão cortada e Glenn e Negan. Esse são os momentos icônicos quando você vai lendo.”

No outro lado das coisas, The Walking Dead tomou um super desvio do seu material original com a filhinha de Rick, Judith. Nos quadrinhos, a personagem morre com sua mãe, Lori (Sarah Wayne Callies), mas a AMC manteve a criança por perto até agora – inclusive durante o massacre de domingo.

O que você achou do episódio? Você acha que The Walking Dead foi longe demais? Deixe tudo o que você pensa nos comentários abaixo.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.


Fonte: Hollywood Reporter

Publicidade
Comentários

EM ALTA