Siga-nos nas redes sociais

Elenco

Entrevista com os Atores que dão “vida” aos Zumbis de TWD

Publicado há

em

O Popwatch divulgou uma notinha interessante com as entrevistas da Entertainment Weekly com elenco que dão “vida” aos zumbis de The Walking Dead. Confiram!

Vamos conhecer os zumbis que estrelam a capa dessa semana da Entertainment Weekly!

As pessoas tendem a conhecê-los bem antes de nós termos a intenção de colocá-los na capa da Entertainment Weekly. Ao lado da estrela do programa, Andrew Lincoln, o quarteto que aparece (em forma de zumbi) na edição dessa semana que celebra The Walking Dead, não é assim. “Um dos meus outros amigos zumbis do programa me enviou uma foto, e dizia algo como ‘Olha! Você está na capa!’”, disse Alyssa Courtney Gruhn (também conhecida como “zumbi do canto inferior direito da capa”). “Eu fiquei tipo ‘O queeeê?’” Veio do nada. Foi muito incrível.” O gerente de loja de disco, Charles Casey, foi similarmente surpreendido ao encontrar-se seguindo os passos de algumas estrelas como Johnny Depp, Angelina Jolie, Julia Roberts e, hm, o cão de Frasier. “Recebi um telefonema do meu chefe, que concorda com isso, e ele me informou que eu estaria na capa”, disse Casey, que é primeiro zumbi da esquerda. “Na verdade, eu trabalho próximo a Barnes & Noble, então eu informei ao meu amigo que trabalha lá, e ele trouxe todas as cópias que eles conseguiram essa semana. Tenho 15 delas na minha frente.”

Talvez nós podemos por pessoas não tão famosas nas nossas capas com mais frequência. Imagino todas as cópias extras que poderíamos vender! Entretanto, após os obstáculos, nossos quatro zumbis desconhecidos revelam como conseguiram papéis em Walking Dead, recordam os acontecimentos de Atlanta, e nos contam seus segredos de como interpretar um zumbi.

– SONYA THOMPSON –

Entertainment Weekly: Como você conseguiu esse trabalho em Walking Dead?
ST: Eu também fui uma zumbi em Zumbilândia, e a agência que fez o teste comigo disse “Ei, você foi escolhida para fazer um zumbi em The Walking Dead.” O trabalho veio daí. Eu frequentei a escola de zumbis, onde te ensinam como se mover e onde escolhem 20 zumbis principais para encenar.
EW: É preocupante o fato de você ter feito um zumbi duas vezes?
ST: Para mim, é como uma brincadeira. Porque eu também fui zumbi em Night of the Jackals, que é um pequeno projeto independente. Depois, eu fiz Zumbilândia, e, em Ben 10 (o filme), eu fui também um tipo de zumbi. Então, quando consegui um papel em Walking Dead, eu brinquei com o elenco, dizendo que eu estava me identificando com os papéis. (Risos)
EW: É verdade que você começou a receber convites para convenções?
ST: Fui convidada para a Atlanta Comic Con, que é na próxima semana, e também para uma convenção em Nebraska, que é em junho. Essa coisa de zumbi parece estar realmente funcionando pra mim.

– LARRY MAINLAND –

EW: Como você conseguiu esse trabalho em Walking Dead?
LM: Sou novo nisso tudo. The Walking Dead é a primeira coisa que eu já fiz. Um bom amigo meu disse “Você parece um zumbi sem nenhuma maquiagem. Você realmente deveria fazer isso.” E eu “Tá, caramba, obrigado.” Mas ele tinha conseguido um par extra de passagens e ele se divertiu fazendo isso. Então, eu disse para a minha mulher “Que diabos?”. Eu pus esse fato nas minhas informações, pensando que nunca aconteceria, e, dois minutos depois, recebi um telefonema. Era Greg Nicotero (surpevisor de efeitos de maquiagem de Walking Dead) e ele disse “Você é um dos que tem ‘A cara’”.
EW: Qual sua lembrança favorita do seriado?
LM: É uma lembrança geral. Eu estava fascinado sobre como Greg Nicotero e o pessoal do KNB eram bons, em nos maquiar e tudo mais. Frank Darabont (produtor executivo e diretor piloto de Walking Dead) é um homem incrivelmente ocupado. Mas ele para no meio de o que quer que seja que ele está fazendo para responder qualquer pergunta que você tenha, e tem um jeito próprio de ser amigável. E esse não é o jeito que eu pensei que diretores fossem. A maior lembrança? Todos temos as mesmas coisas. Eu moro aqui, mas foi um mês incrivelmente quente. Tínhamos um medidor de temperatura durante a cena do tanque que media 40° C. Acredito que, nessa cena, particularmente, eu estava vestindo um suéter. Estava tipo “Certo, quando disserem ‘Corta!’, nós começamos a nos despir da melhor maneira possível”. Porque estava quente.Mas isso nos deu uma aparência de zumbi, estou te dizendo. Então, funcionou bem.
EW: Qual é o segredo para interpretar um zumbi?
LM: Bem, o que Frank continuou nos falando foi: “Parem de tentar ser todo mundo que veem. Faça isso do seu jeito. Se eu vir uma multidão descendo a rua, não quero ver duas pessoas juntas. Porque, se todo mundo parecer igual, tenho que cortar e fazer tudo de novo”.
EW: Você está surpreso com o sucesso do programa?
LM: O programa se tornou um fenômeno. Acho que as pessoas principais sabiam que isso ia acontecer. Mas todos nós ficamos surpresos como isso está se saindo. E até mesmo conosco, estamos todos tipo: “Cara, essa parte passou rápido!”. Estamos surpresos que nos colocou na capa. Mas minha foto estava no Mercenário há duas semanas. Há um cara de aparência boa no meio (Joe Manganiello, de True Blood), e eu estou do lado direito dele. As pessoas tinham me dito que eu estava do lado direito, mas eu dizia “Não, eu sou o do meio!” (Risos)

– ALYSSA COURTNEY GRUHN –


EW: Como você conseguiu esse trabalho em Walking Dead?
ACG: Sou atriz, mas, na verdade, consegui o trabalho porque eu estava trabalhando em uma casa assombrada em Atlanta, chamada Netherworld. É uma das casas assombradas mais importantes do país, e o diretor de elenco mandou um e-mail para o proprietário dizendo “Diga para todos os seus empregados virem fazer um teste”. Então, eu fiz o teste e Greg Nicotero me amou. E eu o amei. Acho que ele é o cara mais legal que eu já conheci em toda a minha vida. Eu consegui estar em muitas coisas legais no programa. Foi realmente muito divertido.
EW: Você está em quais cenas?
ACG: Estou em muitas cenas de zumbis. Eu estava na primeira cena no tanque, mas só eu consegui realmente me ver, porque há muitos outros zumbis. Em Vatos, eu era o zumbi que atacou Ed na tenda, e, em seguida, estou na cena com Greg Nicotero quando ele está com Amy.
EW: Ed foi realmente a primeira pessoa a ser mordida nas telas, no programa inteiro, o que faz de você o primeiro zumbi assassino.
ACG: EU SOU O PRIMEIRO ZUMBI ASSASSINO!!! Nunca tinha pensado assim. É incrível. Acho que fui. Mas as pessoas estavam morrendo à direita e à esquerda nesse episódio. Foi louco.
EW: Qual o segredo para interpretar um zumbi?
ACG: Todo mudo tem seu próprio jeito. Eu gosto de deixar meus olhos focados no ambiente, mas não foco em algo particular. Então, é como se você tivesse um zumbi cego bem na sua frente. E você tem que tipo abrir sua boca um pouco, como se você fosse realmente estúpido, como se você não tivesse nada na cabeça. Basicamente, agir como um pateta é o que eu faço (Risos). E funciona!

– CHARLES CASEY –


EW: Como você conseguiu esse trabalho em Walking Dead?
CC: Eu gerencio uma loja de discos em Atlanta, chamada CD Warehouse. Eu leio os quadrinhos há uns poucos anos e, quando descobri que estavam vindo filmar aqui, enviei meu material e fui sortudo o bastante para conseguir entrar.
EW: Como foram as filmagens?
CC: Diferente do calor miserável, era um cenário dos sonhos. Como eu disse, tenho sido fã dos quadrinhos por um longo tempo. Eu amo todos os filmes de Darabont. Eu amo o trabalho de Greg Nicotero. Enquanto estive no estúdio, tive a chance de conhecer Chalie Adlard, que desenha os quadrinhos. Ele fez um zumbi conosco por dois dias. Eu conheci Robert Kirkman. Todo mundo foi muito simpático. Ainda não acredito que fui pago pra fazer isso.
EW: O quanto você apareceu no programa?
CC: Até agora, a maioria das cenas que eu fiz ou foram cortadas, ou você me vê em segundo plano. Ele basicamente diferenciaram os zumbis em níveis de maquiagem. Então, o nível ‘A’ levaria algo como uma hora, duas horas de trabalho. ‘B’ seria mais leve. ‘C’ seria uma máscara. E o episódio que vai ao ar nesse domingo, quando eles chegam ao CDC, foi o único dia que eu tive uma maquiagem de nível ‘A’. Então, eu espero que essa seja a semana em que vocês vão poder realmente ver minha cara.
EW: Independente disso, você está definitivamente na capa da nossa revista!
CC: Exato. É definitivamente um sonho virando realidade. Eu estava chateado no começo, quando as pessoas estavam pegando a capa da Fangoria e Rue Morgue. Agora que a capa saiu, eu fiquei tipo “Cara, graças a Deus que eu não tive nada disso!”
EW: É, pro inferno com esses caras! Então, qual é o segredo para interpretar um zumbi?
CC: Para mim, é, realmente, tentar realçar o trabalho com maquiagem que fizeram em mim. Eu tentei tirar minha motivação de ser um zumbi das feridas que eles me deram.
EW: Acho que essa é a técnica que Judi Dench usa também.
CC: Isso é o que temos em comum! Greg Nicotero nos deu conselhos realmente bons. Parecia simples, mas ele disse “Vão para um bar às duas ou três horas da manhã e assistam às pessoas tropeçarem. É como o que vamos fazer.”
EW: Robert Kirkman me disse que Nicotero está sempre chegando com razões de por que ele teve que interpretar, em particular, um zumbi característico.
CC: Definitivamente. Notei que ele se deu duas escolhas de papéis durante os dois últimos episódios! Não o culpo. Eu sei que, especialmente quando ele atacou Amy, havia muitas próteses pesadas que nunca tinham sido usadas antes. Obviamente, você não quer apunhalar um de nós nessa cena, ter de arruinar as próteses e ter que começar tudo de novo. Eu estava familiarizado com o modo de trabalhar de Nicotero, mas agora que eu o vi muitas vezes no estúdio, é realmente incrível como eu o vi surgir nos filmes. Ele estava em Um Drink para o Inferno em dois segundos. Ele apareceu em Bastardos Inglórios. Ele estava em Piranha. Pareceu com outros trabalhos dele, ele se põe em um determinado ponto. Mas ele definitivamente faz um zumbi incrível!

Tradução: Equipe WalkingDeadBr

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA