Siga-nos nas redes sociais

3ª Temporada

Norman Reedus fala sobre a nova temporada de “The Walking Dead”, as desculpas a Naomi Watts e seu novo filme

Victoria Rodrigues

Publicado há

em

Norman Reedus pode ter aparecido no meio cinematográfico com papéis em filmes como “Mimic” e “8MM”, mas seu papel como Murphy MacManus no clássico culte de Troy Duff “The Boondock Saints” foi o que fez dele uma estrela. Depois de uma década, em 2010, Reedus seria um nome muito conhecido por interpretar o caipira boca suja (mas frequentemente adorável) que mata zumbis com grande precisão utilizando sua confiável besta. O poder estelar de Reedus explodiu com seu papel em “The Walking Dead”, da AMC, e está prestes a ficar ainda mais brilhante com a estréia da terceira temporada dia 14 de Outubro.

Reedus se encontrou com o IFC.COM recentemente para conversar sobre seu novo filme, como ele acabou se desculpando diariamente a Naomi Watts e quão “maluca” será a nova temporada de “The Walking Dead”.

Você acha que Daryl é um cara mais agradável agora do que era quando “The Walking Dead” começou?

É engraçado porque estamos quase terminando a terceira temporada – ainda temos uns 4 ou cinco episódios – e eu tive de ficar indo e voltando com essa personalidade feroz e o com a de  “por favor, me ajude, sou um animal ferido” que não sabe o que quer. Eles me perguntam que tipo de coisas eu gostaria de fazer como personagem, e eu não consigo decidir se quero furar os olhos de um grupo de pessoas e cortar suas gargantas ou só me encolher e chorar, porque ambos são muito divertidos.

Acho que Daryl e Carol se tornaram mais próximos nessa última temporada do que qualquer outro no grupo. Me diga um pouco sobre seu relacionamento com Melissa McBride.

Eu adroro Melissa. Ela é uma das minhas atrizes favoritas na série. É uma ótima atriz e ela tem tanta coisa dentro dela que pode só abrir os olhos e te olhar e te ouvir e sai tanta coisa dela. Eu tive muita sorte com o fato de ter muitas cenas com Melissa – cenas privadas. É só questão de sorte, eu acho. Ambos os personagens são muito similares – eles são pessoas machucadas gravitando na direção de pessoas machucadas – mas eu amo Melissa. Ela é uma das minhas amigas mais queridas e é incrível assistí-la. Ela é realmente magnífica.

Alguma dica que você possa nos dar sobre o que podemos esperar para Daryl na Terceira temporada?

Rick meio que se tornou o irmão que Merle não era. Então agora que Merle está de volta, há muito confronto. Muitas balas. Muitas mortes. Há uma ferocidade nessa temporada que não havia nas duas primeiras. A primeira foi meio que uma introdução. Na segunda, nós tratávamos os zumbis como se nos aterrorizassem. Na terceira temporada é como uma praga. É como uma infestação de homens gigantes  que comem ratos. Todo mundo está puto. Então o comportamento de todo mundo é diferente nessa temporada, e todos estão de saco cheio. É um animal novo esse ano.

Esse filminho que você fez com Sean Patrick Flanery e Troy Duff se tornou um enorme clássico cult. Você ainda escuta as pessoas te dizerem que “The Boondock Saints” é o filme favorito delas? Elas pedem pra ver suas mãos, pra checar se as tatuagens estão lá?

Todos os dias. Todos os dias, o dia inteiro. (Risos) Eu fiz a turnê USO com Sean. Nós conhecemos as tropas em Dubai e Bahrain e Djibouti e Etiópia, e ter todas aquelas pessoas, que são completamente demais, e adoram o filme, e sabem todas as falas, é bem humilhante. O tempo todo eu tenho policiais e bombeiros me dizendo que aquele é seu filme favorito.

Eu lembro de conversar com Willem Dafoe, há muito tempo atrás, e ele disse: “Tudo que eu sempre quis foi ser um ótimo ator de filmes cult”, e eu fiquei tipo: “O que diabos ele está dizendo? O que isso significa?”. E então eu descobri as legiões de fãs que vêm com filmes cult. É bem incrível. Eu agradeço a minhas estrelas todos os dias por Troy ter me dado aquele papel.

Obviamente você ama esse filme até hoje. Você ainda não está cansado de falar sobre ele?

Nem, cara. Eu amo aquele filme. Uma coisa é fazer um grande filme e ter a promoção de cada mídia do planeta e ter comerciais. Mas nós fizemos esse pequeno filme e não tivemos nada disso. Não tivemos propaganda e publicidade nenhuma. Foi passado pra frente de boca em boca e se tornou o que é hoje. E, você sabe, isso nunca acontece. Isso é mais legal do que estar naquele filme que foi promovido até dizer chega e não fez efeito nenhum. É um prestígio muito maior pra mim. É meio que o filme das pessoas e eu estou super orgulhoso disso.

Você fez alguns filmes que estão pra ser lançados e sobre os quais as pessoas estão bastante excitadas. Em “Sunlight Jr.” você pôde trabalhar com Naomi Watts e Laurie Collyer. Como foi essa experiência pra você?

Sim, e Matt Dillon também. Você sabe, Laurie é ótima. Eu conheci Laurie em Little Italy, em Nova Iorque, numa esquina perto do meu apartamento e me apaixonei por ela. Foi tipo “Eu faço qualquer coisa que você quiser fazer”. Ela é uma mulher muito forte e com visão. Eu me sentei com ela e ela usava uma camiseta de punk rock e eu pensei “Quem é essa garota?”. Eu me apaixonei completamente por ela.

Esse filme? Eu sou o cara mais fodido, em todos os sentidos, nesse filme. Acho que minha primeira fala em “Sunlight Jr.” era com Naomi e eu dizia “Posso sentir o cheiro da sua vagina pelo vidro”. (Risos) Todos os dias eu falava: “Me desculpe. Sinto muito. Sinto muito por amanhã.” (Risos) Vai ser interessante.

Essa é sua frase de Hannibal Lecter.

Eu sei, certo? (Risos)Eu sou todo o tipo de lixo branco naquele filme. Mas não como Daryl. Sou como “lixo branco da cidade”. Mais um lixo branco usuário de metanfetamina. Uso a camiseta e a corrente enorme de ouro. Uso chinelos com meias. Essa coisa toda.

Então você saiu de “Sunlight Jr.” e foi para “Pawn Shop Chronicles”, que é mais uma comédia de ação. Isso significa que o veremos fazer um pouco de comédia também?

Bem ,o interessante nesse filme é que você tem que procurar por mim. Eu decidi que eu queria que as pessoas me vissem nesse filme e ficassem com cara de “Foi só isso?”. Eles ficavam pedindo “Podemos ver um pouco mais seu rosto?” e eu dizia “Não. Nem um pouco” .Vai ser uma daquelas participações especiais super divertidas de se assistir.

Mesmo naquele filme, com todas aquelas estrelas… Eu estava na Flórida, fazendo esse filme e tudo o que eu queria era voltar para a Georgia e ser Daryl Dixon de novo. Então, meu coração está realmente em Daryl Dixon.

 


Fonte: IFC

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA