Siga-nos nas redes sociais

2ª Temporada

Robert Kirkman Vs. “The Walking Dead” (Parte 1)

Rafael Façanha

Publicado há

em

Em entrevista ao Comicbookresources, Robert Kirkman, revela curiosidades sobre a primeira temporada, comenta a segunda e acaba comparando a HQ com a série em diversos ângulos e planos futuros. Confiram!

Aviso: Spoilers da primeira temporada de “The Walking Dead” adiante.

O agente da lei Rick Grimes e seus companheiros sobreviventes ao apocalipse zumbi certamente viram dias mais ensolarados, mas para os fãs de ‘The Walinkg Dead’ as coisas nunca foram tão brilhantes.

Não apenas a série dos quadrinhos de  Robert Kirkman e Charlie Adlard continuou a ser impressa, mas a adaptação de televisão “The Walking Dead” estreou há menos de dois meses com o êxito mais crítico e comercial do que muitos tinham antecipado. Além das numerosas críticas positivas, a nova série AMC baseada nos populares quadrinhos também mantém a distinção de ser a série de televisão com maior audiência de qualquer rede de TV a cabo do ano. Obviamente, os mortos continuarão apodrecendo pelas telas de televisão ao redor do mundo durante algum tempo.

Com a primeira temporada de The Walking Dead sob nossos cintos, o CBR News procurou  o criador da série dos quadrinhos e produtor executivo de série de televisão Robert Kirkman para discutir a série, passado, presente e futuro. Na primeira metade da nossa entrevista especial de duas partes, Kirkman falou das suas sensações no êxito de The Walking Dead, o processo promocional extenuante, desvios do material da origem e como a sobrevivência contínua de Shane pode efetuar o futuro da série.

CBR News: Parabéns pela primeira temporada de sucesso, Robert. As pessoas em casa parecem estar gostando da série, as avaliações foram fenomenais e os comentários foram muitos também. Antes que a série começasse, sei que lhe perguntavam constantemente sobre como se sente para ver a sua criação criar vida, e você teve de dar a mesma resposta ‘surreal’. Agora que a primeira temporada acabou e a série realmente provou-se, tem aquele tipo de resposta de modificado para “aliviado”, de uma vez?

Robert Kirkman: Sabe, eu não sei. Acho até certo ponto que sou aliviado sem ter percebido que estava tenso e esperando que desse tudo certo. Dentro disso, eu quis que ele fosse buscado para uma segunda temporada e eu quis que fosse tudo bem, mas foi feito e esteve excelente. Não há realmente nada que você pudesse fazer para além disto. Eu tinha comigo que ninguém realmente pode explicar por que uma série de televisão tem sucesso: às vezes as coisas tornam-se populares e às vezes não. Eu sempre soube que eram más notícias fora de políticas que são implícitas em nossa série que é levada ao ar, portanto fui um pouco importunado sobre a matéria, e há somente tantas partes na televisão que nunca realmente me ocorreu para incomodar até em esperar por algum golpe. Eu meio que sentei e disse “Legal, eis aqui a série de TV”.

Mas vendo que é de fato tecnicamente o drama mais visto da TV a cabo, que você pode dizer de fato sobre isto, que é ridículo. O fato que esteve na capa do “Entertainment Wekly”  – realmente não acho que o termo “surreal” se aplique mais. Penso “estúpido” é a única coisa que faz sentido. [Risos] não sei. Esse foi um bom ano. Foi realmente louco.

CBR: Esta série esteve em sua vida durante os vários meses passados. Quando a série se desenvolvia, você teve alguma idéia quanto ela iria consumir de sua vida? Você tem viajado por todas as partes na produção da série – onde você estava em outubro, foi na França?

RK: Sim, a produção me pegou de surpresa. Disseram-me que eu ia ficar fazendo uma coisinha aqui e outra lá, e continuei recebendo ligações, “Ei Robert, você pode fazer isto? Ei Robert, você pode fazer aquilo?” Foi muito lisonjeante que AMC e a FOX Internacional pensaram em mim como alguém que eles podem por para material promocional, mas, diabos, se eu estiver alguma vez em um avião novamente, será demasiado logo! [Risos] Foi duro. Em outubro, eu viajava mais dias do que do que fui pra casa, que não passei muito com minha família. Mas isso terminou e fui capaz de realizar um pouco do trabalho ao longo do caminho, pois sou capaz de trabalhar em aviões. Mas vôos internacionais não são tão divertidos.

CBR: Bem, desse ponto de vista, você é provavelmente uma das poucas pessoas na Terra que não ficou chateada que a série não estará voltando tão breve.

RK: [Risos] Bem, é esquisito, porque para mim, já estou falando [com diretor, produtor e escritor Frank Darabont] sobre a segunda temporada. O trabalho na segunda temporada já está aí. Quando vejo as pessoas vindo com “Oh meu Deus, que tal uma segunda temporada?” Bem, estamos trabalhando nisso! Estamos trabalhando nisso tão rápido como podemos. Estamos afundando os joelhos nele. Não sei o que mais poderíamos fazer, a menos que fizéssemos um reality show e começássemos amanhã. Mas não, não há nenhum intervalo na televisão. Não acho que ele realmente começará a ficar louco até o fim do Natal, mas há chamadas de conferência e todas as espécies do material que ainda continua agora mesmo.

CBR: Vendo esta temporada passada especificamente, não deve ter sido uma surpresa pra ninguém que estava lendo o que tanto você como Frank Darabont vinham dizendo quanto as mudanças em relação ao material original: se houver uma história que parecer bacana e proveitosa mas está fora da linha dos quadrinhos, vocês irão explora-la, enquanto que regressam para o caminho depois. Houveram algumas dessas mudanças nesta temporada, como o Centro do Controle de Doença no final de temporada que é um dos maiores e o mais memorável. Aquele veio porque o CDC realmente existe em Atlanta, certo?

