Siga-nos nas redes sociais

2ª Temporada

Lauren Cohan Tem Momento Vigoroso em The Walking Dead

Publicado há

 

em

Depois de participar de “Supernatural”, “Chuck” e “The Vampire Diaries”, Lauren Cohan (Maggie) não estranha a afinidade que têm com algumas séries fictícias que envolvem elementos sobrenaturais.

“Eu não estava tão antenada em zumbis, por si só,” disse a atriz. “Mas eu definitivamente entendo e respeito, como as pessoas os levam a sério. E o que eu acho mais emocionante sobre “The Walking Dead” é que não é apenas sobre os zumbis,” disse Cohan. “Não é somente sobre a parte obscura. É uma história tão profunda envolvendo os personagens e como viver neste tipo de mundo nos faz mais humano ou menos.”

Cohan se juntou ao elenco de “The Walking Dead” nesta semana. Ela interpreta Maggie, filha de um fazendeiro em Georgia, que encontra os sobreviventes depois do êxodo da infestação zumbi em Atlanta.

“Ela vem de uma formação cristã,” Cohan disse sobre sua personagem. “Ela não foi tão exposta aos zumbis. Ela não foi muito exposta na verdade ao mundo fora do que ela vive.”

Cohan, por outro lado, tem estado fora, deixou sua cidade natal Nova Jersey pela cidade natal de sua mãe na Grã-Bretanha quando criança e retornou aos Estados Unidos com 22 anos.

Quanto ao apelo duradouro dos zumbis, “A única coisa que posso relacionar a isso é fantasiosa. Quando eu li um livro que leva algo muito ao extremo e trata isso naturalmente, é uma realidade alternativa emocionante.”

Neste momento, a realidade de Cohan envolve filmar aproximadamente 50 minutos fora de Atlanta. “Em uma cidade muito pequena. É tipo um ajuste… Você nem nota que você é uma pessoa urbana até você não viver em um local diferente do seu por 6 meses. Mas eu gosto muito do sul,” e coincidentemente passou um tempo morando com os avós em Columbus, Georgia, quando criança, disse ela.

E também tem o sotaque.

Ela está dividindo o desafio com outro ator de The Walking Dead, Andrew Lincoln, nascido em Londres (“o sotaque dele é mais britânico que o meu”) e tem trabalhado com um treinador de dialeto em Los Angeles.

“Tem sido muito bom ter Andy por perto. Algumas vezes eu fico tipo, “Andy, como o som “O” fica mesmo?” disse ela, adicionando que eles tentam ficar no dialeto enquanto estão no set.

Desse modo, “você nunca esquece que está atuando, é divertido.”


Fonte: Kansas City
Tradução: Laila Pezzin / Staff WalkingDeadBr

Publicidade
Comentários

EM ALTA