Siga-nos nas redes sociais

6ª Temporada

Robert Kirkman fala sobre o “perigo sempre presente” e sobre “a temporada mais intensa até agora”

Publicado há

em

ATENÇÃO: Esta matéria contém spoilers do primeiro episódio da sexta temporada de The Walking Dead, S06E01 – “First Time Again” (Primeira Vez de Novo). Leia por sua conta e risco. Você foi avisado.

The Walking Dead retornou no último domingo com um episódio prolongado de estreia da sexta temporada, que brincou com o tempo e estrutura – e contou com uma das mortes de marca registrada do drama zumbi, enquanto Rick tentava ajudar a proteger Alexandria.

O episódio cortava para o passado – em preto e branco – e presente, enquanto Rick (Andrew Lincoln) reunira os moradores de Alexandria e elaborava um plano para mover um grande rebanho de zumbis. Mas as coisas não saem como planejado e Carter (Ethan Embry) – que estava planejando um motim contra Rick, que ouviu tudo – é mordido e o ex-xerife tem que matar o homem cujos gritos distraíam o rebanho. Embora Morgan (Lennie James) tenha testemunhado a morte de Carter, Rick o manda de volta a Alexandria para atualizar a cidade. Graças aos gritos de Carter, tiros e uma buzina – que soa como se estivesse vindo de Alexandria – os zumbis estão agora fora da pista e representam uma grande ameaça para a comunidade mal preparada.

Enquanto isso, Morgan atualiza Rick sobre os Wolves (Os Lobos) e sublinha que a dupla precisa se conhecer como se fosse a primeira vez que se veem. Daryl (Norman Reedus) pressiona Rick dizendo que é importante sair e encontrar novas pessoas – embora a dupla definitivamente não concorde sobre isso.

Aqui, o criador dos quadrinhos/produtor executivo Robert Kirkman fala com o The Hollywood Reporter sobre a estreia da sexta temporada e para onde vai a partir daqui.

A estreia é estruturalmente diferente de qualquer episódio que você fez antes. Por que metade em flashbacks – em preto e branco – e metade no dia atual?

Robert Kirkman: Isso foi construção do [showrunner] Scott Gimple. Ele queria fazer algo que fosse muito diferente do que já fizemos antes. Estamos sempre tentando elevar o nosso jogo e trazer algo novo para a mesa a cada temporada. Este é um grande episódio estendido e é uma história muito complicada e envolvente. Se você for ver, há uma enorme quantidade de história que são contadas entre os flashbacks e grandes momentos com o rebanho de zumbis que eles estão lidando. Para sermos capazes de espremer toda história em um episódio, nós tivemos que criar uma solução criativa e nosso tempo de deslocamento e estrutura de flashback foi algo que pensemos que iria nos ajudar a atingir esse objetivo.

Walker - The Walking Dead _ Season 6, Episode 1 - Photo Credit: Gene Page/AMC

Para onde se encaminha a sexta temporada?

Robert Kirkman: Ela vai para todos os tipos de lugares interessantes. O rebanho no final do episódio é um perigo sempre presente e certamente não foi manipulado. Você tem a buzina, que está atraindo-os para Alexandria e isso é uma má notícia. É provável que haja um enredo nos quadrinhos envolvendo esse grande rebanho indo para Alexandria, que também pode oferecer uma visão sobre algumas das loucuras que temos na história. Os Wolves (Os Lobos) também estão por aí, que é algo que não fazia parte da história em quadrinhos. Esta é a nossa temporada mais intensa até agora. Nossa estreia está nesta linha, é um episódio muito acelerado e o ritmo não vai desacelerar tão cedo. Ele provavelmente acelerará mais ainda antes de ficar mais lento. Quando chegamos a Alexandria, houve alguma preocupação de que tudo é agradável e limpo e [perguntas sobre] como a série continuará sendo emocionante. A sexta temporada responde a essa pergunta de uma maneira grande.

Como o fato de que Carter foi morto por quase desandar o rebanho de zumbis impactará em Rick se aproximando do restante das pessoas dentro de Alexandria?

Robert Kirkman: Veremos Rick sendo um pouco menos confiante e pouco menos indulgente quando se trata dos alexandrinos. Ele provavelmente escalará o confronto que está claramente no horizonte daquele episódio e no modo que as pessoas estavam se portando. As coisas ficarão bem mais complicadas na medida em que se desenvolvem.

Carter tinha seu próprio grupo de apoio interessado em um motim. Como sua morte fará com que Rick e o resto do seu grupo tenham tempos muito mais difíceis em Alexandria?

Robert Kirkman: Nós já vimos que não há muito respeito por estas pessoas. Eles definitivamente sentem pena deles, mas eles sabem que essas pessoas não são capazes de sobreviver. Rick e sua equipe estão mudando e nós vemos como todo mundo está se adaptando a esta nova comunidade e como eles necessariamente se encaixam. Você tem a facção de Carter lá fora, que aparentemente quer fazer um motim para que Rick e seu grupo saiam de lá. Há um monte de conflito borbulhando e avançando, tirando o fato de que tem esse rebanho enorme e os Wolves (Os Lobos). Não há fim para os problemas que Rick e seu grupo terão de lidar. As pessoas de Alexandria representam um desses problemas.

A buzina que arruína o plano de Rick soa como se estivesse vindo de Alexandria. Seria isto um sinal de que há problemas dentro dessas paredes?

Robert Kirkman: Rick e seu grupo estavam fora lidando com o rebanho de zumbis e Alexandria está certamente vulnerável naquele momento. Então sim.

Os Wolves (Lobos) ainda estão lá fora e Morgan contou a Rick sobre eles. Eles têm monitorado Rick e o resto dos alexandrinos enquanto passavam um tempo fora do acampamento? Quão inteligente é esse grupo?

Robert Kirkman: Isso é certamente possível. Os Lobos são um grupo diferente dos Claimers ou as pessoas de Woodbury ou das do Terminal. Ainda não vimos se são mais experientes, quão preparados eles estão ou se eles estão planejando algo maior. Eles poderiam ser um grupo perambulante de malucos, quem sabe? Mas vamos descobrir em breve o que está acontecendo com eles.

the-walking-dead-s06e01-first-time-again-035

Daryl diz a Rick que trazer novas pessoas para o grupo é como cuidar de si mesmos. Quão desconfiado será que Rick ficará quando ele conhecer novas pessoas que receberam seus esforços para manter sua humanidade dentro de Alexandria?

Robert Kirkman: Muito desconfiado. O grupo em Alexandria não é nada além de um incômodo para Rick. É um prejuízo para a sua sobrevivência no futuro. Se Rick colocasse na mesa as probabilidades, ele diria que Alexandria seria melhor sem qualquer uma destas pessoas. Ele tem o seu grupo e acredita que você precisa de pessoas para sobreviver, mas ele sabe agora que você precisa das pessoas certas para sobreviver. Esta é a sua motivação. Se Daryl pode colocar algum sentido em Rick ainda é um mistério, mas eles discordam neste quesito.

Como o conflito entre Rick e Daryl continua no progredir da temporada?

Robert Kirkman: É inteiramente possível que eles possam estar muito ocupados para o conflito crescer muito, mas eles podem encontrar algum espaço para bater de frente um pouco daqui para frente.

Morgan e Michonne (Danai Gurira) parecem já estar se dando bem. Você está abrindo um caminho para o romance aqui?

Robert Kirkman: Há certamente uma ligação romântica entre os dois nos quadrinhos e se isso se materializa no decorrer da série ainda está para ser visto, mas é certamente possível. Eles estão muito amigáveis na estreia.

A interação de Carol (Melissa McBride) e Morgan foi incrível. Por que ela está tratando-o como um forasteiro?

Robert Kirkman: Carol é mais esperta que Rick (risos) e ela não confia em ninguém – mas ela também lida com isso de uma forma melhor que Rick e de forma menos ostensiva. Ela é muito melhor em ser desconfiada sem mostrar que ela é suspeita. Não importa o quanto Rick acha que conhece Morgan, eu não acho que Carol seria acolhedora e aberta a quaisquer novas pessoas. Ela passou por muito e sabe em primeira mão o que pode acontecer com as pessoas e como elas podem ser perigosas. Mais do que ninguém, Carol desconfiará de qualquer um que avançar.

Maggie (Lauren Cohan) nos flashbacks parecia ter outra razão por que era importante para ela continuar com Deanna (Tovah Feldshuh). Você está construindo uma história de gravidez para ela?

Robert Kirkman: É possível. Fique ligado! Veremos, talvez seja algo mais e ela teve uma dor de cabeça!

Quão mortal a sexta temporada será, especialmente por conta do ritmo que será muito rápido numa temporada cheia de tantas ameaças?

Robert Kirkman: Eu hesito em dizer que não há mais morte nesta temporada, mas eu não analisei os números. Há certamente um monte de mortes nesta temporada, mas eu não sei se é mais ou menos do que qualquer outra temporada. Estamos sempre à procura de maneiras novas e interessantes [para matar os personagens]. Isso faz parte da série e indo para a sexta temporada, nós tentamos manter as coisas excitantes, refrescantes e novas. Estou confiante de que todas as nossas mortes nesta temporada elevam o nível, elas evoluem a história quando precisamos, e elas definitivamente surpreenderão as pessoas.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.


Fonte: Hollywood Reporter

Publicidade
Comentários

EM ALTA