Siga-nos nas redes sociais

Entrevista

Gale Hurd fala sobre 2ª Temporada e Curiosidades da 1ª

Publicado há

em

A primeira temporada de The Walking Dead da AMC terminou durante o fim de semana passado, estabelecendo recordes de avaliações da TV a cabo pelo final explosivo.

Com o sucesso – “The Walking Dead” foi renovada para uma segunda temporada muito cedo na sua jornada – vem o tipo de boatos de notícias que poderiam ser normalmente comparada com séries como “Glee” ou “American Idol”.

“Charlie Sheen vai virar um zumbi! Frank Darabont demitiu toda a equipe de roteiristas!”.

Conversamos com a produtora Gale Anne Hurd ontem sobre como terminou a primeira temporada de The Walking Dead, planos para a segunda temporada e sobre aqueles boatos amplamente divulgados. Quando chegamos a segunda temporada, Hurd é bem pouco clara, o que faz sentido pois os 13 novos episódios não começarão a ser escritos até o próximo mês. Contudo, a veterana de “Aliens” e “O Exterminador do Futuro” é mais do que feliz ao esclarecer dúvidas sobre os comedores de cérebro protagonistas de “Two And a Half Man” e um possível apocalipse de roteiristas.

HitFix: Parabéns pela temporada e para as avaliações, que estiveram bastante claramente além das expectativas. Houve alguma vez conversações antes da estréia sobre o que a AMC esperava ou desejava?

Gale Anne Hurd: Algum número? Não. Não mesmo. Não penso que essa é a forma que AMC aproxima coisas e certamente não é a forma que Frank [Darabont], Robert [Kirkman] e eu vemos isso. Foi sempre “Vamos fazer o programa o melhor possível. A AMC tem um baita departamento de marketing e promoções. Portanto vai assegurar-se que estamos fazendo um programa que todos nós como fãs queremos ver”.

HitFix: A temporada que fizeram foi de apenas seis episódios, que não é normalmente o jeito que as redes de tv, ou mesmo tv a cabo trabalham nos Estados Unidos. Como você aproximou os objetivos desses seis episódios na introdução da série?

GH: Bom, o seriado “Breaking Bad” teve uma primeira estação curta também, mas quisemos estabelecer os personagens. Quisemos estabelecer o mundo do apocalipse pós-zumbi e sabíamos que partiríamos com personagens que saem na sua busca para encontrar algum lugar seguro.

HitFix: Mas “Breaking Bad” foi uma temporada encurtada por problemas relacionados à greve. Vocês de fato sabiam que só teriam seis episódios para trabalhar…

GH: Certo, houve a greve de escritores, mas penso porque AMC teve o êxito com isto, apesar do que houve, seis episódios fizeram sentido, até porque não tivemos farol verde até março e para fazer ir ao ar até outubro, ia ser muito difícil de desenvolver 13 roteiros, enquanto Frank dirigia o piloto e isto começou a rodar já no dia primeiro, ou dia 2 de junho.

HitFix: Como você descreveria o modo que os personagens foram deixados? O CDC foi um ponto da esperança deles. Ele foi deixado para trás e isso foi relativamente cedo.

GH: Penso que o episódio final é realmente sobre a conexão entre a esperança e desespero. Rick, certamente, é ainda um líder. Ele ainda tem a esperança para ele e para a sua família, mas todo o mundo que sobreviveu tem momentos de desespero. Eu acho que isso é parte e parcela da condição humana, que é ampliada em qualquer espécie da catástrofe, natural ou de outra forma. Mas acho que sempre há esperança. Há esperança que a sociedade humana pode reagrupar e construir algo e que eles encontrarão um porto seguro. Com o CDC, foi realmente sobre os nossos personagens em Atlanta, para que fosse o lugar você iria esperar encontrar respostas sobre a catástrofe.

Em vez disso eles terminam é com ainda mais perguntas, poucas respostas – que isso foi global – e eles saíram imaginado se ainda há alguém em qualquer lugar que ainda esteja trabalhando em uma cura. Como Robert Kirkman está escrevendo a série de HQs que nunca termina, ele não tem um ponto final onde tudo é esclarecido, portanto penso que esta é a forma que estamos nos aproximando também. É uma viagem, tanto uma viagem física, como uma viagem de caráter.

HitFix: Você mencionou a determinada viagem de Kirkman e penso que um número de pessoas ficou surpresa, não necessariamente de uma maneira ruim, em como muito rapidamente vocês deixaram as histórias de Kirkman para trás e seguiram de sua maneira própria. Foi sempre esse o plano?

GH: Bem, Kirkman é um parceiro cheio em tudo isto, em cada discussão prevendo os seis primeiros episódios, e ele quis ser capaz de surpreender bastante fãs que pensam que sabem aonde as coisas estão indo, que sabem exatamente quando algo está indo acontecer – um determinado evento. Mas então você também somente tem de adaptar o material subjacente de um meio diferente e um público diferente, que fica sobreposto ao público das HQs, mas não é somente exclusivo para eles. Foi algo que foi planejado do muito começo quando percebemos que estávamos indo à série.

HitFix: Mas há ainda as partes da narrativa de Kirkman com que vocês estão esperando ir ao encontro novamente depois?

GH: A nossa intenção sempre tinha sido seguir o caminho que os quadrinhos inflamaram, fazer voltas do caminho, mas sempre recomeçar em algum ponto.

HitFix: Algum ponto específico de recomeço que você visa para a Segunda Temporada que você queira compartilhar?

GH: Não, não faço. Mas, boa tentativa.

HitFix: E quando o fez lançaram a AMC em que a Segunda Temporada será?

GH: Não lançamos a segunda temporada ainda

HitFix: Hum. Você ficou surpresa, não é algo que a rede iria querer?

GH: Não houve tempo. Adquirimo-nos a nossa aceleração depois que o segundo episódio foi ao ar. Estávamos muito ocupados na pós-produção. Portanto estamos indo acertar algumas coisas no início de Janeiro.

HitFix: Vocês determinaram a estrutura e a história da segunda temporada, então?

GH: Estamos em discussões… Lá certamente terá… Penso que os fãs da HQ ficarão felizes com algumas escolhas que fizemos quanto a novos personagens e paradas ao longo do caminho.

HitFix: Hmmm… OK. Quão importante você diria que foi o cochicho de Jenner a Rick?

GH: Acho que é tão importante como “o Rick viu um piloto no helicóptero ou não?”

HitFix: Portanto será revisado mas talvez não imediatamente?

GH: Veremos. Veremos. Você tem de ter alguns desses ovos de Páscoa. Você tem de ter coisas que pessoas atentas notarão. Como a granada da mão que esteve no bolso de Rick quando ele chegou? Isto resulta ter sido suporte muito importante, um item muito importante o que Carol ainda tinha.

HitFix: Você decidiu não deixar coisas com uma história de suspense, por fim. Houve uma explosão, mas realmente não temos nenhuma dúvida quem sobreviveu ou não..

GH: Acho que foi importante colocar os personagens na estrada novamente. Sentimos que ele teria sido uma fraude para terminar em uma história de suspense. E, além disto, se por alguma razão não tivéssemos renovado, não teria sido um final espetacular para uma minissérie de 6 episódios.

HitFix: Então, você disse janeiro. Não é pra produção, certo?

GH: Oh, não. Nós ainda não temos o roteiro.

HitFix: Então janeiro pra começar a sentar com os escritores?

GH: Sim.

HitFix: Assim o que você pode me dizer, então, sobre todos os boatos que correm cerca de ter demitido todos os roteiristas?

GH: Eu não entendo! Não entendo o jornalismo onde ninguém tem de verificar as suas notícias ou falar com ninguém e algo é simplesmente publicado e a gente toma isso como verdade bíblica. Como não tivemos uma ordem de duas temporadas, todos dos escritores estavam aptos e realmente entraram e criaram outros projetos. Isto é o modo que se trabalha na televisão. Alguns pilotos tinham script e tivemos de esperar para ver se aqueles scripts foram escolhidos até o piloto. Isso tudo acontece em janeiro e há alguns que decidiram se afastar para correr com seus próprios projetos. Mas isto é normal. E com certeza voltarão escritores que estiveram na primeira temporada.

HitFix: Assim não houve nenhuma decisão unilateral tomada em qualquer lugar?

GH: Não!

HitFix: Eu segurei para escrever qualquer coisa a respeito porque tudo isso soou de uma maneira bastante nebulosa.

GH: É somente muito estranho. Você nota que ninguém foi citado na história original. Ninguém foi até contatado.

HitFix: E o plano ainda é ter um pessoal fixo, não a idéia especulada de todos freelancers?

GH: Sim. Sim! Essa idéia é bem fora do comum e realmente não sei onde a gente adquiriu essa informação, mas não foi de nenhum princípio.

HitFix: Sempre contentes ao esclarecer as coisas..

GH: Eu também fico feliz! É frustrante quando há desinformação lá fora isto é tomado como verdade.

HitFix: A história parecia sempre tão respeitável, então, estão chamando a história de criação ou sei lá o que de Andrew Lincoln.

GH: Oh, então é claramente legítimo. Isto é hilário. Esses são as coisas tenho o negócio. É hilário. Obrigado por avisar-me.

HitFix: Então nesse caso… Falando de desinformação… Charlie Sheen será zumbi na segunda temporada?

GH: É insano! Estou no Twitter e alguém me manda a mensagem “Diga que não é verdade”. Nós nem sabemos como é que os episódios serão, muito menos o elenco de zumbis. Certamente não é a nossa intenção fazer piruetas com o elenco de zumbis.

HitFix: Deixando de lado se Charlie Sheen é precipitado para ser o próximo zumbi, você tem alguma mudança na indústria em direção a este projeto? Houve o cuidado antes que agora poderia ter passado?

GH: A verdade é, de muito antes, a escrita do piloto de Frank foi tão forte, já houve um suporte incrível para ele. Agora penso que a conscientização é maior, que é sempre uma coisa boa, mas alguém que é familiar com o trabalho de Frank ou à excelente novela gráfica sabia que isto foi material para ser calculado. Ele ganhou o Eisner da Melhor Série de Continuação. Não penso que houve esta idéia que foi de alguma maneira de baixo orçamento. O gênero não é mais o modo que foi quando eu comecei na indústria, considerado algo que você fazia se você não pudesse trabalhar “em dramas sérios importantes”. Não penso que tivemos de superar quaisquer sensações pejorativas ou negativas a respeito. Os atores que foram escolhidos para ele foram de bastante alto-nivel e nomes conhecidos.

HitFix: Como o processo dos roteiros não começam até janeiro, presume-se que a AMC está esperando ter de volta a série durante outubro/Halloween do próximo ano?

GH: Estamos esperando o outono, mas será tudo dependendo de quão rápido conseguiremos levantar tudo.

HitFix: Se você tivesse as rédeas, a série estaria de volta mais cedo do que isto?

GH: Prefiro tê-la direito a rápido. Ou eu geralmente coloco assim, prefiro tê-la bem do que bem pra já. Penso que alguém que é um fã da série concordaria com isto.

HitFix: Sem preocupações com ímpetos ou algo assim?

GH: Você sabe, você realmente não pode se incomodar com isto. Olhem o número de anos que resultaram entre o primeiro “Exterminador do Futuro” e a continuação. Na minha história no negócio, não há a diminuição no interesse em algo que está bem e algo que lá é um desejo de ver. Pessoas esperam por séries que acabam logo na estréia.

HitFix: Você está planejando alguma abordagem diferente dos 13 episódios em relação aos 6 primeiros?

GH: Nós gostaríamos de ter alguns dias de durante o curso dos 13! É quente e úmido. É quente e úmido em Atlanta no verão. Foi o verdadeiro suor. Não foi o suor de maquilagem que os atores expunham na série. Eles conseguiram-no honestamente.

HitFix: E aqui pensei que Greg Nicotero também “suou” efeitos…

GH: Ele é capaz disto! Mas não precisamos dele. “The Walking Dead” voltará a AMC em 2011.

Fonte: HitFix

Tradução: Diego / Equipe WalkingDeadBr

Publicidade
Comentários

EM ALTA