Siga-nos nas redes sociais

3ª Temporada

Mazzara e Elenco Falam Sobre a Nova Temporada

Victoria Rodrigues

Publicado há

em

Para uma série de TV cujo principal antagonista serve de constante lembrança da crescente inevitabilidade da morte, “The Walking Dead” certamente está com pressa em surpreender sua audiência, pelo menos de acordo com o produtor Glen Mazzara. “Primeiro, já estamos empenhados na gravação, e segundo, as pessoas ficarão surpresas”, foi o que Mazzara disse dos primeiros cinco minutos da terceira temporada.

 

 

“A audiência terá de acompanhar e entender o que tudo isso significa. Assim, espero que fique misterioso e provocante o bastante para vocês, mas acredito que o público perceberá que estamos de volta com tudo.”

Mazzara diz sentir que a série, como um todo, desenvolveu uma espécie de movimentação contínua – aonde ela vai parar precisa ser menos explicado e explorado que aceito. “Acho que encontramos nosso ritmo, e estamos correndo e atirando nesta temporada – apenas acho que é o que funciona para nós”, ele disse. “E ela é sobre tomar uma atitude nesse mundo, e os personagens já se conhecem, e por isso não há mais debates sobre o que esse apocalipse significa. Agora a questão é ‘o que vamos fazer em relação a isso?’ Isso faz com que nossas personagens se tornem muito, muito ativas, e elas tomam decisões e nem todas essas decisões funcionam.”

A Prisão

No final da segunda temporada da série sobre o apocalipse zumbi, Rick Grimes (Andrew Lincoln), o líder não-oficial, e seu pequeno grupo de sobreviventes descobrem uma prisão abandonada – local que, de acordo com Mazzara, é perfeitamente adequado a alguns cenários dramáticos, principalmente porque ele e Gale Anne Hurd, produtora executiva, insistiram que ele fosse realista até os mínimos detalhes.

“Queríamos construir algo que parecesse o mais duro e realístico possível,” disse Mazzara. “Essa não é uma prisão lustrosa, brilhante e legal. Ela é assustadora, e parece real… e isso se encaixa muito bem na estética áspera que os fãs aprenderam a esperar de nossa série.”

“Aquela prisão tem um quê de casa mal-assombrada,” ele disse, indicando as possibilidades de narrativa a serem exploradas. “Há desafios dentro dessa prisão, que não é tão segura como todos pensam – diremos apenas isso – e isso envolverá sacrifícios.”

O Governador

No início deste ano, David Morrisey (“Instinto Selvagem2”) uniu-se ao elenco como o Governador, um personagem cuja presença na série é prenúncio de novos conflitos, o que se deve, e muito, à sua vil representação na HQ. Morrissey diz entender as razões de seu personagem, embora não concorde necessariamente com elas.

“Acho que ele acredita que suas ações são por uma boa causa. Algumas pessoas têm perguntado sobre ele ser mau, e não poder realmente interpretar isso. Eu certamente não posso – eu simpatizo com meu personagem, mas não tenho que concordar com ele, ou particularmente gostar dele, mas tenho de simpatizar com ele para compreender aquilo pelo que ele está passando.”

“Mas nós veremos – existem voltas e reviravoltas a acontecer,” Morrissey continua. “No momento estou gostando demais de interpretá-lo, embora não saiba o que isso diz sobre mim.” Enquanto isso, o ator revela que foi absorto pela HQ de “The Walking Dead” – e não apenas à procura de detalhes sobre seu personagem. “No começo, eu comecei a ler pensando, ‘é uma boa pesquisa,’ mas logo eu esqueci isso e apenas li como a grande história que é.”

Michonne

Morrissey não é a única novidade no elenco. Danai Gurira (“O Visitante”) foi encarregada de interpretar Michonne, uma sobrevivente durona e dona de uma katana cuja primeira aparição foi como um vulto encapuzado que arrasta consigo dois zumbis sem braços – *SPOILER*seu namorado e o melhor amigo dele, bem notável*SPOILER*. Gurira revela que foi muito excitante, entrar em uma série onde o desenvolvimento de sua personagem era mais misterioso que nos filmes nos quais trabalhara.

“Tenho trabalhado mais com filmes e teatro, então eu sei exatamente onde a personagem vai parar, e posso acertar precisamente o que esses momentos são,” ela diz. “Na série, você não sabe o que o próximo episódio trará para você. Então você se ajusta e se adapta constantemente – é como a vida. É empolgante quando o roteiro é excitante assim, o que é o dom da série.”

Embora note semelhanças entre ela e sua personagem, Gurira diz que tem focado seus esforços em delinear que eventos transformaram Michonne na mulher fortíssima que ela se tornou. “Acho que me incluo no estilo ‘garota durona’ em minha vida – em como ela ficou tão forte ,” disse Gurira. “É tudo sobre quem você seria em uma situação tão horrível. É essa questão sobre quem você se tornaria, então há uma lógica interessante sobre quem ela se torna baseada no mundo em que ela vive e no trauma que sofre. Quando você escolhe não ser a vítima em um mundo tão hostil, no que você se transforma? E, para mim, aquilo em que ela se transformou é incrivelmente lógico.”

Andrea

Laurie Holden, que interpreta a muito criticada Andrea, diz que o estendido arco de um personagem de série de TV lhe permite explorar o comportamento humano de um modo complexo e honesto, ainda que isso signifique, também, um modo menos simpático.

“Por ser uma série sobre a sobrevivência, ela explora o conceito de humanidade, e nem sempre você age da melhor maneira,” disse Holden. “Andrea era odiada no show – por um tempo, ela foi a personagem que o público mais queria ver devorada por zumbis. Mas você precisa confiar no processo, que você pode ir do suicídio ao fortalecimento, e na jornada através disso.”

“Em alguns momentos você é a personagem mais odiada da série, e em outros as pessoas estão torcendo e desejando que você saia da floresta,” ela observa. “Então isso é instável e um processo em constante mudança, e nós, como seres humanos, também estamos em constante mudança, eu acho.”

Sobre Matar Personagens

Em uma série onde a ameaça dos zumbis está em todo lugar, igualmente constante é a possibilidade de algum personagem ser vítima de um ataque dos mortos-vivos. Mazzara diz que, embora ele e os autores queiram manter o público na pontinha dos pés, eles não simplesmente detonam personagens para ser sensacionalistas.

“Isso é algo que levamos muito a sério,” ele insiste. “As pessoas ficam muito envolvidas com esses personagens, nós nos importamos com eles, por isso é difícil quando chamamos um ator e dizemos, ‘Desculpe, mas vamos ter de detonar seu personagem.’ Mas temos que fazer o que é melhor para a série, e as pessoas estão, sim, a par de que ninguém está seguro.”

“Há uma versão desse tipo de série que você assiste e diz, ‘Ah, eles não vão matar esse personagem – eles não fariam isso.’ Isso acontece muito na TV. Eu não acho que essa série seja assim. Acho que tomamos decisões ousadas e nós levamos isso muito a sério.”

Metáforas Zumbi

Não obstante sua crescente presença como um oponente físico, zumbis há muito servem de metáfora a temas maiores – o efeito entorpecente do comercialismo extremo, por exemplo, ou a manifestação física de forças culturais das quais as pessoas se sentem incapazes de escapar. Gurira admite basear-se, às vezes, em questões do mundo real para encontrar o fio da meada das motivações e do comportamento de sua personagem.

“Gosto de partir de um nível macroscópico, e então ir ao microscópico,” ela disse. “Às vezes isso faz com que tudo pareça mais familiar a mim. Uma das coisas que realmente me conectava ao mundo enquanto me preparava para meu teste, quando eu o estava assistindo, era o fato de ele me lembrar a zona de guerra liberiana, com a qual eu estava familiarizada pelas minhas pesquisas como dramaturga. Quando posso conectar isso a algo em minha própria humanidade, então posso trazê-la à dinâmica do papel.”

Embora pareça que há sempre mais monstros para representar os medos e preocupações da audiência na telinha, Holden acha que os zumbis têm um lugar especial em nossa cultura por oferecerem uma personificação física de preocupações intangíveis, permitindo aos espectadores simular uma fuga – ou mesmo destruir essas forças que os oprimem em suas próprias vidas. “Eu realmente acho que isto está no espírito de nossa época por causa dos problemas da economia,” disse Holden. “A razão pela qual isso é um fenômeno mundial é porque há pontos relevantes aqui, e estamos sobrevivendo.”

“Zumbis são uma metáfora para isso. São algo tangível no qual as pessoas podem se agarrar e é real. Estamos vivendo com tantas coisas incertas, então é divertido olhar para os zumbis e dizer, tudo bem, sabemos o que é isso – tem um rosto. E eu acho que as pessoas podem se identificar com os aspectos primitivos deles, pois acho que nós mesmos estamos meio que nos tornando primitivos.”

“A coisa está se desmanchando num nível universal,” ela reconhece. “E então temos esses zumbis fofos que são tão divertidos.”


Fonte: Indie Wire
Tradução: Marcelo Trouillet / Staff WalkingDeadBr

Continue lendo
Publicidade
Comentários

3ª Temporada

The Walking Dead volta a ser exibida pela Band

Vinícius Castro

Publicado há

em

Após um longo tempo fora da programação da TV aberta brasileira, The Walking Dead finalmente voltou à programação da Band. Desde segunda-feira, dia 06 de junho de 2016, o drama zumbi voltou a ser reexibido para o público que não tem a chance de acompanhar por serviços de streaming ou TV a cabo.

De acordo com afirmações da emissora, a exibição trará inicialmente apenas reprises da terceira temporada (definitivamente a mais controversa da série, que sofreu sob o comando do showrunner Glen Mazzara), e o horário é bastante curioso: serão exibições semanais (exceto fins de semana), sem um horário definido – basicamente na faixa entre meia-noite e 2h da manhã.

Exibida originalmente entre 2013 e 2014, a terceira temporada retorna com Rick (Andrew Lincoln) e seu grupo encontrando a prisão. Também introduz o Governador (David Morrissey) e sua cidade, Woodbury. A temporada destacou a introdução de Philip Blake e Michonne (Danai Gurira), e também o retorno de Merle (Michael Rooker), o irmão de Daryl (Norman Reedus).

carls3

Ainda não há informações se a emissora exibirá a quarta e quinta temporadas em sequência, então fiquem ligados para qualquer nova atualização aqui no site.

E então, o que achou desta iniciativa da Band? Irá acompanhar a reprise do terceiro ano? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

The Walking Dead, a história de drama mais assistida da TV a cabo, irá retornar com a sétima temporada em Outubro de 2016 na AMC e na FOX Brasil. O trailer da temporada, bem como a data oficial de lançamento, será divulgada durante a Comic Con de San Diego em Julho.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.

Continue lendo

3ª Temporada

Prédios da 3ª temporada de The Walking Dead estão a venda

Rafael Façanha

Publicado há

em

Não foi exatamente a volta ao lar que Rick e Carl esperavam. Ao retornar a King County, Georgia, juntamente com Michonne, pai e filho lembraram-se de como a vida era antes do apocalipse, e por mais agridoces que fossem aquelas memórias, nada se comparou ao reencontro de alguém do passado, vivo e respirando: um enlutado e enlouquecido Morgan.

O decimo segundo episodio da terceira temporada, “Clear”, é considerado um dos mais pungentes e poderosos episódios em The Walking Dead, mostrando uma performance comovente de Lennie James e uma atmosfera de cidade fantasma. A rua principal cercada por armadilhas se transformou em um set inesquecível, e agora você pode viver neste local onde tantos walkers foram mortos, uma vez que nove prédios do centro de Grantville, Georgia, e que serviram de locação para “Clear”, estão à venda no eBay.

Com um lance inicial de $680.000 – ou mais de 2 milhões de reais, na conversão feita pelo site de leilões – os prédios rústicos de Grantville estão sendo leiloados no eBay e serão vendido a quem fizer a maior oferta até o prazo final do leilão, em 26 de março. A CNN relata que, de acordo com o prefeito de Grantville quatro filmes serão rodados na cidade em um futuro próximo. O espaço ainda foi utilizado na gravação de outras produções, como “Os Infratores” e “Debi e Lóide 2″. Para saber mais informações, visite a conta do ebay ou a página oficial dos tours, que são oferecidos pela região.

FOTOS DE GRANTVILLE:

grantville-the-walking-dead-001

grantville-the-walking-dead-002

grantville-the-walking-dead-003

grantville-the-walking-dead-004

FOTOS DO EPISÓDIO “CLEAR”:

Você também pode comparar a aparência real de Grantville com a sua aparência durante as filmagens de “Clear” nas fotos abaixo:

the-walking-dead-clear-001

the-walking-dead-clear-002

the-walking-dead-clear-003

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.


Fonte: Daily Dead
Tradução: @Binapic / Staff Walking Dead Brasil

Continue lendo

3ª Temporada

Os 3 momentos mais frustrantes de The Walking Dead em 2013

Rafael Façanha

Publicado há

em

The Walking Dead é o maior e melhor seriado de TV na atualidade, mas, às vezes, ele nos enlouquece. Agora que 2013 se perdeu nas brumas, é um bom momento para relembrarmos os altos e baixos do ano. Já compartilhamos cinco dos melhores momentos de 2013 – que incluiu a segunda metade da terceira temporada e a primeira metade da quarta temporada. Temos apenas três “piores momentos”, já que The Walking Dead definitivamente tem mais altos do que baixos. E mesmo os “piores” momentos não passam de amor bruto – não abandonaremos o show nunca. Então aqui enumeramos três candidatos ao mais frustrante momento de 2013. Confira a lista e deixe sua opinião nos comentários abaixo.

1. Andrea morre, o Governador sobrevive

Andrea-Governador-The-Walking-Dead

Toda a história de Andrea para a terceira temporada é questionável. Por que eles a transformaram na garota ingênua que se apaixona pelo cara errado e fica com o estranho bonitão, e não com sua amiga? O fato de Andrea ser a última a saber de tudo apenas a tornou uma idiota aos olhos do público. É uma vergonha, já que ela é uma excelente personagem nos quadrinhos e sobrevive por muito mais tempo (Na verdade, ela ainda está viva na HQ neste momento).

A pior parte foi vê-la naquela cadeira, durante o season finale da terceira temporada, apenas olhando para Milton e conversando com ele, enquanto o mesmo se preparava para morrer. Ela simplesmente disse “Eu tentei”, e teve sua partida melancólica.

Laurie Holden mais tarde disse que, se ela fosse um dos roteiristas, as coisas teriam sido muito diferentes. O Governador teria morrido – preferivelmente antes de massacrar seu próprio povo – e Andrea seria mais como a equivalente da HQ. Pena… sem dúvidas teríamos uma grande personagem se ela tivesse sido desenvolvida adequadamente.

2. Os novos amigos do Governador concordam com a guerra

governador-grupo-the-walking-dead-4-temporada

Veja, o Governador é sedutor, carismático, manipulador. Entendemos. Andrea certamente concorda! Mas vamos lá! Ele faz um discursinho aos seus novos amigos no velho acampamento de Martinez e, de repente, eles estão todos concordando que é válido atacar a prisão e tomar para eles? Mesmo que isso signifique matar a todos? Eles sequer estavam em perigo imediato.

Lilly disse que eles poderiam simplesmente ficar lá, uma vez que o acampamento era o novo “lar”, o que parecia ser uma opção justa. Poderia ser diferente se eles tivessem sob constante ataque, ou passando fome, mas eles estavam jogando golfe, se reunindo para beber cerveja e passando o tempo. Não havia nenhum ímpeto para a guerra. Por que essas pessoas desejariam arriscar suas vidas pela palavra de um cara que eles sequer conhecem, para tomar um lugar que eles sequer precisavam?

3. A morte aleatória de Meghan

lilly-meghan-the-walking-dead-4-temporada

Realmente, foi muito legal ver um walker literalmente sair de sua tumba daquela maneira. Legal. Mas que final aleatório para Meghan. Primeiro, sua mãe Lilly simplesmente está contemplando o rio, enquanto um walker leeeeeeeeeeeeeeeentamente anda pelas águas, então Meghan acidentalmente ajuda a desenterrar um walker, e acaba mordida. Boom. Simples assim, sua história terminou. De volta à guerra na prisão!

Durante o midseason finale Lilly aparece carregando o corpo morto de Meghan. O Governador atira em sua cabeça, matando-a novamente, e retorna à briga. Sim, entendemos que Meghan morreria em algum momento, mas pareceu uma saída apressada e sem qualquer outro significado, além de mostrar como o Governador está perdendo tudo o que conseguiu. Esta doce menina que aprendemos a conhecer em dois episódios simplesmente morreu em segundos! Não deveria haver mais impacto? Pelo menos a morte de Hershel teve um contexto e um significado.

Você discorda? Estamos sendo excessivamente críticos? Você sugere outros momentos de frustração ou pensam que todos os momentos foram perfeitos até esse ponto? Deixe sua opinião nos comentários abaixo.

The Walking Dead, a história de drama mais assistida da TV a cabo, irá retornar com os oito últimos episódios da quarta temporada no dia 09 de Fevereiro de 2014 na AMC e 11 de Fevereiro de 2014 na FOX Brasil.

Fiquem ligados aqui no Walking Dead Brasil e em nossas redes sociais @TWDBrasil no twitter e Walking Dead Br no facebook para ficar por dentro de tudo que rola no universo de The Walking Dead.


Fonte: Wetpaint
Tradução: @BinaPic / Staff Walking Dead Brasil

Continue lendo

EM ALTA