Siga-nos nas redes sociais

4ª Temporada

O elenco e os criadores de The Walking Dead falam sobre os pontos chaves e os desafios da 4ª temporada

Publicado há

em

The Walking Dead retorna com sua quarta temporada neste domingo, desta vez com novo showrunner, Scott Gimple — que está na série baseada na HQ de Robert Kirkman desde o começo.

Seguindo-se à saída de Glen Mazzara (ele deixou a série em Dezembro, citando diferenças criativas), o drama zumbi recomeçará poucos meses após os eventos chocantes da season finale, onde a amada personagem da HQ Andrea morreu nas mãos do Governador, que também matou a maioria do exército de Woodbury. Rick, enquanto isso, ainda está abalado pela morte de Andrea, e mudou seu foco de liderar o grupo – e os sobreviventes de Woodbury – para cuidar de Carl e do bebê Judith, bem como da fazenda na prisão.

O Hollywood Reporter conversou com Gimple – responsável por alguns dos mais bem falados episódios, incluindo a morte chocante de Sophia e a volta de Morgan – bem como Kirkman e o elenco para conseguir detalhes de como a série campeã de audiência irá mudar sob o comando do novo showrunner, bem como os desafios que aguardam Rick, Daryl e os demais.

Scott Gimple (showrunner)

Sobre as diferenças da quarta temporada: Algo que é quantitativamente diferente é que cada personagem terá uma história. Quando eu comecei esta temporada, comecei assim. O que cada personagem está passando? Algumas destas histórias são maiores do que as outras, mas todas acabam se encontrando. Ano passado era algo que eu queria ter feito e todos também queriam, mas era difícil com aquela história que estávamos contando. Nesta temporada, sabendo mais da história que contaremos, eu tenho que ser super disciplinado e descobrir uma maneira para que todos tenham a sua história – pois são grandes personagens e grandes atores.

Robert Kirkman (produtor executivo e criador dos quadrinhos)

Mudanças com Gimple: Cada temporada do show foi diferente. A quarta será a mais diferente de todas. Ela é mais um estudo de personagens do que qualquer outra que tenhamos feito. Estivemos construindo um mundo nas três primeiras temporadas. A terceira foi a temporada de Woodbury, com o Governador. Não temos agora um grupo totalmente separado para lidar durante esta temporada, então podemos nos ocupar mais dos personagens, mergulhar mais neles. Quando a quarta temporada terminar, vocês vão saber mais sobre Daryl Dixon do que vocês descobriram da primeira e da terceira temporada. E assim também com Michonne, Rick, Carl, Carol, Hershel, etc. Mergulharemos em Glenn e Maggie. Faremos muito com estes personagens. Alguns como Sasha (Sonequa Martin-Green), que não conhecemos tão bem. Olharemos mais para Sasha, Beth (Emily Kinney) — e todos os envolvidos na história que carregaremos nesta temporada e que os desnudarão. Vamos saber quem são estas pessoas e o que eles estão fazendo, por que eles estão fazendo o que fazem. É bom chegar a um ponto onde finalmente se tenha tempo para isso. Alguns deles serão comidos por zumbis, e coisas terríveis acontecerão a todos, enquanto isso, mas estaremos fazendo muito estudo de personagens e coisas assim.

Andrew Lincoln (Rick)

Mudanças com Gimple: O show mudou, se desenvolveu e amadureceu a cada temporada. Continuamos mudando as coisas. Para mim, repetição é uma sentença de morte. Se continuarmos confundindo você e atirando-lhes a pia da cozinha, então acho que estaremos fazendo um bom trabalho.

O desafio de Rick: Pode ser resumido em uma pergunta: poderemos algum dia superar as coisas que fizemos, voltar daquilo que perpetramos? Da brutalidade deste mundo? Poderemos amar novamente? Poderemos viver novamente? Isso encapsula o arco de Rick e provavelmente o de vários outros personagens nesta temporada.

Norman Reedus (Daryl)

Mudanças com Gimple: O show começou com um ritmo realmente assustador, depois evoluiu para muito diálogo e histórias, pois você tinha que apresentar este mundo e novos personagens. Esta temporada, dá para respirar. É de partir o coração. Você tem que conhecer os personagens, exatamente quem eles são e quais são os seus medos. Há algo pessoal nesta temporada, que parte o coração. Sem perder nada do terror, esta temporada deixa um certo gosto na boca. Você
realmente precisa conhece-los. Seu coração acaba arrancado do seu peito. É uma temporada insana, nossa melhor temporada. Os nossos roteiristas acertaram no ponto, e Scott é matador – sem trocadilhos.

