Siga-nos nas redes sociais

2ª Temporada

Greg Nicotero Fala Sobre o Horripilante Zumbi do Poço

Publicado há

em

Como 2011 está chegando ao fim, o site EW.com gostaria de elogiar alguns dos nomes e rostos que trabalham duro por trás das câmeras por suas excelentes realizações. O designer de maquiagem, Greg Nicotero, é inquestionavelmente o herói fora das telas do megahit do canal AMC, The Walking Dead, por ser ele e seu time, o Grupo KNB Efx, responsáveis pelas hordas horrendas de mortos-vivos sangrentos. Nenhum walker se sobressaiu mais na segunda temporada de Walking Dead que a criatura inchada que nossos heróis encontraram à espreita no fundo de um poço, no episódio 2×04 – “Cherokee Rose”. Deixemos que Nicotero nos conduza através da construção — e destruição — do zumbi mais valioso desta temporada.

Como contado por: Greg Nicotero

Logo que eles abriram a sala dos escritores, no início da segunda temporada, eles disseram “nós queremos fazer uma excursão”. E eu disse “Sim! Vocês deveriam trazer todos os caras para a KNB. Eles podem andar pela fábrica, ver o que estamos construindo, o que já construímos, talvez ter um pouco de inspiração”. Nós tínhamos várias coisas à mostra de outros filmes que havíamos feito. Nós tínhamos uma máscara que fizemos para Grindhouse desse cara infectado, muito inchado e aflito e nojento.

Eu recebi um telefonema duas horas depois que eles foram embora da fábrica. Eles disseram, “nós queremos fazer a seguinte ideia: um walker caiu dentro de um poço”. O poço estava cheio com 2,7 metros de água, e o walker simplesmente começaria a absorver e absorver todo o liquido de lá, até que ele ficaria completamente inchado e descolorido.

Nós tínhamos feito alguns corpos afogados falsos para filmes no passado. Uma das coisas que nós notamos – olhando algumas pesquisas de cadáveres e de necrotérios – é que tudo fica muito inchado. O liquido satura tanto a pele que ela incha e começa a partir. Essa era uma das coisas com a qual queríamos trabalhar. Nós pegamos um molde de corpo inteiro e um de cabeça e nós esculpimos todo o corpo do zero. Nós colocamos uma pele bem fina e depois apoiamos com silicone, então colocamos um traje de espuma por dentro. Entre o silicone e a espuma, nós colocamos balões de água. Então o líquido – o movimento do traje – transferiria quando o ator se movesse de um lado para o outro. Se nós o tivéssemos feito de espuma de latex, teria ficado duro. Mas nós utilizamos silicone que era fortemente plastificado — o que significa que o silicone era bem flexível. O traje provavelmente pesava em torno de 30 kg.

Brian Hillard foi o ator. O Brian na verdade trabalha na KNB. Originalmente, nós havíamos escalado um cara diferente para interpretar o papel, mas ele ficou doente. Eu precisava de alguém que soubesse atuar e que também tivesse muita resistência, porque nós estávamos filmando em Atlanta no final de julho. Silicone não tem estrutura celular, como a espuma tem. Ele não respira. Então o Brian estava basicamente encarcerado em um traje molhado de 30 kg. Cada parte do seu corpo estava coberto. Ele tinha próteses no rosto, nas mãos, nas pernas e nos pés. Tudo estava colado. Não era como se pudéssemos tirá-lo de dentro da roupa entre cada tomada. Ele estava dentro.

Nós filmamos essa sequência em dois dias. No primeiro dia nós filmamos o interior do poço. (O designer de produção) Greg Melton construiu um muro de poço de 12 metros de altura. A base dele estava dentro de uma piscina. Nós podíamos abrir a porta, colocar o ator zumbi lá dentro, e então fechar a porta. A câmera filmaria para baixo.

Quando nós chegamos no exterior, eles construíram a borda do poço com 2 metros de profundidade. Nós colocamos lodo e KY em uma tábua e nós deitamos Brian nessa tábua. No “ação”, nós o puxamos para fora e ele deslizou para cima e para fora da borda. Foi um desafio fazer com que todas as partes ficassem prontas dentro de uma programação para televisão. Normalmente, nós levaríamos alguns meses para construir isto. Eu acho que nós acabamos construindo tudo em, mais ou menos, quatro semanas.

Quando os personagens o puxam para fora da borda, ele fica preso, e ele está tão cheio de liquido que ele se parte como um balão d’água. Nós tínhamos um segundo traje que era equipado com pernas falsas e um tronco falso. Nós prendemos as pernas à borda do poço. Então nós lotamos o toso com diferentes sacos de sangue, preenchidos com líquidos viscosos preto, verde, vermelho e marrom. Então nós colocamos algumas entranhas e algumas vísceras lá. Nós queríamos que ele fosse uma explosão nojenta de sangue.

Para a separação, (o coordenador de efeitos especiais) Darrell Pritchett colocou alguns explosivos lá, porque nós queríamos que todos os sacos explodissem simultaneamente. No “ação” minha equipe de efeitos visuais puxou a parte de cima do corpo e a equipe de efeitos físicos explodiu os sacos. Então os caras dos efeitos especiais foram e adicionaram aqueles ramos de intestinos esticados e rasgados.

Nós filmamos as pernas caindo de volta no poço no set. Eu aprendi nos meus anos de experiência que pernas de borracha bóiam. Então nós compramos pesos de chumbo em uma loja de ferramentas. Nós prendemos os pesos às pernas para que as pernas caíssem, e quando elas chegassem à água, elas afundassem. Nós adicionamos algo em torno de 36kg às pernas. Então nós tínhamos todo aquele sangue falso, e sangue de zumbi e todos os líquidos de cores diferentes em baldes.

No “ação!” nós soltamos as pernas, e despejamos os baldes de líquido após as pernas. Eu acho que nós despejamos de 12 a 15 galões de entranhas naquele poço. O difícil foi a Tomada 2, porque então as pernas não só estavam pesadas, mas também molhadas e escorregadias. E nós tivemos que carregá-las por todo o caminho até o andaime, de 12 metros de altura, encher os baldes com os líquidos e despejá-los. Eu quero dizer que nós gravamos quatro tomadas dessa cena.

Eu tenho uma equipe permanente com outros três caras. Nós usamos muitos talentos locais em Atlanta, mas a equipe principal é literalmente eu e mais três caras. E eu tenho que dirigir a segunda unidade grande parte do tempo. É certamente um tributo à minha equipe, o que nós conseguimos realizar. KNB existe desde 1988, e uma das coisas das quais eu sou mais orgulhoso é que nós somos capazes de trazer uma sensibilidade cinematográfica para Walking Dead.


Fonte: EW
Tradução: @LinaDeff / Staff WalkingDeadBr

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA