Siga-nos nas redes sociais

Destaque

The Walking Dead Enquete: Qual a sua jornada feminina preferida na quinta temporada?

Lidiane Fidelis

Publicado há

em

“Temos tantas mulheres prontas para viver o horror sem medo nesta temporada. Esta será a temporada das mulheres em The Walking Dead, declarou a produtora Gale Anne Hurd em outubro passado e isto de fato se confirmou, sendo visto o potencial e a importância das personagens femininas para a história da série.

Se nas duas primeiras temporadas elas precisaram ser protegidas, no atual momento do show, as mulheres sabem muito bem se virarem sozinhas e tiveram papel fundamental em todos os aspectos, encerrando a questão sobre as fortes e as fracas dentro do grupo.

Sendo assim, é válido olhar novamente para as habilidades e atitudes mostradas por elas na quinta temporada da série e que as fizeram ganhar confiança em si mesmas, dentro do grupo e com o líder, Rick Grimes (Andrew Lincoln).

BETH (Emily Kinney)

the-walking-dead-5-temporada-beth-greene-video

“Ele me atacou do mesmo jeito que atacou Joan e do mesmo jeito que você o deixou. Sabe disso e está deixando acontecer. Ninguém está vindo, Dawn. Ninguém! Vamos todos morrer e você vai deixar isso acontecer por nada!”

Pela primeira vez sozinha, Beth, que desde a quarta temporada apresentou um discernimento quanto ao seu potencial, precisou rapidamente usar de sua força, até então pouco explorada no show, para lidar com o desconhecido. Ela não se intimidou diante dos policiais, usando tudo e todos ao seu favor, o que facilitou a fuga de Noah (Tyler James Williams) e fez com que ela conseguisse salvar a vida de Carol (Melissa McBride). Dawn (Christinne Woods) reconheceu que a subestimou e Dr. Edward (Erik Jensen) passou a ser cauteloso com ela, após ver a sua reação ao perceber que foi usada pelo médico para causar uma morte. Ao contrário do que Daryl (Norman Reedus) disse a Maggie (Lauren Cohan) no celeiro: “Ela era durona. Só não sabia.”, no fim, Beth soube que era.

CAROL (Melissa McBride)

the-walking-dead-s05e13-melissa-mcbride-carol-entrevista

“Michonne te impediu. Ela acabou com você. Não contei das armas por precaução. Você não disse que quer tomar este lugar? E também diz que não quer mentir? Querido, não vai conseguir as duas coisas.”

A quarta temporada da série foi um prelúdio do que se tornaria Carol na última estação do show, que mostrou ela agindo rapidamente para derrubar o Terminus e facilitar a fuga de Rick e dos demais. Porém, mesmo estando na quinta temporada do show e diante de todo o potencial da personagem, o seu enredo voltou a girar em torno do trauma causado pelos abusos domésticos e o sofrimento pelos constantes fracassos no papel de mãe. A morte de Beth refletiu em Carol de forma que ela disse que era uma pessoa que não mais poderia se permitir sentir as perdas. Em Alexandria, Carol usou do artifício de “camuflagem” de sua personalidade e habilidades, passando uma imagem de inocente e fraca para se aproximar das pessoas e estudar a movimentação do local, furtando armas e aconselhando Rick, com uma visão voltada para a tomada do lugar, sua proteção e a do grupo.

MAGGIE (Lauren Cohan)

the-walking-dead-maggie-lider-hilltop-enquete-003

“Nunca achei que ela estivesse viva. Depois do papai, eu não sei se conseguiria. E descobrir que ela estava viva e que depois não estava, no mesmo dia, vê-la daquele jeito… Eu não sei se quero continuar lutando.”

Ao logo da quinta temporada, Maggie teve um enredo menor do que já havia sido visto na quarta temporada, sendo este um tratamento longe do que foi dado a ela nos confrontos com o Governador (David Morrissey). Esperava-se mais de Maggie na luta contra os canibais, mas ela foi mais uma espectadora assustada dos acontecimentos, além de novamente demonstrar o seu comportamento de facilmente desistir das pessoas e da esperança nelas. Porém, em Alexandria ela parece ter deixado fluir as palavras sábias, características da família Greene, usando isso a favor de Rick e deixando nascer um espírito de liderança.

MICHONNE (Danai Gurira)

the-walking-dead-5-temporada-finale-danai-gurira-michonne

“Não precisamos delas aqui. Acho que você pode achar uma forma. Nós podemos achar uma forma. E se não acharmos, ainda estarei com você. Algo vai acontecer. Só não faça algo acontecer.”

Michonne foi a personagem que cumpriu fielmente o que representa ser o braço direito de um líder, com o seu enredo na quinta temporada girando em torno desta posição ao lado de Rick. O bem estar dele foi sua maior preocupação após a fuga do Terminus, além de se dispor a ir resgatar Beth e Carol para que ele ficasse ao lado dos filhos. Em ação, foi a durona de sempre e tornou-se a voz da razão para Rick, de forma a mantê-lo equilibrado em suas decisões e atitudes, apesar de que algumas vezes Michonne precisou ir contra ele por ver o que seria melhor para o amigo e para o grupo. Mas, mesmo assim, foi mostrada que a amizade deles tem tamanha importância que Rick confessa a Michonne que omitiu a questão das armas por temer a repreensão dela, pois ela conseguiria fazê-lo mudar de opinião. O que se viu em resposta foi um verdadeiro ato de lealdade com Michonne dizendo que independente do que acontecesse continuaria ao lado dele.

ROSITA (Christian Serratos) 

the-walking-dead-episode-511-rosita-serratos-abraham-cudlitz-935

“Acho que devemos ficar aqui hoje. Nós demos sorte ontem. Estamos todos acabados, principalmente você. Talvez sempre tenhamos que parar, pois nunca nos recuperamos direito.”

Esta é uma personagem com uma história praticamente esquecida na quinta temporada da série. Novamente é vista a sua lealdade para com Abraham (Michael Cudlitz), suas habilidades com armas ou corpo a corpo. Porém, Rosita fez somente o que era preciso da personagem em cena, mas não com muitos diálogos, nem com o desenrolar de sua história, mas, pelo pouco apresentado, ela demonstrou disposta a ajudar o grupo usando de seus poucos conhecimentos médicos em Alexandria.

SASHA (Sonequa Martin-Green)

the-walking-dead-5-temporada-sasha-tristeza-desvantagem

“Eu não preciso de ajuda. Você não pode me ajudar. Ninguém! Noah… eu disse que ele não sobreviveria.”

Uma temporada inteira de dor e luto para a personagem estrategista, habilidosa com armas e com forte espírito de liderança. Sasha foi afetada por todas as perdas que o grupo sofreu, sendo atingida diretamente com as mortes de Bob (Lawrence Gilliard Jr.) e Tyresse (Chad Coleman), por ser uma espectadora impotente na morte de Beth ou corroída pela culpa nas palavras hostis ditas à Noah. Ela se permitiu passar pelo Transtorno Pós-Traumático (TPT), levando-a a tomar atitudes que colocou a ela e a todos em risco. Porém, foram em algumas destas situações, que Sasha demonstrou ser fundamental e a verdadeira sniper do grupo, buscando, posteriormente, ajuda para superar a sua depressão.

TARA (Alanna Masterson)

The-Walking-Dead-5-Temporada-S05E12-Tara-Glenn

“Você nunca está pronto até estar. Precisa começar a ajudar, como eu fiz. Nossa, você é mesmo tão covarde?”

