Siga-nos nas redes sociais

4ª Temporada

Robert Kirkman fala sobre grandes fatalidades e sobre o desvio da HQ

Publicado há

em

“Pareceu ser a coisa certa a se fazer na hora certa,” o produtor executivo e criador dos quadrinhos fala ao The Hollywood Reporter sobre a decisão de matar um dos principais personagens no episódio final de terceira temporada.

[Cuidado: possíveis spoilers à frente!]

A série de TV de The Walking Dead se desviou bruscamente da HQ na qual se baseia durante o episódio final da terceira temporada, quando uma das estrelas originais espantosamente foi morta.

Durante o episódio, os esforços de Andrea (Laurie Holden) para trazer paz entre o grupo de Rick e a Woodbury controlada pelo Governador acabaram quando Milton – que se transformou depois de ter sido esfaqueado no estômago – mordeu seu pescoço. Com Michonne ao seu lado, Andrea usou a arma de Rick para acabar com sua própria vida antes de voltar dos mortos.

A morte de Andrea marcou um enorme desvio com relação à HQ – na qual Andrea se torna parceira de Rick na liderança e também seu interesse amoroso. O The Hollywood Reporter conversou com o produtor executivo Robert Kirkman para falar sobre a decisão de matar Andrea, sobre manter o Governador por perto na quarta temporada e se a série – que matou duas de suas senhoritas principais nessa temporada – tem um problema com mulheres.

Fale-nos sobre a decisão de matar Andrea. É um desvio tão grande da HQ.

É um grande desvio, o que de certa forma é um tanto quanto arriscado, mas no final das contas eu gosto da ideia de existirem grandes diferenças que mostram que essa é a série, e essa é a HQ. Gosto que exista essa separação. Foi definitivamente algo que pesou muito sobre nós. Infelizmente não veremos porque essa decisão foi boa e porque isso foi bom para a série até que a quarta temporada chegue. Achamos que ter aquele fim trágico para sua trajetória – ter Andrea trabalhando tanto para salvar as pessoas de Woodbury e para encontrar uma solução pacífica para esse conflito foi algo digno da personagem. Também é algo que muda a mente de Rick (Andrew Lincoln) e que mexe com os personagens e a maneira como eles lidam com as coisas conforme seguem para a quarta temporada. Pareceu ser a coisa certa a se fazer na hora certa.

Quem foi que surgiu com essa ideia, e quando ela chegou à sala dos escritores, foi algo fácil de se decidir?

Foi algo que [o showrunner que se afasta] Glen Mazzara sugeriu na criação dos últimos episódios. Foi algo que foi muito discutido. Havia muita divergência na sala dos escritores. Eu ficava entre ‘Nós não devemos matá-la’ e ‘É uma boa ideia’. No fim tudo fez sentido e nós decidimos apostar nisso. Foi algo que deixou a sala dividida de certa maneira.

Em The Walking Dead nós sabemos que qualquer um pode morrer a qualquer momento. Por que foi a vez de Andrea? Qual a mensagem que vocês estão passando ao matar essa personagem?

Além de reafirmar a natureza incerta do programa, se trata de uma série sombria e a mensagem que tentamos passar é a de que Andrea faria de tudo para salvar essas pessoas e ela acabou sacrificando sua vida por eles. Falando sobre Andrea, mostrou-se o quão devotada ela pode ser e como as coisas, apesar de todas as boas intenções dela, saíram erradas. Nós temos muito a fazer com o Governador (David Morrissey) na próxima temporada. Ter ele desse jeito diabólico e sinistro vai ser bom para a progressão de seu personagem, e esse foi um momento muito importante e definitivo que terá troco na quarta temporada.

Você está preocupado com a repercussão que isso está tendo entre os viciados na HQ?

Há sempre esse risco e nós vamos ver como as coisas vão andar. A HQ ainda existe e eu peço que essas pessoas continuem lendo os quadrinhos nos quais a Andrea ainda vive. Tenhamos em mente que a série é algo diferente e nós estamos contanto histórias diferentes. Isso não significa que não veremos grandes enredos e grandes eventos da HQ na série de vez em quando, isso significa que as coisas serão alteradas de tempos em tempos. Esperamos que isso seja empolgante, novo e fresco, assim como foi quando lemos a HQ pela primeira vez, esse é o objetivo.

O plano sempre foi ter matado Andrea? Nós ficamos sabendo que nos planos originais para a terceira temporada a Andrea sobreviveria, e como líder de Woodbury, ela abriria os portões para todo mundo.

Isso foi algo considerado. Não vou dizer que estávamos com essa ideia desde o primeiro dia dessa temporada, mas nós decidimos bem antes do final.

Em um video do por trás das cameras, o destino de Andrea parece bem diferente – ela está presa na cadeira, incapaz de se soltar, e Milton a ataca. Quanto foi mudado no finale?

As coisas mudam um pouco na sala de edição conforme a coisa anda. Haviam algumas cenas alternativas que foram filmadas, mas isso não é incomum e já aconteceu algumas vezes na série. Eu desconheço essa cena que você falou, eu não sabia que a AMC havia liberado algo assim.

Toda a temporada levava a uma batalha épica entre Rick e o Governador, que nós não vimos, e o Governador até vai embora depois de ter matado boa parte de seu exército. Por que levar a história nessa direção?