O desafio de Daryl: Daryl está fazendo tanta coisa. Ele é um líder relutante, que está de olho em Rick, tipo “quando você estiver pronto, Rick.” Ele está deixando o grupo dar um tempo a Rick e fazer com que ele se descubra sozinho. Rick se transformou no irmão que Merle (Michael Rooker) não foi. Daryl está mantendo as pessoas vivas e fazendo o que precisa ser feito. Mas ele não age tipo “Hey, vamos fazer um powowow, me deixe levantar seu astral.” Ele não é esse tipo de cara. Ele é um personagem bem diferente do que era no início – todos nós somos. Tudo era feito com ele de cabeça baixa. Era como se ele dissesse “não olhe para mim.” Havia uma vergonha de quem ele poderia ter se tornado se estas mudanças não houvessem acontecido – ele teria se tornado Merle e crescido envergonhado de quem ele era. Nesta temporada ele fala cara a cara, diretamente a você. Ele fala menos mas diz o que quer dizer.

Danai Gurira (Michonne)

Mudanças com Gimple: Não acho que haja uma grande mudança. O que foi construído ao redor dela foi um grande mistério, e a beleza disso foi que permitiu brincar com diferentes ameaças. Não acho que ela seja diferente, trata-se apenas da evolução de Michonne como ser humano. Ela está com este grupo de pessoas que ela decidiu que seguiria e seria parte. Ela não está fugindo com dois pet zombies. Ela cuida dos companheiros em cada pequeno detalhe, trazendo um livro ou um presente; ela está evoluindo. Ela foi abençoada pelo discurso de Andrea “Ótimo, você os encontrou.” Foi uma bênção para ela. Esta temporada é sobre a evolução que Michonne está apresentando desde a última temporada.

O desafio de Michonne: Às vezes, seu maior desafio é ela mesmo, a ideia de se tornar uma parte verdadeira deste grupo. É toda uma conexão a ser entendida, o que é viver realmente em comunidade. Ela está muito disposta a proteger e servir, e ela não gosta de finais inacabados – e o Governador ainda é algo inacabado.

Lauren Cohan (Maggie)

Mudanças com Gimple: É totalmente diferente. Eu sempre gostei da abordagem de Scott, especialmente no episodio 13, quando Michonne, Carl e Rick saem e encontram Morgan (Lennie James), e a maneira como ele lança uma luz a esses momentos e os torna inesquecíveis. É por isso que temos sorte em ter isso ao longo de toda a temporada: estas pequenas rupturas nas pessoas são iluminadoras e realmente filosóficas, e muito sangrentas. Eu não sei como ele combina isso tudo. Temos tudo isso construído na quarta temporada, e isso vai pegar você pelo pescoço. É como se você estivesse escalando até este ponto por três temporadas.

O desafio de Maggie: Quanto nos arriscamos? Quando você está realmente afeito a alguém, isso os coloca mais em perigo? Eu acho que Glenn e Maggie precisam se arriscar neste mundo. Sempre que há um potencial perigo, Glenn tenta manter Maggie longe disso – como vimos na última temporada e que criou este abismo entre eles. Um deles precisa ser cuidadoso, mas Maggie definitivamente não é a mais cuidadosa este ano.

Steven Yeun (Glenn)

Mudanças com Gimple: Scott tenta voltar à primeira temporada, num estilo parecido com o de Frank Darabont ao contar histórias. Tomando várias pausas, encontrando alguma quietude nesse universo expansivo que potencialmente está lá, mas também forjando momentos difíceis. É essa a beleza tipo montanha-russa que tem esse caos; belos momentos de quietude e momentos potentes de terror.

O desafio de Glenn: O maior desafio neste ponto com Maggie e Glenn é entender as perspectivas um do outro. Eles estão bem juntos, mas possuem ideais diferentes em termos do que fazer com o que eles construíram. Eles fizeram esta civilização, este momento de paz e humanidade. A perspectiva de Glenn é mais do tipo “vamos deixar isso intacto. Não vamos jogar nossos cuidados ao vento.”

Chad Coleman (Tyreese)

O desafio de Tyreese: Manter sua sanidade. Ele será testado de uma maneira grandiosa. Neste mundo pós-apocalíptico, ninguém passa ileso. Eu gosto de seu temperamento e sua propensão de se afastar da violência. Mas as melhores intenções podem não se sustentar, por que os obstáculos são enormes e nós não estamos em um jogo justo. Então há partes de Tyreese que serão destruídas. Se tudo isso morrerá nele ou não, o mundo continuará a se fechar ao redor dele.

Larry Gilliard Jr. (Bob)

O desafio de Bob: Adequar-se ao grupo. Ele esteve sozinho e agora é parte de um verdadeiro grupo. Ele também está lutando contra seus demônios interiores no auge do apocalipse zumbi.

The Walking Dead, a história de drama mais assistida da TV a cabo, irá retornar com dezesseis episódios na quarta temporada, em 13 de Outubro de 2013 na AMC e 15 de Outubro de 2013 na FOX Brasil. Confira o trailer oficial da temporada e uma análise detalhada dele.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para mais informações sobre a quarta temporada.


Fonte: The Hollywood Reporter
Tradução: @BinaPic / Staff Walking Dead Brasil

Publicidade
Comentários

EM ALTA