Ela salvou a vida de Glenn (Steven Yeun) na quarta temporada e para Rick isso já foi o suficiente para torná-la membro da família e esquecer-se de que ela estava no lado oposto na queda da prisão. Tara foi tão carismática ao longo da quinta temporada que a tornou querida pelas suas atitudes ingênuas, como ficar bastante animada ao encontrar um brinquedo e ao nomear o grupo que seguia na missão para Washigton D.C., além suas falas irônicas e amizade com Eugene (Josh McDermit). A sua história já é conhecida desde a quarta temporada e na última estação apenas continuou a usar suas habilidades em prol do grupo, sendo madura nestes momentos e, ao mesmo tempo, bastante altruísta.

Diante desta retrospectiva, procurando deixar de lado a sua preferência pessoal por uma das personagens, participe da enquete e nos diga qual foi a sua jornada feminina preferida na quinta temporada? Deixe seus pensamentos nos comentários.

The Walking Dead, a história de drama mais assistida da TV a cabo, irá retornar com a sexta temporada em Outubro de 2015 na AMC e na FOX Brasil. O trailer da temporada, bem como a data oficial de lançamento, será divulgada durante a Comic Con de San Diego em Julho.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.

Continue lendo
Publicidade
Comentários

Destaque

CRÍTICA | The Walking Dead S10E17 – “Home Sweet Home”: O inimigo agora é outro

Home Sweet Home foi o 17º episódio da décima temporada de The Walking Dead. Veja a nossa crítica ao episódio e discuta conosco.

Avatar

Publicado há

em

Maggie, Cole e Elijah andando na floresta em imagem do 17º episódio da 10ª temporada de The Walking Dead

Atenção! Este conteúdo contém SPOILERS do décimo sétimo episódio, S10E17 – “Home Sweet Home”, da décima temporada de The Walking Dead. Caso ainda não tenha assistido, não continue. Você foi avisado!

Em um episódio com claras limitações de produção por conta das restrições impostas pela Covid-19, The Walking Dead retornou para os seis episódios extras que completarão o enredo da 10ª temporada. E o primeiro deles, “Home Sweet Home”, foca em Maggie, que busca companheiros de comunidade para retornar para Alexandria, seu antigo doce lar.

Quando a produção de The Walking Dead anunciou os capítulos 17 a 22, a primeira coisa que me veio à cabeça foi que a ideia de esticar a história serviria para amarrar algumas pontas soltas no enredo, fazer flashbacks e pouco introduzir à história. No entanto, a impressão que “Home Sweet Home” deixou foi outra, a de que um inimigo pode colocar em risco os sobreviventes de Alexandria. Além disso, o embate – direto ou não – entre Maggie e Negan promete ser um dos grandes temperos deste retorno.

Com um elenco reduzido, tomadas um pouco maiores que o habitual para completar o tempo do episódio e alguns objetivos, novos e velhos, pelo caminho – como a introdução dos novos sobreviventes à comunidade e a busca por Connie – The Walking Dead nos traz estes seis episódios para matarmos as saudades do nosso elenco e da nossa história tão queridos.

Presente e futuro

Interessante a estratégia da produção de The Walking Dead em dar sequência à história com “Home Sweet Home”, mesmo correndo o risco de mexer com algo que está por vir na 11ª e última temporada. Mesmo com novas aventuras à vista, algumas lembranças também apareceram na nossa tela, até para nos relembrar de onde paramos na história. Um exemplo ocorre logo no começo do capítulo, quando Judith e Maggie interagem e falam sobre Michonne. A Samurai está em busca de Rick após receber algumas pistas de que o xerife pode estar vivo e a dupla conversa sobre a reação de R.J. e o papel da irmã mais velha, que diz à criança que eles estão olhando para as mesmas estrelas à noite.

Este momento doce é interrompido pelo tão esperado reencontro entre Maggie e Negan. O ex-Salvador e assassino de Glenn esteve muito perto de morrer pelas mãos da Viúva, mas quando ela chegou à cela em Alexandria para vingar a morte do marido, o homem havia fugido. Depois descobrimos que ele estava em uma missão dada por Carol para matar Alpha e tentar pôr fim ao confronto contra os Sussurradores. A própria Carol admite para Maggie, em “Home Sweet Home”, que o encontro com Negan não ocorreu por causa dela. As consequências desta história são bastante esperadas. Não nos decepcione, produção!

LEIA TAMBÉM:
Quem morreu no 17º Episódio da 10ª Temporada de The Walking Dead?

Também somos lembrados sobre o triste destino de Hilltop, devastada pelo ataque dos Sussurradores. Maggie propôs levar os dois companheiros de viagem, Cole e Elijah, para o casarão, mas descobre que o lugar não existe mais e eles terão que ir para Alexandria junto com os outros sobreviventes. Cole é um personagem que chegou mostrando as caras, um sujeito que fala o que pensa e que, no capítulo, flertou com a inconveniência. A ver o comportamento do sujeito no porvir.

Elijah, por sua vez, tivemos a chance de conhecer no que seria o season finale da 10ª temporada, quando ele salva Gabriel da morte certa pelas mãos dos Sussurradores. Desta vez, conseguimos ver o rosto do rapaz, que em determinado momento parece sofrer ao chegar em certa localidade por, provavelmente, lembra-lo da irmã, que morreu. A conexão dele com Kelly parece ter sido imediata e é bom ficar de olho nessa nova amizade.

Por fim, a busca por Connie também deve mover nossos personagens. Kelly segue confiante de que a irmã está viva e Daryl parece ainda disposto a procurar pela amiga. Vale lembrar que ela se encontrou com Virgil após passar um tempo desaparecida. A irmã de Kelly foi soterrada junto com Magna depois da explosão de uma dinamite em uma jogada atrapalhada de Carol, que ainda estava perturbada pela morte de Henry, e voltou a aparecer no 16º episódio da 10ª temporada. O reencontro das irmãs (e de Connie com Daryl) também promete.

Novas histórias após Home Sweet Home

O que há muito todos nos perguntávamos, enfim foi respondido. Maggie esteve fora por todo este tempo ajudando outras comunidades com Georgie, mas, além disso, também passou um tempo com Hershel Rhee em uma casa isolada no litoral. A ideia da Viúva era tirar o sentimento de vingança de Negan da cabeça e, por isso, ela resolveu se afastar dos amigos.

No entanto, ela parece ter encontrado muitos obstáculos pelo caminho. Aqui é interessante notar que, mesmo que a personagem tenha ficado afastada da série por tanto tempo e, consequentemente, perdido tantos acontecimentos que nós acompanhamos, ela também passou pelos seus percalços, perdeu pessoas e encontrou uma nova família pelo caminho. Mesmo que não a tenhamos visto em tela, a personagem deixa claro que viveu suas experiências longe de Hilltop que a afetaram e ajudaram a se tornar a pessoa que é hoje.

No tempo em que esteve fora, Maggie perdeu muito. De longe ela soube da morte de pessoas próximas, como Jesus, Tara, Enid, do desaparecimento de Rick e, logo que voltou, soube da destruição de Hilltop. Isso tudo fez com que ela optasse por se afastar do ponto de encontro onde trocava correspondências com os amigos. Obviamente a estratégia de fugir dos problemas não deu certo e ela precisou voltar para ajudar a família a se reerguer.

Junto com a nova comunidade, Maggie traz na bagagem, também, um novo inimigo: os ceifadores. Pouco se sabe sobre as intenções ou o objetivo do grupo, que parece ser bastante violento, mas já tivemos a pista de que Maggie é o alvo. Quando o homem que atira nas sobreviventes da comunidade é encontrado, ele revela, antes de bancar o kamikaze, explodindo a si mesmo, que um tal de Papa marcou Maggie. Com certeza teremos momentos de tensão e perigo não só para ela, mas também para o pequeno Hershel e os sobreviventes de Alexandria.

Foi um capítulo que deixou uma série de boas impressões para o que vem por aí. Impossível não mencionar o calor no coração ao ver o filho de Maggie e Glenn são e salvo após estar em iminente perigo. E a semelhança do rapaz com o pai também impressiona! Curioso para saber como será a adaptação do jovem à Alexandria, onde ele deve encontrar novos amigos, como Judith, Gracie e R.J., e também deve dar de cara com o assassino de seu pai.

O que você achou de “Home Sweet Home”, e quais suas expectativas para os cinco episódios restantes? Deixe sua opinião nos comentários e vote na enquete abaixo!

Continue lendo

10ª Temporada

Trailer LEGENDADO dos episódios extras da 10ª temporada de The Walking Dead

Assista ao trailer dos episódios extras da 10ª temporada de The Walking Dead. Série retorna em 28 de Fevereiro!

Rafael Façanha

Publicado há

em

daryl armado em imagem dos episódios extras da 10ª temporada de The Walking Dead

The Walking Dead está se preparando para retornar com 6 episódios extras da 10ª temporada e a AMC acaba de divulgar o trailer oficial para aquecer a ansiedade dos fãs.

Os novos episódios vão focar em determinados grupos de personagens e prometem responder algumas perguntas em aberto, como onde Maggie estava, o passado de Negan e sobre os soldados que cercaram o grupo de Eugene no final do episódio “A Certain Doom”.

Assista ao trailer de The Walking Dead:

LEIA TAMBÉM:
Títulos e sinopses dos episódios extras da 10ª temporada de The Walking Dead

Nesses episódios extras, encontraremos nossos sobreviventes tentando se reerguer após a destruição que os Sussurradores deixaram para trás. Os anos de luta pesam sobre eles e os traumas do passado ressurgem, expondo seus lados mais vulneráveis. Ao questionarem o estado da humanidade, o estado de sua comunidade coletiva e o estado de suas mentes, eles encontrarão a força interior para perseverar com suas vidas, amizades e grupo intactos?

A 11ª temporada de The Walking Dead – que tem previsão de estreia para Outubro deste ano – será a última da série inspirada nos quadrinhos de Robert Kirkman. Para dar uma despedida digna e épica ao universo zumbi, serão exibidos 24 episódios nesta parte final da história, oito a mais em relação aos tradicionais 16 capítulos divididos em duas partes que nos acompanharam na maioria das temporadas.

The Walking Dead retorna em 28 de Fevereiro com o episódio “Home Sweet Home”.


Legenda por: Guilherme Catai / Equipe The Walking Dead BR

Continue lendo

Destaque

Anunciada data de retorno da 10ª temporada de The Walking Dead

Confira a data de estreia dos episódios extras da 10ª temporada de The Walking Dead. Série se encaminha para a reta final.

Rafael Façanha

Publicado há

em

A AMC divulgou através de uma nova leitura de roteiro a data de retorno da 10ª temporada de The Walking Dead. Por conta da pandemia de COVID-19, a temporada ganhou 6 episódios extras.

A 10ª temporada de The Walking Dead retorna em 28 de Fevereiro de 2021. Os seis episódios extras, até certo ponto, vão seguir um formato de antologia, focados em personagens individuais ou pequenos grupos de personagens.

Já sabemos que pelo menos um desses episódios vai explorar o passado de Negan, provavelmente mostrando partes da HQ “Here’s Negan”. A atriz Hilarie Burton, esposa de Jeffrey Dean Morgan (Negan), foi anunciada recentemente no papel de Lucille (a esposa do personagem).

The Walking Dead é uma história que começou há 10 anos com um homem tentando encontrar sua família. Essa família cresceu e gradualmente as comunidades tomaram forma. Eles lutaram e sobreviveram, prosperaram e deram origem a uma nova geração. É um conto sobre a humanidade e há mais histórias para contar.

Continue lendo

EM ALTA