Certamente nós temos muito o que contar com esse cara. Eu sempre gostei da ideia de vê-lo novamente e de não ter uma solução clara para aquele conflito. Rick e o grupo continuam na prisão e o Governador está lá fora. Há mais para se explorar. Saber que o Governador não está morto vai afetar esses personagens quando voltarmos com a quarta temporada, e nós veremos como as coisas fluirão.

Logo quando começamos a ver o Merle mudando e cenas explorando seu relacionamento com Daryl (Norman Reedus), ele é morto no penúltimo episódio. Foi necessário matar Merle?

É importante notar que ter esgotado a história não é motivo para matar um personagem. Ter mais história para se usar também não é motivo para deixar um personagem vivo, se trata de como a história se sai e de como ela muda com uma morte. Daryl Dixon se tornou um personagem muito importante na série, e seu personagem mudou e evoluiu de formas bem interessantes no decorrer das três temporadas. Ter o Merle de volta sempre foi planejado para ser algo temporário. Nós queríamos ver como o retorno de Merle afetaria esse personagem e talvez ver Daryl se reverter ao seu comportamento anterior – seu mau comportamento, isso era algo que queríamos muito explorar. Mas no final das contas, Daryl superou aquele personagem e nós queríamos tê-lo de maneira que seu irmão não alterasse seu comportamento conforme progredíssemos ou o influenciasse de algum jeito. A morte de Merle foi mais para ativar Daryl de uma maneira bem interessante que será mostrada na quarta temporada.

As duas personagens principais femininas (Andrea e Lori) foram mortas nessa temporada e a série foi acusada de ter um problema com as mulheres. Por que matar as duas em uma temporada?

Ambas as decisões foram feitas independentes uma da outra e certamente não foi feito um empenho só para nos livrarmos de dois personagens femininos principais em uma temporada. A morte de Lori aconteceu na HQ e foi planejada com bastante antecedência. Conforme a história de Woodbury ia se retorcendo e reviravoltas aconteciam, a morte de Andrea fez o maior sentido. Nós introduzimos várias outras personagens femininas no decorrer das temporadas: Michonne (Danai Gurira) e Maggie (Lauren Cohan) obtiveram papéis mais principais e também temos Sasha (Sonequa Martin-Green) – a irmã de Tyresse. Entrando na quarta temporada, eu posso dizer com confiança que não faltarão personagens femininas. As personagens femininas terão um papel principal na quarta temporada. É sobre a evolução da série, os personagens entram e saem e o elenco estará sempre mudando, mas no fim do dia continuará sendo The Walking Dead.

Como a quarta temporada vai ficar diferente com o Govenador ainda lá fora e com o Rick na prisão – com um grupo maior?

Vai ser diferente de várias maneiras. Primeiramente nós veremos um Rick Grimes bem diferente. Suas experiências com o Governador e com um monte de coisas que aconteceram nessa temporada influenciarão seu personagem de várias maneiras. Nós teremos muitos elementos familiares da terceira temporada: veremos a prisão, Rick e seu grupo estão no mesmo lugar, mas as coisas serão radicalmente diferentes. Não posso me aprofundar nisso, mas a quarta temporada vai ser extremamente diferente da terceira, de maneiras muito chocantes e interessantes.

Milton também não sobreviveu à temporada, mas no final nós não tivemos aquele momento em que ele aceitaria que uma vez que você se transforma, sua humanidade se vai. Qual foi o objetivo ao explorar isso?

Nós gostamos de sempre dar algumas dicas do que está acontecendo com esse mundo, não há um mistério central na série – não é sobre quem causou os zumbis, ou como vamos parar isso, esse não é o foco da série – mas é divertido ter personagens que tentam descobrir o que há com o mundo e que tentam aprender mais sobre o que está acontecendo, e Milton cumpriu esse papel assim como o CDC e o Dr. Jenner fizeram na primeira temporada. Talvez existam algumas dicas nessa parte da história que surgirão novamente mais pra frente, não posso me especificar, mas há definitivamente momentos importantes ali.

Rick diz à Carl que ‘Eles estão conosco’. Qual é a mensagem que ele quer passar para Carl, especialmente depois de saber que seu filho executou alguém a sangue frio?

Depois do sacrifício de Andrea, de ver o Governador como ele realmente é e de saber que ele matou tanta gente, Rick está mudando. Esse é o momento em que Rick dá meia-volta, ele não vai mais ficar afastando as pessoas, ele não vai mais fazer qualquer coisa para proteger seu grupo mesmo que isso machucasse outras pessoas. Ele não é mais o cara que deixaria o rapaz da beira da estrada para trás – o cara da mochila do episódio 12. Ele está deixando o povo de Woodbury entrar e está tentando mostrar à Carl que aquelas pessoas são como eles, você têm que se abrir à isso, e a única maneira de sobreviver nesse mundo é por ter pessoas com você e vivendo em comunidade. Essa será uma grande parte da quarta temporada.

Glen Mazzara saiu da série, alegando diferenças criativas, com a produção sendo fechada várias vezes e com a refilmagem do final do episódio. Como a decisão de substituir showrunners teve a ver com a decisão de matar Andrea?

Você terá de falar com Glen e com a AMC sobre isso. Eu não posso comentar.

E você, o que achou da morte de Andrea? Comente abaixo!


Fonte: The Hollywood Reporter

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA