Siga-nos nas redes sociais

Entrevista

Entrevista com o Mestre da Maquiagem Greg Nicotero

The Walking Dead BR

Publicado há

em

Um homem, que ajudou a tornar The Walking Dead uma série fantástica, é o mestre da maquiagem de efeitos Greg Nicotero e sua empresa Grupo KNB EFX. Nicotero vem proporcionando efeitos de maquiagem especial por mais de 25 anos. Ele trabalhou em inúmeros filmes de terror com alguns dos melhores diretores de Hollywood, incluindo Sam Raimi e Quentin Tarantino. Antes de 2ª temporada de The Walking Dead, Greg dirigiu seis webisodes mostrando a origem da menina de bicicleta. Tive a oportunidade de falar com ele antes do evento Empire Spooky em maio. Alguns dos temas que discutimos incluindo quais foram algumas das primeiras influências de Greg, como a KNB se formou e se ele tem interesse em dirigir um filme algum dia.

Quais foram suas primeiras influências? Eu adorava os filmes de monstros da Universal quando eu estava crescendo. Essa foi uma das coisas mais influentes. Eu amo “Máquina do Tempo”. Eu amei “Guerra dos Mundos”. Em termos de pessoas e maquiagem, eu meio que fui apresentado para (Tom) Savini, Baker e Rick tipo o Rob Bottin do direito, tudo ao mesmo tempo em que todo mundo fez. Eu lembro de ter visto “Despertar dos Mortos” e “Sexta Feira 13”. Eu era um grande fã de Tom por causa da maneira como seu trabalho era utilizado em filmes. Foi surpreendente.

Como a KNB se formou? Nós começamos em 1988. O que aconteceu foi depois de “Evil Dead 2” eu, Howard (Berger) e Bob (Kurtzman) todos percebemos que nos complementavamos, que nossas habilidades eram perfeitamente adequada para nos fazer abrir uma empresa. Então, depois de trabalhar em Mark Shostrom do que realmente decidi que era uma boa idéia para apenas unir forças.

Você recentemente dirigiu um curta chamado “The United Talent Agency Monster” e alguns webisodes de The Walking Dead. Você tem algum desejo de dirigir um filme algum dia? Sim. Existem alguns projetos que eu estou interessado em fazer.

Quais foram seus trabalhos de maquiagem favoritos que você tenha feito? “Sin City” Eu diria, “Land of the Dead”, “The Walking Dead”. Todos aqueles que são realmente motivo de orgulho. “From Dusk Till Dawn”.

Estavam lá todos os efeitos em “Day of the Dead” ou outros filmes que você tenha feito foram cortados no final? Não, porque “Day of the Dead” foi sem classificação, tudo acabou no filme. Havia outros filmes onde o material foi cortado. Quando começamos, era 1988 que foi bem no final da cauda do gênero terror. Então, um monte de filmes que fizemos no final dos anos 80 e início dos anos 90 um monte de coisas foi cortada porque a MPAA estava realmente ciente da violência nos filmes. Então, coisas como “Halloween 5” e “Leatherface: The Texas Chainsaw Massacre III”, e um monte de coisas que fizemos foi cortada porque o conselho de classificação apenas disse: “De jeito nenhum”

O que os efeitos KNB fizeram para o filme “Boogie Nights” até que o efeito do órgão sexual masculino foi preocupado? Foi aquilo uma extensão ou um molde? Era que uma extensão ou um molde? Isso foi uma prótese inteira que Mark Wahlberg usava e era o que nos referimos agora como uma tampa de modéstia. Por isso, fizemos a peça e cobria toda a sua própria anatomia, mas nós usamos fotos de John Holmes e um par de outras fotos de diferentes atores para referência

Você fez o efeito dos cavalos em “The Cell”? Não, isso era de efeitos visuais.

Você fez a tala da mandíbula do Timothy Dalton no filme “Hot Fuzz”? Não, eu só ajudei Edgar (Wright) com algumas coisas lançando luz.

Como você veio com o design de “Splice”? Na verdade, nós trabalhamos com uma empresa de efeitos visuais em Vancouver com quem trabalhamos um pouco porque a maioria do trabalho de maquiagem foi digitalmente aumentada. Então, nós trabalhamos muito estreitamente com efeitos visuais para criar os personagens.

O que você mais gosta em seu trabalho? Oooo, uau. Acho que vendo as reações das pessoas para coisas que fazemos. Se eles riem ou saltam ou eles estão com medo ou eles vêm até mim em uma convenção com uma fotografia dele, ou que lhe perguntar como você fez o efeito, quando você os mantem intrigados sobre o processo. Eu amo essa parte dela. Eu amo estar no teatro e ter pessoas que vêm até mim depois e dizendo: “Meu Deus. Eu não tenho nenhuma idéia de como você fez isso. Foi realmente incrível. “Esse cenário todo acontece cada vez menos agora, porque agora todo mundo assume que tudo é feito digital para que eles realmente não entendam a arte que vai atrás do que fazemos, escultura, modelagem, pintura, trabalho de design, não há muito para isso. Isso é o que eu amo sobre o que fazemos.


Fonte: Examiner
Tradução: Andressa Oliveira / Staff WalkingDeadBr

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA