Siga-nos nas redes sociais

3ª Temporada

Laurie Holden fala sobre os fãs hardcore e sobre a sobrevivência e a evolução de Andrea

Publicado há

em

Não é segredo que The Walking Dead está sendo um enorme sucesso para a AMC. A narrativa e o desenvolvimento dos personagens vem cativando fãs televisivos independente de seu gosto pelo horror. Rick Grimes e seu grupo sobreviveram a terrores inimagináveis. Um personagem que tem sofrido grande transformação pessoal é Andrea, interpretada por Laurie Holden.

Laurie sentou-se para conversar com o site Yahoo sobre a evolução de seu personagem, seu relacionamento com O Governador, e como os fãs de “Walking Dead” precisam dar um pouco mais de crédito a Andrea. Holden até deu algumas informações sobre o que esperar de seu personagem nesta temporada.

Seu personagem Andrea passou por uma transformação enorme desde o início da série até agora. Certamente o apocalipse zumbi faria isso com uma pessoa. Você está feliz com a forma que Andrea evoluiu desde que a série começou?

Oh, essa é uma pergunta complicada. Eu amo o fato de que na primeira temporada, meu personagem era alguém capaz de explorar totalmente a dor e honrar a narrativa de Robert Kirkman em termos de sua relação com Amy: o fato de ter passado por isso e o que significou. Eu adorei ter ido para a segunda temporada e poder explorar as muitas facetas da dor, porque elas são muitas. Há a irritação, a raiva, e isolamento. Como ela emergiu para ser durona no fim da segunda temporada foi ótimo.

A terceira temporada é muito interessante. Eu sei que muitos fãs estão um pouco assustados. Eu não os culpo. É um grande desvio da história da HQ e é algo que ninguém esperava. Havia esse amado personagem que Robert Kirkman criou e que os fãs estavam apoiando de verdade que acaba sendo separado do grupo. Agora há um personagem envolvido romanticamente com o vilão sociopata então, é claro, os fãs estão insultados. Eu entendo completamente. Haveria algo errado se eles não estivessem.

Ao te assistir sendo suicida em alguns episódios, todos nós questionávamos seu destino. Se você iria se matar ou não estava na mente de todos os fãs. O quanto você sabia sobre o que iria acontecer com seu personagem durante essa fase?

Eu sempre soube. Por isso que eu pude mergulhar de cabeça nessa situação. Eu não me interesso em interpretar a vítima. Eu gosto de histórias sobre sobreviventes. O que fez o personagem ser interessante para mim foi que ela era a vítima, estava deprimida, queria morrer; mas eu sabia que ela iria sair dessa. Eu amei o desenrolar dos fatos. Eu amei ver uma garota que perdeu tudo e não tinha razão para viver, que se restabeleceu e era tipo, “Quer saber, eu quero viver. Eu quero ser uma pessoa melhor e quero ajudar o grupo.” Essa é uma história que eu amo contar.

Andrea vem passando por muitas coisas desde que se separou do grupo. Se você se juntasse com Rick e os outros do time novamente, vocês teriam muito a conversar. Alguns do grupo não estão mais vivos. Quão difícil seria para Andrea?

Não há muito que ela não saiba. Primeiro, ela nem sabe nesse momento que Rick e o grupo estão vivos, muito menos onde eles estão. Então eu acho que qualquer contato com algum deles seria o melhor que poderia acontecer agora. Essa é a família dela, sua família apocalíptica. Então eu acho que ver ou saber que algum deles está vivo seria o maior presente do mundo.

Não há animosidade ou mágoas lá. É um mal entendido. Ela não sabe se foi deixada para trás ou abandonada ou se eles se separaram. Ela sabe que eles são boas pessoas. É tudo muito confuso e muito tempo se passou. Não é como se ela estivesse sentada em Woodbury dizendo, “É, todos os meus amigos estão logo ali.” Essa não é a situação. Então para todas essas pessoas que estão dizendo, “O que você está fazendo e por que você não está com eles?” Bem, eu não sei que eles estão vivos.

Você esteve em ótimas séries como “The X-Files” e “The Shield”(*), mas agora com o Twitter, você está conversando com os fãs sobre Andrea e a série. Como é ter uma resposta tão imediata dos fãs?

É muito singular. Primeiro, eu sou nova no Twitter. Então ainda estou tentando entender tudo. É uma bênção e uma maldição. Eu me sinto na defensiva sobre meu personagem porque eu realmente amo a Andrea, e nós dividimos o mesmo coração. Esse é um personagem que eu interpreto por três temporadas. Houve sangue, suor e lágrimas. Eu amo a minha família “Walking Dead”. Esse é o melhor trabalho que eu já tive. Quando as pessoas ficam tão chateadas com ela, é tão difícil para mim. Eu sei que o coração dela está no lugar certo. O público vê coisas que Andrea não vê. Andrea caminhou pelo nirvana e agora tem a chance de uma vida normal.

Nós veremos algum novo personagem se tornar parte do elenco principal?

Definitivamente.

Você pode nos contar qualquer coisa que acontecerá com Andrea ou na série no restante dessa temporada?

Bem, eu posso contar que o último episódio da primeira metade vai fazer as pessoas jogarem suas televisões para fora da janela. Eu estou quase me desculpando com o mundo porque não posso acreditar que nós estamos deixando-os assim. É quase cruel. Eu realmente não posso contar nada sem acabar contando a história. Mas posso dizer de novo que o coração dela (Andrea) é puro. A jornada é dura, mas ela não vai decepcionar.

(Laurie em Arquivo X)

(*) Em The X-Files (Arquivo X), seu personagem era a Marita Covarrubias, que apareceu pela primeira vez em 96, e continuou na série até 2002, mas com poucas aparições – 10 episódios ao todo. Já em The Shield (que não recebeu tradução, mas na tv brasileira era chamado de “The Shield – Acima da Lei”), Laurie interpretou a agente Olivia Murray, que participou de todos os episódios da sétima (e última) temporada.


Fonte: Yahoo
Tradução: Nat Price / Staff Walking Dead Brasil

Continue lendo
Publicidade
Comentários

EM ALTA