RK: Sim, isto é uma daquelas coisas Robert-sem-tempo-de-fazer-as-pesquisas-necessárias Kirkman. Fazer o quê? Quem se importa? [Risos] Mas foi definitivamente o Frank dizendo, “Ei, o CDC é em Atlanta,” e eu digo “Que?” Ele foi uma excelente adição à série. Tudo que divergiu do caminho das HQs foi ótimo. Houve trabalho de muito caráter que aconteceu nos dois últimos  episódios. Ao mesmo tempo, há ainda muitos pedaços que foram tirados diretamente dos quadrinhos. Ele irá continuar fazendo isto. Segunda temporada, que estamos traçando agora mesmo, sei que Frank falou publicamente da fazenda de Hershel. Mas sempre vai haver algo diferente na série. Às vezes bastante um pedacinho, e às vezes um pedação. Sempre estou reivindicando essas modificações, porque quero que a série seja algo que os fãs do quadrinho possam ver e serem surpreendidos. Como você disse, ninguém deve ter ficado surpreso se eles leram as minhas entrevistas. Esperamos que agora eles acreditarão em mim! Fui muito duro. Eu sou o cara da sala que procura mais mudanças. Eu sou o tipo que diz “Eu não me importo, mate o Rick agora! Isso será muito louco!” Eu só quero que a série seja grande e empolgante. Eu não me importo de verdade se ela é uma cópia carbonada dos quadrinhos. Mas não quero assustar ninguém, também. Eu acho que a primeira temporada é um exemplo perfeito do que está por vir.

CBR: Com certeza aquilo é material trazido diretamente dos quadrinhos. Você pegou seu material mesmo ao escrever o episódio 4,  “Vatos”, quando os errantes atacam o campo dos sobreviventes – isto é direto dos primeiros capítulos de ‘The Walking Dead’. Você que está gostando tanto das mudanças é capaz de apreciar quando os quadrinhos são traduzidos tão fielmente para a série televisiva?

RK: Acho que há um pouco de sentimento de realização ao ver cenas que escrevi nos quadrinhos aparecerem na série.  Isso é nítido. Mas para mim, como escritor, é maçante pra caramba escrever uma cena que já escrevi. Se eu acabar tendo tempo de trabalhar na segunda temporada, estarei me esforçando para conseguir episódios que são amplamente diferentes do que aconteceu nos quadrinhos, somente porque será mais prazeroso para mim escrever algo novo. Definitivamente gostei de escrever a cena de ataque ao acampamento, e eu quis fazê-lo tão diferente enquanto possível, mas ele terminou sendo do mesmo jeito.

CBR: A um grau, sim, mas o jeito que foi a morte e subseqüente retorno da Amy tratado pelo grupo foi certamente um pouco diferente. Deve ser um privilégio em ser um membro da série – mesmo se você morrer, talvez você possa voltar para uma cena caótica no próximo episódio.

RK: Sim, isto é bem agradável. [Risos] Estou certo que vai ter algum ator ao longo do tempo que todo mundo vai querer que ele acabe voltando por algum motivo para encadear um zumbi e ficar com eles pra sempre. “Oh merda, não lemos o contrato daquele ator – precisamos dele para mais sete episódios!” [Risos]

CBR: Voltando ao novo material, você tem algum personagem favorito das mudanças em relação à HQ?

RK: A adição de Merle e Daryl Dixon, no geral, eu gostei da adição desses dois personagens à série. Amo o fato que Merle ainda está lá fora e ninguém sabe onde ele realmente está ou o que ele está fazendo ou se ele está vivo ou se está morto. E Daryl, ele acrescentou de uma forma dinamicamente interessante. Ele é o tipo que veio e acrescentou mais do conflito que na HQ temos entre Rick e Shane. Ele é um grau mais extremo. Veio numa boa hora.

Tem todos os tipos de pequenas adições, como a cena onde Amy voltou à vida. Foi uma parte realmente grande e memorável da televisão que não esteve nos quadrinhos. A qualquer hora lá é algo assim onde estou dando um pontapé em mim mesmo que digo, “Que coisa, eu devia ter feito isso!” aqueles são realmente bons momentos – e por sorte, houveram vários deles na temporada.

Você sabe, ele é realmente divertido voltar e ver os personagens novamente. É legal ver o Glenn quando era mais novo e não o personagem maduro que ele se tornou nos quadrinhos. É bem legal ver a série aparecer em conjunto, tendo em vista as primeiras fases de tudo, vendo Rick sentindo-se fora do caminho e tentar compreender o que ele vai fazer, ao contrário do Rick dos quadrinhos agora que é muito cabeça dura e faz o que ele pensa imediatamente. É bacana ver esses personagens agindo um bocado diferente [do modo que eles são atualmente escritos nos quadrinhos].

Uma das coisas mais legais pra mim é o fato que o Shane ainda esteja vivo e o quanto essas mudanças nas coisas quando elas vão avançando. A qualquer momento vamos à fazenda de Hershel ou algo assim, Shane não esteve lá nos quadrinhos, tão somente pelo formato, lançando uma mistura que vai modificar sensivelmente essas histórias. Há muito potencial de muitas coisas legais que as pessoas não estão esperando por conta disso. Isto é o material que encontro de mais empolgante sobre a série – somente a exploração das mudanças e a adição de diferentes camadas que os fãs da HQ não estão esperando.

Tradução: Diego / Equipe WalkingDeadBr

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA